Guerra Civil Líbia

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Guerra Civil Líbia
em árabe: الحرب الأهليّة في ليبيّا
Parte da Primavera Árabe
Libyancivilwar2.png
Data 15 de fevereiro - 23 de outubro de 2011 (8 meses e 8 dias)
Local Líbia
Resultado Derrubada do governo de Muammar al-Gaddafi
Combatentes
Líbia Conselho Nacional de Transição (CNT)
  • Exercito de Libertação Nacional
  • Força Aérea da Líbia livre
  • Forças Anti-Gaddafi
  • Conselheiros militares estrangeiros
Líbia Líbia de Gaddafi
Comandantes
Líbia Mustafa Abdul Jalil
(Presidente da CNT)
Líbia Abdul Hafiz Ghoga
(Vice-Presidente da CNT)
Líbia Mahmoud Jibril
(primeiro-ministro interino da Líbia)
Líbia Jalal al-Digheily
Líbia Omar El-Hariri
Líbia Abdul Fatah Younis
(assassinado em 28 de julho em Benghazi)
Líbia Mahdi al-Harati
Líbia Abu Oweis
Líbia Abdul Hassan
Líbia Suleiman Mahmoud
Líbia Khalifa Belqasim Haftar
Líbia Khalid Shahmah
Líbia Atiya Ali Tarhuni[1]
Líbia Abdel Hakim Belhadj

OTAN. Anders Fogh Rasmussen
(Secretário-geral da OTAN)
OTAN. James G. Stavridis
(Comandante Supremo Aliado da Europa)
OTAN. Charles Bouchard
(Comandante Operacional)
OTAN. Ralph Jodice
(Comandante Aéreo)
OTAN. Rinaldo Veri
(Comandante Marítimo)
OTAN. Carter Ham


Albânia Sali Berisha
(Primeiro-ministro da Albânia)
Albânia Xhemal Gjunkshi
Canadá Stephen Harper
(Primeiro-ministro do Canadá)
Canadá Marc Lessard
(Comandante da Força Expedicionária canadense)
Dinamarca Lars Løkke Rasmussen
(Primeiro-ministro da Dinamarca até 03 de outubro)
Dinamarca Helle Thorning-Schmidt
(Primeiro-ministro da Dinamarca a partir de 03 de outubro)
Dinamarca Knud Bartels
França Nicolas Sarkozy
(Presidente da França)
França Édouard Guillaud
Itália Giorgio Napolitano
(Presidente da Itália)
Itália Silvio Berlusconi
(Primeiro-ministro da Itália)
Itália Rinaldo Veri
Noruega Jens Stoltenberg
(Primeiro-ministro da Noruega)
Noruega Harald Sunde
Reino Unido David Cameron
(Primeiro-ministro do Reino Unido)
Reino Unido Sir Stuart Peach
(Chefe de Operações Conjuntas)
Estados Unidos Barack Obama
(Presidente dos Estados Unidos)
Estados Unidos Carter Ham
Estados Unidos Samuel J. Locklear
Suécia Sverker Göranson
Jordânia Abdullah II
Catar Hamad bin Khalifa
=Emirados Árabes Unidos Khalifa bin Zayid Al Nahyan
Líbia Muammar al-Gaddafi
(Morto após sua captura)
Filhos de Muammar al-Gaddafi:
Líbia Saif al-Islam Gaddafi
(Capturado após os combates)
Líbia Khamis al-Gaddafi
(Morto em combates posteriores[2] )
Líbia Saif al-Arab al-Gaddafi
(Morto em bombardeio em área residencial)
Líbia Al-Mu'tasim-Billah al-Gaddafi
(Morto após sua captura)
Líbia Al-Saadi al-Gaddafi
Líderes militares:
Líbia Abdullah Senussi
(Chefe da Inteligência Militar)
Líbia Abu-Bakr Yunis Jabr
(Morto em combate)
(Ministro da Defesa)
Líbia Massoud Abdelhafid
(Chefe da polícia secreta)
Líbia Baghdadi Mahmudi
(Primeiro-ministro da Líbia)[3]
Líbia Abdulqader Yusef Dibri[3]
Líbia Matuq Mohammed Matuq[3]
Líbia Ahmed Ibrahim[3]
Líbia Mahdi al-Arabi
(Prisioneiro de guerra)
(Vice-chefe de pessoal do Exército e comandante das forças especiais)
Líbia Moussa Ibrahim
(O porta-voz do governo da Líbia)
Líbia Mohamed Abu Al-Quasim al-Zwai
(Prisioneiro de guerra)
(Secretário-geral do Congresso Geral do Povo)
Líbia Abuzed Omar Dorda
(Prisioneiro de guerra)
(Chefe da Inteligência Nacional)

Líbia Khouildi Hamidi[3]
(Prisioneiro de guerra)
(Vice-chefe da polícia secreta)
Líbia Salih Rajab al-Mismari
(Ministro de Segurança Pública)
Líbia Abdul Ati al-Obeidi
(Prisioneiro de guerra)
(Ministro dos Negócios Estrangeiros)
Líbia Rafi al-Sharif
(Chefe da Marinha)
Líbia Ali Sharif al-Rifi
(General e Chefe da Força Aérea)
Líbia Ali Kana
(General e comandante das forças do sul[1] )
Líbia Awad Hamza
(Líder de Infantaria)
Líbia Bashir Hawadi
(General e comandante de campo)
Líbia Mustafa al-Kharoubi[3]
(General e militar estrategista)
Líbia Nasr al-Mabrouk
(General e comandante da polícia primária)
Líbia Mansour Daw
(Prisioneiro de guerra)
(Chefe da guarda pessoal de Gaddafi)
Líbia Muftah Anaqrat
(Morto em combate)
(Brigadeiro)
Forças
17.000 soldados desertores e voluntários [4]

125.000 - 150.000 voluntários perto do fim da guerra (números do CNT)[5]


Forças internacionais da OTAN
20.000 - 40.000 soldados e mercenários
Baixas
5.849 – 10.605 combatentes da oposição e simpatizantes mortos
2.886 - 3.005 desaparecidos

Turquia 2 soldados mortos
Países Baixos 3 Marinheiros holandêses capturados (liberados mais tarde)


3.309 – 4.227 soldados mortos
7.000 capturados*[6]
Estimativa total de baixas em ambos os lados, incluindo civis:
25.000 - 30.000 mortos, 4.000 desaparecidos[7]

A Guerra Civil Líbia[8] (em árabe: الحرب الأهليّة في ليبيّا), também conhecida como Revolução Líbia,[9] foi um conflito bélico que ocorreu neste país do norte africano. Começou com uma onda de protestos populares contra a ditadura de Muammar al-Gaddafi,[10] com reivindicações sociais e políticas, iniciada em 13 de fevereiro de 2011 na Líbia.[11] Fez parte do movimento de protestos nos países árabes em 2010 e 2011. Tal como na revolução na Tunísia e na revolução no Egito, os manifestantes exigiam mais liberdade e democracia, mais respeito pelos direitos humanos, uma melhor distribuição da riqueza e a redução da corrupção no seio do Estado e das suas instituições.[12] O chefe de Estado líbio, Muammar al-Gaddafi, também conhecido pelos nomes Gaddafi, Kadhafi e Qaddafi,[13] era o chefe de Estado árabe no cargo há mais tempo: liderou a Líbia durante 42 anos.[14]

A rebelião teve início na região de Cirenaica, em cidades como Bengasi, Al Bayda' e Derna, e em vários outros locais, porém em menor grau. Para evitar o "efeito dominó" dos vizinhos Tunísia e Egito, o governo líbio reservou um fundo de 24 milhões de dólares no dia 27 de janeiro de 2011, para financiar a construção de habitações e desenvolver socialmente o país. Vários intelectuais aliaram-se aos manifestantes, e, na sua maioria, foram presos, como o escritor e comentarista político Jamal al-Hajji, preso em 1° de fevereiro, que teria "apelado pela Internet aos protestos pela liberdade na Líbia",[15] e acusado dois dias depois, o que motivou protestos da Amnistia Internacional que alega que al-Hajji está preso por razões políticas não-violentas.[15]

Os protestos reiniciaram em Benghazi, quando, na tarde de 16 de fevereiro, manifestantes se reuniram para protestar contra a prisão de um advogado e ativista de direitos humanos, o representante legal das famílias das vítimas do massacre em 1996 na Prisão de Abu Salim, nos arredores de Trípoli, na qual 1.200 prisioneiros foram mortos pela polícia da ditadura de Muammar Kadafi.[16] [17]

Antecedentes[editar | editar código-fonte]

Gaddafi no poder[editar | editar código-fonte]

Em 1969, a Líbia passava por uma grande insatisfação popular pelo governo de Idris I.[18] O petróleo do país era comprado pelos Estados Unidos e Europa sem que a Líbia e seus habitantes recebessem melhorias. Gaddafi era um dos líderes dessas insatisfações e, após o golpe de estado de 1º de setembro de 1969, instalou-se no poder. As primeiras decisões de Gaddafi foram proibir bebidas alcoólicas e jogos de azar. O país também passa a ser rígido e a seguir fielmente os preceitos islâmicos, retirando todos as comunidades judaicas do país.

No período de Gaddafi, que durou mais de quarenta anos, foi praticamente erradicado o analfabetismo no país. A Líbia avançou nos setores sociais e econômicos graças aos lucros do petróleo.[19]

Gaddafi contava com alguns elementos básicos para continuar no poder: uma política enorme de subsídios estatais, o uso maciço da repressão e a apoio de diversas tribos.[20] O regime, no entanto, não resolveu o grande nó do desemprego, que afetava 30% da população, especialmente as mulheres e os jovens.[21] O fracasso de projetos de desenvolvimento e de liberalização, o descontentamento crescente, intensificado com a chegada em massa de imigrantes da África subsaariana, criou um grande quadro de tensão no país.[22]

Censura e um controle da informação, juntamente com a ocultação das desigualdades no país, habilmente escondidas por alegações de Gaddafi contra "o imperialismo ocidental" formaram nos últimos anos, um poderoso freio para evitar o surgimento de sentimentos subversivos na população da Líbia.[23]

Corrupção e desenvolvimento[editar | editar código-fonte]

A maior parte dos recursos da Líbia era controlada pela família de Gaddafi.[24] Conforme o Departamento de Estado, "A Líbia é uma cleptocracia em que o regime — tanto a família de Gaddafi, ou por seus aliados políticos — tem uma participação direta em qualquer coisa que vale a pena comprar, vender ou possuir."[25]

Cerca de 58% do Produto Interno Bruto líbio vinha da produção de petróleo.[26] Acredita-se que a maior parte da riqueza adquirida pela venda do petróleo líbio era utilizada para a compra de armas e para patrocinar a violência em todo o mundo.[27] [28] De acordo com o Índice de Liberdade de Imprensa, a Líbia era o país com maior censura do norte da África.[29] A Líbia foi suspensa do Conselho de Direitos Humanos da ONU por cometer violações aos direitos humanos no país, principalmente contra os opositores ao governo.[30] [31]

