Guerra da Coreia

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Guerra da Coreia
Parte da Guerra Fria
Korean War Montage 2.png
Data 25 de junho de 1950 - 27 de julho de 1953
Local Península da Coreia
Desfecho Cessar-fogo e estabelecimento de uma zona desmilitarizada no Paralelo 38° N, que separa as duas Coreias.
Combatentes
 Coreia do Sul
Flag of the United Nations.svg ONU:
 Estados Unidos
 Austrália
 Nova Zelândia
 Reino Unido
e outros
Coreia do Norte
República Popular da China China
 União Soviética
Comandantes
Coreia do Sul Syngman Rhee
Coreia do Sul Chung Il-kwon
Coreia do Sul Paik Sun-yup
Coreia do Sul Shin Sung-mo
Coreia do Sul Son Won-il
Estados Unidos Douglas MacArthur
Estados Unidos Matthew Ridgway
Estados Unidos Mark W. Clark
Coreia do Norte Kim Il-Sung
Coreia do Norte Pak Hon-yong
Coreia do Norte Choi Yong-kun
Coreia do Norte Kim Chaek
República Popular da China Mao Tsé-Tung
República Popular da China Peng Dehuai
República Popular da China Deng Hua
Forças
Coreia do Sul 602 902[1]

Estados Unidos 326 863[2]

Reino Unido 14 198[3] [4] [5]
e outros
Total: 972 214 combatentes
Coreia do Norte 266 600[6]

República Popular da China 1 350 000[7]
União das Repúblicas Socialistas Soviéticas 26 000[8]

Total: 1 642 600 combatentes
Baixas
Coreia do Sul 137 899 mortos e
450 742 feridos
Estados Unidos 36 574 mortos e
103 284 feridos
Total: 178 224 mortos
Coreia do Norte 215 000-350 000 mortos e 303 000 feridos
República Popular da China 150 000-400 000 mortos
União das Repúblicas Socialistas Soviéticas 282 mortos
Total: 750 000 mortos
  • 2,5 milhões de civis mortos ou feridos

A Guerra da Coreia foi travada entre 25 de junho de 1950 a 27 de julho de 1953, opondo a Coreia do Sul e seus aliados, que incluíam os Estados Unidos e o Reino Unido, à Coreia do Norte, apoiada pela República Popular da China e pela antiga União Soviética. O resultado foi a manutenção da divisão da península da Coreia em dois países.[9]

A península da Coreia é cortada pelo paralelo 38° N, uma linha demarcatória que divide dois exércitos, dois Estados: a República da Coreia, a sul, e a República Popular Democrática da Coreia, ao norte. Essa demarcação, existente desde 1945 por um acordo entre os governos de Moscou e Washington, dividiu o povo coreano em dois sistemas políticos opostos: no norte o comunismo apoiado pela União Soviética, e, no sul, o capitalismo apoiado pelos Estados Unidos.[10]

A incapacidade de realizar eleições livres em toda a Península coreana, em 1948, aprofundou a divisão entre os dois lados, o do Norte estabeleceu um governo comunista, enquanto o Sul estabeleceu um governo de direita. O paralelo 38 tornou-se cada vez mais uma fronteira política entre os dois Estados coreanos. Embora as negociações de reunificação continuassem nos meses que antecederam a guerra, a tensão se intensificou. Escaramuças transfronteiriças e incursões cruzando o paralelo 38 persistiram. A situação se transformou em guerra aberta quando as forças norte-coreanas invadiram a Coreia do Sul em 25 de junho de 1950.[11]

Em 1950, a União Soviética boicotou o Conselho de Segurança das Nações Unidas, em protesto contra a representação da China pelo governo da República da China, que se refugiara em Taiwan a seguir a derrota na Guerra Civil Chinesa. Na ausência da voz dissidente da União Soviética, que poderia ter vetado, os Estados Unidos e outros países passaram a resolução de número 84, em 7 de julho, no Conselho de Segurança autorizando a intervenção militar na Coreia.[12]

Os Estados Unidos e 20 outros países das Nações Unidas ofereceram assistência para repelir a tentativa de reunificação das duas Coreia, por parte da Coreia do Norte, sob o regime comunista.[9]

Contexto[editar | editar código-fonte]

Ocupação japonesa (1910–1945)[editar | editar código-fonte]

