Graceland

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Graceland
Imagem frontal de Graceland.
Tipo Mansão
Estilo dominante Neoclássico
Início da construção 1939
Local Memphis
 Tennessee
 Estados Unidos
Endereço 3764 Elvis Presley Boulevard

Graceland foi a residência oficial de Elvis Presley, considerado o rei do rock, de 1957 até 1977. Logo em seguida, se tornou alvo da visitação de milhões de pessoas de todo o mundo, se tornando quase como um santuário em homenagem ao cantor. É visitada com bastante frequência por celebridades do mundo da música, cinema e televisão, principalmente dos Estados Unidos.

Em 30 de junho de 2006, a famosa mansão foi visitada por dois líderes mundiais, George W. Bush, ex-presidente dos Estados Unidos, e Junichiro Koizumi, ex-primeiro-ministro japonês. Koizumi é um fã declarado de Elvis, tanto que no ano de 2001 foi lançado o disco "Junichiro Koizumi Presents: My Favorite Elvis Songs", alcançando as primeiras posições nos charts japoneses. Bush também se tornou o primeiro presidente americano em exercício a visitar Graceland.

História[editar | editar código-fonte]

Graceland era uma fazenda de propriedade de S. E. Toof, um impressor que trabalhava no "The Memphis Daily Appeal". O nome da fazenda foi dado em homenagem a Grace, filha de Toof, que viria a herdar a fazenda. Logo depois, ela doou à sobrinha Ruth uma parte da propriedade. Mais tarde, Ruth e o marido construíram uma casa no terreno no estilo "colonial" americano.

Sala de estar de Graceland.

Mas em 1957, quando Elvis Presley comprou a casa, tudo mudou e a até então desconhecida mansão virou uma das residências mais famosas do mundo com o passar dos anos. Na ocasião, Elvis pagou cerca de 100 mil dólares, que na época era uma quantia muito elevada.

Um dos locais mais conhecidos da propriedade é o jardim da meditação, onde hoje se encontram os corpos sepultados de Elvis, seu pai, mãe e avó. Era com certeza um dos lugares preferidos de Elvis na propriedade, afinal, como o próprio nome diz, era reservado a Elvis para refletir sobre seus problemas e angústias, ou para ficar simplesmente sozinho para "conversar" com a sua mãe ou até mesmo seu irmão, morto na hora do parto. Uma curiosidade é que Elvis foi fotografado uma única vez nesse local. O jardim foi aberto ao público em 1978. Já o restante da mansão foi aberto ao público em 7 de junho de 1982.

Graceland.

Elvis também realizou algumas modificações na propriedade, de acordo com o seu gosto, que como exemplo podemos citar o muro de pedras com o portão musical, a piscina, a quadra de tênis, a "Jungle Room", entre outras reformas. Evidentemente, a decoração interior de Graceland também foi feita bem ao estilo de Elvis, tendo alguns aposentos sido decorados ao gosto dele, como foi o caso da "Jungle Room".

Na mansão ainda podemos citar a existência do subsolo, onde Elvis se divertia com alguns de seus amigos e familiares, jogando sinuca, escutando seus discos preferidos ou vendo televisão. Ao lado desse aposento fica um pequeno bar. Além do subsolo, existe ainda o andar superior onde se localizava o quarto de Elvis e de Lisa Marie. Essa área da mansão não é permitida à visitação pública e não há fotos disponíveis, pelo menos oficialmente.

A Jungle Room de Graceland.

As últimas músicas gravadas por Elvis oficialmente em fevereiro e outubro de 1976 foram realizadas em Graceland em seu estúdio na parte térrea da mansão chamada de "Jungle Room". Entre as músicas gravadas estão os seus últimos sucessos "Moody Blue" e "Way Down".

Em 1991, a mansão foi reconhecida pelo "patrimônio histórico do Estados Unidos (National Register of Historic Places)". Já em 2006, a famosa residência foi designada como "lugar histórico americano (National Historic Landmark)" pelo ministro do interior dos Estados Unidos.