Antes do conflito, estimava-se que 20,74% da população líbia estivesse desempregada, uma das maiores médias da região, e que um terço desta estivesse vivendo abaixo da linha da pobreza. Mais de 16% das famílias não tinham uma renda fixa de qualquer membro da família, enquanto 43,3% tinham apenas um membro da família recebendo algum tipo de salário.[32] Apesar dos problemas sociais, o IDH do país ainda era bem alto, superior a de nações como a Arábia Saudita. Programas como saúde e educação eram gratuitos e custeados pelo Estado.[33]

As piores condições econômicas estavam no leste, local onde Gaddafi concentrava a extração de petróleo.[34] [35] Apesar das melhorias em moradias e no acesso a água potável,[33] a infraestrutura na região permaneceu precária por anos, com a única estação de esgoto em Benghazi tinha mais de 40 anos de idade.[36] Apesar do governo de Gaddafi oferecer um sistema médico gratuito, o serviço oferecido era bem ruim e se tornou, para a oposição, um símbolo da má administração financeira do Estado.[33] A falta de instalações médicas e de profissionais da área forçava muitos líbios a buscar ajuda em países vizinhos como na Tunísia ou no Egíto.[37]

Muitos governos estrangeiros e analistas alegavam que muitos negócios governamentais e da riqueza do país ficava nas mãos de Gaddafi, de sua família ou de membros da cúpula do seu regime.[38] Um documento diplomático americano vazado dizia que a economia líbia era "uma cleptocracia onde o governo – a família de Gaddafi ou aliados próximos – tinham uma palavra direta sobre qualquer assunto econômico".[39] De acordo com oficiais norte-americanos e analistas, Gaddafi concentrou uma enorme fortuna pessoal durante seus 42 anos de governo.[40] O The New York Times apontou que Gaddafi e seus parentes tinham vidas luxuosas, que incluia mansões e festas extravagantes que tinham participação de astros pop americanos.[39] [41]

Gaddafi rebatia as críticas sobre a corrupção financeira em seu governo, reconhecendo-a muita das vezes e alegando que estava tomando medidas para melhorar a distribuição de renda no país, mas alertou dizendo que "enquanto o dinheiro for administrado pelo governo, haverá roubo e corrupção." Ele então tentou tomar ações para varrer a corrupção em sua administração, mas segundo analistas, não teve sucesso.[42]

Direitos humanos na Líbia[editar | editar código-fonte]

Em 2009 e em 2011, a Freedom of the Press classificou a Líbia como o país do Oriente Médio e Norte da África com maior censura à imprensa.[43] [44] Em contraste, em janeiro de 2011, um relatório do Conselho de Direitos Humanos das Nações Unidas, lançado antes dos protestos e do conflíto, elogiou vários aspectos ligados a direitos humanos no país, incluindo o tratamento dado a mulheres e outras áreas, como as políticas de combate ao racismo e desigualdade social do governo.[45]

A dissidência política era considerada ilegal pela Lei 75 de 1973 e, em 1974, Gaddafi decretou que qualquer um que criasse um partido político poderia ser executado.[46] Com o estabelecimento da Jamahiriya ("estado de massas") em 1977, ele estabeleceu os chamados "Comitês Revolucionários" como canais para aumentar a consciência política, com o objetivo de aumentar a participação política direta dos líbios ao invés de um sistema baseado em partidos como num sistema representativo.[47] [47] Durante a década de 1980, os Comitês Revolucionários detinham um poder considerável e acabou por gerar tensões dentro da Jamihiriya,[48] levando o próprio Gaddafi a criticar e a condenar a repressão excessiva,[47] [48] até que no final da década o poder destes comitês foi reduzido significativamente.[48]

Os Comitês Revolucionários ocasionalmente eram responsáveis por lidar com a dissidência política; segundo um relatório oficial, dentre dez a vinte por cento dos líbios, em algum nível, agiam como informantes para os comitês, vigiândo os governos, as fábricas e o setor de educação.[46] O Governo central às vezes executava dissidentes políticos publicamente na forca e também haviam mutilações por muita das vezes televisionado ao vivo pela TV pública.[46] [49] Em meados da década de 1980, o serviço de inteligência líbia cometeram abertamente assassinatos de dissidentes políticos dentro e fora do país.[46] [50]

Línguas estrangeiras como inglês e francês foram banidas das escolas e conversar com um estrangeiro sobre política dava até três anos de cadeia.[51] O Livro Verde, escrito pelo coronel Gaddafi nos anos 70, foi por anos o principal livro de educação política do país. De acordo com um palestrante líbio, professores que criticavam o livro supostamente poderiam até ser executados.[52]

Em 1988, Gaddafi criticou abertamente os "excessos" cometidos pelos Conselhos Revolucionários, dizendo que eles "deturparam, machucaram e torturaram" e completou dizendo que "um verdadeiro revolucionário não pratica repressão".[53] No mesmo ano, a Jamahiriya divulgou o Grande Documento Verde dos Direitos Humanos, no qual o artigo 5 garantia liberdade de expressão. O artigo 8 do "O Código de Promoção da Liberdade" dizia que "cada cidadão tinha o direito de expressar suas opiniões e ideias no Congresso do Povo e pelos meios de comunicação de massa."[45] Várias restrições aos Comitês Revolucionários também foram impostas.[48] Em 2004, contudo, a líbia colocou uma recompensa de 1 milhão de dólares em um jornalista e crítico do governo Ashur Shamis que, segundo as autoridades, tinha ligações com a Al-Qaeda e com o terrorista Abu Qatada.[54]

Em dezembro de 2009, Gaddafi teria dito a representantes de seu governo que a Líbia logo passaria por um "novo período politico" e teriam eleições para importantes cargos no governo como ministros e para a liderança do Conselho de Segurança Nacional (que seria equivalente a um cargo de Primeiro Ministro). Ele também prometeu que observadores internacionais seriam permitidos para supervisionar as eleições garantindo assim sua transparência e legalidade. Essas eleições estavam planejadas para acontecer no mesmo período das votações para os Comitês Populares da Jamahiriya, para o Congresso Popular de Base, para o Comitê Popular de Base e para o Congresso Geral do Povo, em 2010.[55]

A Oposição Líbia antes do conflito[editar | editar código-fonte]

Antes do início do conflito a oposição líbia era organizada em diferentes grupos distintos, tais como: a Frente Nacional para a Salvação da Líbia (FNSL), a Conferência Nacional para a Oposição da Líbia (CNOL), o Al-Jama'a al-Islamiya al-Muqatilah bi-Líbia Grupo de Combate Islâmico Líbio (que inclusive antes de financiarem a oposição, suas lideranças já tinham largado as armas[56] ) e a União Constitucional Líbia (monarquistas)[57] . Por volta de 1970, Gaddafi reprimiu a oposição, fazendo com que muitos opositores fugissem do país para viver no exterior. Entre 1973 e 2011, Gaddafi enfrentou pelo menos 25 tentativas de assassinato, articuladas, supostamente, por membros da oposição que viviam fora do país.[58]

A Questão Amazigh[editar | editar código-fonte]

Outro componente importante do conflito foi a rivalidade entre os amazighs (ou berberes), que habitavam uma cadeia de montanhas no noroeste da Líbia (Montanhas Nafusa) e representavam entre 5% a 10% da população daquele país, e o Regime Deposto, que tentou suprimir a cultura daquele povo, proibindo a utilização do Tamazight (linguagem berbere), que as crianças tivessem nomes berberes e até mesmo canções tradicionais daquele povo[59] .

A guerra[editar | editar código-fonte]

O curso da guerra.
  Domínio rebelde em 1º março.
  Conflitos entre março e julho.
  Área tomada pelos rebeldes/novo regime em agosto.
  Área dominada pelo novo regime em 1º de outubro.
  Últimos bolsões de resistência do antigo regime.
Big battle symbol.svg Principais Campanhas. Small battle symbol.svg batalhas.
A bandeira da antiga monarquia líbia foi usada pelos manifestantes durante seus protestos contra Gaddafi. Hoje é a nova bandeira oficial do país.

As primeiras manifestações começaram em 15 de fevereiro de 2011 e nos próximos dias, mais de uma dezena de manifestantes foram mortos em confrontos com tribos pro-Gaddafi e a polícia secreta. Também foi relatado que a repressão atingiu um alto nível, tendo ocorrido bombardeios indiscriminados de cidades, franco-atiradores assassinando manifestantes, causando também um declínio na economia da Europa, onde o euro caiu e os preços do petróleo em Londres subiu para níveis acima de 110 dólares.[60]

Os protestos contra a intransigência do governo e a brutal repressão contra os manifestantes, degeneraram em uma revolta que se espalhou rapidamente por Cirenaica, a parte oriental do país, tradicionalmente contrária a Gaddafi.[61] A maior parte do exército nesta área se juntou à oposição, enquanto partidários do regime abandonaram suas armas e seus quartéis.[62]

A parte ocidental da Líbia também começou a cair sob o controle dos grupos antiGaddafi, deixando Tripoli, a capital do país, cercada por cidades controladas pelos manifestantes.[63] A proximidade dos adversários fez com que as forças leais ao regime lançassem uma série de ataques a essas cidades na tentativa de recuperá-las,[64] causando muitas baixas, mas sem conseguir impedir que a oposição avançasse pela capital.[65]

A maioria das nações condenaram veementemente o governo da Líbia de Gaddafi pelo uso de violência contra os manifestantes, que já matou centenas de pessoas no país.[66] Os Estados Unidos impuseram sanções contra Gaddafi. O Conselho de Segurança das Nações Unidas aprovou uma resolução com o congelamento do patrimônio de Gaddafi e 10 membros de seu círculo íntimo. A resolução também impôs uma proibição de viajar e se refere a Líbia para investigação no Tribunal Penal Internacional.[67] No entanto, alguns chefes de Estado da América Latina manifestaram apoio ao governo de Gaddafi[66] pelo qual foram criticados.[68] [69] [70] [71]

No dia 4 de abril de 2011, o jornal The New York Times noticiou que dois dos filhos do líder líbio Muammar al-Gaddafi tentaram articular uma transição para uma democracia constitucional que incluiria a saída do pai do poder. A transição seria conduzida por um dos filhos de Gaddafi, Saif al-Islam Gaddafi.[72] Os rebeldes, contudo, recusaram a proposta.[73]

Devido a evidências diretas de crimes contra a humanidade cometidos pelas tropas do governo contra os rebeldes e civis líbios, nas áreas de insurreição e combate, em 16 de maio de 2011, Luis Moreno Ocampo, Procurador-Chefe do Tribunal Penal Internacional, sediado em Haia, solicitou mandato internacional de captura e prisão contra o líder líbio, por crimes contra a Humanidade.[74]

Composição de forças rebeldes[editar | editar código-fonte]

Praça do Tribunal em Benghazi, abril de 2011. Foi o principal local para reuniões e manifestações de apoio aos rebeldes em Benghazi. As paredes estão cobertas com fotos de vítimas

