Grande Prêmio da Malásia de 2010 (Fórmula 1)

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Grande Prémio da Malásia de F-1 2009
Sepang.svg

Mapa do circuito
Detalhes da Corrida
Data 4 de abril, 2010
Nome Oficial XII Petronas Malaysian Grand Prix
Local Sepang International Circuit,
Kuala Lumpur, Malásia
Percurso 5.433 km
Total 56 voltas / 310.408 km
Pole
Piloto Austrália Mark Webber (Red Bull-Renault)
Tempo 1:49.327
Volta mais rápida
Piloto Austrália Mark Webber (Red Bull-Renault)
Tempo 1:37.054 (na volta 53)
Pódio
Primeiro Alemanha Sebastian Vettel (Red Bull-Renault)
Segundo Austrália Mark Webber (Red Bull-Renault)
Terceiro Alemanha Nico Rosberg (Mercedes)

O Grande Prémio da Malásia de 2010 (formalmente XII Petronas Grande Prêmio da Malásia) foi a terceira corrida da temporada de 2010 da Fórmula 1 e ocorreu no Circuito Internacional de Sepang, Malásia, em 4 de abril de 2010.

Alinharam no grid três vencedores do Grande Prêmio em Sepang: Michael Schumacher, Fernando Alonso e Jenson Button. Na corrida a vitória coube a Sebastian Vettel com Mark Webber em segundo e Nico Rosberg em terceiro. Com o resultado, Felipe Massa assumiu a liderança do campeonato com 39 pontos, seguido por Fernando Alonso (Ferrari) e Sebastian Vettel (Red Bull), ambos com 37 pontos.

Detalhes[editar | editar código-fonte]

Ainda sob os eflúvios da corrida australiana, Fernando Alonso rebateu as críticas de Michael Schumacher, segundo as quais o ferrarista obstruiu uma volta rápida do alemão durante o treino oficial em Albert Park. Para o líder do campeonato, as reclamações do heptacampeão mundial deveriam ser dirigidas aos comissários da FIA e não aos jornalistas, o que denotava para Alonso a clara intenção de Schumacher, em não esclarecer o incidente, de encenar uma pantomima para a imprensa.[1]

Recordista de vitórias na prova malaia, o vetusto Schumacher concedeu o título de construtores para a Ferrari ao triunfar no ano 2000 e não satisfeito subiu ao topo do pódio novamente em 2001 e 2004, mantendo ainda a insígnia de ter pontuado em todas as provas que disputou em Sepang. Para Alonso a pista serviu como local de seu primeiro pódio em 2003 e de vitórias em 2005, ano de seu primeiro título, e em 2007 quando fez dobradinha com Hamilton na McLaren. A pista de Sepang foi o palco do primeiro ponto na carreira de Felipe Massa em seus tempos de Sauber. Em 2009, o vencedor do Grande Prêmio foi o inglês Jenson Button, pela Brawn GP.

Com o circuito atingido por uma forte chuva na quinta-feira, os pilotos fizeram piada com a situação, notadamente Barrichello e Di Grassi, que sugeriram o uso de bóias ou jet skis para viabilizar a prova caso o céu insistisse em descarregar tamanho volume d'água, aliás, o temor de que a chuva resultasse em uma meia-corrida como em 2009, adiantou a largada em uma hora. Em meio a tantas amenidades, a cartolagem anunciou novas regras quanto à fixação dos retrovisores, em vigor a partir do Grande Prêmio da Espanha, como forma de devolver-lhes a condição de instrumentos de visibilidade e não a de peças aerodinâmicas.[2]

Treinos[editar | editar código-fonte]

Na sexta-feira os treinos livres ocorreram sob sol forte e pista seca e nesse cenário melhor para Lewis Hamilton, mas para os malaios o que importava não era o melhor tempo do inglês e sim a participação de Fairuz Fauzy na contenda como piloto da Lotus. Veio o sábado e nele Webber foi o melhor nos treinos livres em pista seca, mas a chuva apareceu na hora do treino oficial e introduziu novas variáveis à disputa embora não tenha impedido mais uma pole do australiano da Red Bull, em que pese o melhor tempo de Kubica ao final do Q1.[3]

Graças a uma síntese de hesitação e soberba, McLaren e Ferrari foram relegadas a coadjuvantes visto que Button ficou na caixa de brita enquanto que Hamilton, Alonso e Massa foram deslocados para o fundo do grid, punidos pelo capricho de irem para a pista sob forte chuva. No Q2 Glock e Kovalainen levaram seus bólidos adiante em que pesem as limitações dos carros enquanto Petrov fez um treino convincente em décimo primeiro lugar. Quanto a Michael Schumacher este sentiu o sabor de liderar uma sessão de treinos oficiais em quatro anos, alegria efêmera graças ao aprumo dos rivais com Vettel à frente.