E como não poderia deixar de ser, em volta da mansão foi construído um verdadeiro complexo turístico com várias lojas de souvenirs, além de dois museus, um pequeno cinema, três restaurantes, uma agência dos correios, além dos dois aviões do rei que estão em exposição e mais recentemente um hotel, chamado de "Heartbreak Hotel".

Nos dias atuais a casa recebe por volta de 600 mil pessoas por ano, sendo a segunda residência mais visitada dos Estados Unidos, só perdendo para a Casa Branca.

Atualmente, o lado de fora da mansão pode ser visto pela Internet devido à colocação de duas câmeras postadas em frente à porta de entrada da casa de Elvis. Existe também outra câmera colocada em frente à capela que existe na mansão. No ano de 2006, a famosa mansão foi palco de uma das eliminatórias finais do reality show americano denominado American Idol.

Na residência encontra-se os túmulos de Elvis[1] , de sua avó paterna: Minnie Mae Presley (1890-1980)[2] de seu pai: Vernon Elvis Presley (1916-1979)[3] e de sua mãe Gladys Love Smith Presley (1912-1958)[4]

Curiosidades[editar | editar código-fonte]

Koizumi em Graceland - 30 de junho de 2006.
  • A filha de Ruth, uma das proprietárias da casa antes da compra por Elvis, estudava harpa e piano desde os 4 anos. Por isso, a casa foi construída com acústica e sistema central de som. Isso porque seus pais visualizavam um futuro brilhante para a pequena filha. Com isso, os salões tinham espaço para futuras audições.
  • Ao longo das décadas de 50, 60 e 70, alguns fãs se aglomeravam no portão musical (portão principal da mansão) para serem agraciados com o autógrafo de Elvis. E ao contrário do que muitos imaginam, alguns conseguiram esse feito. Afinal, Elvis, sempre que podia, atendia seus fãs ficando até horas distribuindo autógrafos, como pode ser conferido em alguns vídeos.
  • Ao contrário da maioria, outros fãs incontidos pulavam o muro para conhecer o rei do rock mais de perto. inclusive, alguns viraram celebridades.
  • Sem dúvida, muitas fotos foram tiradas de Elvis adentrando a mansão. Uma delas por um fã na noite de 15 de agosto de 1977, que segundo alguns é a última foto do rei.
  • Em 1974, Graceland foi usada para ilustrar o álbum "Recorded Live on Stage in Memphis", tornando a mansão ainda mais famosa.
  • Várias de suas jumpsuits, os macacões usados por Elvis a partir de 1969, estão em exposição hoje em dia em Graceland.
  • Após a morte de Elvis, Graceland ficou sob responsabilidade de Priscilla Presley. Muitos afirmam que o crescente número de visitantes, que por sinal só tem aumentado, é fruto da administração de Priscilla.
  • Em agosto, acontece a "Elvis Week", ou seja, a "semana Elvis", aumentando consideravelmente a visitação de seus fãs. Os mesmos fãs podem visitar a mansão, o Jardim da Meditação e participar da vigília das velas. Também é realizado em janeiro, mês de nascimento de Elvis, o "Elvis Birthday" e, no Natal, o "Elvis Christmas".
  • O livro "1000 lugares para conhecer antes de morrer" (ISBN 8575422162), escrito pela jornalista Patricia Shultz, que se tornou em um grande sucesso de vendas, destaca Graceland entre os mil lugares mais interessantes do mundo. Em um trecho do livro ela diz: "(...) Em matéria de viagens nostálgicas, essa é uma parada essencial. Os tempos mudaram, mas Graceland não: permanece congelada em 1977, ano em que Elvis foi sepultado na área da propriedade conhecida como "Jardim da Meditação" (…)".
  • A cidade de Jaú, no interior de São Paulo, possui uma réplica da mansão.

Visitantes ilustres[editar | editar código-fonte]

         


Referências

Ligações externas[editar | editar código-fonte]