Google Books

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
(Redirecionado de Google livros)
Ir para: navegação, pesquisa
Google Books
Google, Inc.
Nomes anteriores Google Print
Google Book Search
Requer pagamento? Não
Gênero Pesquisa de Textos de Livros Online
Cadastro Público
País de origem  Estados Unidos
Lançamento outubro de 2004
Desenvolvedor Google Inc.
Página oficial http://books.google.com

Google Books (anteriormente conhecido como Google Book Search e Google Print) (em português: Google Livros) é um serviço da empresa estadunidense Google que procura textos completos de livros que a Google escaneia, converte-o utilizando o reconhecimento ótico de caracteres, e armazena em seu banco de dados digital. O serviço foi anteriormente conhecido como Google Print quando fora introduzido na Feira do Livro de Frankfurt em outubro de 2004. Quando é introduzida uma palavra-chave no sistema de busca, até três resultados do índice do Google Books são disponibilizados sobre os resultados da pesquisa no serviço Google Web Search (google.com). Clicando em um resultado, o Google Books abre uma interface na qual o usuário pode visualizar páginas do livro bem como conteúdos relacionados à anúncios e ligações para o website da editora e do livreiro. Através de uma série de limitações de acesso e medidas de segurança, algumas baseadas na localização do usuário, a Google limita o número de páginas visualizáveis, na tentativa de prevenir-se da cópia do texto de materiais sob direitos autorais.[1]

O banco de dados do Google Books continua a crescer. O Google Books permite que obras de domínio público e outros materiais sem direitos autorais serem carregados em formato PDF. Para usuários que não se localizem nos Estados Unidos, entretanto, a Google tem de ter certeza que a obra em questão é realmente protegida por direitos autorais sob as leis locais. De acordo com um membro da Equipe de Suporte do Google Books, "um livro não ser de domínio público pode ser frequentemente uma questão jurídica delicada, nós erramos na parte do cuidado e deveríamos apresentar no máximo um pequeno trecho até determinarmos que o livro tenha entrado inteiramente em domínio público".[2]

A maioria dos livros são escaneados usando uma câmera Elphel 323[3] [4] a um ritmo de 1 000 páginas por hora.[5]

A iniciativa foi aclamada pelo seu potencial de oferecer acesso sem precedentes para o que poderia tornar-se a maior coleção de escritos online de conhecimento humano[6] [7] e promover a democratização conhecimento,[8] porém o serviço também foi criticado pelas violações de direitos autorais potenciais.[8] [9]

Número de escaneamentos[editar | editar código-fonte]

Em março de 2007, a Google havia digitalizado um milhão de livros, de acordo com o The New York Times com um custo estimado de US$ 5 milhões.[10] Em 28 de outubro de 2008, a Google afirmou que tinha sete milhões de livros pesquisáveis através do Google Books, incluindo aqueles escaneados pelos seus 20 000 editores sócios.[11] Dos 7 milhões de livros, 1 milhão são de "visualização completa", baseado em acordos com os editores. Um milhão estão em domínio público. A maioria das obras escaneadas ainda não foram impressas ou disponíveis comercialmente.[12] Em 9 de outubro de 2009, a Google anunciou que o número de livros escaneados superam os dez milhões.[13]

Competição[editar | editar código-fonte]

  • A Microsoft iniciou um projeto semelhante, chamado Live Search Books no final de 2006. Ele operou até maio de 2008, quando foi abandonado.[14] Todos livros do Live Search Books estão agora disponíveis na Internet Archive. A Internet Archive é uma organização sem fins lucrativos e o segundo maior projeto de escaneamento de livros, após a Google. Em novembro de 2008, o projeto tinha mais de 1 milhão de obras completas de domínio público escaneadas online.
  • Europeana é uma plataforma de pesquisa que disponibiliza cerca de 3 milhões de objetos digitais em novembro de 2008, incluindo vídeos, fotos, pinturas, áudios, mapas, manuscritos, livros impressos, e jornais dos últimos 2 000 anos da história da Europa em mais de 1 000 arquivos da União Europeia.[15] É esperado que este número atinja uma marca de 10 milhões em 2010.[16]
  • Gallica da Biblioteca Nacional da França disponibiliza cerca de 800 000 livros digitados, jornais, manuscritos, mapas, desenhos, etc. Criado em 1997, a biblioteca digital continua a expandir-se em um ritmo de cerca de 5 000 novos documentos por mês. Desde o fim de 2008, muitos dos novos documentos escaneados estão disponíveis em formato de imagem e texto. Muitos desses documentos são escritos em francês, porém outros são em outras línguas.