Aberta a terceira fase da classificação uma surpresa: com Sutil perfilado à frente do pelotão instantes antes de se lançar ao asfalto eis que Kubica "fura a fila" e vai à pista em primeiro graças ao embuste de ter se posicionado "por fora" na saída dos boxes, todavia uma bandeira vermelha devido a uma forte chuva põe fim ao intento do polonês. Passados quinze minutos a porfia foi reiniciada e para evitar um novo ardil os carros da Force India bloquearam a saída do pit lane. Sutil foi à pista e chegou a marcar o melhor tempo, mas o furor de Mark Webber em usar pneus intermediários quando seus rivais usavam pneus de chuva, resultou numa pole ousada. Competente em sua lida o piloto australiano suplantou quatro alemães (Rosberg, Vettel, Sutil, Hülkenberg) vindo a seguir Kubica e Barrichello extraindo o máximo de seus carros com Schumacher num discreto oitavo lugar adiante de Kobayashi e Liuzzi.

Corrida[editar | editar código-fonte]

Sem que a chuva aparecesse os pilotos duelaram em asfalto seco durante toda a prova e logo na primeira curva Vettel ascendeu à ponta e fez de Webber um escudo contra os ataques dos demais membros do pelotão e assim rumou sem sobressaltos para a vitória.[4] Ainda na volta de apresentação o motor de De La Rosa explodiu e apagadas as luzes o carro de Barrichello falhou e caiu para as últimas posições, contudo a largada transcorreu sem acidentes. Situados em posições desfavoráveis Hamilton e Massa saltaram sete posições e se posicionaram adiante de seus companheiros de equipe com o inglês avançando sobre Buemi e fazendo deste um anteparo a Massa enquanto Alonso superava Button. Lépido e com um carro veloz nas retas, o campeão de 2008 duelou com Petrov e alternou ultrapassagens com o russo, porém ao se posicionar em zigue-zague diante da Renault o piloto da McLaren recebeu uma advertência dos comissários de prova ao tempo que seu companheiro de equipe trocou os pneus e passou a girar mais rápido que os demais.

Na Ferrari Massa foi aos boxes antes de Alonso e ao retornar ao combate aproveitou seus pneus novos para estabelecer voltas velozes em sequência mas ao ser limitado pelo ritmo de Button viu seu companheiro descontar a diferença após passagem pelos boxes, entretanto o piloto brasileiro superou o campeão mundial e o deixou às voltas com Alonso que iniciou uma nova perseguição ao inglês, mas a quebra do motor Ferrari na penúltima volta deixou o espanhol sem marcar pontos. Sem ameaças às suas pretensões a Red Bull conseguiu sua primeira dobradinha no ano e Nico Rosberg conquistou seu primeiro pódio pela Mercedes. Kubica, Sutil e Hamilton vieram a seguir com Felipe Massa em sétimo, o que lhe garantiu pontos suficientes para assumir a liderança do certame com 39 pontos enquanto Alonso e Vettel ostentam 37 cada um. Button, Alguersuari e Hülkenberg completaram a zona dos pontos. Michael Schumacher deixou a prova após nove voltas com um problema na roda ao passo que Di Grassi e Senna finalmente completaram uma prova.

Classificação[editar | editar código-fonte]

Treino oficial[editar | editar código-fonte]

