Grupo-A Núbio

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa

O Grupo-A desenvolveu-se na Núbia entre 3800-2 900 a.C.[1] entre Assuã e a Segunda Catarata, tendo ela sido considerada como a cultura mais importante da Baixa Núbia durante o milênio IV a.C.[2] Foi sucessora das culturas Abkana e Cartum Variante, desenvolvendo-se contemporaneamente com a cultura Naqada que tendeu a influenciá-la: artefatos do Alto Egito foram importados ou imitados e os cemitérios do grupo-A continham rico espólio tumular.[3] Entre o espólio tumular pode-se citar tigelas e pratos com superfície ondulada e incisões, vasos de paredes finas com padrões geométricos pintados em vermelho, tigelas e jarros egípcios para vinho, joias (pulseiras de marfim, plugues labiais, amuletos), seixos do Nilo, conchas de moluscos do Mar Vermelho, espelhos de mica, ferramentas (pedra, cobre e osso), cabeças de clava e queimadores de incenso, ovos de avestruz incisos, paletas de quartzito, almofarizes, moedores e estatuetas de cerâmica e lápis-lazúli femininas, selos e impressões de selos;[4] queimadores de incenso de arenito localizados em Qustal continham cenas em baixo relevo que aparentam ilustrar faraós egípcios (os líderes utilizam a coroa do Alto Egito e aparecem ao lado de Hórus), contudo, na atualidade, supõe-se que tais líderes nada mais são que líderes locais núbios que, possivelmente, influenciaram os póstumos faraós do Egito.[5]

Os túmulos eram ovais, circulares ou retangulares com um ou dois nichos laterais e foram tampados com grandes lajes de pedra; há exemplos de peculiares túmulos em forma de colmeia com duas câmaras, uma sobreposta a outra; o interior dos túmulos eram revestido com barro ou tapetes.[6] Há presença de inumações múltiplas, assim como de inumações animais (cães, ovinos, caprinos, bovinos, gazelas);[7] os corpos eram depositados de forma contraída para a esquerda com a cabeça voltada para o sul e foram envoltos em peles animais, linho ou esteiras.[6]

A população total foi estimada em cerca de 20000 pessoas que viviam a base de caça, pesca, coleta, agricultura (trigo, cevada, leguminosas), pecuária (cães, ovinos/caprinos, bovinos), importação (queijo, grãos, azeite, cerveja, faiança, vasos de alabastro, cornalina) e exportação (marfim, madeira, ébano, incenso, pedras preciosas, ouro, animais exóticos e possivelmente gado) de produtos.[6] [8] [9] [4] [10] Muitos exemplares de cerâmica produzida localmente tinham como finalidade imitar cestas (trançados) e cabanas (estrutura), tendo estes, muitas vezes sido revestidos com ocre ou tinta, incisos ou perfurados, polidos e suavizados; há exemplos de vasos com o interior negro, assim como exemplares completamente enegrecidos.[11]

Referências

  1. Bianchi 2004, p. 2
  2. Trigger 1989, p. 42
  3. Nubia: A-Group (em inglês). Visitado em 21/02/2012.
  4. a b The Nubian A-Group (em inglês). Visitado em 10/03/2012.
  5. Lower Nubia's Mystery People: The "A-Group" (em inglês). Visitado em 10/03/2012.
  6. a b c Gatto 2006c, pp. 68-70
  7. Hunting for the Elusive Nubian A-Group People (em inglês). Visitado em 10/03/2012.
  8. Ancient Nubia: A-Group 3800–3100 BC (em inglês). Visitado em 10/03/2012.
  9. Objects imported from Egypt were found in Nubian A-Group tombs (em inglês). Visitado em 10/03/2012.
  10. Fage 1982, p. 539
  11. Ancient Nubia: A-Group Pottery (em inglês). Visitado em 10/03/2012.

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

  • Bianchi, Robert Steven. Daily life of the Nubians. Estados Unidos: [s.n.], 2004. ISBN 0-313-32501-4.
  • Trigger, B. G.. A History of Archaeological Thought. [S.l.: s.n.], 1989.
  • Fage, J. D.; R. A. Oliver. The Cambridge History of Africa. [S.l.: s.n.], 1982.
  • Gatto, Maria C.. The Nubian A-Group: a reassessment. [S.l.: s.n.], 2006c.