Gralha-de-bico-vermelho

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Como ler uma caixa taxonómicaGralha-de-bico-vermelho
Gralha-de-bico-vermelho

Gralha-de-bico-vermelho
Estado de conservação
Status iucn3.1 LC pt.svg
Pouco preocupante
Classificação científica
Reino: Animalia
Filo: Chordata
Classe: Aves
Ordem: Passeriformes
Família: Corvidae
Género: Pyrrhocorax
Espécie: P. pyrrhocorax
Nome binomial
Pyrrhocorax pyrrhocorax
( Linnaeus, 1758)
Distribuição geográfica
Mapa da distribuição da gralha-de-bico-vermelho
Mapa da distribuição da gralha-de-bico-vermelho

A gralha-de-bico-vermelho (Pyrrhocorax pyrrhocorax) é uma ave da família Corvidae (corvos).

Estatuto de Conservação[editar | editar código-fonte]

A nível global é considerado Pouco Preocupante (LC).
Em Portugal é considerado Em Perigo (EN).

Proteção legal[editar | editar código-fonte]

Decreto-Lei nº 140/99 de 24 de Abril, Transposição da Diretiva Aves 79/409/CEE de 2 de Abril de 1979, com a redação dada pelo Decreto-Lei nº 49/2005 de 24 de Fevereiro – Anexo I.
Decreto-Lei nº 316/89 de Setembro, transposição para a legislação nacional da Convenção de Berna – Anexo II.

História Evolutiva[editar | editar código-fonte]

Os primeiros fósseis da família Corvidae datam de meados do Mioceno, cerca de 17 milhões de anos atrás; Miocorvus pode ser o ancestral das gralhas.
Ao longo dos anos tem havido um grande desacordo sobre o exato das relações evolucionárias da família Corvidae. Mas parece claro que as espécies da família Corvidae são derivados de antepassados australianos e de lá se espalharam ao longo do resto do mundo. O esclarecimento do inter-relacionamento das espécies pertencentes a família Corvidae foi alcançado com base na análise de DNA de várias sequências [1] .

Morfologia[editar | editar código-fonte]

Espécime de Pyrrhocorax pyrrhocorax
Espécime de Pyrrhocorax pyrrhocorax em voo
Figura esquematica das diferenças entre a gralha-de-bico-vermelho e a gralha-de-bico-amarelo

Morfologia Externa[editar | editar código-fonte]

Esta espécie apresenta um comprimento entre 37 e 41 centímetros, uma envergadura entre os 70 e 80 centímetros e chega a pesar de 280 a 360 gramas. A plumagem completamente negra contrasta com as patas e o bico curvo vermelho vivo. Os juvenis possuem um bico amarelado e as pernas são mais escuras em cor do que nos adultos.

Dimorfismo Sexual[editar | editar código-fonte]

Os machos são maiores que as fêmeas, nas outras características parecem ser morfologicamente idênticos [2] .

Espécies Semelhantes[editar | editar código-fonte]

A gralha-de-bico-amarelo (Pyrrhocorax graculus) é muito semelhante à gralha-de-bico-vermelho e distinguisse pelo bico amarelo e pela silhueta em voo.

Ecologia[editar | editar código-fonte]

Atividade[editar | editar código-fonte]

O seu voo é ondulante e acrobático, onde vários indivíduos se envolvem em piruetas, acompanhadas de estridentes e numerosos sons metálicos que constituem as características vocalizações desta espécie.

Com efeito, à parte das características vocalizações e voo acrobático, é a única espécie especialista no que diz respeito às exigências de habitat e alimentação, uma vez que se alimenta exclusivamente de insetos e habita zonas onde se pratica uma agricultura tradicional [2] [3] .

Hábitos Alimentares[editar | editar código-fonte]

A dieta é composta principalmente por insetos e é complementada com artrópodes, gastropodes e outros invertebrados [4] bem como matéria vegetal [5] .

Reprodução[editar | editar código-fonte]

Esta espécie vive em colónias formadas, geralmente, por 10 a 15 casais onde se pode observar que só há ninhos para uma fração dos casais, isto deve-se ao facto de estes animais já viverem acasalados antes de alcançarem a maturidade sexual que só se dá no segundo ao terceiro ano de vida. Os ninhos encontram-se quase sempre em locais como fendas de rochas, cavidades e paredes rochosas de alcantilados marinhos. Os ninhos são construídos por ambos os adultos, o macho geralmente ocupa-se da parte estrutural do ninho enquanto que a fêmea ocupa-se em “acolchoar” o interior do ninho. A postura é geralmente de 3-6 ovos e realiza-se, geralmente, em Abril no caso das zonas marinhas e em Maio no caso das zonas montanhosas. A incubação é inteiramente realizada pela fêmea e tem uma duração de 18 dias. O macho ajuda na alimentação da fêmea e dos seus descendentes. Os filhotes abandonam o ninho 38 dias depois de nascerem.

Comunicação[editar | editar código-fonte]

As gralhas de bico vermelho são conhecidas pelos seus voos ondulantes e acrobáticos em grupo, onde vários indivíduos se envolvem em piruetas, acompanhado pelas suas numerosas e agudas vocalizações "metálicas".

Longevidade[editar | editar código-fonte]

Esta espécie tem uma longevidade que ultrapassa os 13 anos [6] .

Habitats[editar | editar código-fonte]

Embora a gralha-de-bico-vermelho seja uma espécie característica das encostas escarpadas das zonas de montanha, a sua situação populacional em Portugal neste tipo de biótopos é bastante mal conhecida e aparentemente crítica. Habita em paredes alcantiladas marinhas e áreas de montanha com paredes rochosas, especialmente calcárias, em regiões secas e pobres em árvores. Esta espécie prefere desfiladeiros fluviais que ofereçam disponibilidade de sítios para nidificação [7] . Ocasionalmente pode ocupar edifícios.
Os campos agrícolas tradicionais são locais críticos onde as populações desta espécie se alimentam [2] [3] .

