Giuseppe Di Stefano

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Giuseppe Di Stefano
Nascimento 24 de Julho de 1921
Motta Sant'Anastasia
Morte 3 de Março de 2008 (86 anos)
Santa Maria Hoè
Nacionalidade Itália Italiano

Giuseppe Di Stefano (Motta Sant'Anastasia, 24 de Julho de 1921Santa Maria Hoè, 3 de Março de 2008) foi um tenor de ópera italiano.

Nascido em 24 de julho de 1921, na província de Catânia, Sicília,[1] sua voz tinha um timbre aveludado e uma sonoridade suave. Começou a destacar-se no cenário lírico internacional no fim dos anos 1940, atuando na Itália, México e diversos outros países. O apogeu da fama, nos anos 1950, acabou coincidindo com o início de sua decadência, no final daquela década, quando sua voz começou a perder a flexibilidade e suavidade anteriores, provavelmente devido a uma certa indisciplina e desleixo quanto à sua própria carreira e ao fato de que, a partir de então, começou a adicionar a seu repertório papéis para tenor lírico-spinto e até dramático, o que acabou por danificar sua voz essencialmente lírica.

Suas intepretações mais conhecidas foram feitas ao lado de Maria Callas, com quem formou um famoso par operístico e manteve, durante certo tempo, um relacionamento amoroso. A primeira apresentação conjunta deles ocorreu em São Paulo, no Brasil, em La Traviata, de Verdi, no ano de 1951.

Di Stefano se notabilizou, além da beleza de sua voz e de sua dicção exemplar, pela marcante carga dramática que imprimia a seus papéis, sendo, por isso, considerado um parceiro ideal de outra grande cantora-atriz da época, Maria Callas. Entretanto, ele atuou com as mais diversas cantoras de sua geração, como Renata Tebaldi e Leontyne Price, tendo sido um cantor extremamente versátil e prolífico enquanto durou seu apogeu. Suas maiores interpretações foram, sobretudo, no repertório italiano do Bel Canto (por exemplo, no Edgardo de Lucia di Lammermoor) e do verismo (Canio, em I Pagliacci, ou Mario Cavaradossi, em Tosca), bem como nas óperas de Giuseppe Verdi (Alfredo, em La Traviata, e Alvaro, em La Forza del Destino, dentre outros)

Nos anos 1970, Giuseppe di Stefano voltou aos palcos em uma turnê de cerca de dois anos ao lado de Maria Callas. Contudo, o estado vocal desgastado dos dois era então notório, e a turnê, embora sucesso de público, não teve grandes conquistas artísticas.

Gravações com Maria Callas[editar | editar código-fonte]

Ao longo de sua carreira, Di Stefano cantou muitas vezes e gravou outras vezes com a célebre soprano Maria Callas. Eles gravaram pela EMI. Essas gravações são:

No entanto, algumas de suas gravações ao vivo com Maria Callas são ainda mais célebres do que as de estúdio, com o engajamento dramático dos dois cantores ainda mais nítido. Podem ser destacadas estas apresentações:

Referências

  1. Obituaries in the News (em inglês) AP. The Washington Post (03 de março de 2008). Página visitada em 02 de março de 2014.
  • The Oxford Dictionary of Opera, por John Warrack e Ewan West (1992), 782 páginas, ISBN 0-19-869164-5
Ícone de esboço Este artigo sobre uma pessoa é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.