Pos Piloto Construtor Parte 1 Parte 2 Parte 3 Grid
1 6 Austrália Mark Webber Red Bull-Renault 1:51.886 1:48.210 1:49.327 1
2 4 Alemanha Nico Rosberg Mercedes 1:52.560 1:47.417 1:50.673 2
3 5 Alemanha Sebastian Vettel Red Bull-Renault 1:48.945 1:46.828 1:50.789 3
4 14 Alemanha Adrian Sutil Force India-Mercedes 1:49.479 1:47.085 1:50.914 4
5 10 Alemanha Nico Hülkenberg Williams-Cosworth 1:49.664 1:47.346 1:51.001 5
6 11 Polónia Robert Kubica Renault 1:46.283 1:46.951 1:51.051 6
7 9 Brasil Rubens Barrichello Williams-Cosworth 1:50.301 1:48.371 1:51.511 7
8 3 Alemanha Michael Schumacher Mercedes 1:52.239 1:48.400 1:51.717 8
9 23 Japão Kamui Kobayashi BMW Sauber-Ferrari 1:48.467 1:47.792 1:51.767 9
10 15 Itália Vitantonio Liuzzi Force India-Mercedes 1:49.922 1:48.238 1:52.254 10
11 12 Rússia Vitaly Petrov Renault 1:47.952 1:48.760 11
12 22 Espanha Pedro de la Rosa BMW Sauber-Ferrari 1:47.153 1:48.771 12
13 16 Suíça Sébastien Buemi Toro Rosso-Ferrari 1:48.945 1:49.207 13
14 17 Espanha Jaime Alguersuari Toro Rosso-Ferrari 1:48.655 1:49.464 14
15 19 Finlândia Heikki Kovalainen Lotus-Cosworth 1:52.875 1:52.270 15
16 24 Alemanha Timo Glock Virgin-Cosworth 1:52.398 1:52.520 16
17 1 Reino Unido Jenson Button McLaren-Mercedes 1:52.211 Sem tempo 17
18 18 Itália Jarno Trulli Lotus-Cosworth 1:52.884 18
19 8 Espanha Fernando Alonso Ferrari 1:53.044 19
20 2 Reino Unido Lewis Hamilton McLaren-Mercedes 1:53.050 20
21 7 Brasil Felipe Massa Ferrari 1:53.283 21
22 20 Índia Karun Chandhok HRT-Cosworth 1:56.299 22
23 21 Brasil Bruno Senna HRT-Cosworth 1:57.269 23
24 25 Brasil Lucas Di Grassi Virgin-Cosworth 1:59.977 24

Corrida[editar | editar código-fonte]

Pos Piloto Construtor Voltas Tempo/Aband. Grid Pontos
1 5 Alemanha Sebastian Vettel Red Bull-Renault 56 1:33:48.412 3 25
2 6 Austrália Mark Webber Red Bull-Renault 56 +4.849 1 18
3 4 Alemanha Nico Rosberg Mercedes 56 +13.504 2 15
4 11 Polónia Robert Kubica Renault 56 +18.589 6 12
5 14 Alemanha Adrian Sutil Force India-Mercedes 56 +21.059 4 10
6 2 Reino Unido Lewis Hamilton McLaren-Mercedes 56 +23.471 20 8
7 7 Brasil Felipe Massa Ferrari 56 +27.068 21 6
8 1 Reino Unido Jenson Button McLaren-Mercedes 56 +37.918 17 4
9 17 Espanha Jaime Alguersuari Toro Rosso-Ferrari 56 +1:10.602 14 2
10 10 Alemanha Nico Hulkenberg Williams-Cosworth 56 +1:13.399 5 1
11 16 Suíça Sebastien Buemi Toro Rosso-Ferrari 56 +1:18.938 13
12 9 Brasil Rubens Barrichello Williams-Cosworth 55 +1 volta 7
13 8 Espanha Fernando Alonso Ferrari 54 Motor 19
14 25 Brasil Lucas di Grassi Virgin-Cosworth 53 +3 voltas 24
15 20 Índia Karun Chandhok HRT-Cosworth 53 +3 voltas 22
16 21 Brasil Bruno Senna HRT-Cosworth 52 +4 voltas 23
17 18 Itália Jarno Trulli Lotus-Cosworth 51 +5 voltas 18
18 19 Finlândia Heikki Kovalainen Lotus-Cosworth 46 +10 voltas 15
Ret 12 Rússia Vitaly Petrov Renault 32 caixa de câmbio 11
Ret 15 Itália Vitantonio Liuzzi Force India-Mercedes 12 acelerador 10
Ret 3 Alemanha Michael Schumacher Mercedes 9 Direção 8
Ret 23 Japão Kamui Kobayashi BMW Sauber-Ferrari 8 Motor 9
Ret 24 Alemanha Timo Glock Virgin-Cosworth 2 Colisão 16
NL 22 Espanha Pedro de la Rosa BMW Sauber-Ferrari 0 Motor 12

Tabela do campeonato após a corrida[editar | editar código-fonte]

Observe que somente as cinco primeiras posições estão incluídas na tabela.

Ver também[editar | editar código-fonte]

Notas[editar | editar código-fonte]

Referências

Precedido por
Grande Prêmio da Austrália de 2010
Mundial de Fórmula 1 da FIA
Temporada de 2010
Sucedido por
Grande Prêmio da China de 2010
Precedido por
Grande Prêmio da Malásia de 2009
Grande Prêmio da Malásia
XII edição
Sucedido por
Grande Prêmio da Malásia de 2011
Ícone de esboço Este artigo sobre Automobilismo é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.