Os rebeldes eram compostos principalmente de civis, tais como professores, estudantes, advogados e trabalhadores do petróleo, e um contingente de soldados profissionais que desertaram do Exército da Líbia e se juntou aos rebeldes.[75] No início da rebelião cerca de 3.000 criminosos foram libertados em Benghazi e uma boa parte deles passou a combater so lado dos rebeldes[76] . O Grupo de Combate Islâmico Líbio é considerado parte do movimento rebelde,[77] como é o Obaida Ibn Brigada Jarrah, que foi responsável pelo assassinato do comandante líder dos rebelde General Abdul Fatah Younis.[78] Administração de Gaddafi havia afirmado repetidamente que os rebeldes incluíam elementos da Al-Qaeda.[79] Porém o Supremo Comandante da OTAN, James G. Stavridis afirmou que relatórios da inteligência sugeriram micro-grupos da al-Qaeda estavam presentes entre os rebeldes, mas também acrescentou que não há informações suficientes para confirmar qualquer presença "significativa" de terroristas ou da al-Qaeda.[80] [81] Os rebeldes negaram que membros da Al-Qaeda estivessem entre eles.[82]

Resolução da ONU e intervenção militar[editar | editar código-fonte]

A resolução 1973 da ONU[83] , proposta pela França, Reino Unido e Líbano,[84] [85] previa um cessar fogo imediato, uma zona de exclusão aérea e uma ocupação externa, para proteger os civis.[86] Foi aprovada por 10 votos a favor (África do Sul, Bósnia e Herzegovina, Colômbia, Gabão, Líbano, Nigéria, Portugal, e os membros permanentes Estados Unidos, França e Reino Unido) e 5 abstenções (Alemanha, Brasil e Índia, e os membros permanentes China e Rússia).[87]

A intervenção militar começou com os caças Rafale franceses sobrevoando sobre as cidades de Trípoli e Bengasi. Os primeiros tiros destruíram quatro blindados líbios e os submarinos norte-americanos lançaram 110 mísseis Tomahawk, para atingir vinte locais estratégicos das forças pró-Gaddafi. As forças leais ao regime reagiram com ataques às forças de coalizão internacional com fogo de artilharia antiaérea mas sem muito efeito.[88] [89]

A OTAN disse que a operação militar seria mantida até que o CNT dissesse o contrário. De acordo com o secretário-geral da OTAN, seiscentos voos de combate operavam na Líbia desde o fim de março.[90] Os líderes da BRICS, na cúpula em Sanya, condenaram os ataques na Líbia e pediram uma solução pacífica imediata, mas não procuram condenar diretamente as operações da OTAN. Eles defendiam a busca do diálogo, mas apoiavam boa parte das ações do Conselho de Segurança das Nações Unidas.[91]

Além das forças aéreas e navais, as potências ocidentais também enviaram forças terrestres em apoio ao Conselho de Transição Líbio.[92] Segundo o jornal paquistanês The Nation, 1.500 homens foram recrutados em Mazar-e Sharif (Afeganistão) pela CIA para lutar na Líbia, mas a informação não foi confirmada pela CIA nem pelo CNT.[93] O Catar teria sido outra nação que teria enviado forças terrestres para combater na Líbia, mandando conselheiros e até combatentes para ajudar o treinamento dos rebeldes naquele país e auxilia-lo nos enfrentamentos.[92] [94] Em outras ocasiões, a OTAN negou o envio de tropas terrestres para a Líbia.[95]

Equipamentos militares das forças de Gaddafi destruídos em Bengazi por aviões da Coalizão ocidental, em março de 2011.

Como resposta a iminência de ataques aéreos, o regime líbio convocou seus partidários para servir como escudos humanos em possíveis alvos dos ataques. Uma das alegações dos apoiadores do regime de Gaddafi era o de que as potências ocidentais atacariam o país por ter "interesse no petróleo local".[96]

Invasão de Trípoli[editar | editar código-fonte]

Notícia brasileira da invasão a Trípoli.

No dia 21 de agosto, os rebeldes iniciaram uma grande ofensiva na região de Trípoli, capital líbia.[97] Os insurgentes tentaram colocar os três filhos de Muammar al-Gaddafi em prisão domiciliar, sendo que Saif Al-Islam não foi detido e o outro filho, Mohamed Gaddafi, escapou. Saif Al-Islam diz que seu pai estava a salvo em Trípoli.[98] No dia 23 de agosto, rebeldes tomaram o quartel-general de Muammar al-Gaddafi e o enviado da ONU a Líbia disse que o país estaria totalmente nas mãos dos opositores no dia 26 de agosto.[99] [100] No mesmo dia (24 de agosto na Líbia), Gaddafi ressurge em mensagem por rádio prometendo "morte ou vitória" e disse que a saída do quartel-general invadido foi um movimento tático após o local ser bombardeado por aviões da OTAN.[101] Em 28 de agosto, os rebeldes anunciaram que tinham a cidade sob controle.[102] [103] Alguns membros da família de Gaddafi fugiram então para a Argélia.[104] Já o paradeiro do líder deposto permanecia incerto,[105] porém evidências sugeriram que ele deixou a capital no dia 26 e se dirigiu para a cidade de Sabha. Contudo, Gaddafi tinha de fato se dirigido para Sirte, cidade ainda controlada por forças leais a ele.[106] Após esta vitória, o Conselho Nacional de Transição transferiu sua sede para a capital Trípoli e iniciou as últimas ofensivas da guerra afim de assumir o controle de todo o território. Estima-se que pelo menos 1.700 combatentes rebeldes morreram na batalha de Trípoli.[7]

Últimos combates e morte de Gaddafi[editar | editar código-fonte]

Rebeldes líbios comemorando a conquista da cidade de Bani Walid, em um dos últimos e mais violentos combates da guerra.

Após conquistar a capital Trípoli, os rebeldes se prepararam para lançar sua nova campanha ofensiva a fim de derrotar as forças pró-Gaddafi remanescentes do noroeste da Líbia, em especial na cidade de Sirte que já estava sendo atacada mesmo enquanto as lutas em Trípoli ainda prosseguiam. Os rebeldes então tomaram a cidade de Gadamés próxima a tríplice fronteira com a Tunísia e com a Argélia em 29 de agosto. Membros da família de Gaddafi teriam se refúgiado na Argélia segundo fontes de dentro e fora da Líbia.[107] Em setembro, a fortaleza de Gaddafi em Bani Walid foi cercada por forças do Conselho Nacional de Transição, que reportavam que o filho de Gaddafi, Saif al-Islam, estava escondido lá.[108] A cidade só foi tomada pela oposição depois de um mês de intensos combates, mas Saif conseguiu fugir.[109] [110]

Em 20 de outubro de 2011, a cidade de Sirte oficialmente caiu sob controle do Governo de Transição e então a impressa ligada ao CNT informou oficialmente a rede de TV árabe Al Jazeera que Muammar Gaddafi fora capturado.[111] [112] De acordo com Abdel Majid, Gaddafi teria sido ferido a tiros nas pernas.[113] Outras informações dizem que o ex-líder teria morrido devido a estes ferimentos.[114] [115] Mais tarde a Al Jazeera mostrou imagens do corpo de Gaddafi logo após sua morte.[116]

Em 23 de outubro de 2011, o Conselho Nacional de Transição líbio anúnciou o fim da guerra, apesar de combates esporádicos ainda serem registrados pelo país.[117]

Tentativas de solução negociada do conflito[editar | editar código-fonte]

A primeira iniciativa buscando uma solução negociada para o conflito partiu do presidente venezuelano Hugo Chávez no início de março. Essa proposta foi aceita por Kadhafi, mas rejeitada pelos rebeldes.[118] No plano internacional a proposta foi rejeitada pela França,[119] mas recebeu apoio no seio da Alba[120] e do secretário-geral da Liga Árabe, Amr Mussa.[118]

A proposta de solução negociada mais relevante foi aquela criada pela União Africana, que teve como marco inicial um evento em Adis Abeba em 25 de março de 2011, para o qual foram convidados representantes do governo líbio e da oposição,[121] a proposta previa a eliminação das causas profundas do conflito e a realização de eleições democráticas,[122] a proposta foi aceita por Abdul-Ati al-Obeidi, que representava o governo líbio na ocasião.[123] [124] [125]

Em 10 de abril, uma delegação da União Africana que incluia os presidentes da África do Sul, Mauritânia, Mali e Congo-Brazzaville e o ministro dos Negócios Estrangeiros de Uganda foi recebida em Trípoli por Gaddafi e este teria aceitado os termos do plano de paz proposto.[126] Segundo Jacob Zuma, presidente sul-africano, o "irmão líder Gaddafi", como se referiu ao governante líbio, concordou com os termos do chamado "Mapa do Caminho", que foi o plano elaborado pela delegação liderada por Zuma que foi a capital líbia em busca de uma trégua nos conflitos que já durava dois meses. "Temos que dar uma chance ao cessar-fogo", afirmou o presidente da África do Sul, pedindo que a Otan interrompa os bombardeios no país.[127]

No dia seguinte a oferta, após uma reunião em Benghazi com lideranças africanas, a cúpula rebelde anunciou que rejeitava o plano de paz da União Africana afirmando que "a demanda do povo tem sido pela queda de Gaddafi e a queda de seu regime" e que "qualquer iniciativa que não inclua essa demanda do povo, demanda popular, demanda essencial" não seria reconhecida.[128] [129] O ministro de relações exteriores do Reino Unido, William Hague, também comentou sobre a proposta da União Africana e respaldou os rebeldes dizendo que "não deve haver nenhum cessar-fogo que não esteja completamente de acordo com as condições das resoluções do Conselho de Segurança da ONU" e junto com o ministro de relações exteriores italiano, Franco Frattini, afirmou que "qualquer coisa que fique aquém disso será uma traição ao povo da Líbia e será usado pelo regime que anunciou duas vezes cessar-fogo sem nenhum efeito desde que começaram os combates".[129] Logo depois, os governos ocidentais e os rebeldes voltaram a pedir a saída imediata de Gaddafi do poder, sem termos.[129] A chefe da diplomacia europeia, Catherine Ashton, também pediu a renúncia do líder líbio.[130]

Mustafa Abdul Jalil, líder do conselho rebelde, disse a União Africana que o plano de paz foi superado pelo desenrolar dos eventos e que a resolução da ONU dava autoridade para os ataques aéreos aliados. Jalil também salientou que qualquer proposta de paz que mantivesse Gaddafi no poder, pelo tempo que fosse, seria inaceitavel. "O coronel Gaddafi não reconheceu esta resolução e continua a bombardear e a metralhar civis com artilharia e aviões, e ainda cerca cidades com o uso da força e ordenou que suas tropas entrasse nelas. O povo líbio não vai aceitar esta situação", disse ele.[131]

Apesar da proposta da União africana falar em cessar fogo, ela não pedia, contudo, a queda imediata de Gaddafi do poder, o que segundo os rebeldes não seria suficiente e tão pouco aceitavel. A exigência do Conselho Revolucionário era que o líder líbio e seu governo retirassem suas tropas das cidades imediatamente, em particular em Misrata e Zawiya, permitindo assim a entrada de ajuda humanitária nestas localidades que, segundo os rebeldes, estava sendo negada pelo regime. Eles também exigiam que o governo permitisse manifestações da oposição em áreas controladas por Gaddafi e que a repressão cessasse. A renúncia imediata do ditador voltou então a ser pedida pelos rebeldes líbios como sendo o único caminho para a paz.[131]

