Guaxinim

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Como ler uma caixa taxonómicaGuaxinim
0 Procyon lotor - Raton laveur commun (1).JPG

Estado de conservação
Status iucn3.1 LC pt.svg
Pouco preocupante
Classificação científica
Reino: Animalia
Filo: Chordata
Classe: Mammalia
Ordem: Carnivora
Família: Procyonidae
Género: Procyon
Espécie: P. lotor
Nome binomial
Procyon lotor
Linnaeus, 1758
Distribuição geográfica
Nativo das áreas a vermelho.Introduzido nas áreas a azul.
Nativo das áreas a vermelho.
Introduzido nas áreas a azul.
Sinónimos
Ursus lotor
Linnaeus, 1758

O guaxinim[1] (Procyon lotor), também chamado mapache e rato-lavadeiro em Portugal, é um mamífero da família dos procionídeos bastante parecido com o Procyon cancrivorus, porém com as patas esbranquiçadas. Tais animais são encontrados nas Américas do Norte, Central e do Sul e são conhecidos também pelo nome de racum. No Brasil guaxinim[2] e jaguacinim[3] referem-se a vários Procionídeos, especialmente Procyon cancrivorus[4] . Existem também na Europa Central e no Cáucaso, onde se estabeleceram após as fugas dos quintais de criação de peles.

É conhecido pelo público em geral possivelmente devido a vários filmes de animação, como Pocahontas, Over the Hedge, Dr. Dolittle 2, Happy Tree Friends, Regular Show entre outros.

Habitat[editar | editar código-fonte]

O habitat preferido do guaxinim são florestas próximas à água e pântanos. Durante o dia, ele dorme em árvores ocas, buracos em pedras ou no chão. É muito adaptável e hoje é encontrado também em áreas urbanas.

Características[editar | editar código-fonte]

Raccoon (Procyon lotor) 1.jpg

O guaxinim, mapache ou urso-lavador possui cabeça grande e focinho pontiagudo. Ele tem pelo longo e uma cauda espessa, com anéis castanhos e pretos. No dorso e dos lados, sua cor é marrom-acinzentado e o abdômen é cinza claro. As manchas pretas em suas “bochechas”, que se estendem entre os olhos e através da testa em uma listra vertical, também são típicas.

Estes podem até se reconhecer durante a noite por meio dessa “máscara” facial. Eles podem medir entre 45 e 70 centímetros.

Alimentação[editar | editar código-fonte]

Estes animais noturnos caçam pássaros, ratos, insetos, peixes pequenos, lesmas, cobras, camarões de água doce e rãs. Sua dieta também inclui ovos, nozes, cereais e frutas.São omnívoros.

Estilo de vida[editar | editar código-fonte]

O mapache dorme o dia todo e sai à noite para procurar comida. Ele persegue sua presa em águas rasas ou no chão, arranhando, virando e examinando de perto assim que a vítima é capturada. No entanto, ele só a consome se o cheiro for aprovado por seu apurado faro.

Em áreas frias, os mapaches passam o inverno em tocas e buracos nas árvores. Apesar de dormirem profundamente, eles não hibernam, saindo de seu esconderijo assim que o tempo esquenta um pouco.

Comportamento social e reprodução[editar | editar código-fonte]

Os machos acasalam com muitas fêmeas, enquanto as fêmeas aceitam apenas um pretendente. Os machos, que quase sempre são pacíficos, costumam brigar entre si com muita ferocidade durante a época do acasalamento. Na primavera, a fêmea normalmente tem de três a cinco filhotes depois de nove semanas de gestação e cuida sozinha da ninhada. A família continua unida por um ano aproximadamente, quando os jovens guaxinins deixam então a companhia da mãe.

Situação[editar | editar código-fonte]

A pele do guaxinim continua a ser muito procurada e, por isso, o animal é caçado em grande escala, especialmente no sul dos Estados Unidos.

Ver também[editar | editar código-fonte]

Galeria de Fotos[editar | editar código-fonte]


Outros projetos Wikimedia também contêm material sobre este tema:
Commons Imagens e media no Commons
Wikispecies Diretório no Wikispecies

Referências

  1. Guaxinim na Infopédia - Porto Editora
  2. Guaxinim - Dicionário Michaelis acessado em 11 de outubro de 2012
  3. Jaguacinim - Dicionário Michaelis acessado em 11 de outubro de 2012
  4. Animais vítimas do tráfico são libertados na floresta da caatinga Globo Repórter, com vídeo - acessado em 11 de outubro de 2012