Google Cloud Print

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Google Cloud Print
Requer pagamento? não
Gênero Computação em nuvem
Cadastro sim
Lançamento Abril de 2010
Desenvolvedor Google
Proprietário Google
Página oficial Google Cloud Print

Google Cloud Print é um serviço beta do Google . Ele permite que qualquer aplicação (web, desktop, móvel) em qualquer dispositivo na nuvem da rede para imprimir em qualquer impressora. [1] Google Cloud Print introduzido em abril de 2010, como uma solução de futuro para impressão a partir de Chrome OS.O Google Cloud Print alcançou o estágio beta em 25 de janeiro de 2011. Foi ativado no canal de desenvolvimento do Chrome .[2] Em outras versões, o serviço pode ser activado através de "about: flags".

O serviço[editar | editar código-fonte]

Se você não tiver uma impressora com placa de rede será necessário conectá-lo a um PC com sistema operacional Windows (estável) ou iMac (beta) e configurar a impressora para uso. Para activar o serviço basta ter uma conta do Google. O serviço Google Cloud Print trabalha oficialmente em toda a rede da HP (ou seja, as impressoras com placa de rede). Depois de solicitar o endereço de e-mail da impressora simplesmente indicar durante o processo de impressão.[1]

Limitações de uso[editar | editar código-fonte]

O e-mail enviado para a impressora será de até 5MB. Impressão via e-mail pode suportar um máximo de 10 anexos de cada vez.

Arquivos suportados[editar | editar código-fonte]

Tipos de arquivos suportados são:

Provedores[editar | editar código-fonte]

Os provedores a seguir foram testados e estão funcionando corretamente pelo Google:

Driver de Impressão Local[editar | editar código-fonte]

Há um driver para Windows de impressão local que permite imprimir por meio do Google Cloud Print em qualquer aplicativo desktop. Esse driver não aparece na relação oficial de aplicativos compatíveis, mas é desenvolvido pelo próprio Google. O download pode ser feito por meio dessa página.

Segurança[editar | editar código-fonte]

Em outubro de 2013 a imprensa publicou, com base nos documentos revelados por Edward Snowden, que através do Programa MUSCULAR, o GCHQ britânico e a NSA secretamente invadiram os principais enlaces de comunicação dos centros de processamento de dados do Yahoo! e do Google ao redor do mundo, tendo acesso aos dados da nuvem de ambos[4]

Um dos slides de uma apresentação da NSA sobre o programa mostra como este funciona e apresenta um rosto com um sorriso indicando o sucesso da NSA em invadir os sistemas alvo. Em palestra em abril de 2014, o jornalista Barton Gellman disse que quando os engenheiros do Google viram o slide, responderam furiosamente ao ataque ao sistema do Google. Foi também este slide um dos fatores importantes em convencer o jornal Washington Post da necessidade e importância de publicar os documentos revelados por Edward Snowden[5] .

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

Ligações externas[editar | editar código-fonte]