Em 14 de abril, os países que compõem o chamado BRICS (Brasil, Rússia, Índia, China e África do Sul) anunciaram apoio ao plano de União Africana.[132] [133] Nessa mesma data, Ban Ki-moon, Secretário-geral das Nações Unidas, pediu uma solução política e um cessar-fogo imediato na Líbia, durante uma reunião internacional no Cairo, da qual participaram representantes da União Africana, da Liga Árabe, da Organização da Conferência Islâmica e da União Europeia.[130] [134]

No dia 20 de abril, o ministro de Relações Exteriores líbio, Abdul Ati al Obeidi anunciou que num prazo de seis meses contados a partir de um possível cessar-fogo o país poderia ter eleições supervisionadas pela Organização das Nações Unidas, que incluiriam um referendo sobre o futuro de Muammar Gaddafi. Por outro lado, os rebeldes prometiam um cronograma direfenciado para a realização de eleições, que, conforme anuncio realizado em 26 de maio, ocorreriam dois anos após a queda de Gaddafi.[135] [136] Em 16 de junho, Saif al-Islam Gaddafi, filho do coronel líbio, concedeu uma entrevista ao jornal italiano Corriere della Sera na qual reiterou a proposta de realização de eleições na Líbia, acrescentando que as eleições poderiam ocorrer em três meses, ou no máximo, até o final de ano, e sua transparência poderia ser garantida pela presença de observadores internacionais da União Europeia, da União Africana, da Organização das Nações Unidas e até mesmo da Otan, Saif também destacou que o seu pai aceitaria abandonar o poder caso sofresse uma derrota eleitoral. Nessa mesma entrevista Saif afirmou que o regime na forma desenvolvida por seu pai desde de 1969 estava morto e que previa a instalação de um governo central fraco e com autonomia local forte.[137] [138]

Em 30 de maio, Jacob Zuma, fez nova visita Trípoli, quando afirmou que os bombardeios da Otan estavam minando os esforços de mediação de paz da União Africana.[139]

Em 22 de junho, o Ministro dos Negócios Estrangeiros da Itália, Franco Frattini, e o secretário geral da Liga Árabe, Amr Moussa manifestam-se favoráveis a um cessar-fogo imediato na Líbia. Frattini pediu uma suspensão imediata das hostilidades na Líbia para instaurar corredores humanitários de ajuda à população civil, alertando que os combates incessantes têm dificultado o tratamento dos feridos e o apoio à população civil, por isso apelava pela suspensão dos bombardeamentos para que se proporcione ajuda humanitária nas zonas mais fustigadas pelos combates. Amr Moussa, concedeu uma entrevista ao jornal britânico The Guardian, na qual afirmou que seria o momento de fazer tudo o que for possível para obter uma solução política, que começaria por um cessar-fogo real e sob supervisão da comunidade internacional, sendo que até à implementação deste cessar-fogo, o coronel Muammar Kadhafi continuará no poder e haveria em seguida um período de transição com vista a obter um acordo sobre o futuro da Líbia.[140] [141]

Em 1º de julho de 2011, a 17ª cimeira da União Africana, reunida em Malabo, capital da Guiné Equatorial, aprovou um novo plano de paz para a Líbia, Jacob Zuma explicou que tratava-se de proposta bastante clara, que fora tomada por consenso dos líderes africanos presentes nos trabalhos da cimeira de Malabo, que ocorrera entre 30 de junho e 1 de julho.[142]

Tribos líbias[editar | editar código-fonte]

As tribos líbias.

A sociedade líbia se organiza através de 140 tribos, sendo algumas mais importantes que outras.[143] Embora alguns líbios acreditam que a divisão entre tribos pode dificultar a igualdade de oportunidades e o desenvolvimento da sociedade civil, muitos líbios se identificam como pertencente a uma tribo.[144]

Gaddafi sempre favoreceu a divisão entre tribos. No dia 23 de fevereiro, foi feita uma reunião em Al Bayda entre os líderes da tribos. Segundo Abdul Fatah Yunis, político líbio, como consequência dessa reunião, a maioria das tribos se unir para se opor ao governo de Gaddafi.[145] Para consolidar o governo de Muammar al-Gaddafi, teve que fazer alianças com várias dessas tribos. As mais importantes tribos são:[143]

  • Warfallah: Contém um milhão de integrantes, o que representa um sexto da população. Seus líderes pediram abertamente que o líder líbio abandonasse a Líbia.
  • Magarha: É a segunda mais importante e localiza-se a oeste da Líbia. Seus representantes ocuparam cargos públicos no governo de Gaddafi e ainda são leais ao governo líbio.
  • Gaddadfa: Tribo consolidado no Golfo de Sirte, é de onde vem o líder líbio. Essa tribo tem domínio sobre as instituições de segurança e aviação.
  • Al-Zintan: Se situa entre as cidades de Jadu e Yafran, a pouca distância de Trípoli. O porta-voz dirigiu-se aos seguidores de Gaddafi com as seguintes palavras: "Pedimos também aos fiéis do regime corrupto, que são poucos, que se unam a essa revolução para que não deixem passar a oportunidade de serem perdoados".[146]

Conforme alguns historiadores, algumas tribos poderiam não se submeter ao novo governo após a ofensiva da OTAN e preveem que essa situação pode desencadear um conflito dentro do próprio território.[143]

Situação humanitária[editar | editar código-fonte]

Emblem-scales.svg
A neutralidade desse artigo (ou seção) foi questionada, conforme razões apontadas na página de discussão.
Justifique o uso dessa marca na página de discussão e tente torná-lo mais imparcial.
Hospital de Trípoli durante a Guerra Civil, publicada em agosto de 2011. Nesse período, a situação humanitária era considerada angustiante na Líbia.

No início de agosto, a situação humanitária era considerada angustiante, em Trípoli e oeste da Líbia. O principal hospital traumatológico da Líbia, o Hospital Abu Salim, parou de funcionar devido a falta de funcionários, deixando dezenas de pacientes. Além disso, há falta de água em diversos locais de Trípoli e na parte oeste da Líbia, tornando-se cada vez mais difícil obter água potável. Essa situação atingiu até mesmo as garrafas de água no supermercado.[147] Havia também uma certa escassez de remédios, vacinas e outros artigos médicos nos hospitais e centros de saúde. Devido aos efeitos das sanções financeiras, a importação dos suprimentos médicos foi fortemente reduzida.[148]

Havia críticas sobre como estão sendo tratados os imigrantes. Em 24 de junho de 2011, em meio à reunião do Conselho Europeu para discutir a situação dos imigrantes, a organização Médicos Sem Fronteiras (MSF) condenou os termos do acordo bilateral assinado em 17 de junho entre a Itália e o Conselho Nacional de Transição da Líbia, que tinha como objetivo estabelecer uma cooperação na luta contra a imigração clandestina, visando principalmente à repatriação forçada dos imigrantes ilegais, mesmo antes do fim dos combates.

A MSF criticou a atitude da Itália, pois considerava "inaceitável que um país que participa dos bombardeios em nome da proteção da população civil da Líbia dê as costas às vítimas da guerra (…) As pessoas chegando de barco da Líbia estão fugindo da violência, e precisam de proteção internacional. Repatriar esses indivíduos, assim como empurrá-los de volta para a Líbia durante a travessia marítima, constitui uma violação da obrigação internacional de non-refoulement (não-devolução)". Como parte de suas atividades, MSF está tratando pessoas que procuraram refúgio no centro de Mineo, na Sicília, e no acampamento de Choucha, na Tunísia.

Ataques motivados pela cor da pele[editar | editar código-fonte]

Após a tomada de Trípoli por partidários do novo regime, o ACNUR fez um forte apelo para que os africanos subsarianos fossem protegidos contra supostos ataques motivados pela cor de sua pele.[149] O The Independent, a CBS e a CNN também reportaram abusos cometidos contra negros nas áreas ocupadas pelo CNT.[150] [151] [152] [153] A brutalização seria em resposta aos atos violentos cometidos pelos mercenários contratados por Gaddafi para lutar por ele que, segundo os rebeldes, também cometiam assassinatos e executavam a sangue frio opositores capturados.[154] [155] Muitos desses mercenários vinham de países vizinhos como o Chade e outras nações da África subsariana.[154]

Ataques contra partidários do regime deposto[editar | editar código-fonte]

Foi reportado que forças rebeldes teriam executado supostos apoiadores de Gaddafi capturados, segundo denúncia de órgãos estrangeiros.[156] Tais atividades seriam em resposta a ações similares realizadas no início do conflito cometidas por forças leais ao regime deposto.[157] Além dos moradores de Tawurgha, a população da comunidade de Mushashya, que residia nas proximidades de Zintan, também foi expulsa de suas casas.[158]

No início de setembro o número de mortos era estimado em pelo menos 30.000 e o número de feridos em pelo menos 50.000, sendo 20.000 com ferimentos considerados graves. Dentre os mortos pelo menos metade seria de combatentes do regime deposto.[7] Em meados de outubro estimava-se que os apoiadores do novo regime mantivessem até de 7.000 prisioneiros de guerra, em condições precárias, sendo que havia evidências de que alguns prisioneiros foram vitimas de torturas[159] .

Na cidade de Sirte, palco da última grande batalha do conflito, também houve relatos de abuso e suspostas atrocidades cometidos por soldados do CNT contra civis e militares simpatizantes de Gaddafi, tambem em campos de refugiados,[160] , sendo acusados por simpatizantes do regime deposto de genocídio.[161] A Human Rights Watch denunciou a morte de 53 pessoas que teriam sido executadas pelos rebeldes perto do Hotel Mahari que estava sob o controle de brigadas oriundas de Misrata.[162] [163] Em 22 de outubro, Sirte ja estava praticamente deserta. A cidade ainda sentia as conseguências dos recentes combates, com destruição e corpos para todo lado. Segundo os locais, os rebeldes estavam mais preocupados em perseguir simpatizantes do governo deposto do que necessariamente manter a ordem. Denúncias de saques e outras violações surgiram após a batalha.[164] De acordo com vários órgãos de imprensa internacional e de defesas de direitos humanos, a onda de vingança perpetrada pelos homens do CNT continuou dias após os combates cessarem com mais assassinatos em massa, incluindo uma suspeita de que 300 corpos encontrados numa vala comum no centro da cidade seriam de simpatizantes do ex-ditador que teriam sido executados a sangue frio pelos rebeldes.[165] Ali Tarhouni, ministro do petróleo do novo regime, pediu que se não julgassem mal jovens ligados ao novo regime que viram seus amigos mortos na frente deles, suas cidades queimadas, suas irmãs estupradas por forças do velho regime no começo da guerra. Mercenários estrangeiros que lutaram por Gaddafi, que teriam sido os principais autores dos crimes do antigo governo durante o conflito, se tornaram também alvos dos rebeldes em suas represálias.[166] Outras localidades como Bani Walid, Abu Salim, Tawurgha e Al Jemel também reportaram casos de excessos, assassinatos e duras represálias por parte de forças do novo regime contra apoiadores do regime deposto.[167] [168]

Fortalecimento dos grupos jihadistas[editar | editar código-fonte]

O levante na Cirenaica, resultou na aquisição dos arsenais do Estado líbio e a disseminação de armas que estavam armazenadas. Islâmicos, incluindo a Irmandade Muçulmana, aproveitando a situação para se armarem. Argélia e os países do Sahel acreditam que algumas das armas cairam nas mãos da Al Qaida no Magreb Islâmico (AQMI).[169]

Da mesma forma no Iraque ou no Iêmen, o vácuo político causado pela queda do regime de Gaddafi ao oeste da Líbia é uma oportunidade para fortalecer os jihadistas, segundo especialistas. Um ex-chefe da Direcção de Vigilância do Território (DST)[170] e fundador do Centro Francês de Pesquisa Internacionais e Estudos sobre o Terrorismo, disse que o bloqueio contra a Al Qaeda e a imigração ilegal aumentou na Líbia.[171]

A organização que representa os rebeldes, o Conselho Nacional de Transição (CNT), é marcado pelo islã político. A nova constituição do país será inspirado na Charia, disse uma fonte do novo governo.[172] [173]

Pós-guerra[editar | editar código-fonte]

Apesar da declarada derrota das forças pró-Gaddafi, a reconquista completa dos territórios e da morto do ex-líder, Saif al-Islam, filho e sucessor político de seu pai, permaneceu escondido no sul do país até ser capturado em meados de novembro. Além disso, integrantes do antigo governo conseguiram fugir para o Níger, apesar da violência na recepção quando estes foram detectados por tropas daquele país.

