Grande Fraternidade Branca

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Question book.svg
Esta página ou secção não cita nenhuma fonte ou referência, o que compromete sua credibilidade (desde julho de 2009).
Por favor, melhore este artigo providenciando fontes fiáveis e independentes, inserindo-as no corpo do texto por meio de notas de rodapé. Encontre fontes: Googlenotícias, livros, acadêmicoYahoo!Bing. Veja como referenciar e citar as fontes.

A Grande Fraternidade Branca é uma fraternidade que, tradicionalmente, atribui-se surgida no Antigo Egito, durante o reinado do faraó Tutmés III. A GFB reuniria em quadro os mais sábios de todo o Egito, também conhecidos como hierofantes ou sacerdotes, que tinham por objetivo estudar os mistérios místicos e esotéricos da vida. A esta fraternidade reservada apenas para iniciados dá-se o nome de escolas de mistérios. A definição sobre as origens históricas da GFB não são precisas, mas convenciona-se dizer (Segundo Geoffrey Hodson, no livro A vida de Cristo, do nascimento à ascensão), que houve um período entre 700 a.C. e 300 d.C. no qual surgiram muitos pensadores, como Confúcio e Lao-Tse na China; o Buda na Índia; Zoroastro na Pérsia, Pitágoras, Sócrates, Platão e Aristóteles na Grécia e Plotino e Amônio Saccas em Alexandria; além dos judeus que estudaram o judaísmo esotérico, ou Cabala. Estes pensadores foram iniciados em conhecimentos universais ou na Sabedoria perene, isto é, a Gnose, a qual se manifesta sob quatro pilares: arte, ciência, filosofia, misticismo. Na Sociedade Teosófica de H.P.Blavatsky, era referida como "A Rosa do Amanhecer Dourado", a Rosacruz Celestial, denominada Rosacruz da Aurora. Que de certa forma e secretamente, influenciara os sábios de todos os tempos através dos Mestres Cósmicos do Universo.

História[editar | editar código-fonte]

Num contexto de preservação da própria cultura e identidade, as sociedades secretas ou fraternidades visavam também a preservar as ciências sagradas ameaçadas pela invasão dos fenícios (que dominou o Egito durante quase um milênio) e por isso fecharam-se a estranhos ou invasores, tornando-se secretas, ou confrarias (A Grande Fraternidade Branca, os dirigentes invisíveis, de Kenneth Burton). Este período foi marcado pelo paralelismo entre a iniciação esotérica dos eleitos (iniciados ou hierofantes) aos mistérios e o culto de Osíris e Ísis pelo povo em geral. Surgiu nesta época a figura de Moisés (1300 a.C.), libertador dos hebreus, considerado autor da Torá, que (de acordo com alguns movimentos esotéricos) teria sido igualmente iniciado nos mistérios de Ísis e Osíris (como citado na bíblia em Atos 7:22). Datam deste período (assim como de outros períodos) também as supostas iniciações de Orfeu nos mistérios de Dionisio; de Pitágoras de Samos, fundador da importantíssima confraria dos pitagóricos; em 564 a.C. de Sidarta Gautama, o Buda, que foi um Iluminado e não um iniciado; alega-se também de Jesus junto à escola dos essênios (novamente sem documentação), que teria sido (novamente sem documentação) uma outra ramificação da GFB (A Grande Fraternidade Branca, os dirigentes invisíveis).

Dentre estas, várias outras sociedades hoje se proclamam descendentes dessa supostamente antiquíssima fraternidade, dentre elas a Ordem Rosacruz, Maçonaria, Movimento Eu Sou, Ponte para a Liberdade, Movimento da Consciência Suprema Una, a Summit Lighthouse e a própria Sociedade Teosófica.

Sociedade Teosófica, como surgiu o termo GFB[editar | editar código-fonte]

Foi com Helena Blavatsky, na fundação da Sociedade Teosófica em 1875, que a ideia de uma irmandade oculta se tornou de fato popular. No entanto ela nunca se referiu a esta fraternidade com este nome, e que esta é uma terminologia do século XX. A denominação de branca é uma referência à luz branca, cósmica ou incolor que circunda o corpo dos mestres, como se fosse a aura. Só após a morte de Blavatsky é que se vinculou com maior ênfase a GFB à Sociedade Teosófica, especialmente a Seção Adyar, sob o comando de Annie Besant e Charles Leadbeater, e as obras de Alice Bailey (um dos livros mais famosos chama-se A Hierarquia).

A partir do surgimento da S.T. estes foram os dirigentes:

Sete raios de luz[editar | editar código-fonte]

Segundo Annie Besant e Charles Leadbeater, a GFB é representada pelos chamados Sete Raios de Luz, ou os correspondentes, os sete mestres ascencionados. Cada um dos raios equivale a uma das cores dos sete raios do arco-íris; são eles:

  • El Morya - Primeiro Raio, cor azul-cobalto
  • Kut Humi ou Lanto ou Confúcio (em diferentes fontes) - Segundo Raio, cor dourado
  • Paolo Veneziano ou Rowena (em fontes diferentes) - Terceiro Raio, cor rosa
  • Seraphis Bey - Quarto Raio, cor branca
  • Hilarion - Quinto Raio, cor verde-esmeralda
  • Jesus ou Nada (em diferentes fontes) - Sexto Raio, cor púrpura-dourado ou rubi
  • Saint Germain - Sétimo Raio, cor violeta

Ver também[editar | editar código-fonte]

O período de vigência deste raio finda-se após o período de 2 mil anos correspondente ao mesmo, ou seja na época em que vivemos agora, e o raio subsequente, o sétimo raio, Regido pelo Mestre Saint Germain, já está atuando sobre o planeta Terra, o que é conhecido popularmente como Era de Aquarius. É por esse motivo que discute-se a vinda de fato do que se espera por um cataclismo mundial, que marcaria definitivamente a transição de raios sobre o planeta, e a iniciação de uma Nova Era.

Ligações externas[editar | editar código-fonte]