Ghoul

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
NoFonti.svg
Este artigo ou se(c)ção cita uma ou mais fontes fiáveis e independentes, mas ela(s) não cobre(m) todo o texto (desde março de 2014).
Por favor, melhore este artigo providenciando mais fontes fiáveis e independentes e inserindo-as em notas de rodapé ou no corpo do texto, conforme o livro de estilo.
Encontre fontes: Googlenotícias, livros, acadêmicoYahoo!Bing. Veja como referenciar e citar as fontes.
Searchtool.svg
Esta página ou secção foi marcada para revisão, devido a inconsistências e/ou dados de confiabilidade duvidosa (desde março de 2014). Se tem algum conhecimento sobre o tema, por favor, verifique e melhore a consistência e o rigor deste artigo. Considere utilizar {{revisão-sobre}} para associar este artigo com um WikiProjeto e colocar uma explicação mais detalhada na discussão.

O ghoul (do inglês, pronunciado "gul") é um monstro folclórico associado com cemitérios e que consome carne humana, comumente classificado como morto-vivo. Na mitologia árabe (na língua árabe, literalmente, significa demônio), sua origem, é um monstro canibal que habita debaixo da terra e outros lugares desabitados. O nome de origem da criatura é الغول (ghūl), significando demônio. O ghoul é uma espécie de gênio diabólico árabe que muda de forma. Geralmente é traduzido para o português brasileiro como carniçal. Resumindo para forma coloquial brasileira seria algo para Zumbi.

Da língua árabe, o termo الغول, "al-ghūl", significa "o ghoul" e seu nome feminino é "ghouleh", enquanto o plural é "ghilan". Ghoul então é o nome de um demônio habitante de desertos que assalta túmulos, bebe sangue, rouba moedas, come cadáveres e que assume a forma de sua última presa. A literatura popular mais antiga que faz referência ao ghoul é As Mil e Uma Noites.

A estrela Algol tem seu nome originário da criatura.

No Irã[editar | editar código-fonte]

Na mitologia iraniana, ghouls são bestas parecidas com os humanos, apenas maiores e mais ameaçadoras, mas não necessariamente más. Muitos falantes da língua farsi se referem a ghuls como sendo pessoas altas (não sendo necessariamente um insulto).

Referências fictícias[editar | editar código-fonte]

Literatura[editar | editar código-fonte]

O Poeta Lord Byron referiu-os no poema “The Giaour” #1813#: “…Go - and with Gouls and Afrits rave; / Till these in horror shrink away…”[1]

Há referência a esta criatura mitológica na clássica obra da literatura árabe, "As Mil e Uma Noites", da qual se retira a seguinte passagem: "Não ignorais que as goules de um e de outro sexo são demônios errantes. Vivem geralmente nas ruínas, de onde se lançam de repente sobre os transeuntes, a quem matam e cuja carne devoram. Quando estes faltam, vão de noite aos cemitérios para alimentar-se da carne dos mortos" [GALLAND, Antoine. As Mil e Uma Noites. Trad. Alberto Diniz. v. 2, Ediouro, 2002, p. 377].

Nos contos de H. P. Lovecraft se tem uma ótima retratação desses seres, tem feições caninas, pele escamosa e pelos em algumas partes do corpo, costumam andar em grupos organizados e não são seres totalmente maus, já que podem fazer amizade com humanos e até ajuda-los. Geralmente os humanos que tem amizade com eles costumam se transformar em Ghouls naturalmente.

Na novela de Bram Stoker Drácula, o personagem Reinfield, que foi hipnotizado pelo vampiro para ser seu servo é muitas vezes descrito como tendo características de um ghoul.

Os Morlocks são espécies mitológicas de ghouls canibais presentes em vários contos de RPG.

Em As Crônicas de Nárnia, de C.S.Lewis, feios e perigosos ghouls estão na Mesa de Pedra com a Feiticeira Branca na morte de Aslam. No filme de 2005, os ghouls são orcs pequenos e pálidos que carregam lanças.

