Gnosticismo

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa

Gnosticismo (do grego Γνωστικισμóς; transl.: (gnostikismós); de Γνωσις (gnosis): 'conhecimento', (gnostikos): aquele que tem o conhecimento) é um conjunto de correntes filosófico-religiosas sincréticas que chegaram a mimetizar-se com o cristianismo nos primeiros séculos de nossa era (sendo ele muitas vezes referenciado como "Alta Teologia"), vindo a ser declarado como um pensamento herético após uma etapa em que conheceu prestígio entre os intelectuais cristãos.[1] De fato, pode falar-se em um gnosticismo pagão e em um gnosticismo cristão, ainda que o pensamento gnóstico mais significativo tenha sido alcançado como uma vertente heterodoxa do cristianismo primitivo.

O gnosticismo foi inicialmente definido no contexto cristão[2] [3] embora alguns estudiosos supõem que o gnosticismo se desenvolveu antes ou foram contemporâneos do cristianismo, não há textos gnósticos até hoje descobertos que sejam anteriores ao cristianismo[4]

O estudo do gnosticismo e do cristianismo primitivo da Alexandria receberam um forte impulso a partir da descoberta da Biblioteca de Nag Hammadi, em 1945.[5]

O termo "Gnosticismo"[editar | editar código-fonte]

Irineu, quem usou pela primeira vez o termo "gnóstico" para descrever as heresias

O termo "gnosticismo" não aparece em fontes antigas,[6] o termo foi cunhado por Henry More em um comentário sobre os Sete selos do Apocalipse.[7] More usou o termo gnosticisme para descrever a heresia em Tiatira (Apocalipse 2:18 até Apocalipse 2:29), no mesmo sentido que seu contemporâneo Henry Hammond usou a expressão gnostick-heresi. Esta última expressão vem da literatura heresiológica do início do Cristianismo, especialmente de Irineu de Lyon.[8]

Isto ocorre no contexto do trabalho de Irineu Contra Heresias, (em grego: ἔλεγχος καὶ ἀνατροπὴ τῆς ψευδωνύμου γνώσεως; elenchos kai anatrope tes pseudonymou gnoseos) onde o termo "falsamente chamado conhecimento" (pseudonymos gnosis) abrange vários grupos, não apenas Valentim, e é uma citação do aviso do apóstolo Paulo contra "objeções de uma falsa ciência" em I Timóteo 6:20.[9]

O significado comum de gnostikós em textos gregos clássicos é "aprendido" ou "intelectual", como usado na comparação de "prático" (praktikos) e "intelectual" (gnostikós) o diálogo entre Platão, Sócrates e o jovem estrangeiro em Político (258e).[10] A preferência de Platão pelo termo "aprendido" é bastante típico nos textos clássicos.[11]

Durante o Período helenístico, o termo passou também a ser associado a mistérios greco-romanos, tornando-se sinônimo do termo grego musterion. O adjetivo não é usado no Novo Testamento, mas Clemente de Alexandria no Livro 7 de seu Stromata fala do "culto" (gnostikós) cristão em bons termos. O uso de gnostikós em relação à heresia origina com as interpretações de Irineu. Alguns estudiosos, por exemplo A. Rousseau e L. Doutreleau, tradutores da edição francesa (1974),[12] consideram que Irineu às vezes usa gnostikos para significar simplesmente "intelectual", como em 1.25.6, 1.11.3, 1.11.5, enquanto sua menção de "seita intelectual" (Adv. Haer. 1.11.1) é uma designação específica. O uso de Irineu por um adjetivo comparativo "mais aprendido" ou "mais conhecedor" (gnostikeron), evidentemente, não pode significar "mais gnóstico" como um nome.[13] Entre os grupos que Irineu identificou como "intelectual" (gnostikos), os seguidores das Marcellinas, os setianos ou barbelognósticos usam o termo gnostikos a si mesmos.[14] Mais tarde Hipólito usou "aprendeu" (gnostikos) de Cerinto e dos ebionistas enquanto Epifânio usa o mesmo termo somente para grupos específicos.

O uso do termo Gnosticismo como uma categoria geral é problemático já que mesmo Irineu e seus sucessores construíram uma única tipologia para os vários grupos hoje existentes e cobertos por este termo. Os ensino evolui avança ao caracterizar que o gnosticismo admite muitas exceções[15] . O termo "gnosticismo" ainda tem sido aplicado a muitas seitas modernas que têm acesso aos arcanos iniciáticos. Longe de trazer uma clarificação torna ainda mais impreciso o conceito, obstruindo a verdadeira compreensão histórica.[16]

Características gerais[editar | editar código-fonte]

Não existe um sistema gnóstico único e uniforme. No entanto, há semelhanças suficientes para justificar uma caracterização geral, lembrando que nem todo sistema inclui todos os elementos e nesses termos[17] . Estas características são particulares ao gnosticismo cristão (de forma antagônica ou não à figura de Cristo):

  • A estimativa do mundo, devido ao que precede, como uma falha ou produto de um "erro", mas, possivelmente, benévolo na medida do que o limite material permitir.[18]
  • A introdução de um deus criador distinto ou demiurgo, que é uma ilusão e depois emanação a partir do único mônada ou fonte. Este segundo deus é um deus menor, inferior ou falso. Esse deus criador é comumente referido como o demiourgós.[19] . O demiurgo gnóstico apresenta semelhanças com as figuras de Platão em Timeu e A República. No primeiro caso, o Demiurgo é uma figura central, um criador benevolente do universo que trabalha para tornar o universo tão benevolente quanto possível dentro do que as limitações da matéria permitirão, neste último, a descrição de um desejo "leonino" no modelo de pisquê de Sócrates tem semelhança com as descrições do demiurgo como tendo a forma de um leão, a passagem relevante de A República foi encontrada dentro da Biblioteca de Nag Hammadi,[20]
  • Jesus é identificado por alguns gnósticos como uma encarnação do Ser Supremo para trazer a gnōsis para a terra.[21] . Entre os mandeístas, Jesus foi considerado um mšiha kdaba ou "falso messias", que perverteu os ensinamentos que lhe foram confiados por João Batista.[22] . Outras tradições identificam Maniqueu e Sete, como o terceiro filho de Adão e Eva, como a figura de salvação.[23]
  • Desejo de conhecimento especial e íntimo dos segredos do universo. A salvação gnóstica era da ignorância e não do pecado. O conhecimento não era apenas o meio de salvação, era a única real salvação. O conhecimento era o conhecimento do verdadeiro self, seu lugar no Pleroma e um retorno de lá[24] .

