Giovanni dalle Bande Nere

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
João de Médici
Gbnere pace 1.jpg
Retrato de Giovanni por Gian Paolo Pace, Galeria Uffizi, Florença.
Conhecido(a) por dalle Bande Nere
Nascimento 5 de abril de 1498
Forlì
Morte 30 de novembro de 1526 (28 anos)
Mantua
País Estados Pontifícios
Anos em serviço 1516 - 1526
Hierarquia condottiero
Batalhas/Guerras Guerras Italianas
Batalha de Pavia

João de Médici, mais conhecido por Giovanni dalle Bande Nere (5 de Abril de 1498 - 30 de Novembro de 1526) foi um condottiero italiano do Renascimento.

Biografia[editar | editar código-fonte]

Nasceu em Forlì, filho de João de Médici (il Popolano) e Catarina Sforza, uma das mulheres mais famosas do Renascimento.

Já desde uma idade pequena mostrou uma grande aptidão para as atividades físicas e de combate; logo aprende a esgrima e hipismo. Aos 12 anos cometeu seu primeiro assassinato e devido ao seu comportamento foi por duas vezes expulso de Florença.

Casou-se com Maria Salviati e teve um filho, Cosme I de Médici (1519-1574), que chegou a ser Grã-Duque de Florença.

João fez-se condottiero, prestando seus serviços ao Papa Leão X - João Lourenço de Médici, primo de sua mãe - e recebeu seu "batismo de fogo" aos dezoito anos, na guerra contra Francesco Maria della Rovere, Duque de Urbino, que venceu em 22 dias.

Em dezembro de 1521, com a morte de Leão X, João acrescentou a suas insígnias umas palas (bandas) negras, em sinal de luto por seu protetor e parente. Daí vem seu apelido, em italiano "dalle Bande Nere" e de seu batalhão de mercenários, os Bandas Negras.

Estátua de João na Galeria Uffizi, mandada esculpir por seu filho Cosme

Depois de uma curta mas ilustre vida militar, João morreu em consequência de uma gangrena, em Mântua, a 30 de novembro de 1526, quatro dias após ter recebido um golpe de falconete, numa batalha próximo a Governolo, contra os lansquenês do Sacro Império Romano-Germânico. A prematura morte de João marcou o fim da era dos condottieri e suas táticas de guerra, muito focadas na cavalaria pesada, que haviam perdido para a artilharia móvel. João é lembrado, assim, como o último grande condottiero. Sua reputação deve-se, em parte, a Pietro Aretino, seu amigo íntimo e autor de versos eróticos muito comentados na época. Aretino esteve presente em seu leito de morte e numa famosa carta descreveu a cena - foram necessários 10 homens para segurá-lo enquanto lhe amputavam a perna - e a coragem do amigo ante a morte.

Ver também[editar | editar código-fonte]

Ícone de esboço Este artigo sobre uma pessoa é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.