Após derrotar a Dinastia Qing na Primeira Guerra Sino-Japonesa (1894–96), o Império do Japão ocupou militarmente a Coreia – uma península estratégica na "esfera de influência" regional.[13] Uma década mais tarde, os japoneses derrotaram a Rússia Imperial na Guerra Russo-Japonesa (1904–05), e tornaram a península coreana seu novo protetorado, pelo Tratado de Eulsa, em 1905, e então assinaram o tratado de Anexação Japão-Coreia em 1910.[14]

A Coreia ocupada era considerada parte do Império japonês como uma colônia industrializada, como parte da Esfera de Coprosperidade da Grande Ásia Oriental. Em 1937, o governador da Coreia, o general Jirō Minami, iniciou um processo de assimilação cultural dos 23,5 milhões de coreanos ao banir o uso e o ensino da língua local, proibindo a literatura nacional e promovendo a repressão cultural, implementando à força na sociedade coreana os ensinamentos e tradições japonesas. Em 1939, a população passou a ser obrigada a adotar nomes japoneses sob a regra Sōshi-kaimei. Em 1938, o governo colonial instaurou programas de trabalho forçado.[14]

Durante a Segunda Guerra Mundial, os japoneses usaram a comida, a pecuária e metais coreanos no esforço de guerra. A presença militar japonesa no país aumentou de 46 000 soldados em 1941 para 300 000 em 1945. O Japão alistou 2,6 milhões de coreanos como força de trabalho. Cerca de 723 000 pessoas foram enviadas para trabalhar em territórios ocupados pelos japoneses no exterior. Em 1942, homens coreanos passaram a ser alistados à força pelo exército imperial japonês. Em janeiro de 1945, os coreanos eram cerca de 32% da força de trabalho japonesa. Em agosto, quando os Estados Unidos lançaram bombas atômicas contra as cidades japonesas de Hiroshima e Nagasaki, cerca de 25% dos mortos eram coreanos.[15] No fim da guerra, as potências mundiais não mais reconheciam a legalidade da ocupação japonesa sobre a Coreia e sobre a ilha de Taiwan, outro protetorado japonês.

Invasão soviética-americana (1945)[editar | editar código-fonte]

Em novembro de 1943, em uma conferência realizada no Egito, a República da China, o Reino Unido e os Estados Unidos decidiram que "a Coreia se tornaria uma nação independente após a guerra".[16] Na Conferência de Ialta, feita em fevereiro de 1945, foi acertado que o país entraria para a "zona de influência" soviética, em troca do apoio destes na guerra contra o Japão.[17] Ao fim da Segunda Guerra Mundial, o Exército vermelho ocupou boa parte do norte da península coreana, como havia sido acertado em acordo com as potências ocidentais e em 26 de agosto de 1945, mas detiveram seu avanço no paralelo 38 e esperaram a invasão americana no sul do país.[18]

Em 10 de agosto de 1945, com a derrota japonesa próxima, os americanos duvidavam se os soviéticos iriam honrar os acordos da ocupação da Coreia. Um mês antes, os coronéis Dean Rusk e Charles H. Bonesteel III dividiram a península no paralelo 38, assegurando-se que a zona sul tivesse pelo menos dois grandes portos.[19] [20] Rusk teria justificado o local da divisão no paralelo 38 pois "caso a União Soviética violasse o acordo, a área ocupada pelo exército vermelho estaria ao alcance rápido das forças americanas, [...] era importante colocar a capital da Coreia sob responsabilidade do exército dos Estados Unidos". Os soviéticos aceitaram a demarcação das zonas de ocupação americanas, já que seu foco estava nas negociações com o ocidente sobre como ocupar o leste da europa e também porque eles aceitariam a rendição japonesa nos termos dela.[21]

Divisão da Coreia (1945–1949)[editar | editar código-fonte]

Cidadãos sul-coreanos protestando contra a ocupação das Coréias por potências estrangeiras, em dezembro de 1945.