Dualismo e Monismo[editar | editar código-fonte]

Normalmente, os sistemas gnósticos são vagamente descritos como sendo de natureza "dualista" , o que significa que eles têm a visão de que o mundo é composto ou explicável através de duas entidades fundamentais. Hans Jonas escreve: "A característica fundamental do pensamento gnóstico é o dualismo radical que rege a relação de Deus e do mundo, e, correspondentemente, a do homem e do mundo"[25]

Dualismo radical

Ou dualismo absoluto, postula duas forças divinas co-iguais. O maniqueísmo concebe dois reinos anteriormente coexistentes de luz e de escuridão que se envolveram em um conflito, devido às ações caóticas desses últimos. Posteriormente, alguns elementos de luz tornaram-se presos dentro de trevas, o propósito da criação material é decretar o lento processo de extração destes elementos individuais, ao final do qual o reino da luz prevaleça sobre as trevas.[26] [27]

Monismo qualificado

Onde se discute se a segunda entidade é divina ou semi-divina. Os elementos das versões do mito gnóstico Valentiniano sugerem para alguns que a sua compreensão do universo pode ter sido monista, em vez de dualista. Elaine Pagels afirma que "gnosticismo Valentiniano [...] difere essencialmente do dualismo"[28] enquanto que de acordo com Schoedel: "um elemento padrão na interpretação do Valentinianismo e formas semelhantes de gnosticismo é o reconhecimento de que eles são fundamentalmente monistas".[29] Nesses mitos, a malevolência do demiurgo é mitigada; sua criação de uma materialidade falha não é devido à falta de qualquer moral de sua parte, mas devido a sua imperfeição em contraste com as entidades superiores de que ele não tem conhecimento.[18] Como tal, os Valentinianos já tem menos motivos para tratar a realidade física com o igual desprezo que os gnósticos Setianistas. A tradição Valentiniana concebe materialidade, não como sendo uma substância separada do divino, mas atribuída a um "erro de percepção" que foi simbolizado mítica e poeticamente como o ato da criação material.[18]

Conceitos e termos[editar | editar código-fonte]

Note que o texto a seguir é formado por resumos das várias interpretações gnósticas reunidas. Os papéis de alguns seres mais familiares, como Jesus Cristo, Sophia e o Demiurgo geralmente compartilham os temais centrais entre os vários sistemas, mas pode haver algumas diferentes funções ou identidades atribuídos a eles em cada uma.

Æon

Em muitos sistemas gnósticos, os aeons são várias emanações de um deus superior, que também é conhecido por nomes como Mônada, Aion teleos (grego: "O Perfeito Aeon"), Bythos (grego: Βυθος - 'profundidade') e muitos outros (veja o artigo principal). Deste ser inicial, também um Aeon, uma série de diferentes emanações ocorreram, começando em alguns textos gnósticos com o hermafrodita Barbelo[30] [31] [32] de quem sucessivos pares de Aeons emanam, frequentemente em pares masculino-feminino chamados de sizígias[33] ; o número destes pares varia de texto para texto, embora alguns identifiquem seu número como sendo trinta[34] .

Arconte

Arconte no singular, (em grego: ἄρχων, pl. ἄρχοντες; "alto oficial", "chefe", "magistrado") seria qualquer um dos seres que foram criados juntamente como mundo material por uma divindade subordinada chamada o Demiurgo (Criador). Os gnósticos eram dualistas religiosas, que considerou que a matéria é má e o espírito bom e que a salvação é alcançada através do conhecimento esotérico, ou gnose. Porque os gnósticos do segundo e terceiro séculos - geralmente originadas dentro do cristianismo - consideravam o mundo material como definitivamente mal ou como o produto de erro, os arcontes eram vistos como forças maléficas[35] .

Abraxas / Abrasax

Abraxas ou Abrasax é o nome gnóstico para o semideus que governa o 365o aeon, a esfera final e mais alta. Os demonologistas cristãos colocam Abraxas no mesmo patamar de demônios. Jung chamou Abraxas de "o realmente terrível" por sua habilidade em gerar verdade e falsidade, bem e mail, luz e sombra com as mesmas palavras e o mesmo empenho[36] .

Demiurgo, (em grego: δημιουργός)
"Aurora do Mundo" de William Blake,1794
Demiurgo

O termo Demiurgo deriva da forma latinizada do termo grego dēmiourgos (δημιουργός), literalmente, "artesão", "alguém com habilidade específica", de dēmios do povo, popular (dēmos, pessoas ou povo) e ourgos, trabalhador (ergon, trabalho)[37] . No gnosticismo, o Demiurgo não é Deus mas o arconte ou chefe da ordem dos espíritos inferiores ou éons. De acordo com os gnósticos, o Demiurgo era capaz de dotar o homem apenas com psiquê (alma sensível) - o pneuma (alma racional) seria adicionada por Deus. Os gnósticos identificaram o Demiurgo com Jeová dos hebreus. [38] [39]

Gnose

Gnose vem da palavra grega gnosis (γνῶσις) "conhecimento" significando o conhecimento direto sobre o divino que por si só provê a salvação (assim conquistando o codinome de "Alta Teologia"). Para os gnósticos antigos, a gnosis existia no âmbito da cosmologia, do mito, da antropologia e da prática usada dentro de seus grupos. Assim, a gnose não era apenas a iluminação mas viria acompanhada por uma compreensão - como expressado nos Resumos de Teódoto de Bizâncio- sobre "quem éramos, o que nos tornamos, onde estávamos, para onde fomos lançados, para onde estamos indo, do que estamos libertos, o que é o nascimento e o que é renascimento".[40]

Mônada

Do latim monad, monas, do grego monos[41] , no sentido de "unidade última e indivisível", aparece bem cedo na história da filosofia grega. Nos relatos antigos das doutrinas de Pitágoras, ocorre como o nome da unidade a partir do qual - como no princípio de arquétipo - todos os números e multiplicidades são derivados[42] .

Pleroma

Pleroma (πληρωμα) geralmente se refere à totalidade dos poderes de deus. O termo significa "plenitude" e é usado em vários contextos teológicos cristãos: tanto gnósticos em geral, como também no cristianismo (como em «Pois nele habita corporalmente toda a plenitude da Divindade» (Colossenses 2:9)).

Sophia

Sophia (em grego: Σοφία) é aquilo que detém o "sábio" (σοφός; "sofós"). Na tradição gnóstica, Sophia é uma figura feminina, análoga à alma humana e simultaneamente um dos aspectos femininos de Deus. Os gnósticos afirmam que ela é a sizígia de Jesus (veja a Noiva de Cristo) e o Espírito Santo da Trindade. Ocasionalmente é referenciada pelo equivalente hebreu Achamōth (Ἀχαμώθ) e como Prouneikos (Προύνικος, "A Libidinosa"). Nos textos da Biblioteca de Nag Hammadi, Sophia é o mais baixo dos Aeons ou a expressão antrópica da emanação da luz de Deus[43] .