Combates esporádicos entre militares do CNT e forças ainda leais ao velho regime continuaram em alguns pontos do país apesar do fim da guerra civil ter sido anunciado oficialmente. Em 23 de novembro, sete pessoas morreram em Bani Walid, sendo cinco de milícias locais e um apoiador de Gaddafi.[174] Na capital Trípoli, cerca de 80 homens do antigo exército nacional tentaram erguer a bandeira verde em algumas ruas da cidade, irritando as forças do novo governo. Um intenso tiroteio se seguiu. Não se sabe quem atirou primeiro mas a situação rapidamente se deteriorou.[175] Durante o combate, três pessoas morreram (um miliciano do CNT e dois militares pró-Gaddafi) e mais de 60 ficaram feridas. Outras 15 pessoas foram presas e o restante dos manifestantes se dispersou.[176] [177] O conflito aconteceu no distrito de Abu Salim, uma área onde se concentravam apoiadores do antigo governo, apesar de distúrbios terem sido reportados em outras áreas da cidade sem que qualquer baixa ter sido contabilizada.[178] Novos combates irromperam em 3 de janeiro de 2012, perto do antigo prédio de inteligência do governo de Gaddafi.[179]

Frente a crescente escalada de violência, Abdul Jalil, líder do CNT, alertou os líbios que "uma nova guerra civil poderia ser deflagrada se o único jeito de se ajeitar as diferenças fosse o uso da força".[179] [180] Em Benghazi, protestos por rapidez nas reformas e melhoria na qualidade de vida da população irromperam por toda parte. Durante o conflito, a cidade foi uma das primeiras a se rebelar contra o governo do ex-ditador e sofreu grandes danos durante os combates.[181]

Ainda em 3 de janeiro, o governo líbio anunciou que o ex-general Yousel al-Manquosh, oriundo de Misrata, seria o novo comandante das Forças armadas líbias.[182] Logo em seguida, o CNT também anunciou que iria começar a dispersar e desarmar as milícias do país.[183] Segundo a Anistia Internacional, as milícias na Líbia estariam fora de controle.[184]

O governo provisório então declarou, em janeiro, que eleições livres teriam sido marcadas para junho.[185] A nova lei eleitoral, segundo o CNT, que formará sua primeira assembleia constituinte em junho, exclui a proposta que previa a reserva de 10% dos assentos do congresso nacional de 200 membros para as mulheres, em uma decisão criticada por grupos de defesa dos direitos das mulheres.[186] A nova lei também garante que um-terço das cadeiras do parlamento sejam ocupados por candidatos independentes e o restante por membros de partidos políticos registrados e que cada um destes partidos tem que ter metade de seu quadro de candidatos formado por mulheres.[186]

De acordo com uma pesquisa feita pelas universidades de Oxford, em Benghazi, junto a 2 mil pessoas, o resultado concluiu que elas estão otimistas quanto ao futuro da Líbia.[187] No dia 11 de fevereiro foi divulgado um vídeo com os rebeldes de Benghazi destruindo um monumento a Gamal Abdel Nasser, ex-líder egípcio e pioneiro no movimento pan-árabe.[188] [189]

Conflito interno[editar | editar código-fonte]

Um relatório de setembro de 2013 pelo The Independent mostra que a Líbia mergulhou na pior crise política e econômica desde a derrota de Gaddafi. A produção de petróleo está quase completamente parada e o governo perdeu o controle de grandes áreas do país para as milícias, enquanto a violência aumentou em todo o país. [190]

Reação internacional[editar | editar código-fonte]

Órgãos internacionais[editar | editar código-fonte]

  • Aliança Bolivariana para as Américas: Expressava o respaldo do presidente da Venezuela Hugo Chávez de criar uma comissão internacional para buscar uma solução pacífica, mas que não incluía a saída de Muammar al-Gaddafi.[191]
  • Nações Unidas: Impôs, por unanimidade, o bloqueio dos bens de Gaddafi e também embargo de armas.[192]
  • União Europeia: No dia 28 de fevereiro, aprovou um pacote de sanções contra Gaddafi. Entre essas sanções estão o congelamento de bens de Gaddafi e de 25 pessoas próximas ao governo e também um embargo de armas e de viagens.[193]
  • Interpol: Emitiu um mandado de prisão contra Muammar al-Gaddafi, seu filho Saif Al-Islam e o chefe de inteligência do país Abdullah Senussi por crimes contra a humanidade.[194]
  • União Africana: Jean Ping, presidente da União Africana, acusou o Conselho Nacional de Transição de execução indiscriminada de negros. A organização não reconheceu o CNT como governo legítimo, alegando os supostos assassinatos como um dos motivos. O Conselho Líbio negou as acusações, alegando-as que eram falsas.[195] [196] [197]
  • Anistia Internacional: Alegou que, entre um terço e metade das pessoas detidas pelos rebeldes eram africanos subsarianos.[198] O artigo ainda dizia que "centenas de africanos subsarianos que trabalhavam na Líbia de Gaddafi como porteiro de hotéis ou coisas do time foram varridos do mapa."[199]

Países[editar | editar código-fonte]

Gastos feitos por potências estrangeiras na Guerra Civil Líbia
País Gastos (em dólares) Data
 Estados Unidos 664 milhões Maio de 2011[200] [201]
 Canadá 26 milhões Junho de 2011[202]
 Reino Unido 400 milhões Junho de 2011[203]
 França 300 milhões Agosto de 2011[204]
 Turquia 300 milhões Julho de 2011[205]
 Estados Unidos 896 milhões 31 de julho de 2011[206]
 França 450 milhões Setembro de 2011[207]
 Reino Unido 1500 milhões Setembro de 2011[208]
 Espanha 50 milhões Setembro de 2011[209]
 Suécia 50 milhões Outubro de 2011[210]
  • África do Sul: Em 14 de junho, o Presidente Jacob Zuma criticou a intervenção militar e acusou a Otan de abusar de resoluções da ONU, usando-a para provocar mudança de regime e assassinatos políticos.[211] Em 23 de agosto, Zuma, após a fracassada proposta do Plano de Paz da União Africana, que fora negada pelos rebeldes, declarou que muitas vidas teriam sido salvas se a proposta tivesse sido implementada.[212] Tal declaração reforçava o que foi dito ex-presidente da sul-africano, Thabo Mbeki, poucos dias antes.[213]
  •  Argélia: Abrigou a família de Gaddafi.[104] O país não reconhece o Conselho Nacional de Transição e foi contra a zona de exclusão aérea na Líbia.[214]
  •  Argentina: Mostrava-se preocupado diante de graves violações de direitos humanos na Líbia e apoiou a convocar uma sessão especial do Conselho de Direitos Humanos das Nações Unidas em Genebra.[215]
  •  Brasil: Era contra a violência aos manifestantes. Procura-se unir com outros países lusófonos, como Portugal, para tomar decisões.[216] Publicou em nota oficial o pedido de cessar-fogo imediato na Líbia.[217]
  •  Canadá: Dizia que cumpriria determinações da ONU contra a Líbia e que isso dificultaria o acesso às armas para que podem ser usadas contra a população.[218]
  •  Catar: O governo do Catar condenava a violência e a repressão do governo contra a população líbia.[219] Se tornou o primeiro país árabe a apoiar a intervenção da OTAN.[220] No fim de outubro, o governo deste país admitiu que enviou "conselheiros militares" e combatentes para a Líbia afim de treinar e ajudar as tropas rebeldes na luta contra Gaddafi. Eles também confirmaram que auxiliaram o CNT com equipamentos e logistica.[92] [221]
  •  China: Desde o princípio, o governo chinês era contra a intervenção militar na Líbia. O porta-voz do Ministério de Assuntos Exteriores da China pediu um cessar-fogo imediato para resolver a questão da Líbia de forma pacífica e disse que a China "está muito preocupada por causa das notícias de civis vítimas de ataques das forças multinacionais".[222]
  •  Colômbia: Condenava a violência de forças policiais contra os manifestantes.[223]
  •  Cuba: Era contra qualquer intervenção estrangeira na Líbia e também reiterava um pedido de calma para as autoridades da Líbia.[224]
  •  Egito: O chanceler Mohamed Kamel Amr declarou apoio ao novo governo de transição da Líbia.[225] Eles também teriam ajudado os rebeldes com armas e munição nas primeiras fases do conflito.[226]
  •  Estados Unidos: O presidente Barack Obama condenava a violência, mas não fazia qualquer referência a renúncia de Gaddafi.[227] No dia 25 de fevereiro, o governo dos Estados Unidos anunciou que colocaria sanções unilaterais contra a Líbia e que coordenaria sanções internacionais. Entre as medidas em estudo para tornar o regime de Gaddafi "responsável", incluía a imposição de um embargo de armas e o congelamento de fundos da Líbia para o uso da violência por parte do regime de Muammar al-Gaddafi.[228]
  •  França: Solicitava, junto com o Reino Unido, que Muammar al-Gaddafi seja julgado por crimes contra a humanidade.[229] Foi o primeiro país a reconhecer o Conselho Nacional de Transição como o governo legítimo da Líbia.[230]
  •  Irã: O presidente iraniano Mahmoud Ahmadinejad condenava a repressão do governo de Gaddafi contra os manifestantes mas também condenava veementemente qualquer intervenção estrangeira no país.[231] [232]
  • Mali: Numerosas tribos de tuaregues combateram ao lado de Gaddafi, após a guerra civil líbia envolveram-se no Golpe de Estado no Mali em 2012.[233]
  • Nicarágua: Daniel Ortega, presidente da Nicarágua, declarou apoio a Gaddafi, caso houvesse uma guerra civil.[234] [235]
  •  Peru: No dia 23 de fevereiro de 2011, cortou relações diplomáticas com a Líbia.[236]
  •  Rússia: Exigiu da Líbia o fim da repressão e o respeito aos direitos humanos.[237]
  • Sudão: Enviou armas, munições e apoio humanitário aos rebeldes, esse apoio teria sido uma resposta ao apoio do líder deposto ao Movimento pela Justiça e Igualdade, que atuava na região de Darfur.[238]
  •  Venezuela: Foi contra a interferência estrangeira na Líbia, e o presidente Hugo Chávez disse que ninguém pode condenar as ações de Gaddafi, pois quem ataca o Afeganistão e o Iraque não tem moral para condenar ninguém..[239] Em 1 de março defende que alguns países formassem uma comissão de mediação como meio de buscar uma saída pacífica ao conflito interno que vive a Líbia.[240]
  •  Zimbabwe: Apoiava Gaddafi e enviou tropas para ajudá-lo. O governo britânico acreditava que Gaddafi poderia fugir para esse país.[241]