Linha do tempo[editar | editar código-fonte]

2004[editar | editar código-fonte]

  • Dezembro de 2004: a Google sinalizou uma extensão para sua inciativa do Google Print, conhecida como Google Print Library Project.[17] A Google anunciou parceiras com diversas universidades de alto reconhecimento e bibliotecas públicas, incluindo a Universidade de Michigan, Harvard, Stanford, Oxford (Bodleian Library), e a New York Public Library. De acordo com comunicados de imprensa e bibliotecários das universidades, a Google planeja digitalizar e tornar disponível, através de seu serviço Google Books, aproximadamente 15 milhões de volumes em uma década. O anúncio logo gerou controvérsias quando associações de editores e autores desafiaram os planos da Google de digitalizar, não apenas livros de domínio público, porém também títulos sob direitos autorais.

2005[editar | editar código-fonte]

  • Setembro-Outubro de 2005: Duas ações judiciais contra a Google acusam que a companhia não havia respeitado os direitos autorais e falhou em compensar adequadamente os autores e editores. Uma delas é uma ação em nome de autores (20 de setembro de 2005) e a outra é uma ação civil movida por cinco grandes editoras e a Associação de Editores Americanos. (19 de outubro de 2005)[9] [18] [19] [20] [21] [22]
  • Novembro de 2005: a Google modificou o nome de seu serviço de Google Print para Google Book Search.[23] Seu programa possibilita editores e autores incluirem seus livros no serviço, renomeado a "Google Books Partner Program" e a parceria com bibliotecas modificou o nome para Google Books Library Project.

2006[editar | editar código-fonte]

  • Agosto de 2006: A Universidade da Califórnia anunciou que poderia juntar-se ao projeto de digitalização de livros. Isto inclui uma porção dos seus 34 milhões de volumes em aproximadamente 100 bibliotecas gerenciadas pela universidade.[24]
  • Setembro de 2006: A Universidade Complutense de Madri tornou-se a primeira biblioteca de idioma espanhol a unir-se ao Google Books Library Project.[25]
  • Outubro de 2006: A Universidade de Wisconsin-Madison anunciou que se juntaria ao projeto de digitalização do Book Search com a Wisconsin Historical Society Library. Juntas, as bilbiotecas têm 7,2 milhões de livros.[26]
  • Novembro de 2006: A Universidade de Virgínia une-se ao projeto. Suas bibliotecas contêm mais de 5 milhões de volumes e mais de 17 milhões de manuscritos, dentre eles, livros e arquivos raros.[27]

2007[editar | editar código-fonte]

  • Janeiro de 2007: A Universidade do Texas anunciou que se uniria ao projeto de digitalização do Book Search. Pelo menos 1 milhão de volumes serão digitalizados das 13 bibliotecas da Universidade. (Ao final de 2008, a Universidade do Texas parou de contribuir com o projeto.)
  • Março de 2007: A Bavarian State Library anunciou uma parceria com a Google para escanear mais de 1 milhão de obras em domínio público impressas em alemão, bem como também, inglês, francês, italiano, latim, e espanhol.[28]
  • Maio de 2007: Uma parceria com o projeto da Google foi anunciada juntamente à Biblioteca Cantonal da Universidade de Lausanne.[28]
  • Maio de 2007: A Biblioteca Boekentoren da Universidade de Ghent participará com a Google na digitalização fazendo versões digitalizadas de livros do século XIX nos idiomas francês e holandês disponíveis online.[29]
  • Junho de 2007: O Committee on Institutional Cooperation (CIC) anunciou que suas vinte bibliotecas participariam no escaneamento de 10 milhões de livros no curso dos próximos seis anos.[30]
  • Julho de 2007: A biblioteca da Universidade Keio tornou-se a primeira parceira da Google do Japão com o anúncio de que eles digitalizariam pelo menos 120 000 livros de domínio público.[31]
  • Agosto de 2007: A Google anunciou que iria digitalizar 500 000 itens, tanto de domínio público quanto com direitos autorais, na Biblioteca da Universidade de Cornell. A Google também provirá uma cópia digital de todas as obras escaneadas a serem incorporadas ao sistema de bilbiotecas próprio da universidade.[32]
  • Setembro de 2007: A Google adicionou um recurso que permite aos usuários compartilharem trechos de livros que estão em domínio público. Os trechos podem aparecer exatamente como fazem na digitalização dos livros ou como um texto simples.[33]
  • Setembro de 2007: A Google inaugura um novo recurso chamado "My Library" que permite aos usuários a criar bibliotecas pessoais customizadas, seleções de livros que eles podem rotular, revisar, avaliar, ou pesquisar o texto completo.[34]
  • Dezembro de 2007: A Universidade de Columbia foi adicionada como uma parceira na digitalização de obras de domínio público.[35]