Na Conferência de Potsdam (julho–agosto de 1945), os Aliados decidiram, unilateralmente, dividir a Coreia — sem consultar o povo coreano.[22] Em 8 de setembro de 1945, o general americano John R. Hodge chegou em Incheon para aceitar a rendição japonesa no sul do paralelo 38. Apontado como governador militar, Hodge assumiu total controle sobre o sul da Coreia.[23]

Em dezembro de 1945, a Coreia era administrada por uma Comissão Americano-Soviética, como acertado na Conferência de Moscou, ainda naquele ano. Os coreanos foram excluídos de todas as negociações sobre o futuro do país. A comissão decidiu dar independência a península coreana em 1950, depois de cinco anos de ocupação e de esforços para inclinar a população das zonas ocupadas as ideologias defendidas pelas forças estrangeiras de ocupação. A população coreana se revoltou contra tais determinações. No sul, foram reportados enormes protestos nacionalistas e alguns grupos políticos passaram a pegar em armas.[24]

Em 1946 as greves assolaram o país inteiro, além de protestos nas grandes cidades.[25] A desordem civil foi forte durante todo este ano e conduziu a vários levantes populares. Em 1 de outubro de 1946, a polícia matou três estudantes durante uma revolta em Daegu. Manifestantes armados passaram então a visar a policia, matando 38 oficiais de segurança. Em 3 de outubro, cerca de 10 mil pessoas atacaram uma delegacia de polícia em Yeongcheon, matando 3 policiais e ferindo outros 40. Cerca de 20 proprietários de terra e coreanos suspeitos de serem simpatizantes da antiga ocupação japonesa também foram mortos. As forças de ocupação americanas decidiram então decretar lei marcial.[26] Em 3 de abril, uma grande revolta explodiu na Coreia (a Insurreição de Jeju), que terminou com cerca de 60 mil pessoas mortas.[27] [28]

Em 10 de maio de 1948, a Coreia do Sul convocou sua primeira eleição nacional, a que os soviéticos se opuseram.[29] Em 25 de agosto, foi a vez da Coreia do Norte ter eleições gerais.[30]

O governo formado no sul após as eleições tinha uma dura linha anti-comunista e aprovou sua nova constituição em 17 de julho de 1948, elegendo o presidente, Syngman Rhee, em 20 de julho. As eleições foram violentas e pelo menos 600 pessoas morreram durante o processo.[31] A República da Coreia (no sul) foi formalmente estabelecida em 15 de agosto de 1948. Na zona de ocupação soviética, o novo governo comunista passou a ser chefiado por Kim Il-sung. O regime do presidente Rhee expulsou os comunistas das políticas do sul. Muitos fugiram para as colinas e pegaram em armas para lutar contra o governo de Seul.[32]

Ambos muito nacionalistas, Syngman Rhee e Kim Il-Sung tinham intenções de reunificar a Coreia sob seu próprio sistema de governo.[33] O Norte recebia apoio incondicional da União Soviética e da China. Tiroteios e confrontos nas fronteiras (que passaram a ser militarizadas) se tornaram comuns. A Coreia do Sul era tremendamente limitada em materiais e recursos.[33] Durante essa era, o governo americano presumiu que os comunistas (independentemente da nacionalidade) eram diretamente controlados ou influenciados por Moscou. Assim, os Estados Unidos viam a guerra civil na Coreia como uma manobra de hegemonia por parte dos soviéticos.[34]

No fim de 1948, os soviéticos retiraram seus exércitos do norte, como era previsto nos acordos feitos com o ocidente. Tropas americanas se retiraram do sul em 1949, deixando as forças militares sul-coreanas despreparadas e mal armadas, ao contrário dos vizinhos do norte que estavam fortemente armados com equipamentos russos.[35]

Guerra[editar | editar código-fonte]

1950[editar | editar código-fonte]

Primeiras ofensivas[editar | editar código-fonte]

No começo de 1950, Kim Il-sung viajou para Moscou e para Pequim à procura de apoio para a guerra iminente. A União Soviética ficou bastante envolvida com a militarização da Coreia do Norte e seus planos para uma ofensiva contra o sul.[36] [37] Meses antes dos primeiros ataques do Norte, a Agência de Inteligência americana notou uma enorme mobilização militar por parte do forças armadas da Coreia do Norte, mas pensou que era apenas uma "medida defensiva" e concluiu que uma invasão era "improvável".[38]

Civis sul-coreanos fugindo dos combates, 1950.