Escolas gnósticas[editar | editar código-fonte]

As escola gnósticas podem ser definidas como sendo membros de duas vertentes, a Escola Persa ou do Leste e da Escola Sírio-Egípicia. [44]

Gnosticismo persa[editar | editar código-fonte]

Sacerdotes maniqueístas escrevendo em suas mesas, há uma inscrição em Língua sogdiana no painel central. Manuscrito de Khocho, Bacia do Tarim

A Escola Persa possui tendências dualistas mais fáceis de serem demonstradas e que refletem a influência das crenças dos zoroastras (seguidores de Zoroastro) persas. Aparecendo na Babilônia, seus escritos foram produzidos originalmente em dialetos aramaicos locais e são representativos das crenças e formas mais antigas do gnosticismo. Esses movimentos são considerados pela maioria dos estudiosos como religiões, não apenas emanações do Cristianismo ou do Judaísmo.[44]

  • Mandeísmo é ainda praticado por pequenos grupos no sul do Iraque e na província iraniana do Cuzistão. O nome do grupo deriva do termo Mandā d-Heyyi, que significa "Conhecimento da Vida". Embora a origem exata deste movimento não seja conhecida, João Batista eventualmente se tornaria uma figura chave nesta religião, assim como ênfase no batismo se tornou parte do cerne de suas crenças. Assim como no maniqueísmo, apesar de certos laços com o Cristianismo[45] , os mandeanos não acreditam em Moisés, Jesus ou Maomé. Suas crenças e práticas também tem poucas sobreposições com as religiões fundadas por eles. Uma quantidade significativa das Escrituras originais Mandeanas sobreviveram até a era moderna. O texto principal é conhecido como Genzā Rabbā e tem trechos identificados pelos estudiosos como tendo sido copiados já no século II dC. Existe também o Qolastā, ou "Livro Canônico de Oração" e o sidra ḏ-iahia, o "Livro de João Batista".
  • Maniqueísmo, que representa toda uma tradição religiosa e que agora está quase extinto, foi fundado pelo profeta Mani (216–276 d.C.). Embora acredite-se que a maior parte das Escrituras dos maniqueístas tenha se perdido, a descoberta de uma série de documentos originais ajudou a lançar alguma luz sobre o assunto. Preservados agora em Colônia, Alemanha, o Codex Manichaicus Coloniensis contém principalmente informações biográficas sobre o profeta e alguns detalhes sobre seus ensinamentos. Como disse Mani, "O Deus verdadeiro não tem nada a ver com o mundo material e o cosmos", e "É o Príncipe das Trevas que falou com Moisés, os judeus e seus sacerdotes. Portanto, cristãos, os judeus e os pagãos estão envolvidos no mesmo erro quando adora este Deus. Pois ele os leva para perdição através dos desejos que lhes ensinou".[46] [47] .

Gnosticismo sírio-egípcio[editar | editar código-fonte]

As doutrinas da escola sírio-egípcia tendem ao monoteísmo e, entre as exceções, estão movimentos relativamente modernos que incluem elementos de ambas as categorias, como os cátaros, os bogomilos e os carpocracianos. Elas são derivadas de influências platônicas que, em geral, retratam a criação como uma série de emanações de uma força única primal. Como resultado desta crença, há uma tendência em enxergar o mal em termos materiais e desprovido de intenções benévolas, algo oposto à ideia mais comum de que o mal seria uma força equivalente ao bem. Essas escolas usam os termos "bem" e "mal" como relativos e autodescritivos.

Seitas e grupos gnósticos[editar | editar código-fonte]

"A morte de Simão Mago" na Crónica de Nuremberg ("Liber Chronicarum", 1493).
  • Simão Mago e Marcião de Sinope: ambos tinham tendências gnósticas, mas as ideias que eles apresentaram estavam ainda em formação; por isso, eles podem ser descritos como pseudo- ou proto-gnósticos. Ambos desenvolveram um considerável conjunto de seguidores. O pupilo de Simão Mago, Menandro de Antioquia também pode ser incluído neste grupo. Marcião é popularmente identificado como gnóstico, porém a maior parte dos estudiosos não entende assim[48] .
  • Cerinto (ca. 100 d.C.), o fundador de uma escola herética com elementos gnósticos. Como gnóstico, Cerinto mostrou Cristo como um espírito celeste separado do homem Jesus e citou o Demiurgo como criador do mundo material. Porém, ao contrário dos gnósticos, Cerinto ensinava os cristãos a observar a lei judaica; seu demiurgo era sagrado e não inferior; e acreditava na segunda vinda de Cristo. Sua gnosis era um ensinamento secreto atribuído a um apóstolo. Alguns estudiosos acreditam que a Primeira Epístola de João foi escrita em resposta a Cerinto[49] .
  • Ofitas, assim chamados por reverenciarem a serpente do Gênesis como um fonte de conhecimento.
  • Cainitas, que como o nome implica, veneravam Caim, assim como Esaú, Coré e os sodomitas. Há pouca evidência sobre a natureza deste grupo; porém, é possível inferir que eles acreditavam que indulgência no pecado era a chave para a salvação, pois dado que o corpo é intrinsecamente mau, é preciso denegri-lo com atitudes imorais (veja libertinismo). O nome 'cainita' não é utilizado aqui no sentido bíblico de "descendentes de Caim" (que segundo a Bíblia foram exterminados no Dilúvio).
  • Carpocracianos, uma seita libertina que acreditava unicamente no Evangelho dos Hebreus.
  • Borboritas, uma seita libertina gnóstica, que acredita-se ser uma derivação dos Nicolaítas
  • 'Paulicianos, um grupo adocionista, também acusado por fontes medievais como sendo gnóstica e quasi-maniqueísta. Eles floresceram entre 650 e 872 na Armênia e nas províncias (ou temas) orientais do Império Bizantino.
  • Bogomilos, a síntese (no sentido do sincretismo) entre o Paulicianismo Armênio e o movimento reformista da Igreja Ortodoxa Búlgara, que emergiu durante o Primeiro Império Búlgaro entre 927 e 970, e se espalhou pela Europa.
  • Cátaros (Cathari, Albigenses ou Albigensianos) são tipicamente vistos como imitadores do Gnosticismo. Se os cátaros possuíam ou não uma influência histórica direta do antigo Gnosticismo ainda é tema disputado, embora alguns acreditem que numa transferência de conhecimento dos bogomilos[50] .

