Gonçalves de Magalhães

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Gonçalves de Magalhães Academia Brasileira de Letras
Nascimento 13 de agosto de 1811
Rio de Janeiro
Morte 10 de julho de 1882 (70 anos)
Roma
Nacionalidade  Brasileiro
Ocupação Médico, professor, diplomata, político, poeta e ensaísta
Magnum opus Suspiros Poéticos e Saudades
Escola/tradição Romantismo

Domingos José Gonçalves de Magalhães, primeiro e único barão e visconde do Araguaia, (Rio de Janeiro, 13 de agosto de 1811Roma, 10 de julho de 1882), foi um médico, professor, diplomata, político, poeta e ensaísta brasileiro, tendo participado de missões diplomáticas na França, Itália, Vaticano, Argentina, Uruguai e Paraguai, além de ter representado a província do Rio Grande do Sul na sexta Assembleia Geral.

Filho de Pedro Gonçalves de Magalhães Chaves.

Morreu em Roma, onde exercia cargos diplomáticos junto à Santa Sé, no ano de 1882.

Ingressou em 1828 no curso de medicina, diplomando-se em 1832. No mesmo ano estreou com "Poesias" e, no ano seguinte, parte para a Europa, com a intenção de se aperfeiçoar em medicina.

Em 1838 é nomeado professor de Filosofia do Colégio Pedro II, tendo lecionado por pouco tempo.

De 1838 a 1841 foi secretário de Caxias no Maranhão e de 1842 a 1846 no Rio Grande do Sul. Em 1847 entrou para a carreira diplomática brasileira. Foi Encarregado de Negócios nas Duas Sicílias, no Piemonte, na Rússia e na Espanha; ministro residente na Áustria; ministro dos Estados Unidos, Argentina e na Santa Sé, onde morreu.

Títulos nobiliárquicos e honrarias[editar | editar código-fonte]

Comendador da Imperial Ordem de Cristo e da Ordem de São Francisco I de Nápoles, dignitário da Imperial Ordem da Rosa e oficial da Imperial Ordem do Cruzeiro.

Barão do Araguaia

Título conferido por decreto imperial em 17 de julho de 1872. Faz referência ao rio Araguaia, que em tupi significa rio do vale dos papagaios.

Visconde do Araguaia

Título conferido por decreto imperial em 12 de agosto de 1874.

Foi pai de Antônio José Gonçalves de Magalhães de Araguaia, nascido cerca de 1858, que recebeu o título de "Conde de Araguaia", concedido pela Santa Sé[1] .

Gonçalves de Magalhães e o Romantismo[editar | editar código-fonte]

Três renomados escritores brasileiros do século XIX. Da esquerda para direita: Gonçalves Dias, Manuel de Araújo Porto-Alegre e Gonçalves de Magalhães (1858).

Recém-formado em Medicina, viaja para a Europa, onde entra em contato com as ideias românticas, fator essencial para a introdução do movimento no Brasil.

Sua importância está no fato de ter sido o introdutor do Romantismo no Brasil, não obstante suas obras serem consideradas fracas pela crítica literária. Embora fosse voltado para a poesia religiosa, como fica claro em Suspiros poéticos e saudades, também cultivou a poesia indianista de caráter nacionalista, como no poema épico A Confederação dos Tamoios (esta obra lhe valeu agitada polêmica com José de Alencar, relativa à visão de cada autor sobre o índio), ambas bastante fantasiosas.

Em contato com o romantismo francês, publicou em 1836 seu livro "Suspiros poéticos e saudades", cujo prefácio valeu como manifesto para o Romantismo brasileiro, sendo por isso considerado o iniciador dessa escola literária no país. Em parceria com Araújo Porto-Alegre e Torres Homem, lançou a revista "Niterói", no mesmo ano. Introduziu ali seus principais temas poéticos: as impressões dos lugares que passou, cidades tradicionais, monumentos históricos, sugestões do passado, impressões da natureza associada ao sentimento de Deus, reflexões sobre o destino de sua Pátria, sobre as paixões humanas e o efêmero da vida. Ele reafirma, dentro de um ideal religioso, que a poesia tem finalidade moralizante, capaz de ser instrumento de elevação e dignificação do ser humano, condenando o estilo mitológico.

Ao retornar ao Brasil, em 1837, é aclamado chefe da "nova escola" e volta-se para a produção teatral, que então era renovada com a produção de Martins Pena e os desempenhos de João Caetano. Escreve duas tragédias: "Antônio José" ou "O poeta e a Inquisição" (1838) e "Olgiato" (1839).

Apesar de suas ideias, várias vezes as traiu por conta de sua formação neoclássica. O poema épico "Confederação dos Tamoios" foi escrito nos moldes de O Uraguai, retornando assim ao arcadismo. Esse fato gerou grande polêmica, tendo sido atacado por José de Alencar e defendido por Monte Alverne e pelo imperador Dom Pedro II.

