Glicério (imperador)

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
(Redirecionado de Glicério (imperador romano))
Ir para: navegação, pesquisa
Glicério
Imperador romano
Glicerio - MNR Palazzo Massimo.jpg
Efígie de Glicério em uma moeda
Governo
Reinado 420472
Antecessor Olíbrio
Sucessor Júlio Nepos
Vida
Nome completo (Flavius) Glicério
Glicérius[1]
Nascimento ca. 420
Morte após 480

Glicério[2] (em latim Glicerius) (c. 420 — após 480) foi um imperador romano do Ocidente de 473-474.[3] Elevado por seu magister militum Gundebaldo, Glicério foi rejeitado pela corte em Constantinopla[4] [5] e deposto por Júlio Nepos. Mais tarde, serviu como bispo de Salona na Igreja Católica primitiva.

Nascido no Noroeste da Itália, próximo a Milão, foi proclamado imperador ao final de uma guerra civil, em Ravena pelo comandante do exército da Itália, o general Gundebaldo.

Glicério era um conde dos cadetes (comes domesticorum), quando se tornou imperador. Foi deposto por Júlio Nepos — comandante militar da Dalmácia e um dos últimos imperadores romanos do Ocidente —, pouco tempo depois de desviar uma invasão de ostrogodos da Itália para a Gália.

Na primavera de 474, as portas reabertas e Júlio Nepos cruzaram o Mar Adriático para a Itália para depor Glicério.[6] Quando Nepos dominou Óstia, Glicério entregou-lhe o poder sem resistência. Depois foi nomeado bispo de Salona, na Dalmácia (atual Solin, na Croácia), onde supõe-se que tenha morrido.[4] Nessa condição, foi confessor do próprio Nepos, que seria assassinado em 480.

Referências

  1. Béranger, Jean, L'abdication de l'empereur romain, (Comptes-rendus des séances de l'Académie des inscriptions et belles-lettres, 1979, Vol. 123, Nº. 2), pgs. 357-379. No entanto, a prosopografia do final do Império Romano não menciona o nome de Flavius ​​para ele, e ele pode não ser contemporâneo.
  2. Martindale, pg. 514
  3. Bury, pg. 274
  4. a b Canduci, pg. 169
  5. O historiador Jordanes em meados do início do século sexto deixou claro que, tanto quanto a corte oriental estava em causa, Nepos era o sucessor direto de Antêmio: "Depois que Antêmio tinha sido morto em Roma, Zeno, através de seu cliente Domiciano, nomeado como imperador o filho de Nepos, Ravenna Nepotianus, que haviam sido unidos em matrimônio para sua sobrinha. Nepos, tendo tomado posse legal do Império, depois Glicério, que se impôs sobre o Império de forma tirânica, se fez bispo de Salona na Dalmácia".
  6. Dumbarton Oaks, pg. 263

Leitura adicional[editar | editar código-fonte]

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Precedido por
Olíbrio
SPQRomani.svg
Imperador romano do Ocidente
473 — 474
Sucedido por
Júlio Nepos
Ícone de esboço Este artigo sobre uma pessoa é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.