Referências

  1. a b Libya NTC rebel fighters ambushed in Bani Walid by Gaddafi loyalists, em inglês, acessado em 25 de março de 2012
  2. Khamis Gaddafi 'killed during fighting in Bani Walid', em inglês, acesso em 21 de outubro de 2012
  3. a b c d e f Inside Gaddafi's inner circle, em inglês, acesso em 24 de dezembro de 2012
  4. Libya defector Moussa Koussa was an MI6 double agent. Express. Página visitada em 3 de abril de 2011.
  5. Armed militia members haven’t been integrated into new Libya. www.feb17.info. Página visitada em 2 de fevereiro de 2012.
  6. Libyan government holding 7,000 prisoners, UN says, em inglês, acessado em de dezembro de 2011
  7. a b c Libyan estimate: At least 30,000 died in the war, em inglês, acessado em 21 de fevereiro de 2012
  8. Libya. Al Jazeera English. Página visitada em 28 de outubro de 2011.
  9. A Visual Look Back at the Libyan Revolution. PBS. Página visitada em 19 de novembro de 2011.
  10. Lucas Ferras (25 de agosto de 2011). Brasil é solidário à liberdade do povo da Líbia, diz Patriota. Folha.com. Página visitada em 28 de outubro de 2011.
  11. Gazeta do Povo. Medo assola Trípoli e Kadafi perde controle do leste da Líbia. Página visitada em 24-2-2011.
  12. G1. Rebelião antigoverno divide a Líbia; pressão internacional cresce. Página visitada em 24-2-2011.
  13. Paula Resende, do R7. Gaddafi, Khadafi, Qaddafi e Kadafi são a mesma pessoa?. Página visitada em 27 de fevereiro de 2011.
  14. Hala Kodmani (16-2-2011). Manifs en Lybie : Kadhafi, le révolutionnaire révolutionné (em francês). Página visitada em 17-2-2011.
  15. a b Libyan writer detained following protest call (em inglês).
  16. Paul Robertson Cruickshank (28 de novembro de 2009). Jihadist death threatened Libyan peace deal (em inglês). CNN. Página visitada em 20 de outubro de 2012.
  17. Amnesty InternationalInvestigation needed into prison deaths.
  18. Qaddafi Is No Mubarak as Regime Overthrow May Trigger a 'Descent to Chaos'. Gregory Viscusi, Bloomberg.com, 23 de fevereiro de 2011.
  19. Mohamed Hussein (22 de fevereiro de 2011). Análise: Enfraquecimento de apoio tribal pode erodir poder de Khadafi. BBC. Página visitada em 13 de abril de 2011.
  20. Limes, " Il grande tsunami", pg 51, Roma, "Gruppo Editoriale l'Espresso", 2011
  21. Libya - Countries covered -SRO-Cairo Sub-Regional Office for North Africa
  22. Limes, "Il grande tsunami", p. 51-53, Roma, " Gruppo Editoriale l'Espresso", 2011
  23. Limes, "Il grande tsunami", p. 54-55, Roma, "Gruppo Editoriale l'Espresso", 2011
  24. Francesca Rheannon (4 de março de 2011). Lesson from Libya: Despotism, Poverty and Risk (em inglês). Reuters. Página visitada em 21 de setembro de 2011.
  25. Eri Lichtblau, David Rohde e James Risen (24 de março de 2011). Shady Dealings Helped Qaddafi Build Fortune and Regime (em inglês). The New York Times. Página visitada em 21 de setembro de 2011.
  26. Nate Silver (31 de janeiro de 2011). Egypt, Oil and Democracy. The New York Times. Página visitada em 21 de setembro de 2011.
  27. Endgame in Tripoli. The Economist (24 de fevereiro de 2011). Página visitada em 21 de setembro de 2011.
  28. Geoffrey Leslie Simons. Libya – The Struggle for Survival. [S.l.]: St. Martin's Press, 1993. p. 281. ISBN 978-0-312-08997-9
  29. Press Freedom (Index 2010). Página visitada em 09 de abril de 2011.
  30. Líbia é suspensa do Conselho de Direitos Humanos.. BBC Brasil (1 de março de 2011). Página visitada em 28 de março de 2011.
  31. UN rights council recommends suspending Libya, orders inquiry into abuses. ONU (25 de fevereiro de 2011). Página visitada em 28 de março de 2012.
  32. Staff. "Libya's Jobless Rate at 20.7 Percent: Report", 2 de março de 2009. Página visitada em 12 de março de 2011.
  33. a b c Azad, Sher (26 de novembro de 2011). Gaddafi and the media. Daily News. Página visitada em 22 de outubro de 2011.
  34. Staff. "A Civil War Beckons – As Muammar Qaddafi Fights Back, Fissures in the Opposition Start To Emerge", The Economist, 3 March 2011. Página visitada em 12 de março de 2011.
  35. Staff. "The Liberated East – Building a New Libya – Around Benghazi, Muammar Qaddafi's Enemies Have Triumphed", The Economist, 24 de fevereiro de 2011. Página visitada em 12 de março de 2011.
  36. "Dispatch from Libya: Why Benghazi Rebelled", Time magazine, 3 de março de 2011.
  37. The Improvised State – Who's actually running things in free Libya?. Foreign Policy (20 de abril de 2011).
  38. "Lesson from Libya: Despotism, Poverty and Risk", 4 de março de 2011.
  39. a b "Shady Dealings Helped Qaddafi Build Fortune and Regime", The New York Times, 24 de março de 2011.
  40. Risen, James; Lichtblau, Eric. "Hoard of Cash Lets Qaddafi Extend Fight Against Rebels", The New York Times, 9 March 2011. Página visitada em 10 de março de 2011.
  41. "One reason Qaddafi might fold", The Economist, 1 de abril de 2011.
  42. "Gaddafi 'to hand out oil money'", BBC News, 1 de setembro 2008. Página visitada em 23 de outubro de 2011.
  43. [ligação inativa]Table. Freedom of the Press 2009 – Table of Global Press Freedom Rankings (PDF; requires Adobe Reader; 696 KB). Freedom House. Página visitada em 13 de agosto de 2011.
  44. [ligação inativa]Freedom of the Press 2011. Freedom House. Página visitada em 17 de maio de 2011.
  45. a b Report of the Working Group on the Universal Periodic Review: Libyan Arab Jamahiriya. Universal Periodic Review. Conselho de Direitos Humanos das Nações Unidas (4 de janeiro de 2011). Página visitada em 26 October 2011.
  46. a b c d Mohamed Eljahmi (2006). Libya and the U.S.: Qadhafi Unrepentant. The Middle East Quarterly. Página visitada em 12 de setembro de 2011.
  47. a b c Anthony Ham. Libya. 2nd ed. ed. Footscray, Victoria: Lonely Planet, 2007. 40–1 p. ISBN 1740594932
  48. a b c d Vandewalle, Dirk J.. A history of modern Libya. Cambridge: Cambridge University Press, 2006. p. 124. ISBN 0521850487 Página visitada em 26 de agosto de 2011.
  49. Davis 1990
  50. Staff (2002). The Middle East and North Africa, 2003. (Londres). p. 758. ISBN 978-1-85743-132-2.
  51. "A new flag flies in the east", The Economist, 24 February 2011.
  52. "What now for Colonel Gadaffi's Green Book?", 29 de abril de 2011. Página visitada em 30 de outubro de 2011.
  53. Anthony Ham. Libya. 2nd ed. ed. Footscray, Victoria: Lonely Planet, 2007. p. 41. ISBN 1740594932
  54. Bright, Martin. "Gadaffi Still Hunts 'Stray Dogs' in UK – Despite Blair Visit, Dissidents Say $1M Bounty Remains on Head of Dictator's Opponent", The Observer (via The Guardian), 28 de março de 2004. Página visitada em 13 de agosto de 2011.
  55. Passed to the Telegraph by WikiLeaks 9:38 pm GMT 31 Jan 2011. "Al-Qadhafi Suggests Libyan Elections May Be In The Offing", Telegraph, 31 de janeiro de 2011. Página visitada em 1 de setembro de 2011.
  56. New jihad code threatens al Qaeda, em inglês, acessado em 9 de dezembro de 2011
  57. Rebels in Libya have many differences, but one singular goal - overthrow madman Moammar Khadafy, em inglês, acesso em 20 de outubro de 2012
  58. Does the Transitional Council Really Represent Libyan Democracy and Opposition to Gaddafi?, em inglês, acessado em 9 de dezembro de 2011
  59. After Gaddafi, Libya's Amazigh demand recognition, em inglês, acesso em 03 de novembro de 2012
  60. [1]
  61. La Cirenaica lidera la sublevación en El País
  62. Los soldados de la zona oriental retiran su apoyo a Gadafi en El País
  63. La revuelta se contagia al oeste de Libia en El País
  64. Gadafi lucha a la desesperada para mantener el control del oeste de Libia en El País
  65. Los rebeldes avanzan hacia Trípoli en El País
  66. a b "Where Gadhafi's Name Is Still Gold", 26 de fevereiro de 2011.
  67. Wyatt, Edward. "Security Council Calls for War Crimes Inquiry in Libya", 26 de fevereiro de 2011. Página visitada em 27 February 2011.
  68. Chinchilla blasts Ortega for Gadhafi support, The Tico Times
  69. Humala criticizes Chavez for supporting Gaddafi. Livinginperu.com. Página visitada em 2011-02-28.
  70. Jewish group slams 'solidarity' with Gadhafi. Foxnews.com (2010-02-01). Página visitada em 2011-02-28.
  71. Brown, Cameron S.. Wiesenthal Center slams 'solidarity' with Gaddafi. Jpost.com. Página visitada em 2011-02-28.
  72. Brown, Cameron S.. Filhos de Gaddafi articulam a saída do pai do poder, diz jornal. Folhaonline.com. Página visitada em 2011-04-04.
  73. Brown, Cameron S.. Rebeldes rejeitam ideia da transição liderada pelo filho do Gadafi. Folhaonline.com. Página visitada em 2011-04-04.
  74. Prosecutor requests arrest warrants for Gadhafi, 2 others. CNN. Página visitada em 16/05/2011.
  75. Garcia-Navarro, Lourdes. As Tide Turns, Rebels' Dream Of 'Free Libya' Dims. NPR. Página visitada em 30 março 2011.
  76. Libya rebel capital full of guns, short on justice, em inglês, acesso em 12 de outubro de 2012
  77. Elliott, Justin. "The Most Troubling Reports About the Libyan Rebels", 25 March 2011. Página visitada em 13 agosto 2011.
  78. "Islamist Militia 'Shot Libya Rebel Abdel Fattah Younes'", 30 julho 2011. Página visitada em 28 agosto 2012.
  79. "Upbeat Gaddafi Fires Trademark Blast at West and Qaeda", 2 março 2011. Página visitada em 30 março 2011.
  80. "Libya: al-Qaeda Among Libya Rebels, Nato Chief Fears", 29 março 2011. Página visitada em 10 August 2011.
  81. "Halt To Rebel Advance Creates Libyan Divide", 29 março 2011. Página visitada em 30 março 2011.
  82. "Libyan Rebels: 'We're Not al-Qaeda'", 29 março 2011. Página visitada em 30 março 2011.
  83. UN security council resolution 1973 (2011) on Libya – full text, em inglês, acesso em 22 de dezembro de 2012
