Giruá

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Município de Giruá
"Capital da produtividade"
Bandeira desconhecida
Brasão de Giruá
Bandeira desconhecida Brasão
Hino
Aniversário 28 de janeiro
Fundação 28 de janeiro de 1955 (59 anos)
Gentílico giruaense
Prefeito(a) Angelo Fabiam Duarte Thomas (PDT)
(2013–2016)
Localização
Localização de Giruá
Localização de Giruá no Rio Grande do Sul
Giruá está localizado em: Brasil
Giruá
Localização de Giruá no Brasil
28° 01' 40" S 54° 21' 00" O28° 01' 40" S 54° 21' 00" O
Unidade federativa  Rio Grande do Sul
Mesorregião Noroeste Rio-grandense IBGE/2008 [1]
Microrregião Santo Ângelo IBGE/2008 [1]
Municípios limítrofes Santa Rosa, Três de Maio, Independência, Catuípe, Santo Ângelo, Sete de Setembro e Senador Salgado Filho
Distância até a capital 474 km
Características geográficas
Área 855,923 km² [2]
População 17 085 hab. Censo IBGE/2010[3]
Densidade 19,96 hab./km²
Altitude 420 m
Clima subtropical úmido
Fuso horário UTC−3
Indicadores
IDH-M 0,775 alto PNUD/2000 [4]
PIB R$ 276 099,116 mil IBGE/2008[5]
PIB per capita R$ 15 956,72 IBGE/2008[5]
Página oficial

Giruá é um município brasileiro do Estado do Rio Grande do Sul.

Etimologia[editar | editar código-fonte]

Giruá teve outros dois nomes: J'erivá e Passo das Pedras.

História[editar | editar código-fonte]

Em 1682, a administração espanhola ordenou que os jesuítas atravessassem novamente o rio Uruguai para fundar novas reduções no noroeste do atual Estado do Rio Grande do Sul, pois as 18 reduções fundadas anteriormente haviam sido destruídas pelos bandeirantes brasileiros e exploradores portugueses. Os jesuítas começaram a voltar às suas antigas terras e em 1687 foi fundado o primeiro dos Sete Povos das Missões: São Francisco de Borja, seguido por São Miguel Arcanjo, São Nicolau, São Luiz Gonzaga, São Lourenço Mártir, São João Batista e Santo Ângelo Custódio.

O território de Giruá pertenceu à redução de Santo Ângelo Custódio. Ele era habitado, inicialmente, por índios guaranis e possuía uma vegetação muito peculiar do Rio Grande do Sul: as matas de butiazeiros. O butiá (butiá jataí | Butia yatay) é uma pequena fruta amarela de cachos dourados e que os indígenas chamavam de J'erivá. Daí vem o primeiro nome do município.

A colonização de Giruá iniciou em meados de 1800, com a chegada de imigrantes europeus ao Rio Grande do Sul, vindos, principalmente, da Alemanha, Suécia, Letônia, Polônia, Rússia, Suíça e Itália. Como eles encontraram dificuldade em pronunciar J'erivá, acabaram pronunciando Giruá, nome que se mantém até hoje.

Após a criação do município de Rio Pardo, em 1809, Giruá passou a integrá-lo. Anos depois, fez parte de Cachoeira do Sul (a partir de 1819) e Cruz Alta (a partir de 1834). Em 1873, com a emancipação de Santo Ângelo, todo o território de Giruá passou a fazer parte do mesmo e, em 1927, tornou-se o 11.° Distrito de Santo Ângelo, com o nome de Passo das Pedras, em razão do rio de pedras que dava acesso à localidade. Mais tarde, seu nome foi substituído por Giruá, através da Lei n.° 29 de 26 de junho de 1928. Neste mesmo ano, Giruá teve inaugurada sua estrada de ferro, o que é lembrado como o marco de desenvolvimento no município.

Em 1931, com a emancipação do município vizinho de Santa Rosa, que veio a resultar na alteração da divisão do território de Santo Ângelo, Giruá passou a constituir o 5.° Distrito de Santa Rosa.

Impulsionado pelo progresso e anseio de desenvolvimento e emancipação, em 1953 um grupo liderado por Aládio Ferreira reuniu-se para tomar a frente da atitude que iria mudar o futuro de Giruá. A emancipação político-administrativa tornou-se realidade em 28 de janeiro de 1955, tendo sido eleito como Prefeito Athaíde Pacheco Martins e como Vice-Prefeito Haroldo Kegler, assim como os primeiros Vereadores que constituíram a Câmara Municipal de Vereadores. A solenidade de posse ocorreu em 31 de dezembro de 1955.

  • Ex-Prefeitos e Ex-Vice-Prefeitos de Giruá: 1955 a 1959: Athaíde Pacheco Martins e Haroldo Kegler; 1959 a 1963: Miguel Francisco Szostkiewicz e Aládio Ferreira da Silva; 1963 a 1967: Aládio Ferreira da Silva e Jacinto Edemar Renz; 1968 a 1972: Olmiro Callai e Alfredo Kraemer; 1972 a 1977: Darci Leopoldo Uhry e Elso Pilau; 1977 a 1983: Cláudio Flávio Weschenfelder e Almiro Bernardo Berwanger; 1983 a 1989: Lauri Antônio Thomas e Bruno Silveira Machado; 1989 a 1992: Humberto Vionei Weschenfelder e Edegar Martin; 1993 a 1996: Luiz Antônio Giovelli e Moacir Marchi; 1997 a 2000: Dari Paulo Prestes Taborda e dinir Antonio Garbinato; 2001 a 2004: José Jocemir Alves da Silva e Elvio Bidal Garcia; 2005 a 2008: Dari Paulo Prestes Taborda e Antônio Carlos Dalla Costa; 2009 a 2012: Ângelo Fabiam Duarte Thomas e Elton Mentges; 2013 a 2016: Ângelo Fabiam Duarte Thomas e Elton Mentges.