Neoplatonismo e Gnosticismo[editar | editar código-fonte]

Filosofia grega antiga e gnosticismo[editar | editar código-fonte]

As primeiras origens do Gnosticismo são obscuras e ainda contestadas. Por esta razão, alguns estudiosos preferem falar de "gnosis" ao se referir às idéias do século I que mais tarde evoluíram para o gnosticismo e reservar o termo "gnosticismo" para a síntese dessas ideias em um movimento coerente, no século II[51] . Influências prováveis ​​incluem Platão, o Médio platonismo e as escolas ou academias de pensamento neopitagóricas e isto parece ser verdade em ambos os gnósticos do Setianismo e os do Valentianismo. [52] Além disso, se compararmos diferentes textos setianistas uns aos outros em uma tentativa de criar uma cronologia do desenvolvimento do Setianismo durante os primeiros séculos, parece que os textos posteriores continuam a interagir com o platonismo. Textos anteriores, como o Apocalipse de Adão mostram sinais de ser pré-cristão e se concentram em Sete, o terceiro filho de Adão e Eva. Estes primeiros Setianistas podem ser idênticos ou relacionados com a Nazarenos, Ofitas ou aos grupos sectários chamados de herético por Fílon de Alexandria[53] [54]

Textos setianos tardios como Zostrianos e Alógenes criam sobre as imagens de textos setianos mais antigos mas utilizam "um grande fundo de conceituação filosófica derivada do platonismo contemporânea, (médio platonismo tardio) com vestígios de conteúdo cristão ".[55] Na verdade, a doutrina do "um único formado por três" (a trindade) é encontrada no texto de Alógenes, como descoberto na Biblioteca de Nag Hammadi e é "a mesma doutrina encontrada nos comentários anônimos em Parmênides (Fragmento XIV) que são atribuídos por Hadot a Porfírio e também, a encontramos na Enéadas de Plotino 6.7, 17, 13-26."[52]

No entanto, os neoplatônicos do século III, como Plotino, Porfírio e Amélio da Toscana atacam os Setianistas. Parece que o Setianismo começou como uma tradição pré-cristã, possivelmente sincrética[56] que incorporou elementos do platonismo e do cristianismo à medida que crescia, apenas para que ambos o cristianismo e o platonismo os rejeitassem se voltassem contra eles. O Prof. John Turner acredita que este duplo ataque levou à fragmentação do Setianismo em numerosos grupos menores como Arcônticos, Audianos, Borboritas, Fibionitas, Estratiônicos e outros.[57]

O estudo sobre o gnosticismo tem avançado muito desde a descoberta e a tradução dos textos de Nag Hammadi que lançam alguma luz sobre alguns dos comentários mais intrigantes feitos por Plotino e Porfírio sobre os gnósticos. Mais importante ainda, as versões ajudam a distinguir os diferentes tipos dos primeiros gnósticos. Parece claro que os gnósticos Setianistas e Valentinianos[58] tentaram "se esforçar para uma conciliação e mesmo afiliação" com filosofia antiga final,[59] mas foram rejeitados por alguns neoplatônicos, incluindo Plotino.

Relações filosóficas entre o neoplatonismo e o gnosticismo[editar | editar código-fonte]

Os Gnósticos emprestaram várias déias e termos do platonismo, eles exibem uma profunda compreensão dos termos filosóficos gregos e do idioma grego koiné em geral; utilizam conceitos filosóficos gregos em todo o seu texto, incluindo conceitos como hipóstase (a realidade, a existência), ousia (essência, substância, ser), e demiurgo (Deus criador). Bons exemplos incluem textos como a Hipóstase dos Arcontes ("Realidade dos Governantes") ou Protenoia Trimórfica ("O primeiro pensamento em três formas").

Porfírio em A vida de Plotino estabelece uma diferença entre os genuínos seguidores de Cristo e um outro grupo de mesclava a filosofia (gnosis) com elementos cristãos e Plotino é antagônico a esta situação ao dizer "Eles (gnósticos) tiraram algumas ideias de Platão, mas todas as novidades que acrescentaram para criar uma filosofia original, são fora da verdade"[60] , no mesmo tratado, Plotino critica o elitismo ao dizer que os gnósticos "visam à formação de uma doutrina especial", Plotino repreende os gnósticos por desfigurarem a filosofia de Platão e apesar de sempre sereno em suas exposições fala de modo áspero: "Quando esses gnósticos afirmam que desprezam a beleza terrena, fariam melhor se desprezassem a dos meninos e das mulheres, para não sucumbirem à incontinência". É preciso observar que se os gnósticos, sem exceção tivessem sido libertinos, Plotino nunca os teria admitido, já que levava uma vida de virtudes[61]

Outro epíteto dado por Plotino aos gnósticos é o de charlatães ao "se vangloriaram em poder expulsar doenças com fórmulas" e ainda segundo Plotino, que as doenças eram consideradas seres (ou obras) de entidades demoníacas pelo gnósticos de sua época, "Só a plebe ignara se deixa iludir(...) as doenças não são algo demoníaco."[62] . Plotino assevera que a moral dos gnósticos é inferior à de Epicuro o qual "aconselha procurar a satisfação no prazar" e ainda adverte que a doutrina é temerária porque ridiculariza a virtude e só pensa em interesses próprios. Para chegar a essas acusações graves, com certeza Plotino levou algum tempo, ao chegar em Roma, ele encontrou entre seus ouvintes sectários do gnosticismo com os quais discutia seus pontos de vista.[63]

Estudos sobre o gnosticismo[editar | editar código-fonte]

Clemente de Alexandria foi um crítico dos gnósticos, em especial de Valentim

É difícil obter informações sociais sobre os gnósticos, a maior parte da literatura gnóstica consiste de pseudoepígrafos - isto é, obras atribuídas à uma figura respeitada do passado tal como Adão, Sete ou o Apóstolo João: essa convenção literária não deixa muito espaço para a descrição sobre as atividades sectárias. Os outros registros são descrições breves e preconceituosas da doutrina e prática gnósticos feitas por adversários cristãos. O estudo gnosticismo requer muito cuidado com a precisão e a verdade das fontes sobre o assunto - na maior parte heresiólogos, Irineu, Clemente de Alexandria e Hipólito de Roma são o exemplo de descrição franca e constantemente hostil. Seu estilo é frequentemente irônico visto que seu objetivo não é descrever, mas destruir[64] .

Século IXX até 1930[editar | editar código-fonte]

Antes da descoberta de Nag Hammadi, a evidência de movimentos gnósticos era apenas vista através do testemunho dos heresiologistas da igreja primitiva. O "modelo histórico da igreja", representado por Adolf von Harnack entre outros, viu o gnosticismo como um desenvolvimento interno da igreja, sob a influência da filosofia grega.[65] .

Depois da descoberta de biblioteca de Nag Hammadi, 1945[editar | editar código-fonte]

O estudo do gnosticismo e do cristianismo primitivo da Alexandria recebeu um forte impulso a partir da descoberta da Biblioteca de Nag Hammadi, em 1945. O estudo do Gnosticismo atualmente se faz impossível sem o total conhecimento dos escritos de Nag Hammadi e consequentemente da Língua copta. [66]

"Gnosticismo" como uma categoria potencialmente falha[editar | editar código-fonte]

Em 1966, em Messina, Itália, foi realizada uma conferência sobre sistema da gnosis[67] .