  84. UN (17 de março de 2011). Security Council authorizes ‘all necessary measures’ to protect civilians in Libya. UN News Centre.
  85. Libya: UN backs action against Colonel Gaddafi (18 de março de 2011).
  86. U.N. Security Council approves no-fly zone in Libya (18 de março de 2011).
  87. Libya: Nigeria votes in favour of no-fly resolution (18 de março de 2011).
  88. Líbia reage contra ataques aéreos de coalizão internacional. R7. Página visitada em 20 de março de 2011.
  89. Após ataque, Gaddafi responde com artilharia antiaérea. Folha. Página visitada em 20 de março de 2011.
  90. Intervenção militar na Líbia será mantida por tempo indeterminado, diz Otan. Agência Brasil. Página visitada em 16 de abril de 2011.
  91. Líderes do Brics condenam ataques na Líbia e defendem a busca pelo diálogo. Agência Brasil. Página visitada em 16 de abril de 2011.
  92. a b c Governo do Catar confirma envio de soldados a Líbia
  93. CIA recruits 1,500 from Mazar-e-Sharif to fight in Libya, em inglês, acessado em 7 de abril de 2012
  94. Qatar admits sending hundreds of troops to support Libya rebels, em inglês, acesso em 22 de dezembro de 2012
  95. NATO reiterates no ground troops in Libya. Xinhuanet.com (7 de junho de 2011). Página visitada em 7 de abril de 2012.
  96. Libya crisis: Gaddafi loyalists warn of tribal conflict, em inglês, acesso em 22 de dezembro de 2012
  97. Rebeldes líbios anunciam começo da "libertação de Trípoli". acessodata=22 de agosto de 2011 (21 de agosto de 2011).
  98. Um dos filhos de Kadhafi não foi detido. G1.com.br (22 de agosto de 2011). Página visitada em 22 de agosto de 2011.
  99. Rebeldes saqueiam QG de Gaddafi em Trípoli. R7.com (23 de agosto de 2011). Página visitada em 23 de agosto de 2011.
  100. Toda a Líbia será liberada em 72 horas, diz enviado da ONU. R7.com (23 de agosto de 2011). Página visitada em 23 de agosto de 2011.
  101. Gaddafi ressurge em mensagem por rádio e promete “morte ou vitória”. R7.com (23 de agosto de 2011). Página visitada em 23 de agosto de 2011.
  102. (em inglês) "Rebels Claim Capture of Last Army Base in Tripoli". The News International. Acessado em 29 de agosto de 2011.
  103. Tomada de Trípoli festejada em todo o mundo (22 de agosto de 2011). Página visitada em 22 de agosto de 2011.
  104. a b Gadhafi Family Members in Algeria, Ambassador Says. CNN. Página visitada em 29 de agosto de 2011.
  105. Rebeldes líbios controlam quase toda Trípoli, e Kadhafi some. G1.com.br (22 de agosto de 2011). Página visitada em 22 de agosto de 2011.
  106. Reuters (de agosto de 2011). Kadafi ainda está na Líbia, diz ex-guarda-costas do filho do ditador. Globo.com. Página visitada em 1 de setembro de 2011.
  107. PressTV – Libyan fighters set to seize border town. Presstv.ir (30 de agosto de 2011). Página visitada em 11 de setembro de 2011.
  108. The Guardian. Acessado em 21 de setembro de 2011.
  109. Libyan forces say raised flag in Bani Walid. Página acessada em 10 de maio de 2013.
  110. "Muammar Gaddafi’s son Saif al-Islam tells International Criminal Court he is innocent", National Post. Página visitada em 16 de janeiro de 2012.
  111. BBC News - Libyan forces 'capture Gaddafi'. Bbc.co.uk (18 de setembro de 2011). Página visitada em 20 de novembro de 2011.
  112. Weaver, Matthew. Libya: fall of Sirte - live updates | World news | guardian.co.uk. Guardian. Página visitada em 20 de novembro de 2011.
  113. NTC claims capture of Gaddafi - Africa. Al Jazeera English. Página visitada em 20 de novembro de 2011.
  114. Latest from Libyan conflict | Liveblog live blogging | Reuters.com. Live.reuters.com (2009-02-09). Página visitada em 2011-10-20.
  115. Muammar Gaddafi 'killed' in gun battle - Africa. Al Jazeera English. Página visitada em 20 de novembro de 2011.
  116. Al Jazeera. TV Al Jazeera mostra vídeo do que seria o cadáver de Kadhafi na Líbia. Portal G1. Página visitada em 20 de outubro de 2011.
  117. "NTC declares 'Liberation of Libya'", Al Jazeera English, 23 de outubro de 2011. Página visitada em 23 de janeiro de 2012.
  118. a b Kadhafi aceita proposta de paz de Chávez, mas rebeldes rejeitam, diz TV, acessado em 21 de novembro de 2011
  119. França rejeita proposta de Chávez para crise na Líbia, acessado em 21 de novembro de 2011
  120. [2], acessado em 21 de novembro de 2011
  121. EU, U.N. Security Council, Arab officials invited, em inglês, acessado em 21 de novembro de 2011
  122. The African Union is planning to facilitate talks to help end the conflict in Libya between the government and rebel forces, it said on Friday
  123. http://abcnews.go.com/International/wireStory?id=13218114#.Tsrr1bKP640, em inglês, acessado em 21 de novembro de 2011
  124. Líbia está disposta a 'aplicar mapa do caminho' da União Africana, acessado em 21 de novembro de 2011
  125. Após encontro na Etiópia, países propõem transição e eleições para solucionar crise na Líbia, acessado em 21 de novembro de 2011
  126. Líbia: Kadhafi aceitou plano de ação proposto pela União Africana, acessado em 21 de novembro de 2011
  127. Delegação africana diz que Kadafi aceita plano de cessar-fogo, acessado em 21 de novembro de 2011
  128. Oposição da Líbia rejeita plano da União Africana para encerrar guerra, acessado em 21 de novembro de 2011
  129. a b c Rebeldes líbios anunciam mudança do governo para Trípoli. DW-WORLD.DE (26 de agosto de 2011). Página visitada em 1 de setembro de 2011.
  130. a b Ban Ki-moon pede cessar-fogo na Líbia, acessado em 25 de novembro de 2011
  131. a b Libyan revolutionary council rejects African Union's peace initiative. The Guardian. Página visitada em 27 de novembro de 2011.
  132. Brics denunciam uso da força na Líbia, acessado em 23 de novembro de 2011 de 2011
  133. Confira íntegra do comunicado conjunto da reunião do Brics, acessado em 23 de novembro de 2011
  134. Cessar-fogo na Líbia é prioridade da comunidade internacional, acessado em 25 de novembro de 2011
  135. Libyan rebel: Up to 2 yrs needed for vote, em inglês, acessado em 25 de novembro de 2011
  136. Líbia não terá eleições logo após queda de Kadafi, acessado em 25 de novembro de 2011
  137. Filho de Khadafi propõe eleições na Líbia e admite saída do pai, acessado em 25 de novembro
  138. Filho de Kadafi sugere realização de eleições na Líbia, acessado em 25 de novembro de 2011
  139. África do Sul: incursões da Otan pela Líbia atrapalham esforços de paz, acessado em 25 de novembro de 2011
  140. Líbia: Itália pede suspensão imediata da guerra, acessado em 25 de novembro de 2011
  141. Liga Árabe exprime descontentamento pelas mortes de civis, acessado em 25 de novembro de 2011
  142. União Africana aprova nova proposta de solução sobre a Líbia. África 21 (2 de julho de 2011). Página visitada em 25 de novembro de 2011.
  143. a b c Conheça a organização em tribos na Líbia. teleSUR (27 de agosto de 2011). Página visitada em 10 de setembro de 2011.
  144. UPDATE 1-FACTBOX-Tribal ties key to Gaddafi rule (em inglês). Reuters (22 de fevereiro de 2011). Página visitada em 10 de setembro de 2011.
  145. Sam Dagher (21 de junho de 2011). Libya City Torn by Tribal Feud. WSJ.com. Página visitada em 10 de setembro de 2011.
  146. Una de las principales tribus del oeste de Libia llama a la rebelión (em espanhol). El Mundo (1 de março de 2011). Página visitada em 10 de setembro de 2011.
  147. Líbia: situação humanitária é angustiante em Trípoli e no oeste. CICV (29 de agosto de 2011). Página visitada em 17 de setembro de 2011.
  148. Líbia: desafios humanitários seis meses depois (12 de agosto de 2011). Página visitada em 17 de setembro de 2011.
  149. UNHCR reports on blacks being targetted.
  150. James Spielmann, Peter. "AU: Libya rebels killing black workers", CBS, 24 de agosto de 2011.
  151. Sengupta, Kim. "Independent reports on blacks being targeted", The Independent, 27 de agosto de 2011.
  152. "CNN reports on blacks being targeted".
  153. NPR reports on blacks being targeted.
  154. a b Who's on Gadhafi's Side? Some Say He's Hiring Mercenaries. Página acessada em 9 de dezembro de 2011.
  155. Khan, Huma (22 de fevereiro de 2011). Libya: Benghazi Doctor: Gadhafi Using Foreign Mercenaries to Quell Protests – ABC News. Abcnews.go.com. Página visitada em 9 de dezembro de 2011.
  156. ONG acusa milícias líbias de aterrorizar simpatizantes de Kadafi. Página acessada em 9 de dezembro de 2011.
  157. Mercenaries in Ambulances Killing Injured. Libya. Página acessada em 9 de dezembro de 2011.
  158. In Post-Gadhafi Libya, Enmities Continue To Smolder, em inglês, acessado em 02 de dezembro de 2011
  159. Up to 7,000 held in Libyan prisons, UN says, em inglês, acesso em 18 de dezembro de 2012
  160. Refugee camp massacre: Libyan militia launch racist raid. Acessado em 9 de fevereiro de 2012
  161. Libya crisis: Rebel leaders hoping to starve Gaddafi stronghold of Sirte into submission. Acessado em 28 de agosto de 2011
  162. 53 bodies found in Sirte; Loyalists executed?
  163. Libya: Apparent Execution of 53 Gaddafi Supporters. Acessado em 13 de dezembro de 2011
  164. Gaddafi's last moments traced. Acessado em 13 de dezembro de 2011.
  165. [ligação inativa]In Gaddafi's hometown, residents accuse NTC fighters of revenge. Página acessada em 13 de dezembro de 2011.
  166. Signs of ex-rebel atrocities in Libya grow. Acessado em 13 de dezembro de 2011.
  167. Gaddafi loyalists fight on as Libya tries to unite, em inglês, acessado em 02 de dezembro de 2011
  168. Libyan rebels struggle to win over pro-Gaddafi town, em inglês, acessado em 02 de dezembro de 2011
  169. Le risque Al Qaïda existe-t-il en Libye? sur L'Express.fr
  170. [3]
  171. Interview d'Yves Bonnet sur France Soir