2008[editar | editar código-fonte]

  • Maio de 2008: A Microsoft cai gradualmente e planeja acabar seu projeto de escaneamento, que alcançou uma marca de 750 000 livros e 80 milhões de artigos de jornal.[36]
  • Outubro de 2008: Um acordo é alcançado entre a indústria editorial e a Google após dois anos de negociação. A Google concorda a indenizar em troca do direito de fazer milhões de livros disponíveis ao público.[9] [37]
  • Novembro de 2008: A Google atinge a marca dos 7 milhões de livros escaneados por ela própria e por seus parceiros editores. Um milhão estão no modo de visualização completa, 1 milhão são obras de domínio público totalmente visualizáveis e carregáveis. Cerca de cinco milhões são out-of-print.[12] [38] [39]
  • Dezembro de 2008: A Google anuncia a inclusão de revistas ao Google Books. Estão inclusos New York Magazine, Ebony, Popular Mechanics e outros.[40] [41]

2009[editar | editar código-fonte]

Maio de 2009: Na convenção anual BookExpo em Nova Iorque, a Google sinalizou sua intenção em introduzir um programa que permitiria os editores vender versões digitais de seus livros mais recentes diretamente aos consumidores através da Google.[42]

Dezembro de 2009: Um tribunal francês encerrou o escaneamento de livros editados na França, alegando que o Google Books estaria violando as leis de direitos autorais. Esta foi a primeira grande perda legal para o projeto.[43]

Participantes do Google Books Library Project[editar | editar código-fonte]

O número de instituições participantes cresceu desde o início do Google Books Library Project; A Universidade de Mysore foi mencionada em muitas reportagens da mídia como sendo parceira do projeto.[44] [45] No entanto, eles não são listados como parceiros pela Google.[46]

Parceiros iniciais[editar | editar código-fonte]

Parceiros adicionais[editar | editar código-fonte]

Outros parceiros institucionais uniram-se ao projeto desde que a parceria foi anunciada.