A "proposta cautelosa" alcançada na conferência sobre o gnosticismo é descrita por Markschies:

"No documento final de Messina a proposta foi "pela aplicação simultânea dos métodos históricos e tipológica" para designar "um determinado grupo de sistemas do segundo século depois de Cristo" como "gnosticismo", e use "gnosis" para definir uma concepção de conhecimento que transcende os tempos, que foi descrito como "o conhecimento dos mistérios divinos para uma elite"."
Markschies,Gnosis: An Introduction, p. 13

Em essência, foi decidido que "gnosticismo" seria um termo historicamente específico, restrito a significar os movimentos gnósticos prevalentes no século III, enquanto "gnosis" seria um termo universal de um sistema de conhecimento retido "para uma elite privilegiada". No entanto, este esforço no sentido de dar clareza na verdade criou mais confusão conceitual, já que o termo histórico "gnosticismo" era uma construção inteiramente moderna, enquanto o novo termo universal "gnosis" foi um termo histórico: "alguma coisa estava sendo chamada de "gnosticismo" que os teólogos antigos tinham chamado de" gnosis"... [um] conceito de gnose tinha sido criado por Messina e este era quase inutilizável em sentido histórico".[68] Na antiguidade, todos concordaram que o conhecimento era centralmente importante para a vida, mas poucos entraram em acordo sobre o que exatamente constituia o "conhecimento", a concepção unitária que a proposta de Messina pressupôs não existiu.[68]

Estas falhas significam que os problemas relativos a uma definição exata do gnosticismo ainda persistem.[69]

Permanece como convenção atual usar "gnosticismo" em um sentido histórico, e "gnosis" universalmente. Deixando de lado as questões com o último mencionado acima, o uso de "gnosticismo" para designar uma categoria de religiões do século III foi recentemente questionado também. Digno de nota é o livro da autoria de Michael Allen Williams Rethinking "Gnosticism": An Argument for Dismantling a Dubious Category, em que o autor examina os termos pelos quais o o gnosticismo está definido como categoria e compara estas suposições com o conteúdo dos textos gnósticos reais (a biblioteca de Nag Hammadi recém-recuperada foi de importância central para o argumento).[70]

Williams argumenta que as bases conceituais sobre as quais a categoria Gnosticismo se apoia são os restos da agenda dos heresiologistas. Muita ênfase tem sido colocada sobre as percepções do dualismo, corpo - e matéria - ódio e anticosmismo[71] sem que essas suposições tenham sido "devidamente testadas". Em essência, a definição interpretativa do gnosticismo que foi criado pelos esforços antagônicos dos heresiologistas da igreja primitiva foi retomado por estudiosos modernos e refletido em um "definição categórica", apesar de hoje existerem meios de se verificar sua precisão. Ao tentar fazer isso, Williams revela a natureza dúbia da categória "gnosticismo" e conclui que o termo precisa ser substituído, a fim de refletir com mais precisão os movimentos que o compõem.[72]

Gnosticismo no Século XXI[editar | editar código-fonte]

O chamado gnosticismo moderno se desenvolveu a partir das origens no Ocultismo do século XX onde Eliphas Levy trás todo o espectro de assuntos do gnosticismo à tona por meio da discussão da cabala judaica.[16] Uma série de pensadores do século 19, como William Blake, Arthur Schopenhauer[73] , Albert Pike e Madame Blavatsky estudaram o pensamento gnóstico extensivamente e foram influenciados por ele, até mesmo figuras como Herman Melville e W. B. Yeats foram mais tangencialmente influenciados.[74] A fundação da Sociedade Teosófica em 1875 por Blavatsky e o trabalho de seu aluno G.R.S Mead (tradutor especializado em texto gnósticos e herméticos), tornou o gnosticismo acessível ao público fora da academia, o que preparou o caminho para o gnosticismo para as massas no século seguinte.[16] Jules Doinel "restabeleceu" uma Igreja Gnóstica, na França, em 1890, o que alterou a forma como o gnosticismo passou por vários sucessores diretos (principalmente Fabre des Essarts como Tau Synésius e Joanny Bricaud como Tau Jean II) e que, apesar de pequeno, ainda está ativo até os dias de hoje.[75]

A descoberta e a tradução da Biblioteca de Nag Hammadi depois de 1945 teve um enorme impacto sobre o gnosticismo desde a Segunda Guerra Mundial. Pensadores que foram fortemente influenciados pelo gnosticismo neste período incluem Hans Jonas, Philip K. Dick e Harold Bloom, com Albert Camus e Allen Ginsberg sendo mais moderadamente influenciados.[74]

