Gottfrid Svartholm

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Gottfrid Svartholm
Nome completo Per Gottfrid Svartholm Warg
Conhecido(a) por Co-fundador do site The Pirate Bay
Nascimento 17 de outubro de 1984 (29 anos)
Suécia
Residência Camboja
Nacionalidade sueco

Per Gottfrid Svartholm Warg (Nascido em 17 de outubro de 1984), conhecido como anakata, é um cidadão Sueco especialista em computação, conhecido como o antigo co-proprietário da empresa de web hosting PRQ e co-fundador do site The Pirate Bay com Fredrik Neij e Peter Sunde. Ele também criou o software tracker Hypercube (software de código aberto sob licença não específica)[1] , que foi usada para executar o site The Pirate Bay e tracker.

Partes de uma entrevista com Svartholm comentando sobre a batida policial de Maio de 2006 do The Pirate Bay foram destaques no Good Copy Bad Copy e Steal This Film. Gottfrid também aparece no documentário TPB AFK, de 2013.

Questões legais[editar | editar código-fonte]

Em 31 de Janeiro de 2008, operadores do The Pirate BayPeter Sunde, Fredrik Neij, Gottfrid Svartholm e Carl Lundström (CEO do antigo The Pirate Bay ISP) — foram acusados de "promover as violações de outras pessoas quanto às leis de direitos autorais".[2] O julgamento começou em 16 de fevereiro de 2009. Em 17 de abril de 2009, Sunde e seus co-réus foram encontrados para serem julgados por "apoio na disponibilização de conteúdo de direitos autorais" na corte de distrito de Stockholm (tingsrätten). Cada réu foi condenado a um ano de prisão e a pagar uma indenização de 30 milhões de Coroas suecas (aproximadamente 3.390.317,00 ou US$ 4.222.980,00 ou R$ 7.500.000,00), a repartir-se entre os quatro réus.[3] Os advogados dos réus têm apelado à corte através de um pedido de um julgamento em tribunal por causa da recente suspeita de preconceito em nome do juiz Tomas Norström.[4] No direito sueco, o veredicto não é legal até que todos os recursos tenham sido processados.[5]

A partir de 20 de abril de 2009, Svartholm é objecto de um inquérito pelo Ministério Público Sueco, olhando para seu papel em The Student Bay, um site especializado em textos acadêmicos de compartilhamento de arquivos. Svartholm afirma que ele não tinha conhecimento do site. O site foi denunciado pela associação sueca para escritores educacionais em Dezembro de 2008, alegando que ele violou a lei de direitos autorais.[6]

Em outubro de 2009, o Tribunal Distrital de Estocolmo ordenou que Svartholm está proibido de operar o Pirate Bay, apesar do fato de não estar mais mais vivendo na Suécia e de o Pirate Bay não estar localizado lá.[7]

Em outubro de 2011, um tribunal sueco ordenou que Svartholm fosse preso por não comparecer a uma audiência de tribunal.[8]

Em 30 de agosto de 2012, a pedido das autoridades suecas, Svartholm foi preso pela polícia do Camboja na capital Phnom Penh,[9] onde aparentemente residiu por alguns anos.[10] Em Setembro de 2012 seu visto expirou e ele foi deportado para seu país de origem, onde foi preso e indiciado em mais um caso, desta vez por invadir e tentar fraudar servidores da Logica, uma companhia de TI relacionada à administração fiscal sueca. Gottfrid passou três meses na solitária, onde apenas recebia visitas de sua mãe e podia ler algumas cartas, muitas delas enviadas por usuários do The Pirate Bay. Caso não haja nenhuma mudança no processo, Gottfrid terá cumprido sua pena e será liberado em maio de 2013.[11]

Referências[editar | editar código-fonte]

O Commons possui uma categoria contendo imagens e outros ficheiros sobre Gottfrid Svartholm

Referências

Ícone de esboço Este artigo sobre uma pessoa é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.