  172. Des experts dénoncent la gestion du dossier libyen et les courants islamistes du CNT sur RFI
  173. Constituição líbia terá Sharia como inspiração estadao.com.br
  174. "Fresh clashes in Libya’s Bani Walid; U.N. says 7,000 held in militia prisons", Al Arabiya, 23 de novembro de 2011. Página visitada em 3 de janeiro de 2012.
  175. "Libyan capital sees first big firefight in months", Business Week, 15 de outubro de 2011. Página visitada em 23 de janeiro de 2012.
  176. "Pro-Al Qathafi Loyalists Warned After Tripoli Flare-up", The Tripoli Post, 16 de outubro de 2011. Página visitada em 23 de janeiro de 2012.
  177. "Tripoli gun battle leads to casualties", Al Jazeera English, 15 de outubro de 2011. Página visitada em 23 de janeiro de 2012.
  178. "Gathafi loyalists bring back fighting to Tripoli", Middle East Online, 15 de outubro de 2011. Página visitada em 23 de janeiro de 2012.
  179. a b "Abdul Jalil appoints head of Libyan armed forces, warns of civil war", Al Arabiya, 3 de janeiro de 2012. Página visitada em 23 de janeiro de 2012.
  180. "Deadly clash of militias in Libyan capital Tripoli", BBC, 3 de janeiro de 2012. Página visitada em 23 de janeiro de 2012.
  181. [ligação inativa]Protesters storm grounds of Libya’s interim government’s headquarters in Benghazi. Washingtonpost.com. Página visitada em 23 de janeiro de 2012.
  182. Cunningham, Erin. "Will new army chief end the bloodshed in Libya?", 4 de janeiro de 2012. Página visitada em 6 de janeiro de 2012.
  183. Slow start for Libya drive to disband militias. Chicagotribune.com. Página visitada em 23 de janeiro de 2012.
  184. Milícias na Líbia estão “fora de controle”, diz Anistia Internacional. operamundi.uol.com.br. Página visitada em 16 de fevereiro de 2012.
  185. Habboush, Mahmoud. "Libyans linked to Gaddafi can't run in election - draft", Reuters Africa, 2 de janeiro de 2012. Página visitada em 23 de janeiro de 2012.
  186. a b Conselho Nacional de Transição da Líbia adota nova lei eleitoral. terra.com.br. Página visitada em 28 de janeiro de 2012.
  187. Pesquisa mostra que líbios preferem líder forte. bbc.co.uk. Página visitada em 15 de fevereiro de 2012.
  188. Libye – Les rebelles de Benghazi ont détruit la statue de Jamel Abdel Nasser (11 février 2012). algeria-isp.com. Página visitada em 11 de fevereiro de 2012.
  189. "Jamal Abdul Nasser Monument" Benghazi. virtualtourist.com.
  190. "Special report: We all thought Libya had moved on – it has, but into lawlessness and ruin", 2013-09-03.
  191. (VIDEO) Países del ALBA apoyan iniciativa venezolana para buscar la paz en Libia (em espanhol). Aporrea (4 de março de 2011). Página visitada em 10 de setembro de 2011.
  192. Do G1, com informações da Efe, France Presse e Reuters. ONU aprova por unanimidade congelar os bens de Kadhafi. 26 de fevereiro de 2011. Página visitada em 27 de fevereiro de 2011.
  193. G1, com agências internacionais (28 de fevereiro de 2011). União Europeia aprova sanções contra Kadhafi e seu governo. G1.com.br. Página visitada em 28 de fevereiro de 2011.
  194. Interpol emite mandado de prisão contra Gaddafi. R7.com (9 de setembro de 2011). Página visitada em 9 de setembro de 2011.
  195. UA denuncia execução indiscriminada de negros na Líbia, acessado em 02 de dezembro de 2011
  196. Libyan rebels arrest more Nigerians, em inglês, acessado em 02 de dezembro de 2011
  197. Libya conflict: Black African migrants caught in backlash, em inglês, acessado em 02 de dezembro de 2011
  198. Amnesty International reports on blacks being targeted. e Harris, Elizabeth A.. "New York Times report on many Black Africans captured were not mercenaries", The New York Times, 1 de setembro de 2011. e Amnesty reports round up of Black Africans.
  199. Elders hold talks over Gaddafi's stronghold, The Independent, 6 September 2011.[4]
  200. "As Cost Of Libyan War Rises, Gates Scolds NATO For Not Pulling Its Weight", Fox News, 7 de abril de 2011. Página visitada em 19 de novembro de 2011.
  201. / Middle East & North Africa – Pentagon sees Libya military costs soar. Financial Times (9 de junho de 2011). Página visitada em 19 de novembro de 2011.
  202. Canada Libya Mission Cost Could Hit $60M. The Huffington Post (9 de junho de 2011). Página visitada em 11 September 2011.
  203. Libya war has cost UK $400 million so far. Libya TV (22 de junho de 2011). Página visitada em 19 de novembro de 2011.
  204. Bumiller, Elisabeth. "Libyan War Goes a Long Way to Improve the Pentagon’s View of France as an Ally", The New York Times, 26 de agosto de 2011. Página visitada em 19 de novembro de 2011.
  205. Turkey Recognizes Libyan Rebels, Gives $300 Million, AP Reports. Bloomberg (4 de julho de 2011). Página visitada em 19 de novembro de 2011.
  206. Ukman, Jason (23 de agosto de 2011). Libya war costs for U.S.: $896 million so far - Checkpoint Washington. The Washington Post. Página visitada em 19 de novembro de 2011.
  207. world.seenews.com. world.seenews.com (6 de setembro de 2011). Página visitada em 19 de novembro de 2011.
  208. Hopkins, Nick. UK operations in Libya: the full costs broken down. guardian.co.uk. Página visitada em 19 de novembro de 2011.
  209. 31 gillar. La guerra de Libia podría duplicar el coste previsto por el Gobierno. Libre Mercado - libremercado.com. Página visitada em 19 de novembro de 2011.
  210. 31 gillar. Gripen jets back from Libya next week. Radio Sweden - Sverigesradio.se. Página visitada em 19 de novembro de 2011.
  211. Zuma acusa Otan de abusar de resoluções da ONU, acessado em 30 de novembro de 2011
  212. Zuma diz que muitas pessoas poderiam ter sido salvas na Líbia com mediação da UA, acessado em 25 de novembro de 2011
  213. Mbeki: Libya conflict could have ended sooner em inglês, acessado em 25 de novembro de 2011
  214. Jefferson Chase (30 de agosto de 2011). Abrigo à família Kadafi põe Argélia no centro das atenções. Dw-World. Página visitada em 1 de setembro de 2011.
  215. Ahora la Argentina apoya investigar la feroz represión a la revuelta libia (em espanhol). Página visitada em 26 de fevereiro de 2011.
  216. GASPARIN Gabriela (21 de fevereiro de 2011). Governo do Brasil é contra a violência a manifestastes na Líbia. Globo.com. Página visitada em 26 de fevereiro de 2011.
  217. Governo brasileiro pede cessar-fogo na Líbia. G1 (21 de março de 2011). Página visitada em 21 de março de 2011.
  218. Canadá cumprirá as determinações da ONU.. Noticias.uol.com (28 de fevereiro de 2011). Página visitada em 28 de fevereiro de 2011.
  219. Governo do Catar condena repressão aos rebeldes
  220. Catar é primeiro país árabe a participar de ação contra Líbia
  221. Catar revela que enviou soldados para lutar na Líbia
  222. [ligação inativa]China reiteró oposición a intervención en Libia y pidió alto al fuego (em espanhol). TeleSUR (22 de março de 2011). Página visitada em 10 de setembro de 2011.
  223. Países sul-americanos reagem à violência na Líbia. Página visitada em 27 de fevereiro de 2011.
  224. Prensa Latina. Cuba rechaza en Ginebra intervención militar extranjera en Libia (em espanhol). 25 de fevereiro de 2011. Página visitada em 26 de fevereiro de 2011.
  225. Liga Árabe e Egito declaram apoio a rebeldes anti-Kadhafi na Líbia. G1.com.br (22 de agosto de 2011). Página visitada em 22 de agosto de 2011.
  226. Egypt Said to Arm Libya Rebels
  227. Obama sopesa las opciones contra Gadafi ante el "baño de sangre" en Libia (em espanhol). Página visitada em 26 de fevereiro de 2011.
  228. EEUU anuncia sanciones contra Gadafi y no descarta una intervención militar (em espanhol). Página visitada em 26 de fevereiro de 2011.
  229. Francia y Reino Unido piden a la ONU que se juzgue a Gadafi por crímenes contra la humanidad. 20minutos (25 de fevereiro de 2011). Página visitada em 10 de setembro de 2011.
  230. Francia, primer país en reconocer al 'Gobierno' rebelde libio. RFI (10 de março de 2011). Página visitada em 10 de setembro de 2011.
  231. Al Jazeera, Líbia, 23 de fevereiro
  232. Presidente do Irã desencoraja intervenção ocidental na crise árabe. G1 (02 de março de 2011). Página visitada em 01 de abril de 2011.
  233. Guerra líbia ecoou no Mali. portuguese.ruvr.ru (23 de março de 2012). Página visitada em 25 de março de 2012.
  234. Nicaragua prez call Gaddafi to expresses support (em inglês). Página visitada em 26 de fevereiro de 2011.
  235. La ambigüedad de la izquierda latinoamericana frente a Gadafi (em espanhol). Página visitada em 26 de fevereiro de 2011.
  236. Peru corta relações diplomáticas com a Líbia.. Zerohora.clicrbs.com.br (23 de fevereiro de 2011). Página visitada em 27 de fevereiro de 2011.
  237. R7, EFE. Rússia exige da Líbia fim da repressão. 27 de fevereiro de 2011. Página visitada em 27 de fevereiro de 2011.
  238. Sudan armed Libyan rebels, says President Bashir, em inglês, acessado em 24 de março de 2012
  239. [ligação inativa]Chávez denuncia doble moral de comunidad internacional y rechaza intervencionismo en Libia (em espanhol). Página visitada em 26 de fevereiro de 2011.
  240. Chávez defende comissão para saída pacífica na Líbia, acessado em 02 de março de 2011
  241. Gaddafi pode fugir para o Zimbábue, caso seja necessário. Noticias.uol.com.br (27 de fevereiro de 2011). Página visitada em 27 de fevereiro de 2011.

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

O Commons possui uma categoria contendo imagens e outros ficheiros sobre Guerra Civil Líbia
Portal A Wikipédia possui o
Portal da Líbia



Flag-map of Libya.svg Líbia
História • Política • Subdivisões • Geografia • Economia • Forças Armadas • Demografia • Cultura • Turismo • Portal • Imagens