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. Jones, Peter. Ameaça Pagã, A (Velhas heresias para uma nova era). Editora Cultura Cristã. ISBN 8586886386
  2. Adolf von Harnack (1885) definiu como uma "helenização aguda do cristianismo". Moritz Friedländer (1898) defendeu origem judaica helenística enquanto Wilhelm Bousset (1907) defendeu origens persas.
  3. Karen L. King, What is Gnosticism? (2005) "Bousset considerou que o gnosticismo era uma religião pré-cristã, existindo ao lado do cristianismo. Era um produto Oriental, anti-judeu e anti-helenista..."
  4. "Até esta fase, ainda não foram encontrados quaisquer textos gnósticos que antecedem claramente a origem do cristianismo." J. M. Robinson, "Sethians and Johannine Thought: The Trimorphic Protennoia and the Prologue of the Gospel of John" em The Rediscovery of Gnosticism, vol. 2, Sethian Gnosticism, ed. B. Layton (Leiden: E. J. Brill, 1981), 662.
  5. R. van den Broek Studies in Gnosticism and Alexandrian Christianity Page vii 1996 "O estudo do gnosticismo e, em menor medida, do cristianismo primitivo da Alexandria receberam um forte impulso com a descoberta da Biblioteca de Nag Hammadi copta, em 1945"
  6. Ismo Dunderberg Beyond gnosticism: myth, lifestyle, and society in the school of Valentinus. Columbia University Press, 2008. p16 "O problemas com o termo "gnosticismo" em si é conhecido: ele simplesmente não aparece em fontes antigas(...)"
  7. Layton, Bentley. "Prolegomena to the Study of Ancient Gnosticism" In The Social World of the First Christians: Essays in Honor of Wayne A. Meeks, (editado por L. M. White e O. L. Yarbrough; Minneapolis: Fortress, 1995), p. 334-50
  8. Birger Albert Pearson. Gnosticism and Christianity: In Roman and Coptic Egypt. [S.l.]: Continuum, 2004. p. 210. ISBN 978-0-567-02610-1
  9. Dominic J. Unger, John J. Dillon — 1992 St. Irenaeus of Lyons Against the heresies, Vol.1 p3 "the final phrase of the title "knowledge falsely so-called" is found in 1 Timothy 6:20.
  10. LSJ entry γνωστ-ικός , ή, όν, A. of or for knowing, cognitive: ἡ -κή (sc. ἐπιστήμη), theoretical science (opp. πρακτική), Pl.Plt.258e, etc.; τὸ γ. ib.261b; “ἕξεις γ.” Arist.AP0.100a11 (Comp.); “γ. εἰκόνες” Hierocl.in CA25p.475M.: c. gen., able to discern, Ocell. 2.7. Adv. “-κῶς” Procl.Inst.39, Dam.Pr.79, Phlp.in Ph.241.22.
  11. In Perseus databank 10x Platão, Cratylus, Theaetetus, Sophist, Statesman 2x Plutarco, Compendium libri de animae procreatione + De animae procreatione in Timaeo, 2x Pseudo-Plutarco, De musica
  12. A. Rousseau and L. Doutreleau Saint Irénée de Lyon : Traité contre les hérésies 1974
  13. Williams Rethinking "Gnosticism": an argument for dismantling a dubious category 1999 p36: "Mas vários dos usos da designição gnostikos por Irineu são mais ambíguas e não é tão claro se ele está indicando a seita específica novamente ou usando "gnósticos", agora apenas como uma referência abreviada para todos os praticamentes(...)"; p37: "Eles argumentam que Irineu usa gnostikos em dois sentidos: (1) com o ignificado básico e habitual de "erudito" (sábio), e (2) com referência aos adeptos da seita específica chamada de 'heresia gnóstica' in Adv. haer. 1.11.1."; p271: "1.25.6 onde eles pensam que gnostikos significa 'aprendido' está em 1.11.3 ('Um certo outro famoso professor deles, alcançou uma doutrina mais elevada e aprendeu [gnostikoteron] ...') e 1.11.5 ('... para que eles)"
  14. Marvin Meyer. Mistérios Gnósticos. [S.l.]: Editora Pensamento. p. 44–. ISBN 978-85-315-1508-8 Página visitada em 21 de abril de 2013.
  15. Ferguson Everett. . [S.l.]: Wm. B. Eerdmans Publishing, 2003. p. 301–. ISBN 978-0-8028-2221-5 Página visitada em 20 de abril de 2013.
  16. a b c WILSON ROBERTO VIEIRA FERREIRA. Cinegnose. [S.l.]: Livrus. p. 20. ISBN 978-85-7855-115-5
  17. The Teology website (em inglês) - Church History Study Helps: Characteristic Features of Gnosticism
  18. a b c Valentinian Monism. The Gnostic Society Library. Página visitada em 2009-02-12.
  19. Demiurge. Catholic Encyclopedia. Página visitada em 2009-02-12.
  20. Plato, Republic 588A-589B. "The Gnostic Society Library. Página visitada em 2009-02-12.
  21. An Introduction to Gnosticism and The Nag Hammadi Library. The Gnostic Society Library. Página visitada em 2009-12-02.
  22. Macuch, Rudolf. Handbook of Classical and Modern Mandaic. Berlin: De Gruyter & Co., 1965. p. 61 fn. 105.
  23. The Gnostic World View: A Brief Introduction. The Gnosis Archive. Página visitada em 2009-02-12.
  24. The Teology website (em inglês) - Church History Study Helps: Characteristic Features of Gnosticism
  25. Hans Jonas, The Gnostic Religion, p. 42, Beacon Press, 1963, ISBN 0-8070-5799-1; 1st ed. 1958
  26. Middle Persian Sources: D. N. MacKenzie, Mani’s Šābuhragān, pt. 1 (text and translation), BSOAS 42/3, 1979, pp. 500-34, pt. 2 (glossary and plates), BSOAS 43/2, 1980, pp. 288-310.
  27. Bevan, A. A. (1930). "Manichaeism". Encyclopaedia of Religion and Ethics, Volume VIII Ed. James Hastings. London
  28. Pagels, Elaine. 'The Gnostic Gospels'. [S.l.: s.n.], 1978.
  29. Schoedel, William. "Gnostic Monism and the Gospel of Truth" in The Rediscovery of Gnosticism, Vol.1: The School of Valentinus, (ed.) Bentley Layton,. Leiden: E.J.Brill, 1980.
  30. Robinson, James M.. The Nag Hammadi Library, revised edition: The Apocryphon of John (Trad. por Frederik Wisse) (em inglês). São Francisco: Harper Collins, 1990. ISBN 0-06-066929-2
  31. Robinson, James M.. The Nag Hammadi Library, revised edition: Allogenes (Trad. por John D.Turner e Orval S. Wintermute) (em inglês). São Francisco: Harper Collins, 1990. ISBN 0-06-066929-2
  32. Robinson, James M.. The Nag Hammadi Library, revised edition: Trimorphic Protennoia (Trad. por John D. Turner) (em inglês). São Francisco: Harper Collins, 1990. ISBN 0-06-066929-2
  33. David Brons (2003). The Pair (Syzygy) in Valentinian Thought (em inglês). Gnostic Society.
  34. Fragments of a Faith Forgotten (em inglês). [S.l.]: Kessinger Publishing, 2005. ISBN 1417984139
  35. Archon - Encyclopedia Britannica (em inglês)
  36. Rosemary Guiley. The Encyclopedia of Demons and Demonology. [S.l.]: Infobase Publishing, 2009. p. 2. ISBN 978-1-4381-3191-7
  37. Merriam-Webster: Demiurge (em inglês)
  38. Encyclopedia.com - Demiurge (em inglês)
  39. LEON-DUFOUR, Xavier. Leitura do Evangelho segundo João - IV. [S.l.]: LOYOLA. p. 229. ISBN 978-85-15-01649-5 "Segundo certos relatos, o demiurgo autor da criação é o Deus dos Hebreus, do qual a Bíblia diz que ele é "um Deus ciumento"."
