Guardie e ladri

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Ambox rewrite.svg
Esta página precisa ser reciclada de acordo com o livro de estilo (desde maio de 2012).
Sinta-se livre para editá-la para que esta possa atingir um nível de qualidade superior.
Guardie e ladri
Polícia e Ladrão (PT)
 Itália
1951 • pb • 109 min 
Realização Mario Monicelli
Correalização Steno
Argumento Vitaliano Brancati
Elenco Totò, Pina Piovani, Aldo Fabrizi
Género Comédia, Drama
Idioma Italiano
Página no IMDb (em inglês)

Guardie e ladri (Polícia e Ladrão) é um filme italiano de 1951, dirigido por Mario Monicelli e Steno e estrelado por Totò e Aldo Fabrizi.[1]

O estilo do filme é perto do Neorrealismo italiano, é considerado um dos melhores filmes de Totò eo melhor par de Steno-Monicelli. Distribuídos em cinemas italianos em novembro de 1951 e apresentado em competição no 5 ª edição do Festival de Cinema de Cannes, ganhou o prêmio de Melhor Roteiro e uma fita de prata, atribuído a Totò. Inicialmente teve problemas com os censores, no entanto, foi particularmente aclamado pela crítica da época e foi considerado um clássico da comédia italiana.

Estreou em Portugal a 21 de Novembro de 1952.

Sinopse[editar | editar código-fonte]

Ferdinando Esposito (Totò) é um pequeno vigarista que tenta sustentar a família usando todos os meios possíveis. Com o seu cúmplice, Amilcare (Aldo Giuffrè), finge ter encontrado uma moeda antiga no Fórum Romano e engana um turista americano. Mr. Locuzzo, por acaso, é o presidente de uma comissão de caridade americana e, durante a distribuição de ajuda, em que Esposito também se encontra, reconhece-o e denuncia-o. É perseguido pelo gordo agente da polícia Lorenzo Bottoni (Aldo Fabrizi), que deixa Esposito escapar e é suspenso das suas funções, arriscando-se a perder o emprego, devido aos protestos de Mr. Locuzzo. Vestido à paisana, depois de esconder à família a sua situação, Bottoni vai em busca de Esposito, conhece a família, mas do delinquente não há rasto. Gradualmente as duas famílias vão-se tornando amigas e entre o irmão da mulher do ladrão e a filha do polícia nasce uma grande simpatia. Um dia, em que ambas as famílias se juntam num almoço, aparece Esposito. Bottoni faz a detenção fora de casa, sendo repreendido por Esposito, por ter usado a sua família; e o guarda conta-lhe o seu problema. Entre os dois nasce uma grande cumplicidade, ambos unidos numa existência miserável. Agora é Esposito que quer ser preso e Bottoni que hesita. Escondem a verdade às famílias e saem como amigos, dizendo que Esposito vai sair numa viagem de negócios e Bottoni o vai acompanhar à estação. Na ausência de Esposito será Bottoni quem se encarrega da família dele.

Elenco[editar | editar código-fonte]

Totò: Ferdinando Esposito

Pina Piovani: la moglie, Donata

Carlo Delle Piane: il figlio, Libero

Ernesto Almirante: il padre di Ferdinando, Carlo

Gino Leurini: il cognato di Ferdinando, Alfredo

Aldo Fabrizi: Lorenzo Bottoni, il brigadiere

Ave Ninchi: la moglie, Giovanna

Rossana Podestà: Liliana Bottoni

Paolo Modugno: Paolo Bottoni

Mario Castellani: il tassista

Pietro Carloni: il commissario

Gino Scotti: il vice commissario

Williams Tubbs: mr. Locuzzo

Aldo Giuffrè: il professore, Amilcare

Armando Guarnieri: il barbiere

Luciano Bonanni: secondo barbiere

Giulio Calì: il mendicante

Ciro Berardi: l'oste

Referências

Ligações Externas[editar | editar código-fonte]


Ícone de esboço Este artigo sobre um filme é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.