Grafema

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Question book.svg
Este artigo não cita fontes confiáveis e independentes. (desde julho de 2013). Por favor, adicione referências e insira-as corretamente no texto ou no rodapé. Conteúdo sem fontes poderá ser removido.
Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)
Six glyphs.svg
Sistemas de escrita
História
Grafema
Lista de sistemas de escrita
Tipos
Alfabeto característico
Alfabeto
Abjad
Abugida
Silabário
Logossilabário
Logograma
Taquigrafia
Relacionados
Pictograma
Ideograma

Grafema é o nome dado à unidade fundamental ou mínima de um sistema de escrita, podendo representar um fonema nas escritas alfabéticas, uma sílaba nas escritas silábicas ou em abjads, ou ainda uma idéia numa escrita.

O grafema é a unidade formal mínima da escrita. Mínimo porque não pode ser desmembrado em dois ou mais sinais que também possam ser tratados como grafema. Formal porque é abstrato, não pode ser visto. O que vemos são as atualizações, indeterminadas em número, do grafema logográfico.

Unicode[editar | editar código-fonte]

Grafema: (1) Uma unidade mínima distintiva no contexto de um sistema de escrita. Por exemplo, ‹p› e ‹d› são grafemas distintos no sistema de escrita português porque existem palavras distintas como todo e topo. Outros exemplos: <c>, <ç> e <ss>, que significam coisas diferentes em caca, caça e cassa; forma e fôrma. O contrário também é verdadeiro: formas em itálico e em negrito de uma letra A não são grafemas distintivos porque nenhuma palavra é distinta pela alternância dessas duas formas. Formas em maiúsculas podem ser distintivas: a Bíblia e a bíblia dos tradutores; o Diabo (ser individual) e alguns diabos (categorias de seres); (2) O que um usuário de computador freqüentemente entende por caractere.

Grupo de Grafemas: Um elemento particular de um texto definido no anexo Unicode Standard Annex #29, “Text Boundaries”, que consiste em um dos seguintes casos: um carácter atômico, uma sequência de caracteres combináveis a um carácter básico somados a uma ou mais marcas que não sejam de espaço (nonspacing) ou marcas de contexto (enclosing), ou uma sequência de jamos do Hangul que sejam equivalentes a uma sílaba do Hangul.

Segundo Joaquim Mattoso Câmara Júnior existem alguns tipos de Grafemas, dentre os quais, os Grafemas Diacríticos. Observe os grafemas a seguir:

A À Á Â Ã

Todos são formados por uma mesma base gráfica (A) e diferem pela presença ou não de um sinal distintivo colocado na parte superior do grafema. Em português, usamos essa série para representar as vogais baixas do nosso idioma. É comum em vários sistemas de escrita, inclusive o nosso, a utilização de uma mesma base gráfica para representar um conjunto de itens lingüísticos semelhantes. A distinção de cada item é feita pelo acréscimo de um sinal complementar à base. Esses sinais distintivos chamamos diacríticos.

Em português, temos seis diacríticos:

acento agudo

acento circunflexo

acento grave

cedilha

til

trema (o trema foi abolido da Língua Portuguesa no novo acordo ortográfico entre os países lusófonos em 2010)