Com o objetivo de retaliar supostas pequenas incursões de soldados do sul na fronteira, o exército norte-coreano cruzou a fronteira do paralelo 38, com a proteção de artilharia pesada, em 25 de junho de 1950. Os norte-coreanos haviam declarado que as tropas do exército da Coreia do Sul, sob comando do presidente Syngman Rhee, haviam cruzado a fronteira primeiro e que, por isso, eles pretendiam prender e executar Rhee. As forças armadas de ambos os países já haviam se atacado em pequena escala pela fronteira antes da guerra. A luta começou na península de Ongjin, no oeste, onde os sul-coreanos alegaram ter tomado a cidade de Haeju e rapidamente se tornou em um combate em larga escala por toda a fronteira. Isso levou a crer, para alguns especialistas, que foi o Sul que começou a guerra.[39] A força invasora norte-coreana somava mais de 200 mil homens, enquanto as forças de defesa do Sul tinham ao menos 100 mil soldados.[40]

Em 27 de junho, frente a bem sucedida ofensiva inicial por parte das tropas do norte, o presidente sul-coreano, Rhee, ordenou a evacuação da capital Seul. Antes de fugir, ele ordenou o chamado massacre da liga Bodo, em 28 de junho, onde pelo menos 100 mil suspeitos de simpatia com o comunismo foram executados sem julgamento.[41] [42] [43]

Em 28 de junho, a Coreia do Sul bombardeou as pontes sobre o rio Han para evitar o avanço das forças do norte. Contudo, Seul foi tomada no mesmo dia. Os norte-coreanos então mataram mais de mil pessoas em um hospital universitário no meio da capital, onde membros feridos do governo do sul estavam.[44] Alguns integrantes do congresso nacional do Sul permaneceram em Seul e 48 declararam lealdade ao regime comunista do Norte.[45] [46]

Resposta da ONU e intervenção americana[editar | editar código-fonte]

Um tanque americano M-24 no rio Naktong, 1950.

O governo do presidente americano Harry Truman se viu numa encruzilhada. Antes da invasão, a Coreia não era considerada importante no panorama de influência da secretaria de defesa dos Estados Unidos. Os estrategistas militares ocidentais se preocupavam mais com a segurança da Europa contra um ataque da União Soviética. Ao mesmo tempo, os americanos se preocupavam com a possibilidade de que uma guerra na península coreana poderia tomar proporções maiores se os chineses ou os soviéticos decidissem intervir militarmente no conflito.[47] Por fim, em 27 de junho, os russos enviaram um comunicado indireto dizendo que não interfeririam na guerra na Coreia, abrindo assim uma brecha para os americanos intervirem com tropas sem reação das demais potências do mundo comunista.[48]

Em 25 de junho de 1950, o Conselho de Segurança das Nações Unidas aprovou, por unanimidade, a Resolução 82, condenando a invasão da Coreia do Norte contra seu vizinho do sul.[49] Dois dias depois, foi aprovado a Resolução 83 que autorizava uma intervenção militar para por fim no conflito. No mesmo dia, o presidente dos Estados Unidos, Harry Truman, autorizou que a força aérea e a marinha americana atacassem alvos na península coreana para apoiar o sul, o que foi condenado pela União Soviética.[50]

O couraçado americano USS Missouri bombardeando alvos na costa coreana.

O comando da força expedicionária americana ficou a cargo do general Douglas MacArthur.[51] Em agosto de 1950, o Congresso dos Estados Unidos aprovou um orçamento inicial de 12 bilhões de dólares para gastos militares neste conflito.[52] Os americanos também começaram a transportar enormes quantidades de armas e equipamentos para os sul-coreanos.[53]

A batalha pela cidade de Osan foi o primeiro grande combate para as tropas terrestres americanas, mas o pequeno grupo de soldados foi repelido e 180 militares foram mortos, feridos ou capturados. As forças da Coreia do Norte continuaram a avançar para o sul, tomando no caminho a cidade de Daejeon.[54] Os comunistas novamente forçaram o recuo dos sul-coreanos e dos seus aliados americanos na cidade de Pusan. Naquela altura, as forças da ONU controlavam diretamente apenas 10% do território da Coreia do Sul.[55]

Entre agosto e setembro, as forças norte-coreanas foram derrotadas na batalha de Pusan. A força aérea americana então lançou ataques contra linhas de suprimentos e depósitos de munição das forças comunistas, infligindo severas perdas a estes. Ao fim de 1950, os Aliados já se preparavam para lançar um contra-ataque em larga escala.[56]

Soldados americanos combatendo em Seul, setembro de 1950.

