Gilda Abreu

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Gilda de Abreu
Nascimento 23 de setembro de 1904
Paris, França
Morte 4 de junho de 1979 (74 anos)
Rio de Janeiro, RJ
Cônjuge Vicente Celestino (1933-1968)(morte dele)
José Spinto (até 1979)(sua morte)
IMDb: (inglês) (português)

Gilda de Abreu (Paris, 23 de setembro de 1904Rio de Janeiro, 4 de junho de 1979) foi uma cineasta, atriz, cantora, escritora e radialista brasileira.

Biografia[editar | editar código-fonte]

Filha de um diplomata brasileiro e de uma cantora lírica, começou como atriz de teatro em 1933, passando ao cinema no papel principal da comédia romântica "Bonequinha de Seda", produzida por Ademar Gonzaga, em 1936.

Foi uma das primeiras mulheres a dirigir filmes no Brasil, fazendo estrondoso sucesso com o melodrama "O Ébrio" de 1946, sobre a ascensão e decadência de um cantor em virtude de uma decepção amorosa e do alcoolismo. O papel principal foi de seu marido, o cantor e compositor Vicente Celestino, com quem se casou em 1933.

Dirigiu também os dramas "Pinguinho de Gente", uma história ingênua e simplória, em 1947, "Coração Materno", onde também atuou como atriz e roteirista, em 1951, ao lado de Vicente Celestino, e "Chico Viola não Morreu", documentário sobre a vida e as canções de Francisco Alves.

Foi cantora lírica e de operetas, autora de radionovelas, das peças teatrais "Aleluia", "A Mestiça", "Arca de Noé" e "Alma de Palhaço" e de vários livros, dois deles sobre o marido, que morreu em 1968. Quando ela morreu estava casada com José Spinto.

Ligações externas[editar | editar código-fonte]