Grutas de Mogao

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Question book.svg
Esta página ou secção não cita nenhuma fonte ou referência, o que compromete sua credibilidade (desde outubro de 2013).
Por favor, melhore este artigo providenciando fontes fiáveis e independentes, inserindo-as no corpo do texto por meio de notas de rodapé. Encontre fontes: Googlenotícias, livros, acadêmicoYahoo!Bing. Veja como referenciar e citar as fontes.
Pix.gif Grutas de Mogao *
Welterbe.svg
Património Mundial da UNESCO

ZhangQianTravels.jpg
Zhang Qian deixando o imperador Han Wudi para a sua expedição na Ásia Central. Grutas de Mogao.
País China
Critérios (i), (ii), (iii), (iv), (v), (vi)
Referência 440
Coordenadas 40° 2' 14" N 94° 48' 15" E
Histórico de inscrição
Inscrição 1987  (11ª sessão)
* Nome como inscrito na lista do Património Mundial.

As Grutas de Mogao, situadas nos arredores da cidade de Dunhuang, na província de Gansu, no noroeste da República Popular da China, compõe-se de 735 covas com mais de 45 000 metros quadrados de pinturas murais, o que as tornam o maior conjunto de arte budista do mundo. Situadas num ponto estratégico ao longo da Rota da Seda importantíssimo para o comércio da Idade Média, com variadas influências intelectuais, culturais e religiosas, os 492 santuários nas cavernas e grutas em Mogao são famosos pelas suas estátuas e pinturas rupestres, abrangendo cerca de mil anos de arte budista. Também conhecidas como as "Cavernas dos Mil Budas", as Grutas de Mogao foram escavadas no ano de 366, na encosta da Montanha Mingshashan.

Se estendem de norte a sul por quase dois quilómetros. Ao mesmo tempo em que se esculpiam as esculturas exteriores, as covas interiores iam sendo preenchidas com as estátuas dos budas. Os murais com temas budistas mostram narrações dos sutras e representações de budas e personagens mitológicos oriundos da Índia, Ásia Central e outras partes da República Popular da China.

Exterior das cavernas

Consideradas pelos peritos como uma "Enciclopédia da Idade Média" (séculos IV a IX), foram incluídas na lista do Património Mundial pela Unesco em 1987. Nos 20 anos seguintes ao descobrimento desse precioso achado, desapareceram cerca de 40 mil passagens dos sutras, assim como incontáveis murais e esculturas. Como consequência das expropriações, na China só se conserva a terceira parte do que originalmente havia nas cavernas.

A erosão natural provocada pelo vento, pela chuva, pelas tempestades de areia, assim como os danos causados pelas próprias pessoas, têm afetado gravemente os delicados frescos, que sofrem com mudanças na coloração e na sua estrutura. Com o objetivo de proteger este valiosíssimo legado humano, a Academia de Dunhuang da República Popular da China trabalha para introduzir o programa "Dunhuang Digital", no qual também participam organizações e centros de pesquisa do Reino Unido, França, Rússia e Estados Unidos.