Giovanni Maria Lancisi

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Giovanni Lancisi
Medicina e anatomia
Retrato de Giovanni Maria Lancisi
Dados gerais
Nome de nascimento Giovanni Maria Lancisi
Nacionalidade Itália italiano
Nascimento 25 de outubro de 1654
Local Roma
Morte 20 de Janeiro de 1720 (65 anos)
Local Roma
Atividade
Campo(s) Medicina e anatomia
Alma mater Universidade de Roma
Conhecido(a) por Malária, doenças cardiovasculares

Giovanni Maria Lancisi (Roma, 25 de outubro de 1654 — Roma, 20 de Janeiro de 1720) foi um médico e cientista italiano.

Biografia[editar | editar código-fonte]

Nascido em Roma e criado em Orvieto, retornou aos 12 anos à cidade natal. Ao término dos estudos primários ingressou na faculdade de Medicina, obtendo sucesso em pouco tempo. Graduado em Filosofia e Medicina em 1672, em 1676 obtem o cargo de médico assistente no Hospital pontífice de Santo Spirito em Saxia.

Em 1685 lhe foi oferecida a cátedra de Anatomia, de onde saiu em 1695 para passar à cátedra de medicina teórica. Nomeado Arquiatra pelos papas Inocêncio XI e Inocêncio XII e depois confirmado por Clemente XI. Por esse motivo foi membro laico da família pontífice. Deixou sua rica biblioteca de volumes e manuscritos ao Hospital di S. Spirito, junto com uma renda que permitiu fundar a atual Biblioteca Lancisiana. É reconhecido unanimemente como um dos mais importantes médicos de tradição italiana.

Obras[editar | editar código-fonte]

Anatomista, fisiólogo, botânico, se dedicou também à literatura e às antiguidades. No campo da Anatomia o seu nome está ligado às estrias longitudinais mediais do corpo caloso e à edição da Tabulae anatomicae de Bartolomeo Eustachio (1714). Publicou também a Metallotheca di Michele Mercati (1717).

Entre as obras de medicina de Lancisi estão De subitaneis mortibus (1707), a Dissertação de recta medicorum studiorum ratione instituenda (1715), e o póstumo De motu cordis et aneurysmatibus (1728), com os quais contribuiu ao desenvolvimento da fisiopatologia cardiocirculatória, distinguindo a hipertrofia da dilatação do coração e estudando as origens dos aneurismas.

Afirmou a possibilidade da transmissão da malária por meio do mosquito, encorajando a combate ao mesmo. Em De bovilla peste (1712) e no sucessivo De noxiis paludum effluviis eorumque remediis (1717) defende a concepção original, do contato de doenças intervivos, principalmente sobre os que eram contra a contaminação por aspiração de partículas ácidas e corrosivas. Destinado a ensinar a historia da medicina moderna, se propôs a estudar a etiologia da sarna proposta por Giovanni Cosimo Bonomo e Diacinto Cestoni. Houve muita controvérsia entre Lancisi e Bonomo.

Referências[editar | editar código-fonte]

Este texto faz parte do Projeto Mille anni di scienza in Italia, obra do Istituto Museo di Storia della Scienza di Firenze.

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Ícone de esboço Este artigo sobre uma pessoa é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.