Grama sintética

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Question book.svg
Esta página ou secção não cita fontes confiáveis e independentes, o que compromete sua credibilidade (desde abril de 2013). Por favor, adicione referências e insira-as corretamente no texto ou no rodapé. Conteúdo sem fontes poderá ser removido.
Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)
Grama sintética.
Blocos de grama sintética à venda.

'Grama sintética é uma superfície de fibra sintética replicando grama, geralmente utilizada como alternativa a gramados naturais em esportes disputados nessa superfície.

O primeiro gramado sintético foi instalado em 1965, no Estádio Astrodome, em Houston, Texas.[1] O pioneirismo da AstroTurf tornou-a uma marca genérica para toda grama artificial à medida que o produto se popularizou durante a década de 70, principalmente nos Estados Unidos e no Canadá sendo usado em campos de futebol americano e beisebol para compensar problemas climáticos que preveniam o uso de grama natural.

Atualmente o Brasil se destaca nesse cenário por possui empresas que atuam na fabricação desses tapetes sintéticos. A Grama Sintética é um material têxtil, podendo variar sua matéria prima e diversas especificações.

O futebol society em grama sintética não para de crescer, a prática deste esporte ganhou ainda muito mais adeptos com a evolução tecnológica da grama artificial que atingiu a perfeição. A adoção da grama sintética para a pratica de futebol é cada vez mais frequente, devido a sua praticidade e durabilidade. Diante das constantes mudanças ocorridas na dinâmica do futebol e do aperfeiçoamento das tecnologias empregadas, a grama sintética tem se mostrado o produto ideal para este tipo de esporte. Isso tanto é verdade, que a própria FIFA apoia a utilização de grama sintética em estádios oficiais de futebol.

A empresa nacional Sportlink foi pioneira no Brasil nesse sistema de grama sintética aprovada pela FIFA, projetada especificamente para imitar as características de jogo do futebol profissional. Um produto que permite o uso constante e ininterrupto em quaisquer condições climáticas do ano, suas fibras monofilamento são reforçadas com alma central, sistema que mantêm o fio sempre “em pé” não deixando o intenso uso pelos atletas fazer com que as fibras se “deitem”, aumentando o amortecimento do impacto, reduzindo sensivelmente os riscos de lesões. Devido a esse exclusivo sistema o desgaste do gramado é consideravelmente diminuído, proporcionando mais vida útil.

Ao mesmo tempo em que a grama sintética é disseminada por suas facilidades, causa controvérsia em sua tendência a causar relativamente mais lesões nos atletas. O piso mais duro atrapalha a locomoção e causa queimaduras em seu atrito com a pele. [2] Além disso, determinados materiais dos gramados absorvem muito calor, sendo desestimulados ao uso em dias quentes. [3]

Ver também[editar | editar código-fonte]