Guerra Civil de Ruanda

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Guerra Civil de Ruanda
RwandaRoads.jpg
Data 1 de outubro de 1990 - 4 de agosto de 1993
Local Ruanda
Desfecho Acordos de Arusha, Início do Genocídio de Ruanda
Combatentes
Rebeldes:

Rwanda Frente Patriótica de Ruanda (RPF)

Governo:

Rwanda Forças Armadas de Ruanda (FAR)

Também:

Principais líderes
Rwanda Fred Rwigema 


Rwanda Peter Bayingana 
Rwanda Paul Kagame

Rwanda Juvénal Habyarimana 


Rwanda Théoneste Bagosora
Rwanda Augustin Bizimungu

A Guerra Civil de Ruanda foi um conflito em Ruanda entre o governo do presidente Juvénal Habyarimana e os rebeldes da Frente Patriótica de Ruanda (FPR). O conflito começou no dia 2 de outubro de 1990, quando a FPR invadiu e aparentemente foi encerrada em 4 de agosto de 1993 com a assinatura dos Acordos de Arusha para criar uma partilha de poder do governo.

Apenas um ano após a conclusão do conflito, no entanto, o assassinato de Habyarimana e Ntaryamira em abril de 1994 provou ser o catalisador para o genocídio em Ruanda, o número de mortos frequentemente citados para o mesmo é de 800.000. O FPR reiniciou a sua ofensiva, e acabou assumindo o controle do país. O governo hutu no exílio, em seguida, passou a utilizar os campos de refugiados nos países vizinhos para desestabilizar o governo da FPR. Outros conflitos na região, que estão intimamente relacionados com a guerra civil em Ruanda e os conflitos entre hutus e tutsis, estão a Primeira Guerra do Congo (1996-1997), o que levou, por sua vez a Segunda Guerra do Congo (1998-2003), que envolveu uma forças hutus com o objetivo de recuperar o controle de Ruanda. Devido à forte correlação entre estes eventos e os posteriores (alguns dos quais estão ainda em andamento), algumas fontes dão datações diferentes para a guerra civil de Ruanda, ou mesmo a consideram como ainda não concluída.

Assim, enquanto a guerra civil oficialmente durou até 1993, a literatura de guerra afirma que terminou com a captura de Kigali pelo FPR em 1994 ou com o desmantelamento dos campos de refugiados em 1996, enquanto alguns consideram a presença de pequenos grupos de rebeldes na fronteira de Ruanda no sentido de que a guerra civil está em curso.

Ver Também[editar | editar código-fonte]

Referências