Glioblastoma multiforme

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Glioblastoma multiforme
Glioblastoma observado em ressonância magnética
Classificação e recursos externos
CID-10 C71
CID-9 191
OMIM 137800
DiseasesDB 29448
MeSH D005909
Star of life caution.svg Aviso médico

O glioblastoma multiforme é o tipo de tumor cerebral primário mais comum e mais agressivo em seres humanos. Constituído de células da glia, este tipo de cancro é responsável por 52% de todos os tumores cerebrais parenquimatosos. É mais frequente em adultos entre os 35 e os 70 anos de idade. Não costuma ter um caráter familiar.

Depois dos gliomas do tronco cerebral, o glioblastoma multiforme é o que tem pior prognóstico dentre os cânceres do sistema nervoso central, apesar da utilização de diversas modalidades terapêuticas. O prognóstico é ruim, com um tempo de sobrevivência médio de aproximadamente 14 meses.[1]

Sinais e sintomas[editar | editar código-fonte]

Embora os sintomas comuns da doença incluem convulsões, náusea e vômitos, dor de cabeça e hemiparesia, o sintoma único mais prevalente é um déficit de memória, personalidade ou neurológico progressivo devido ao envolvimento do lobo frontal ou do temporal. Os tipos de sintomas produzidos dependem muito da localização do tumor, mais do que de suas propriedades patológicas. O tumor pode começar a produzir sintomas rapidamente, mas ocasionalmente ele é uma doença assintomática até que atinja um tamanho significativo.

Diagnóstico[editar | editar código-fonte]

Imagem 1b. RM sagital com contraste de um glioblastoma grau IV da OMS em um menino com 15 anos de idade.
Glioblastoma (lâmina histológica)

Quando visto através da ressonância magnética, os glioblastomas frequentemente aparecem como lesões com realce em anel. No entanto, esta aparência não é específica, já que outras lesões como abscessos, metástases e esclerose múltipla tumefativa podem ter uma aparência similar.[2]

O diagnóstico definitivo do glioblastoma multiforme requer uma biópsia estereotática ou uma craniotomia com ressecção do tumor e confirmação patológica.

Patogênese[editar | editar código-fonte]

O glioblastoma surge no próprio cérebro, mais especificamente dos astrócitos, que são células responsáveis por algumas funções desta área nobre do ser humano. Quando um tumor tem sua origem definida pelos astrócitos, diz-se que é um astrocitoma. Um glioblastoma é um tipo de astrocitoma e seu grau de malignidade é o mais avançado (grau IV), ou seja, extremamente agressivo. É mais frequente em adultos entre os 35 e os 70 anos de idade, mas não é incomum ocorrer em outras idades.

O grande problema deste tipo de tumor é o seu rápido crescimento, e mesmo após a cirurgia, um novo aumento é esperado. Além disso há infiltração de células tumorais isoladas no tecido cerebral aparente normal há 7 cm de profundidade além da periferia da lesão. Mesmo que a operação remova 99,99% do tecido neoplásico, o restante infiltrado no tecido ou mínimo resíduo local é capaz de se multiplicar e dependendo do caso, volta ao tamanho inicial em até 30 dias.

Tratamento[editar | editar código-fonte]

Há diversas substâncias que de certa forma inibem ou "atrapalham" o crescimento tumoral, e partindo deste princípio é que se aplicam tais métodos alternativos. Normalmente são administradas logo após a cirurgia, iniciando em conjunto com o protocolo padrão de tratamento.

Importante destacar também é a demanda dos recursos requeridos pelo glioblastoma, que incluem em sua maioria novos vasos sanguíneos (que carregam nutrientes, oxigênio, etc.), e um dos fatores por trás do tratamento alternativo é justamente inibir a angiogênese (criação de novos vasos). Medicamentos inibidores da enzima COX-2, por exemplo, têm esta característica. Outras substâncias também são administradas, com características citotóxicas ao tumor.

Em 2009, o quimioterápico mais utilizado para este caso é o TEMODAL® (temozolomida), cuja ação básica é "intoxicar" o organismo, incluindo as células tumorais. Seu custo é elevado, porém há meios legais de adquiri-lo. Apesar de ser uma droga nova e com poucos efeitos colaterais, sua eficácia é limitada. De fato sua intenção é aumentar a sobrevida do paciente, que é o chamado "Progression Free Survival" (PFS). O PFS nada mais é que o "Tempo de Vida sem Progressão" do tumor, que é o grande problema neste caso. Entretanto hoje é indicado formalmente para os GBM recidivantes , ou seja, para todos após a cirurgia (que promove a citoredução, ou seja, redução do número de células tumorais) + radioterapia e/ou quimioterapia, mas não aprovado ainda oficialmente como terapia inicial. Também é contra-indicado para gestantes, mulheres amamentando e pacientes com mielossupressão.

As células aberrantes têm características especiais, inclusive possuem comportamento muito parecido com o das células fetais, cujo crescimento é extremamente rápido. Genes responsáveis pela apoptose (morte celular programada) comumente encontram-se inativos, o que "beneficia" o tumor.

Há raríssimos casos de metástase, e também há situações em que ele é inoperável. Dependerá basicamente em que região do cérebro se encontra, profundidade da lesão, risco de sequelas imediatas e demais fatores como idade do paciente, histórico clínico, etc.

Um caso isolado é de um pesquisador norte-americano, Ben Williams, que ao saber seu próprio diagnóstico sobre GBM, iniciou uma série de estudos e pesquisas e está vivo desde 1995. Há diversos artigos publicados, inclusive um livro publicado.

Um outro exemplo de longevidade (cerca de 20 anos após o diagnóstico) nesta patologia foi o caso neuropsiquiatra francês, David Servan-Schreiber que no início dos anos 1990 foi diagnosticado com um câncer no cérebro. E que em junho de 2010 ele fez uma recaída grave, vítima de um glioblastoma em deslumbrante lobo frontal. No tempo que mediou entre descoberta da doença e o falecimento, publicou o livro anticâncer que é bestseller mundial, no qual explica de forma acessível o que aprendeu e aplicou a si, tudo isso resultado da sua imensa investigação.

No Brasil há também poucos casos de pessoas com um tempo razoável de sobrevida, na faixa de 1-2 anos. Estatisticamente está dentro da faixa dos sobreviventes dessa moléstia, grande oponente da neurocirurgia.

Prognóstico[editar | editar código-fonte]

Até o presente não existe cura para este tipo de tumor, porém terapias alternativas em conjunto com o tratamento padrão (cirurgia, quimioterapia e radioterapia) podem aumentar estatisticamente a sobrevida do paciente para além de um ano.

O tempo de sobrevida média a partir do diagnóstico em pacientes sem tratamento é de 3 meses, mas com tratamento a sobrevida de 1-2 anos é comum. Pacientes com idade avançada (>60 anos de idade) possuem um pior risco prognóstico. A morte geralmente ocorre devido a edema cerebral ou hipertensão intracraniana.[3]

Referências[editar | editar código-fonte]

  1. (2010) "Exciting New Advances in Neuro-Oncology: The Avenue to a Cure for Malignant Glioma". CA: A Cancer Journal for Clinicians 60 (3): 166–93. DOI:10.3322/caac.20069. PMID 20445000.
  2. (2007) "From the Archives of the AFIP: Patterns of Contrast Enhancement in the Brain and Meninges". Radiographics 27 (2): 525–51. DOI:10.1148/rg.272065155. PMID 17374867.
  3. (2007) "Long-term survival with glioblastoma multiforme". Brain 130 (Pt 10): 2596–606. DOI:10.1093/brain/awm204. PMID 17785346.