  40. Andrew Phillip Smith. A Dictionary of Gnosticism. [S.l.]: Quest Books, 2009. ISBN 978-0-8356-0869-5
  41. Merriam-Webster: Monad
  42. Catholic Encyclopedia: Monad(em inglês)
  43. Wikisource-logo.svg 1913 Catholic Encyclopedia (em inglês)., uma publicação agora em domínio público.
  44. a b Sérgio Pereira Couto. Segredos da Cabala - 2a edição. [S.l.]: Universo dos Livros Editora. p. 37. ISBN 978-85-7930-131-5
  45. Karen King. What is Gnosticism?.. [S.l.]: Harvard University Press, 2005. p. 91. ISBN 978-0-674-01762-7
  46. Classical Texts: Acta Archelai (em inglês) pp. 76. Harvard.edu. Página visitada em 27/08/2010.
  47. Alan G. Hefner. Dualism (em inglês). TheMystica.org. Página visitada em 27/08/2010. "Maniqueísmo, sendo uma seita gnóstica, ensinava uma doutrina similar de colocar Deus contra a matéria. Este ensinamento dualístico incorporava um mito cosmológico bastante elaborado, que incluía a derrota do homem primal pelos poderes das trevas que devoraram e aprisionaram as fagulhas de luz. Portanto, para Mani, o deus maligno que criou o mundo era o Jehovah judaico"
  48. (em inglês) Veja o artigo da 1911 Encyclopedia Britannica sobre Marcião: "Na visão de Marcião, portanto, o mito fundador de sua igreja - para o qual ele foi levado pela oposição - se resume a uma reforma do Cristianismo pélo retorno a um Evangelho de Cristo e de Paulo; nada mais deve ser aceito além disso. Isso é suficiente para mostrar que é um erro listar Marcião entre os Gnósticos. Um dualista ele certamente era, mas não um gnóstico - dependendo da visão particular de cada um sobre 'ser gnóstico'".
  49. González, Justo L. A History of Christian Thought (em inglês). [S.l.]: Abingdon, 1970. 132-3 pp. vol. I.
  50. Lambert, Malcolm. The Cathars: The wise men from the east (em inglês). [S.l.]: Blackwell Publishing, 1998. 45 e seguintes pp. ISBN 0-631-14343-2
  51. R. McL. Wilson, "Nag Hammadi and the New Testament", New Testament Studies, vol. 28, (1982), 292.
  52. a b Turner, John. "Sethian Gnosticism: A Literary History" in Nag Hammadi, Gnosticism and Early Christianity. [S.l.: s.n.], 1986. 59 pp.
  53. Aufstieg und Niedergang der römischen Welt (Rise and Decline of the Roman World) Vl 21/1 Volume 2; Volume 21 By Hildegard Temporini, Joseph Vogt, Wolfgang Haase Publisher: Walter de Gruyter (December 31, 1983) Language: German ISBN 3-11-008845-2 ISBN 978-3-11-008845-8 [1]
  54. O termo "minim" no Talmud, muitas vezes refere-se aos gnósticos, como Friedländer e antes dele Krochmal e Gratz apontaram. [2]
  55. Turner, John. "Sethian Gnosticism: A Literary History" in Nag Hammadi, Gnosticism and Early Christianity, 1986 p. 59
  56. Hebrew
  57. Esta rejeição, juntamente com as sanções oficias do cristianismos sob Constantino e a pressão contra o paganismos do setinianos causou uma grande fragmentação do que tinha restado do Setianismo em vários derivados e grupos gnsóticos no Egito, Palestina e Síria, onde eles não mais se identificaram-se com setianistas mas talvez como Arcônticos, Audianos, Borboritas, Fibionitas, Estratiônicos e outros.John Douglas Turner. Sethian Gnosticism and the Platonic Tradition. [S.l.]: Presses Université Laval, 2001. p. 301. ISBN 978-2-7637-7834-1 (em inglês)
  58. Esta é a nota de rodapé que o estudioso A.H. Armstrong escreveu em sua tradução da Enéadas de Plotino no intervalo chamado Contra os Gnósticos. (A nota de rodapé da página 264 1). Deste ponto até o final de cap.12 Plotino está atacando um mito gnóstico melhor conhecido por nós atualmente,como o sistema de Valentino. A mãe, Sophia-Achamoth, produziu como resultado de um complicada seqüência de acontecimentos que se seguiram à sua queda e sua prole o Demiurgo, são figuras de Valentim: cp. Irineu Adv. Haer 1,4 e 5. Valentim esteve em Roma e não há é improvável que os valentinianos existiram na época de Plotino. Mas a evidência e, Sobre a Vida cap.16 sugere que os gnósticos no círculo de Plotino pertenciam à outro grupo chamado Setianos de Arcontis, referente aos Ofitas ou Barbelognosticos: eles provavelmente se chamavam simplesmente de "Gnósticos". Grupos gnósticos emprestaram livremente uns dos outros e é provável que Valentim levou algumas de suas idéias sobre Sophia de fontes gnósticas mais velhsd e que as suas ideias, por sua vez influenciaram outros gnósticos. A biblioteca gnóstica provavelmente Setianista descoberta em Nag Hammadi incluí um tratado Valentiniano: ep. Puech, Le pp 162-163 e 179-180.
  59. Schenke, Hans Martin. "The Phenomenon and Significance of Gnostic Sethianism" in The Rediscovery of Gnosticism. E. J. Brill 1978
  60. Enéadas II, 9,6, 10-12
  61. Puech, Plotin et les Gnostiques, 1978, p. 187, Paris
  62. Enéadas II, 9, 14, 15
  63. Dominic J. O'Meara. Plotinus : An Introduction to the Enneads: An Introduction to the Enneads. [S.l.]: Oxford University Press, 28 January 1993. 10, 51 pp. ISBN 978-0-19-152495-0
  64. LAYTON, Bentley. Escrituras gnósticas (As). [S.l.]: Edicoes Loyola. 12– pp. ISBN 978-85-15-02532-9 Página visitada em 25 April 2013.
  65. Trames - 2006 Vol. 10, n° 3
  66. R. van den Broek. Studies in Gnosticism and Alexandrian Christianity. [S.l.]: BRILL, 1996. ISBN 978-90-04-10654-3
  67. Seyyed Hossein Nasr University Professor of Islam Studies George Washington University. Religion and the Order of Nature. [S.l.]: Oxford University Press, USA, 19 August 1996. 75– pp. ISBN 978-0-19-535616-8
  68. a b Markschies, "Christolph". Gnosis: An Introduction. [S.l.]: T.& T.Clark Ltd, 2003. 14–15 pp.
  69. The Oxford Handbook of Early Christian Studies. [S.l.]: Oxford Handbooks Online, 4 September 2008. ISBN 978-0-19-927156-6 Página visitada em 26 de abril de 2013.
  70. Michael Allen Williams. Rethinking "Gnosticism": An Argument for Dismantling a Dubious Category. [S.l.]: Princeton University Press, 12 April 1999. ISBN 978-1-4008-2221-8
  71. Afloroaei, Lucia. (2009). "Religious Dualism: Some Logical and Philosophical Difficulties". Journal for Interdisciplinary Research on Religion and Science 4 (January): 83–111 pp..
  72. Williams, Michael Allen. Rethinking "Gnosticism": An Argument for Dismantling a Dubious Category. Princeton: Princeton University Press, 1999. ISBN 0-691-00542-7
  73. Schopenhauer, O Mundo como Vontade e Representação, Vol. II, Ch. XLVIII
  74. a b Smith, Richard. "The Modern Relevance of Gnosticism" em The Nag Hammadi Library, 1990 ISBN 0-06-066935-7
  75. Cf. l'Eglise du Plérôme