Em Harry Potter, ghouls são criaturas inofensivas que vivem em casas de bruxos, fazendo barulho e ocasionalmente grunhindo. O contexto sugere que, no universo de Harry Potter, ghouls estão mais próximos de animais do que de seres humanos. Na versão brasileira, ghouls são chamados "vampiros".

No livro Os ritos do Dragão de Greg Stolze, Drácula refere se a si como ghoul, pois é assim que os muçulmanos chamam as criaturas como ele.

Folclore brasileiro[editar | editar código-fonte]

Existe o mito da criatura chamada de Papa-figo, "figo" no sentido de fígado. Um homem velho que perambula pelos cemitérios à noite, violando túmulos para se alimentar dos fígados dos cadáveres.

Jogos e televisão[editar | editar código-fonte]

No jogo Wizard101 é um feitiço de ataque da escola da morte. Monstra uma espécie de zumbi com terno e cartola desgastados e uma pá.

O filme britânico The ghoul, de 1933, conta a história de uma besta egípcia que tem algumas relações com o deus Anúbis.

A série Sobrenatural no episódio 4x19 (O Irmão) descreve ghouls como criaturas das sombras, que se alimentam de cadáveres e eventualmente de gente viva e que após se alimentarem assumem a forma e as lembranças do defunto do qual se alimentaram.

No mangá Rosario+Vampire o personagem principal, Tsukune, se transforma em um Ghoul após receber o sangue da vampira Moka. Aqui eles tomam características semelhantes às dos vampiros.

No jogo Tibia, Ghoul são seres que os jogadores o assimilam a um tipo de zumbi, é tachado como um Undead(Morto-Vivo)

No jogo Warcraft 3 e nos outros da série, ghouls são seres canibais e os monstros básicos da raça dos Mortos-Vivos (Undead).

Em Monster in My Pocket#37, o ghoul é um monstro com grandes dentes, muda de forma e carrega uma pá.

No anime Hellsing, ghoul é um tipo de escravo do vampiro. Uma vez o vampiro ter mordido um humano, este pode se transformar ou em vampiro ou em ghoul(depende do vampiro). No anime, sua pele é cinza, e seus poderes semelhantes aos do vampiro, porém eles não tem consciência.

Na serie de jogos Fallout, Ghouls eram humanos que sofreram prolongada exposição a radiação, porem em quantidade não suficiente para mata-los, que vivem geralmente em túneis de trem e locais escuros. São criaturas deformadas com a pele necrosada, voz rouca, estéreis, porem ágeis e fortes, com expectativa de vida superior a dos humanos e resistentes a radiação. Vem em duas variações: ghouls inteligentes, que agem como pessoas comuns; e feral ghouls, que são iguais zumbis selvagens.

No MMORPG Ragnarok Online, os Ghoul ou Carniçais(versão em português) são criaturas semelhantes aos Zombies, porém mais poderosos e que rendem maior quantidade de experiência. Eles são da propriedade Morto-Vivo(Undead).

No jogo The Elder Scrolls III: Morrowind, há uma criatura chamada Ash Ghoul, que são monstros humanóides com nariz de tamanduá no lugar do rosto e pele cinzenta. São servos de Dagoth Ur, e podem transmitir doenças ao jogador.

Na série de jogos de luta Darkstalkers, onde os personagens costumam ser monstros como lobisomens e vampiros, há um ghoul, conhecido como Lord Raptor, que antes de ser ressucitado como ghoul era um astro de uma banda de metal que se suicidou em um show ao vivo. Do contrário de ghouls comuns, é racional e não tem vontade de carne humana. Usa seus ossos como armas pontudas e uma de suas pernas se torna uma motosserra.

No jogo Batman Arkham City, que faz parte do Universo DC (via DC Comics) existe o Ra's Al Ghul seria um dos vilões de Batman

[editar | editar código-fonte]

[editar | editar código-fonte]

Referências