Referências

  1. Greg Duffy (March 2005). Google's Cookie and Hacking Google Print. Kuro5hin.
  2. Ryan Sands (November 9, 2006). From the mail bag: Public domain books and downloads (blog). Inside Google Book Search.
  3. Google currently uses Elphel cameras for book scanning and for capturing street imagery in Google Maps.
  4. Adapted firmware of Elphel 323 camera to meet needs of Google Book Search".
  5. Kelly, Kevin. "Scan This Book!", New York Times Magazine, May 14, 2006. Página visitada em 2008-03-07. “When Google announced in December 2004 that it would digitally scan the books of five major research libraries to make their contents searchable, the promise of a universal library was resurrected.... From the days of Sumerian clay tablets till now, humans have "published" at least 32 million books, 750 million articles and essays, 25 million songs, 500 million images, 500,000 movies, 3 million videos, TV shows and short films and 100 billion public Web pages.”
  6. Bergquist, Kevin. "Google project promotes public good", The University Record, University of Michigan, 2006-02-13. Página visitada em 2007-04-11.
  7. Pace, Andrew K. (January 2006). Is This the Renaissance or the Dark Ages?. American Libraries. American Library Association. Página visitada em 2007-04-11. "Google made instant e-book believers out of skeptics even though 10 years of e-book evangelism among librarians had barely made progress."
  8. a b Malte Herwig, "Google's Total Library", Spiegel Online International, Mar. 28, 2007..
  9. a b c Copyright infringement suits against Google and their settlement:Copyright Accord Would Make Millions More Books Available Online. Google Press Center. Página visitada em November 22, 2008.
  10. Hafner, Katie. "History, Digitized (and Abridged)", New York Times, March 11, 2007. Página visitada em 2008-04-10. “Google, on its own, is digitizing books at the Library of Congress, which has its hands full with other items.... In its quest to scan every one of the tens of millions of books ever published, Google has already digitized one million volumes. Google refuses to say how much it has spent on the venture so far, but outside experts estimate the figure at at least US$5 million. The company has also been scanning and indexing academic journals to make them searchable, and is working with the Patent Office to digitize thousands of patents dating back to 1790.”
  11. New Chapter. Google. Página visitada em 2008-10-29.
  12. a b "In Google Book Settlement, Business Trumps Ideals", PC World, October 28, 2008. Página visitada em 2008-10-31. “Of the seven million books Google has scanned, one million are in full preview mode as part of formal publisher agreements. Another one million are public domain works.”
  13. A tale of 10,000,000 books. Google. Página visitada em 2009-10-11.
  14. "Microsoft starts online library in challenge to Google Books", AFP. Página visitada em 2008-11-24. “Microsoft launched an online library in a move that pits the world's biggest software company against Google's controversial project to digitize the world's books.”
  15. "Europe's Answer to Google Book Search Crashes on Day 1", Wired, 2008. Página visitada em 2008-11-24.
  16. European Commission (2008-11-20). EUROPEANA – Europe's Digital Library: Frequently Asked Questions. Press release. Página visitada em 2008-11-26.
  17. O'Sullivan, Joseph and Adam Smith. "All booked up," Googleblog. December 14, 2004.
  18. Authors Guild v. Google Settlement Resources Page. Authors Guild. Página visitada em November 22, 2008.
  19. "[1]".
  20. Aiken, Paul (2005-09-20). Authors Guild Sues Google, Citing "Massive Copyright Infringement". Authors Guild. Página visitada em 2007-04-11.
  21. Gilbert, Alorie (2005-10-19). Publishers sue Google over book search project. CNET News. Página visitada em 2007-04-11. Cópia arquivada em 2012-07-14.
  22. The McGraw Hill Companies, Inc.; Pearson Education, Inc.; Penguin Group (USA) Inc.; Simon and Schuster, Inc.; John Wiley and Sons, Inc. Plaintiffs, v. Google Inc., Defendant (PDF). Página visitada em 2007-10-05. PDF file of the complaint. SD. N.Y. Case No. 05-CV-8881-JES.
  23. Jen Grant (November 17, 2005). Judging Book Search by its cover (blog). Googleblog.
  24. UC libraries partner with Google to digitize books.
  25. University Complutense of Madrid and Google to Make Hundreds of Thousands of Books Available Online.
  26. UW–Madion + WHS + Google digitization project partnership announced.
  27. The University of Virginia Library Joins the Google Books Library Project.
  28. a b Reed, Brock. "La Bibliothèque, C'est Google" (Wired Campus Newsletter), Chronicle of Higher Education. May 17, 2007..
  29. Ghent/Gent + Google digitizing project partnership announced.
  30. CIC + Google digitizing project partnership announced.
  31. Keio + Google digitizing project partnership announced.
  32. Cornell + Google digitizing project partnership announced.
  33. Google's digitized "snippets" feature announced.
  34. Google's "personal library" feature announced.
  35. Columbia + Google digitizing project partnership announced.
  36. "Microsoft Will Shut Down Book Search Program", New York Times, May 24, 2008. Página visitada em 2008-05-24. “Microsoft said it had digitized 750,000 books and indexed 80 million journal articles.”
  37. "Some Fear Google's Power in Digital Books", New York Times, February 1, 2009. Página visitada em 2009-02-02. “Today, that project is known as Google Book Search and, aided by a recent class-action settlement, it promises to transform the way information is collected: who controls the most books; who gets access to those books; how access will be sold and attained.”
  38. "Massive EU online library looks to compete with Google", Agence France-Presse, November 2008. Página visitada em 2008-11-24. “Google, one of the pioneers in this domain on the other hand, claims to have seven million books available for its "Google Book Search" project, which saw the light of day at the end of 2004.”
  39. "Google Hopes to Open a Trove of Little-Seen Books", New York Times, January 4, 2009. Página visitada em 2009-01-05. “The settlement may give new life to copyrighted out-of-print books in a digital form and allow writers to make money from titles that had been out of commercial circulation for years. Of the seven million books Google has scanned so far, about five million are in this category.”
  40. "Google updates search index with old magazines", MSNBC, December 10, 2008. Página visitada em June 29, 2009. “As part of its quest to corral more content published on paper, Google Inc. has made digital copies of more than 1 million articles from magazines that hit the newsstands decades ago.”
  41. Título ainda não informado (favor adicionar).
  42. Preparing to Sell E-Books, Google Takes on Amazon. The New York Times. Página visitada em 2009-05-31.
  43. "French court shuts down Google Books project", Los Angeles Times, December 19, 2009. Página visitada em 2009-12-19.
  44. Ars Technica.
  45. Hindustani Times "Google to digitise 800,000 books at Mysore varsity".
  46. Google Library Partners.

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Saiba mais sobre Google Books
nos projetos irmãos da Wikipedia:

Search Wiktionary Definições no Wikcionario
Search Wikibooks Livros e manuais no Wikilivros
Search Wikiquote Citações no Wikiquote
Search Wikisource Documentos originais no Wikisource
Search Commons Imagens e media no Commons
Search Wikinews Notícias no Wikinotícias
Busca Wikcionario Recursos no Wikiversidade