Ao fim de setembro de 1950, a situação das forças comunistas do norte estava se deteriorando. Com poucos suprimentos, sem suporte aéreo ou naval, o norte não podia mais se manter na ofensiva por muito tempo. Para então quebrar em definitivo as forças inimigas em Pusan, o general MacArthur ordenou um ataque anfíbio em larga escala contra a cidade de Incheon. As tropas norte-coreanas na região foram destruídas e os sobreviventes bateram em retirada de forma desordenada.[56] Neste momento, os russos aconselharam o ditador Kim Il-sung a recuar para proteger a capital do sul, Seul. Já os chineses aconselharam um contra-ataque em Inchon.[57] Contudo, os militares norte-coreanos já haviam sofrido pesadas baixas e não tinham condições de continuar a resistir.[56]

Em 25 de setembro, Seul foi recapturada pelos sul-coreanos.[57] Os bombardeios americanos continuaram a causar severos danos nas forças comunistas e a liderança norte-coreana viu-se obrigada a ordenar a retirada precipitada de suas tropas do sul, para defender a capital Pyongyang.[57] Em 27 de setembro, o ditador soviético, Josef Stalin, principal aliado dos norte-coreanos, criticou a ineficácia dos exércitos do norte e também culpou seus conselheiros pelas recentes derrotas dos coreanos.[57]

Logo após as vitórias no sul, MacArthur recebeu autorização do presidente Truman para lançar incursões no norte.[58] Em 29 de setembro, ele declarou reinstaurado o governo da República da Coreia no sul e colocou novamente Syngman Rhee no poder.[57] Após reconquistar o sul, as forças coreanas de Rhee começaram a lançar represálias contra simpatizantes do comunismo, massacrando pelo menos 600 pessoas.[59] [60]

Em 30 de setembro, o primeiro-ministro chinês, Zhou Enlai, ameaçou intervir na guerra em favor do norte se os americanos cruzassem o paralelo 38. Zhou também aconselhou os norte-coreanos a recuar e combater em forma de guerrilha, mas o conselho foi ignorado.[57] Em outubro, as forças comunistas da fronteira do paralelo foram expulsas de suas posições e os sul-coreanos os perseguiram rumo ao norte.[61] Confiante na vitória, MacArthur exigiu a rendição incondicional do norte, mas recebeu uma recusa.[57] A capital do norte, Pyongyang, foi tomada pelas forças da ONU em 19 de outubro de 1950.[62] Percebendo que o momento da guerra agora era dos Aliados, o general MacArthur acreditava que era preciso levar a guerra até a China. O presidente Truman discordou e ordenou que as forças americanas se detivessem na fronteira chinesa-coreana.[63]

Intervenção chinesa[editar | editar código-fonte]

Soldados americanos combatendo tropas chinesas na Coreia, em dezembro de 1950.

Em 27 de junho de 1950, dois dias antes da invasão norte-coreana e três meses antes da entrada chinesa no conflito, o presidente Truman despachou a sétima Frota dos Estados Unidos para o estreito de Taiwan, com o fim de evitar hostilidades entre a República Nacionalista da China (Taiwan) e a República Popular da China.[64] Em 4 de agosto de 1950, com a invasão de Taiwan abortada pelo governo comunista de Pequim, o líder chinês, Mao Tsé-Tung, reportou ao Politburo que ele iria intervir na Coreia quando o seu exército estivesse pronto. A China justificou sua entrada na guerra como sendo uma resposta a "agressão americana sob o disfarce da ONU".[65] Kim Il-sung já havia apelado para Mao para que ele interviesse na guerra em seu favor. Enquanto isso, o ditador soviético, Stalin, disse aos seus conselheiros que seu país não iria interferir na Coreia, mas aprovou o envio de suprimentos aos seus aliados comunistas.[66] [67]