Grupo de gralhas-de-bico-vermelho numa zona de encosta marinha

Distribuição[editar | editar código-fonte]

A gralha-de-bico-vermelho é uma espécie de distribuição paleártica. Tem uma presença continua através das cadeias montanhosas da Ásia central, e bastante mais descontinua na Europa Meridional. Na Europa reparte-se por grande parte da Península Ibérica e localmente pela Grã-Bretanha, Irlanda, França, Itália, Sardenha, Sicília e Península Balcânica. Em Portugal, as populações mais numerosas encontram-se nas serras calcárias de média e baixa altitude (Serra dos Candeeiros) e em escarpas fluviais (Douro Internacional) ou costeiras (Sudoeste Alentejano) Em Espanha possui uma população numerosa e bem distribuída. Pode ainda ser encontrada nos Himalaias, a altitudes de 2000 metros, na China e na Sibéria, bem como em zonas montanhosas da Etiópia e Norte de África.

Espécime de Pyrrhocorax pyrrhocorax empoleirado num edifício

Fatores de Ameaça[editar | editar código-fonte]

  • O abandono agrícola e do pastoreio extensivo, com consequente evolução natural dos matos, resulta em perda de habitat adequado para a alimentação. O abandono do pastoreio extensivo é causa de desaparecimento de usos de solos favoráveis a esta espécie (pastagens), cuja manutenção era rentabilizada por essa prática.
  • O sobrepastoreio afeta a composição e estrutura de vegetação, reduzindo a disponibilidade alimentar.
  • A intensificação da agricultura através de monoculturas cerealíferas em detrimento de outros usos como leguminosas, cereais e pousios, resulta na redução do mosaico agrícola com decréscimo da diversidade de habitat e traduz-se na diminuição da disponibilidade alimentar.
  • A pressão turística que se verifica nas zonas costeiras e montanhosas gera grande perturbação humana e degradação do habitat de alimentação (falésias, pastagens, matos) e do habitat de nidificação e dormitórios (grutas, algares). Em especial, o incremento da prática de montanhismo e espeleologia que se tem verificado nos últimos anos tem contribuído para aumentar a perturbação dos ninhos e dormitórios desta espécie;
  • O aumento da utilização de agro-químicos intervém direta e indiretamente nas populações de aves, aumentando a mortalidade e reduzindo a capacidade reprodutiva e as populações presa.
  • As florestações das terras agrícolas resultam na perda de habitat para a espécie.

Medidas de Conservação[editar | editar código-fonte]

  • Ordenamento e fiscalização da prática de montanhismo (particularmente escalada);
  • Boa gestão e calendarização das queimadas nas áreas de alimentação da gralha-de-bico-vermelho, bem como apoios à manutenção das formas tradicionais de agricultura e pastorícia, que são imprescindíveis para a salvaguarda desta espécie;
  • Urgente desenvolvimento de estudos aprofundados que visem o conhecimento da distribuição e de parâmetros ecológicos, tal como a produtividade e a seleção e utilização dos biótopos de nidificação e alimentação para se poder elaborar de uma estratégia regional ou nacional de conservação da gralha-de-bico-vermelho, que deverá urgentemente ser posta em ação.

Subespécies[editar | editar código-fonte]

  • P. pyrrhocorax pyrrhocorax
  • P. pyrrhocorax erythrorhamphos
  • P. pyrrhocorax baileyi
  • P. pyrrhocorax barbarus
  • P. pyrrhocorax docilis
  • P. pyrrhocorax brachypus
  • P. pyrrhocorax himalayanus
  • P. pyrrhocorax centralis

Referências

  1. [Manegold, A. (2008) Morphological characters of the tongue skeleton reveal phylogenetic relationships within the Corvidae (Oscines, Passeriformes), Emu 108, 321-330..
  2. a b c [Tella, J. L., and Torre, I. (1993) Sexual size dimorphism and determination of sex in the Chough (Pyrrhocorax pyrrhocorax), Journal of Ornithology 134, 187-190.
  3. a b [Blanco, G., Tella, J. É. L., and Torre, I. (1998) Traditional farming and key foraging habitats for chough Pyrrhocorax pyrrhocorax conservation in a Spanish pseudosteppe landscape, Journal of Applied Ecology 35, 232-239.
  4. [Sanchez-Alonso, C., Ruiz, X., Blanco, G., and Torre, I. (1996) An analysis of the diet of Red-billed Chough Pyrrhocorax pyrrhocorax nestlings in NE Spain, using neck ligatures, Ornis Fennica 73, 179-185.
  5. [Soler, J., and Soler, M. (1993) Diet of the Red-billed Chough Pyrrhocorax pyrrhocorax in south-east Spain, Bird Study 40, 216-222.
  6. [Reid, J., Bignal, E., Bignal, S., McCracken, D., and Monaghan, P. (2003) Age specific reproductive performance in red billed choughs Pyrrhocorax pyrrhocorax: patterns and processes in a natural population, Journal of Animal Ecology 72, 765-776.
  7. [Farinha, J. (1988) Gralha-de-bico-vermelho Pyrrhocorax pyrrhocorax (L, 1758), ecologia e caracterização do núcleo de Sagres, S, Vicente. Editora da Faculdade de Ciências, Lisboa.

Ligações externas[editar | editar código-fonte]


Outros projetos Wikimedia também contêm material sobre este tema:
Commons Imagens e media no Commons
Wikispecies Diretório no Wikispecies