Atualmente, Giruá é formado por oito Distritos: 1.º Distrito Sede, 2.º Distrito Mato Grande, 3.º Distrito Cândido Freire, 4.º Distrito XV de Novembro, 5.º Distrito São Paulo das Tunas, 6.º Distrito Vila dos Mellos, 7.º Distrito Rincão Maciel e 8.° Distrito Boca da Picada.

Atualmente, Giruá é formado por 17 Bairros: Bairro Canova, Bairro Zimpel, Bairro Herberto Schneider, Bairro Prestes, Bairro Santa Fé, Bairro Hortêncio, Bairro Santa Rita, Bairro Leimann, Bairro São José, Bairro Mucha, Bairro Nova, Bairro Santo Antônio, Bairro Promorar, Bairro Morada do Sol, Bairro Moura, Bairro Seger e Bairro Centro.

Geografia[editar | editar código-fonte]

Pertence à Mesorregião do Noroeste Rio-Grandense e à Microrregião de Santo Ângelo.

Bioma: Mata Atlântica.

  • Acesso à Giruá: via Rodovia RS 344.
  • Municípios limítrofes: NORTE: Três de Maio; SUL: Santo Ângelo; LESTE: Catuípe; OESTE: Senador Salgado Filho; NORDESTE: Independência; NOROESTE: Santa Rosa; SUDOESTE: Sete de Setembro.
  • Principais rios: Santa Rosa, Comandaí, Santo Cristo e Cascavel, que fazem parte da Bacia Hidrográfica do Rio Uruguai.
  • Giruá pertence à Associação dos Municípios das Missões (AMM) e integra as rotas turísticas Missões e do Rio Uruguai.

Economia[editar | editar código-fonte]

Aproveitando seu rico solo vulcânico de origem basáltica, Giruá tem como base econômica a agricultura. O comércio também tem grande representatividade na composição de sua economia. A agropecuária predomina na economia do município, ocupando 67 hectares agricultáveis, através das culturas de soja, trigo, linhaça, milho, canola e girassol. A diversidade e eficiência produtiva, aspectos sempre buscados pelos produtores giruaenses, levaram Giruá a galgar o título de Capital da Produtividade, o qual vem sendo retomado e ressignificado a cada safra.

Soja Bastante adaptada as condições de clima do Estado e da região, a soja é a cultura mais produzida atualmente no município, com cerca de 57 mil hectares, o que coloca Giruá, segundo os dados do IBGE, em 8º lugar no Rio Grande do Sul em área plantada. Em condições de safra normal, a produtividade média fica entre 35 e 40 sacas por hectare.

Trigo De acordo com o IBGE, Giruá é o 4º maior produtor de trigo do Brasil, com uma produção, em 2008, de 66 mil toneladas e uma área plantada de 26 mil hectares, ficando atrás apenas de Tibagi (PR), Campos Novos (SC) e Londrina (PR) com produções de 128 mil toneladas, 72,6 mil toneladas e 70,4 mil toneladas, respectivamente.

Milho Conforme as informações do IBGE, a área plantada de milho no município é de 5 mil hectares, sendo que esta cultura tem atingido, em condições de safra normal, uma produtividade média em torno de 3,6 mil kg por hectare.

Girassol De acordo com os dados atuais do IBGE, Giruá possui uma área plantada de 1,5 mil hectares de girassol, atingindo em condições de safra normal uma produtividade média em torno de 1,5 mil kg por hectare.

Linhaça Giruá é um grande produtor de linhaça. Conta atualmente com uma área de 2 mil hectares para esta cultura. A cultura vem alcançando, em média, uma produtividade de 720 kg por hectare.

Canola No Rio Grande do Sul, a canola tem um potencial produtivo médio entre 1,2 mil a 1,5 mil kg por hectare. De acordo com o IBGE, no município se produz 500 hectares da cultura, com uma produtividade estimada em 720 kg por hectare. A tendência é que a produção se amplie significativamente em Giruá, devido à abertura de novos mercados voltados à derivação da canola, sobretudo do farelo e do óleo, através de novas empresas de transformação no município.

No topo do Ranking - 8º maior produtor de soja do RS - 4º maior produtor de trigo do Brasil - Maior produtor de linhaça do RS - 3º maior produtor de girassol do RS

Bacia Leiteira Além do grande potencial agrícola, Giruá vem se destacando através de sua bacia leiteira. Muitos produtores rurais voltaram a investir no setor como forte alternativa de fonte de renda. Hoje, o município ocupa os primeiros postos na produção estadual de leite, com mercado em crescente produção.

Filhos ilustres[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. a b Divisão Territorial do Brasil Divisão Territorial do Brasil e Limites Territoriais Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) (1 de julho de 2008). Visitado em 11 de outubro de 2008.
  2. IBGE (10 out. 2002). Área territorial oficial Resolução da Presidência do IBGE de n° 5 (R.PR-5/02). Visitado em 5 dez. 2010.
  3. Censo Populacional 2010 Censo Populacional 2010 Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) (29 de novembro de 2010). Visitado em 11 de dezembro de 2010.
  4. Ranking decrescente do IDH-M dos municípios do Brasil Atlas do Desenvolvimento Humano Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD) (2000). Visitado em 11 de outubro de 2008.
  5. a b Produto Interno Bruto dos Municípios 2004-2008 Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Visitado em 11 dez. 2010.

Ver também[editar | editar código-fonte]

Ligações externas[editar | editar código-fonte]


Ícone de esboço Este artigo sobre municípios do estado do Rio Grande do Sul é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.