Em 18 de outubro de 1950, Mao ordenou que 200 mil soldados chineses entrassem na Coreia.[68] No dia seguinte, forças da ONU e da China já estavam trocando tiros na região de fronteira. Os soviéticos então decidiram mudar de postura e mandaram, além de mais suprimentos, esquadrões de sua força aérea para realizar ataques em solo coreano.[69] Na batalha de Onjong, as forças sul-coreanas foram massacradas pelos chineses. Em 1 de novembro, soldados da China e dos Estados Unidos travaram seu primeiro combate na guerra na batalha de Unsan, vencida pelos chineses. O comando da ONU, contudo, não acreditava que esta intervenção realmente tinha sido em larga escala ou se ela era séria. Em 24 de novembro, o 8º exército americano lançou uma ofensiva na costa noroeste da Coreia do Norte mas eles foram detidos pelos chineses.[70] No dia seguinte, forças militares dos Estados Unidos, da Coreia do Sul e de alguns países aliados, como o Reino Unido, foram severamente atacadas por tropas chinesas na batalha do rio Chongchon. Neste combate, ambos os lados sofreram pesadas baixas. Os americanos tiveram ao menos 11 mil homens mortos, feridos, desaparecidos ou capturados. Os chineses perderam quase 40 mil homens mas saíram-se vitoriosos e botaram em fuga as forças da ONU, que por sua vez, resolveram recuar para o paralelo 38 e re-estabeleceram uma nova linha defensiva.[71] Ao mesmo tempo o X Corpo do exército dos Estados Unidos foi atacado na região de Chosin Reservoir, onde uma batalha de 17 dias sob frio intenso se seguiu e terminou com mais uma vitória pírrica chinesa. Em meados de dezembro, as forças americanas já haviam se retirado para a fronteira entre as Coreias.[72] Frente ao retrocesso inesperado, o presidente Truman declarou situação de emergência e deu prioridade máxima dos recursos militares disponíveis para a região.[73]

1951[editar | editar código-fonte]

Combates no Paralelo 38[editar | editar código-fonte]

No ano novo de 1951, os chineses e norte-coreanos lançaram sua terceira ofensiva conjunta. Utilizando de várias surtidas noturnas, os comunistas tentaram cercar as tropas da ONU utilizando sua superioridade numérica. As forças americanas e sul-coreanas foram forçadas por esses ataques a recuar. Ocupados combatendo os chineses, as forças militares dos Estados Unidos e da Coreia do Sul não conseguiram impedir que os norte-coreanos conquistassem Seul pela segunda vez na guerra, em 4 de janeiro de 1951.[74] Frente a uma sucessão de derrotas, o general MacArthur passou a considerar realizar ataques com armas nucleares contra a China e contra a Coreia do Norte.[75] Contudo, com a chegada do general Matthew Ridgway, o exausto 8º exército americano recuperou seus ânimos.[76]

Aviões B-26 americanos bombardeando depósitos de munição inimigas em Wonsan, Coreia do Norte, 1951.

As forças da ONU recuaram até Suwon no oeste, até Wonju no centro e Samcheok no leste, estabelecendo uma nova linha de defesa.

Em fevereiro, o exército chinês lançou a quarta fase de sua ofensiva na Coreia e conquistou o condado de Hoengseong.[74] O exército chinês não conseguiu avançar além de Seul devido a falta de suprimentos, permitindo que o general Ridgway lançasse um contra-ataque e expulsasse as tropas comunistas das proximidades do rio Han. A quarta ofensiva chinesa foi oficialmente detida em Chipyong-ni.[77]

Nas últimas duas semanas de fevereiro de 1951, foi lançada a Operação Killer, lançada pelo 8º exército americano e pelo I Corpo de fuzileiros americanos. A ofensiva reconquistou os territórios ao sul do rio Han e o IX Corpo de fuzileiros reconquistaram Hoengseong.[78] Em 14 de março, Seul foi reconquistada. A população da capital, que antes da guerra era de 1,5 milhões de pessoas, tinha caido para 200 mil devido as quatro grandes batalhas travadas na cidade durante a guerra.[78] O líder chinês, Mao, pediu então a Stalin mais assistência e o premier soviético respondeu enviando duas divisões aéreas, três divisões de baterias anti-aérea e seis mil caminhões com suprimentos. Apesar dessas medidas, o problema logístico com suprimentos dos chineses continuou.[78]

Fuzileiros americanos avançando pela Coreia do Norte.