Psychologia e Physiologia[editar | editar código-fonte]

Segundo Massimi ,[2] D. Magalhães foi um dos precursores do ensino da psicologia no Brasil, quando essa ciência ainda se iniciava transitando entre os estudos parapsicológicos e psicopatológicos. Professor do curso “Lições de Philosophie” (1837) do Colégio Imperial Pedro II com dois livros publicados sobre o tema: “Os fatos do espírito humano” (1865) e “A alma e o cérebro, estudos de Psychologia e Physiologia” (1876), ainda segundo essa autora exemplares típicos da influência francesa de filosofia espiritualista.

No ano anterior 1875 uma tese sobre o mesmo tema foi examinada pela banca e sumariamente recusada trata-se da tese de conclusão de curso intitulada Funcções do cérebro de Domingos Guedes Cabral, tal rejeição não foi aceita pelos alunos pois que no ano seguinte imprimiu-se em livro a referida tese vinculada às teorias darwinistas. Apesar de não se ter localizado uma manifestação específica de sua posição quanto a esse acontecimento, como se tem das questões indigenistas e especificamente sobre a “Confederação dos tamoyos” é evidente que se posicionava pela impossibilidade de redução das faculdades intelectuais e morais do homem frente ao conhecimento prévio da natureza e nos animais.

Apesar do seu erro de imaginar que mesmo nas teorias sobre os múltiplos centros de decisão e pensamento de Franz Joseph Gall (1758 —1828), e outros frenologistas se anularia “ser único que em nós pensa, e que repele a anarquia de tantas forças primitivas” e que ao se tomar o estudo dos animais para melhor compreensão dos processos fisiológicos humanos no que concerne ao estudo do cérebro estaríamos negando a especificidade da consciência tida como identidade do “eu”, e ação da vontade e força motriz vital Magalhães primava pelo estudo da moral e da sociedade. A psicologia, entendida como o estudo filosófico do conhecimento do homem, e a fisiologia, o seu estudo orgânico hierarquicamente subordinados A seu ver, a frenologia endossava as teorias fatalistas, contra o livre-arbítrio, onde o homem estaria submetido “ao império do destino”, “que ora o fixa ao escolho como uma ostra inerte, ora o eleva em turbilhão como a poeira”[3]

Massimi ,[4] analisando o processo de substituição do conceito de "Alma" pelo estudo do "Eu", proposta pelos espiritualistas em refutação à impossibilidade de conhecer a subjetividade identificada por téoricos organicistas, destaca a posição de Gonçalves de Magalhães de deixar de lado as causas ocultas dos fenômenos internos da mesma forma que se pode estudar os fenômenos físicos sem entrar na indagação sobre a natureza íntima da matéria.

Obras[editar | editar código-fonte]

  • Suspiros poéticos e saudades (1836) - Considerada a obra inaugural do romantismo brasileiro
  • Antônio José ou O poeta e a Inquisição (1839)
  • A Confederação dos Tamoios, poema épico (1857)
  • Os Mistérios de Vinícius (1857)
  • Fatos do Espírito Humano, tratado filosófico (1858)
  • Urânia, poesias (1862)
  • Cânticos fúnebres, poesias (1864)
  • “Os fatos do espírito humano” (1865)
  • A alma e o cérebro, ensaios (1876)
  • Comentários e pensamentos (1880)
  • "Os indígenas do Brasil perante a História" (1860)
Commons
O Commons possui multimídias sobre Gonçalves de Magalhães

Ligações externas[editar | editar código-fonte]


Precedido por
Lorbeerkranz.png ABL - patrono da cadeira 9
Sucedido por
Carlos Magalhães de Azeredo
(fundador)

Referências

  1. Carlos Eduardo de Almeida Barata. Subsídios para um Catálogo dos Títulos de Nobreza concedidos pela Santa Sé aos Brasileiros. Colégio Brasileiro de Genealogia - Arquivos Genealógicos. Página visitada em 2010-06-29.
  2. MASSIMI, Marina. História da psicologia Brasileira da época colônia até 1934. SP, EPU, 1990
  3. MAGALHÃES, Domingos José Gonçalves de. A alma e o cérebro: estudos de psicologia e fisiologia. Roma: Typographia Fratelli Pallotta, 1876, p. 15. apud: KODAMA Kaori. Um discurso sobre ciência, religião e liberdade no Segundo Reinado: A Alma e o Cérebro, de Gonçalves de Magalhães. Revista da SBHC, RJ, v. 3, n. 2, p. 146-155, jul.-dez. 2005 Disponível em .pdf
  4. MASSIMI, oc. p.47



Outros projetos Wikimedia também contêm material sobre este tema:
Wikisource Textos originais no Wikisource