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

Em português
  • Charles W. Leadbeater, A Gnose Cristã, São Paulo, Editora Teosofica, ISBN 858596145
  • Elaine H. Pagels, Além de toda crença, Rio de Janeiro, Editora Objetiva, 2004, ISBN 85-7302-591-3
  • Elaine H. Pagels, Os evangelhos gnósticos, Rio de Janeiro, Editora Objetiva, 2006, ISBN 85-7302-801-7
  • Jacques Lacarrière, Os Gnósticos, Lisboa, Fim de Século Edições, 2001, ISBN 9727541658
  • James M. Robinson, Biblioteca de Nag Hammadi- Tradução Completa das Escrituras gnósticas, São Paulo, SP, Editora Madras, 2004, ISBN 85-370-0053-3
  • Josef Lenzenweger et al, História da Igreja Católica, São Paulo, Editora Loyola, ISBN 85-15-03040-8
  • Lynn Picknett, A Grande Heresia, São Paulo, Editora Beca, 2000, ISBN 8587256173
  • Maria Helena Tricca, Coleção Apócrifos- Os Proscritos da Bíblia, vol I a IV, São Paulo, Editora Mercuryo, 1995
  • Marvin Meyer, Mistérios Gnósticos, São Paulo, SP, Grupo Editorial Pensamento, 2007, ISBN 85-315-1508-8
  • Marvin Meyer, O Evangelho de Tome, Rio de Janeiro, Editora Imago, ISBN 85-312-0312-0
  • Philip Gardiner, Gnose - O Segredo do Templo de Salomão Revelado, Lisboa, Editorial Estampa, ISBN 9789723324310
  • Richard Smoley, Gnosticismo Esoterismo e Magia, São Paulo, Editora Madras, 2004, ISBN 85-7374-795-1
  • Stephan A. Hoeller, A Gnose de Jung e os Sete Sermoes aos Mortos, São Paulo, Grupo Editorial Pensamento/Cultrix, ISBN 85-3160-178-9
  • Stephan A. Hoeller, Gnosticismo, São Paulo, Grupo Editorial Record, ISBN 85-01-06685-0
  • Urbano Zilles (tradução e introdução), Evangelhos apócrifos, Porto Alegre, EDIPUCRS 2004, ISBN 85-7430-180-8
Em inglês
  • C. W. King, The Gnostics and Their Remains, Ancient and Medieval (reprinted San Diego: Wizards Bookshelf, 1982)
  • Carl Schmidt, ed., Pistis Sophia (Leiden: E. J. Brill, 1978
  • Carl Schmidt, ed., The Books of Jeu and the Untitled Text in the Bruce Codex (Leiden: E. J. Brill, 1978)
  • Charles W. Hedrick and Robert Hodgson, ed., Nag Hammadi Gnosticism and Early Christianity (Peabody, Mass.: Hendrickson Publishers, 1986)
  • Dan Merkur, Gnosis: An Esoteric Tradition of Mystical Visions and Unions (Albany, NY: SUNY Press, 1993)
  • Duncan Greenlees, The Gospel of the Gnostics (Adyar, Madras, India: Theosophical Publishing House, 1958)
  • E. C. Blackman, Marcion and His Influence, (London: APGK, 1948; reprinted New York: Ames Press, 1978)
  • Elaine H. Pagels, Adam, Eve, and the Serpent (New York: Random House, 1988)
  • Elaine H. Pagels, The Johannine Gospel in Gnostic Exegesis: Heracleon's Commentary on John (Nashville and New York: Abingdon Press, 1973)
  • G. R. S. Mead, Fragments of a Faith Forgotten: A Contribution to the Study of the Origins of Christianity (A reprint of the 1930 edition is currently available from Kessinger Publishing Company, P.O. Box 160, Kila, Montana, 59920)
  • G. R. S. Mead, Pistis Sophia: A Gnostic Miscellany (A reprint edition is currently available from Garber Communications, Spiritual *Science Library, 5 Garber Road, Blautvelt, NY 10913)
  • Giovanni Filoramo, A History of Gnosticism (Oxford and Cambridge, Mass.: Basil Blackwell, 1990)
  • H. J. Spierenburg, ed., H. P. Blavatsky: On the Gnostics (San Diego, CA: Point Loma Publication, 1994)
  • Hans Jonas, The Gnostic Religion (Boston: Beacon, 1963 and republished)
  • Hans-Joachim Klimkeit, Gnosis on the Silk Road: Gnostic Texts from Central Asia (San Francisco: Harper, 1993)
  • Iain Gardner, The Kephalaia of the Teacher: The Edited Coptic Manichaean Texts in Translation with Commentary (Leiden: E. J. Brill, 1995)
  • Ioan P. Couliano, The Tree of Gnosis: Gnostic Mythology from Early Christianity to Modern Nihilism (San Francisco: Harper,1990)
  • James M. Robinson, ed, The Nag Hammadi Library in English (New York: Harper & Row, 1977; revised edition, San Francisco: Harper, 1988)
  • Jaques Lacarriere, The Gnostics (New York: E. P. Dutton, 1977; republished by City Light Books)
  • Jean Doresse, The Secret Books of the Egyptian Gnostic: An Introduction to the Gnostic Coptic Manuscripts Discovered at Chenoboskion (New York: Viking Press, 1960)
  • John Dart, The Laughing Saviour: The Discovery and Significance of the Nag Hammadi Gnostic Library (New York: Harper & Row, 1976)
  • June Singer, A Gnostic Book of Hours: Keys to Inner Wisdom (Nicolas Hays, March 2003)
  • Karen L. King, ed., Images of the Feminine in Gnosticism (Philadelphia, Penn.: Fortress Press, 1988
  • Kurt Rudolph, Gnosis: The Nature and History of Gnosticism (San Francisco, Harper & Row, 1983)
  • Martin Seymor-Smith, Gnosticism: The Path of Inner Knowledge (Harper San Francisco, 1996)
  • Marvin W. Meyer, The Secret Teachings of Jesus: Four Gnostic Gospels (New York: Random House, 1984)
  • Pheme Perkins, The Gnostic Dialogue: The Early Church and the Crisis of Gnosticism (New York: Paulist Press, 1980
  • Ray Summers, The Secret Teachings of the Living Jesus: Studies in the Coptic Gospel According to Thomas (Waco, Texas: Word Books, 1968)
  • Richard T. Wallis and Jay Bergman, ed., Neoplatonism and Gnosticism (Albany, NY: SUNY Press, 1992)
  • Robert J. Miller, ed, The Complete Gospels (San Francisco: Harper, 1994
  • Robert M. Grant, Gnosticism and Early Christianity (New York: Harper Torchbooks, 1966)
  • Simone Petrement, A Separate God: The Christian Origins of Gnosticism (San Francisco: Harper, 1990)
  • Stephan A. Hoeller, Gnosticism: New Light on the Ancient Tradition of Inner Knowing (Quest Books, 2002)
  • Stephan A. Hoeller, Jung and the Lost Gospels: Insights into the Dead Sea Scrolls and the Nag Hammadi Library (Wheaton, IL: Quest Books, 1989)
  • Stuart Holroyd, The Elements of Gnosticism, (Shaftesbury, Dorset, England and Rockport, MA: Element Books, 1994)
  • The Gospel According to Thomas: with complimentary texts (Santa Barbara: Concord Grove Press, 1983)
  • Tobias Churton, The Gnostics (London: Weidenfeld and Nicolson, 1987)
  • Violet MacDermot, The Fall of Sophia: A Gnostic Text on the Redemption of Universal Consciousness
  • Werner Foerster, ed., Gnosis, A Selection of Gnostic Texts: II. Coptic and Mandean Sources (Oxford: Clarendon Press, 1974)

Ligações externas[editar | editar código-fonte]