Em 11 de abril de 1951, o presidente Truman decidiu dispensar o general MacArthur do cargo de comandante supremo das forças aliadas na Coreia.[79] Vários motivos levaram a essa decisão. MacArthur havia cruzado o paralelo 38 com seus homens sob a impressão errónea de que os chineses não tinham de fato entrado na guerra, o que levou a uma série de derrotas por parte das despreparadas forças aliadas. O general também acreditava que a decisão de usar ou não armas nucleares cabia a ele e não ao Presidente.[80] MacArthur também ameaçou destruir a China se ela não se rendesse. Ele também acreditava que vitória total sobre o inimigo seria a única saida aceitável, mas Truman era mais pessimista sobre as chances de vitória na guerra na ásia e pretendia eventualmente assinar um acordo de paz e ordenar uma retirada da Coreia. MacArthur foi alvo de uma investigação do congresso em maio e junho de 1951, que determinou que ele havia abertamente desobedecido as ordens do seu presidente e assim violou a constituição dos Estados Unidos.[81]

O general Ridgway assumiu o comando geral das forças da ONU.[82] Sua primeira atitude foi lançar um pesado contra-ataque no perímetro defensivo dos chineses e norte-coreanos que acabou sendo um sucesso. O general James Van Fleet assumiu o comando do 8º exército americano. Em março de 1951, duas ofensivas aliadas conseguiram infligir pesadas baixas nos comunistas e forçar o seu recuo. Os capacetes azuis avançaram então até o paralelo 38 e cercaram os chineses destruindo boa parte de seus exércitos.[83] Em abril de 1951, os chineses lançaram uma contra-ofensiva, com quase 700 mil homens na linha de frente. Esse ataque foi detido pelos fuzileiros americanos nas batalhas de Kapyong e do rio Imjin. Em 15 de maio, os chineses tentaram novamente avançar contra as linhas aliadas nas margens do rio Soyang. No dia 20 de maio, as tropas chinesas atacantes já estavam em retirada.[84] Então o 8º exército dos Estados Unidos lançou um ataque contra os chineses e norte-coreanos além do paralelo mas não avançaram muito.[85]

Impasse[editar | editar código-fonte]

A partir de julho de 1951, as forças da ONU e da China continuaram a engajar uma árdua luta de trincheiras, onde nenhum dos dois lados conseguia dar um golpe decisivo sobre o outro. Bombardeamentos aéreos em larga escala contra a Coreia do Norte se intensificaram e então as primeiras negociações de armistício começaram em 10 de julho de 1951. Apesar das negociações, a guerra continuava a todo vapor.[86] Grandes combates foram travados durante esse período, como a batalha de Bloody Ridge e a de Heartbreak Ridge.[87]

Tanque americano atira contra norte-coreanos, 10 de janeiro de 1952.

1952[editar | editar código-fonte]

Em 1952, uma série de sangrentas batalhas foram travadas e centenas de soldados morreram em ambos os lados, com pouco ganho estratégico, enquanto a situação humanitária nas Coreias piorava.[87] As tropas chinesas e norte-coreanas sofriam com falta de suprimentos e materiais, ainda contando com uma péssima logística com linhas de suprimentos longas e sob constante ataques aéreos dos aliados ocidentais.[66]

1953[editar | editar código-fonte]

O impasse continuou por 1953. Cerca de 4 500 militares chineses morreram no cerco ao posto avançado americano de Harry. Em Kaesong, mais 1 500 chineses foram mortos. Entre março e julho, perto de Cheorwon, forças norte-coreanas, chinesas, americanas, sul-corenas e de outros países das forças da ONU se combateram em uma sangrenta batalha que acabou em um impasse estratégico e com a morte de mais de 2 mil soldados. A situação dos comunistas prosseguia tensa devido a falta de suprimentos e as enormes perdas sofridas nos combates.[88] Enquanto nenhum dos dois lados era capaz de vencer uma batalha decisiva sobre o outro, as negociações, que já se prosseguiam há quase 24 meses, continuavam. Entre os obstáculos para a paz estava no ponto de como a troca dos prisioneiros de guerra seria feita.[89]

Armistício[editar | editar código-fonte]

A zona desmilitarizada entre as Coreias cortava o país no paralelo 38. A velha capital do país unificado, Kaesong, local onde as negociações do armistício estavam sendo feitas, pertencia à República da Coreia do Sul, mas agora estava sob controle do Norte. O Comando das Nações Unidas, apoiado pelos Estados Unidos, a Coreia do Norte e o Governo chinês finalmente assinaram os termos do armistício em 27 de julho de 1953. Este acordo decretou um cessar-fogo imediato e garantias do status quo ante bellum. A guerra oficialmente acabou neste dia, porém, até os dias atuais, nenhum tratado de paz foi firmado entre as duas Coreias.[90] O Norte, contudo, alega que venceu a guerra.[91] [92]

