Grupo JSL

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
NoFonti.svg
Este artigo ou se(c)ção cita uma ou mais fontes fiáveis e independentes, mas ela(s) não cobre(m) todo o texto (desde março de 2014).
Por favor, melhore este artigo providenciando mais fontes fiáveis e independentes e inserindo-as em notas de rodapé ou no corpo do texto, conforme o livro de estilo.
Encontre fontes: Googlenotícias, livros, acadêmicoScirusBing. Veja como referenciar e citar as fontes.
JSL
JSL S.A.
Slogan "Entender Para Atender"
Tipo Empresa de capital aberto
Cotação BM&F Bovespa: JSLG3
Indústria Logística
Transporte
Fundação 1956
Fundador(es) Julio Simões
Sede Mogi das Cruzes, SP,  Brasil
Locais Argentina, Brasil, Chile, Uruguai e Venezuela
Presidente Fernando Antonio Simões
Empregados 23.000
Produtos Transporte de Passageiros
Transporte de Cargas
Limpeza urbana
Revenda de Veículos
Aluguel de veículos
Subsidiárias CS Brasil
JSL Logística
JSL Concessionárias
Movida
Lucro Aumento R$ 99,9 milhões (2013)[1]
Faturamento Aumento R$ 5,243 bilhões (2013)[2]
Página oficial www.jsl.com.br

A JSL (antiga Julio Simões Logística) é um grupo brasileiro de empresas relacionadas aos transportes e logística, com sede na cidade de Mogi das Cruzes, estado de São Paulo. Foi criado em 1956 pelo empresário português Julio Simões.

Atua no segmento de transporte de cargas, de passageiros, coleta de lixo, seguros, comercialização de automóveis, locação de veículos para frotas, entre outras atividades. Começou as suas atividades fazendo o transporte de produtos hortifrutigranjeiros de Mogi das Cruzes, na Grande São Paulo, para o Rio de Janeiro. Depois passou a fazer o transporte de “cargas pesadas”, especializando-se neste segmento[3] . Atualmente é a maior empresa de transporte rodoviário do Brasil e possui 144 filiais espalhadas pelo país e presença na Argentina, Chile, Uruguai e Venezuela. Em 2013, o faturamento do grupo chegou a R$ 5,2 bilhões.[4]

Atualidade[editar | editar código-fonte]

Hoje atua em diversos ramos, como prestador de serviços de montadoras de automóveis, indústrias de autopeças, de papel e celulose, e de siderúrgicas e mineradoras, limpeza urbana, transporte de passageiros, na revenda de veículos em concessionárias, locação de frotas para empresas e serviço rent a car.

Seu principal investimento hoje, é um terminal intermodal (rodoviário e ferroviário) em Itaquaquecetuba (Grande São Paulo) [5] . É a maior transportadora de cargas do Brasil, e possui números grandiosos, como 12.000 funcionários, 2.000 caminhões, 10.000 carros, 887 ônibus, 5.900.000 passageiros transportados por mês e 6.100.000 litros de combustível consumidos, também por mês.

Em 2007, adquiriu a Lubiani Logística, empresa de Piracicaba/SP com mais de 1.000 veículos.

Em abril de 2008, a JSL foi eleita uma das três melhores operadoras logísticas do Brasil (Prêmio Volvo de Logística), concedido aos dez melhores prestadores de serviço deste mercado, apontados por 377 executivos das mil maiores indústrias do país. A pesquisa é feita pelo Centro de Estudos em Logística (CEL/Coppead) da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ).

Entre dez segmentos analisados, a JSL foi eleita a melhor operadora logística nas áreas de Papel e Celulose e de Siderurgia e Metalurgia. Foi também a empresa brasileira mais citada como referência pelos executivos que contratam serviços de transportes e movimentação de cargas.

De todos os votos recebidos pela JSL, 63% foram de atuais clientes. Ou seja, 37% dos executivos que votaram nesta empresa não utilizam seus serviços, mas também a reconhecem como a melhor.

Esta foi a sétima edição do Prêmio Volvo de Logística. A JSL foi citada em todas elas entre as dez melhores operadoras do Brasil. A premiação é uma iniciativa da Volvo e da revista Tecno logística

Em 2013 adquiriu a Trans Rio Sergipe em Aracaju-SE, Concessionária Volkswagen Caminhões e Ônibus.

Transporte de Passageiros[editar | editar código-fonte]

Atualmente, opera linhas municipais em Mogi das Cruzes, Itaquaquecetuba e Guararema na Grande São Paulo, em São José dos Campos no Vale do Paraíba e em Sorocaba no interior paulista, através da empresa CS Brasil.

A CS Brasil também opera no Consórcio Unileste na denominada Área 4 da EMTU, da qual é líder do consórcio.

A CS Brasil monopolizou o serviço de ônibus intermunicipais na região do Alto Tietê. O monopólio, junto com os baixos salário oferecidos pela empresa aos seus funcionários (50% inferior aos praticados pelas empresas anteriores) é visto por muitos de seus usuários como um dos motivos dos constantes problemas no transporte, como atrasos e ônibus superlotados. A questão dos baixos salários é alvo de uma ação do Ministério Público do Trabalho[6] , por suas ex-concorrentes, a Viação Poá e a Viação Ferraz.

Antes da alteração da concessão das linhas de ônibus metropolitanos (onde cada empresa era avaliada individualmente, e não em consórcios como atualmente), a classificação da CS Brasil no Índice de Qualidade do Transporte da EMTU despencou a cada ano[7] . Perdeu 20 posições em 2 anos.

Em 2007, foi a 39ª, num ranking de 69 empresas. Sua única concorrente na região, a Radial, subiu e 9ª para 5ª[8] no mesmo período. No último levantamento da Ouvidoria da EMTU, foi constatado que de 4 reclamações recebidas na Grande São Paulo, 1 era contra a CS Brasil[9] . Até Março de 2008, a CS Brasil havia recebido mais de 2400 multas e 555 advertências da EMTU por diversas irregularidades, como atrasos, superlotação e má conservação dos veículos[10] .

Em maio de 2008, o Consórcio Unileste (CS Brasil mais a empresa Radial foi eleito o primeiro colocado no Prêmio IQT/2007, concedido pela Empresa Metropolitana de Transportes Urbanos (EMTU), órgão do governo do Estado de São Paulo, às companhias com o melhor Índice de Qualidade do Transporte (IQT) na região metropolitana de São Paulo.

O IQT analisa a opinião dos usuários sobre o serviço, por meio de entrevistas, além de observar a conservação da frota, a operação das linhas e a situação econômico-financeira das empresas de ônibus.

Foram avaliadas 40 empresas que operam com 6,3 mil ônibus em cerca de 900 linhas metropolitanas. A maior pontuação foi obtida pelo consórcio Unileste, do qual a CS Brasil é a principal integrante. A Unileste é responsável pelo transporte intermunicipal de passageiros entre os municípios de Mogi das Cruzes, Suzano, Itaquaquecetuba, Poá, Ferraz de Vasconcelos, Arujá, Santa Isabel, Guararema, Biritiba Mirim, Salesópolis, Guarulhos e São Paulo.

No total, a Unileste opera com 354 ônibus, em 56 linhas, e transporta 3,5 milhões de passageiros por mês. A participação da CS Brasil é de 293 ônibus, 34 linhas e 3 milhões de passageiros por mês.

Referências

Ver também[editar | editar código-fonte]

Ligações externas[editar | editar código-fonte]