Grande Marrocos

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Mapa mostrando a extensão do "Grande Marrocos".
Diferentes mapas do Marrocos:
1º)Território oficial do Marrocos.
2º)Território reivindicado e administrado atualmente pelo Marrocos.
3º)Território marroquino segundo as autoridades do Marrocos.


O conceito irredentista do Grande Marrocos começou a ser utilizado no início da década de 1940, pelo Partido Nacionalista Marroquino (Istiqlal), como arma de propaganda para conseguir o apoio do povo marroquino contra o domínio colonial francês. Após a independência marroquina em 1956, e após a morte do sultão Mohammed V (1961), seu filho, Hassan II reavivou o conceito de "Grande Marrocos", como uma extensão do processo de independência. Este processo começou com a conclusão do protetorado francês, a volta de Tânger e o fim do protetorado espanhol sobre os territórios administrados pela Espanha, no norte do Marrocos. Pouco tempo depois (após a Guerra de Ifni com Espanha, 1957-1958), conseguiu-se também a aquisição dos territórios do protetorado no sul do Marrocos, os territórios de Tarfaya (Cabo Juby).

Os territórios que compõem este "Grande Marrocos" é justificado por uma proclamada continuidade entre as várias dinastias que tinham prevalecido no Marrocos (como os almóadas ou os Merínidas) e o Marrocos atual. Desta forma, teria que incluir o Saara Ocidental, uma totalidade da Mauritânia, a parte ocidental da Argélia (as províncias de Tindouf e Bechar, bem como as áreas habitadas por tuataras), Ceuta, Melilha e as Possessões espanholas.

Depois de uma breve guerra fronteiriça entre o Marrocos e a Argélia (Guerra das Areias), em 1963, quando Marrocos foi capaz de derrotar o 2 batalhões argelinos (imediatamente após a independência da Argélia da França depois de uma longa guerra), a Argélia prometeu ao Marrocos que, se este último abandonasse as suas pretenções dos territórios do oeste argelino, receberia todo o apoio da Argélia para recuperar o Saara Ocidental (que era uma farsa, pois a Argélia ajudou e continua até agora a apoiar a Frente Polisário). Após a Guerra o Rei Hasan II deslocou seu foco para o Saara Ocidental, administrada pela Espanha. Em 1969 a Espanha cedeu Ifni ao Marrocos, na sequência da resolução 2072 das Nações Unidas.

No meio de uma crise econômica e depois de três golpes de estado fracassados, Hassan II decidiu enviar, em 1975, mais de 250.000 civis desarmados, incluindo prisioneiros liberados na condição de aderir a marcha, para o Saara Espanhol (em que se tornou conhecido como Marcha Verde). As suas intenções eram para obter a anexação do território ao Marrocos, administrativamente uma província espanhola, mas sujeitos a um processo de descolonização patrocinado pelas Nações Unidas (cuja Assembléia Geral tinha aprovado, em Dezembro de 1965 uma primeira resolução sobre o Saara, em que exortou a Espanha para "tomar imediatamente todas as medidas necessárias para a descolonização do território"[1] ), embora tenha produzido uma onda de entusiasmo nacionalista na população marroquina, sem se lançar numa guerra dispendiosa. Qualquer divergência interna seria silenciada, e não em vão o Marrocos vivia sob o mais duro dos "anos de chumbo."[2] A marcha penetrou em 6 de novembro no território do Saara Espanhol, avançando 12 Km para além das fronteiras, acampando fora das linhas da Espanha.

Esta ação causou a rejeição da Frente Polisário, o grupo guerrilheiro sarauita que lutava contra a Espanha pela independência do Saara Ocidental, apoiada pela Argélia. Enquanto na Espanha a morte do General Francisco Franco paralisava a ação do governo, o Marrocos, estava a negociar com a Espanha e a Mauritânia os Acordos de Madrid (14 de novembro de 1975), pelo qual a Espanha cedeu a administração do território (um terço do sul a Mauritânia e o resto do território ao Marrocos), ignorando as resoluções da ONU para "garantir que toda a população saauri ... poder exercer o seu direito inalienável à autodeterminação através de consultas livres",[3] apoiada pelo parecer do Tribunal Internacional de Justiça em Haia, em 16 de outubro de 1975, que tinha reconhecido que o Sahara não era parte da "integridade territorial" de Marrocos), as tropas espanholas abandonaram o território, em Fevereiro de 1976, que foi dividido entre Marrocos e da Mauritânia. Os marroquinos não se incomodaram ou criaram problemas em ceder o território ao sul a Mauritânia, já que as minas de fosfato do norte permaneceram em suas mãos. Desta forma, não apenas a onda de entusiasmo nacionalista que se traduziu num aumento da popularidade da monarquia, mas também a economia do reino é revitalizada.

No entanto, imediatamente começou-se uma luta entre Marrocos e Mauritânia, por um lado, e a Frente Polisário de outro, na qual não aceitou a mudança de domínio colonial para outra. Em 1978, a Mauritânia reconheceu sua impotência económica e militar para controlar o território da adjudicação, e formalmente renunciou todas as reclamações sobre esse território, que foi rapidamente anexado pelo Marrocos.

A ocupação do Saara Ocidental não foi reconhecida pela União Africana, que expulsa o Marrocos, e o Saara Ocidental assume seu lugar. A independência do Saara Ocidental foi reconhecida por todos os estados africanos, mas não pela Liga Árabe e a ONU, que em seguida, tenta organizar um referendo para a independência que é fortemente contestado pelo Marrocos.

Depois da morte do Rei Hassan II, em 1999, seu filho, Mohammed VI, em 2002 tentou uma ocupação na ilha de Perejil, que a Espanha considera como seu território. Devido a isto, por um curto periodo as relações diplomáticas entre a Espanha e Marrocos ficam tensas e, em seguida, a questão é resolvida pela União Europeia, Liga Árabe e a ONU, ainda assim o Marrocos alega que a ilha é o seu território. O incidente da Ilha de Perejil, também é considerado como um movimento ligado a reivindicações irredentistas do Marrocos.

Referências

  1. Asamblea General de Naciones Unidas (16 de diciembre de 1965) Resolución 2070(XXX). Question of Ifni and Spanish Sahara (PDF, en inglés). Resoluciones adoptadas por la Asamblea General durante la Vigésima Sesión. Verificado el 21 de dezembro de 2005.
  2. Carlos Ruiz Miguel (30/3/2005) Análisis del Real Instituto Nº 40/2005. Sáhara Occidental 1975-2005: Cambio de variables de un conflicto estancado. Real Instituto Elcano. Verificado el 21 de dezembro de 2005.
  3. Asamblea General de Naciones Unidas (10 de diciembre de 1975) Resolución 3458(XXX). Question of Spanish Sahara (PDF, en inglés). Resoluciones adoptadas por la Asamblea General durante la Trigésima Sesión. Verificado el 21 de dezembro de 2005.