Depois da guerra, a chamada "Operação Glória" (julho–novembro de 1954) garantiu a troca dos corpos dos soldados e guerrilheiros mortos em território adversário. Os restos mortais de 4 167 soldados e fuzileiros americanos foram trocados pelos corpos de 13 528 militares chineses e norte-coreanos, além dos corpos de 546 civis que morreram em campos de prisioneiros da ONU que também foram entregues ao Norte.[93] Estima-se que mais de 1,2 milhões de pessoas morreram na Guerra da Coreia.[94] [95]

Divisão da Coreia[editar | editar código-fonte]

Soldados norte-coreanos, nos dias atuais, guardando a zona desmilitarizada.

Os termos do armistício acertou uma comissão internacional para assegurar que o acordo fosse cumprido. Desde 1953, a "Comissão de Supervisão da Neutralidade das Nações" (NNSC), composta por membros das forças armadas da Suíça e da Suécia, monitorizavam a zona desmilitarizada.[96] [97]

Em abril de 1975, a capital do Vietnã do Sul foi capturada pelo exército norte-vietnamita. Encorajado pelo sucesso do comunismo na Indochina, o ditador norte-coreano, Kim Il-sung, viu nisso uma nova oportunidade de conquistar o sul da sua península. Kim visitou a China em abril daquele ano e se encontrou com Mao Tsé-Tung e com Zhou Enlai, pedindo ajuda para uma futura incursão militar. Apesar das expectativas de Pyongyang, Pequim não tinha qualquer interesse em entrar em outra guerra na Coreia.[98]

Desde o armistício, houve vários desentendimentos e atos de agressão entre os dois países. Em 1976, dois soldados americanos foram mortos por norte-coreanos na zona desmilitarizada. Desde 1974, quatro túneis usados por norte-coreanos foram descobertos. Todos os túneis serviam de passagem para o sul. Em 2010, um submarino norte-coreano torpedeou e afundou uma corveta sul-coreana, o ROKS Cheonan, resultando na morte de 46 marinheiros.[99] Ainda em 2010, a Coreia do Norte disparou vários tiros de artilharia contra a ilha de Yeonpyeong, matando dois militares e dois civis sul-coreanos.[100]

Em 11 de março de 2013, após mais uma nova rodada de sanções da ONU contra o regime da Coreia do Norte, o governo deste país decretou nulo o armistício de 1953.[101] [102]

Referências

  1. The Korean War, Volume 3. [S.l.]: U of Nebraska Press, 2001. 815 pp. p. 692. ISBN 9780803277960 Visitado em 16 February 2013.
  2. Tim Kane (27 de outubro de 2004). Global U.S. Troop Deployment, 1950-2003 Reports The Heritage Foundation. Visitado em 15 de fevereiro de 2013.
  3. United Nations Command United States Forces Korea United States Department of Defense. Visitado em 17 de feveiro de 2013.
  4. Rottman, Gordon L.. Korean War Order of Battle: United States, United Nations, and Communist Ground, Naval, and Air Forces, 1950-1953. [S.l.]: Greenwood Publishing Group, 2002. 229 pp. p. 126. ISBN 9780275978358 Visitado em 16 de feveiro de 2013.
  5. UK-Korea Relations British Embassy Pyongyang Foreign and Commonwealth Office (9 de fevereiro de 2012). Visitado em 16 de feveiro de 2013.
  6. Shrader, Charles R.. Communist Logistics in the Korean War. [S.l.]: Greenwood Publishing Group, 1995. 278 pp. p. 90. ISBN 9780313295096 Visitado em 17 February 2013.
  7. Zhang, Shu Guang (1995), Mao's Military Romanticism: China and the Korean War, 1950–1953, Lawrence, KS: University Press of Kansas, ISBN 0-7006-0723-4. Pág. 257.
  8. (1999) "In Korea we whipped the Russian Air Force". VFW Magazine 86 (11). Veterans of Foreign Wars.
  9. a b Rainer Sousa. Guerra da Coreia (em português) Brasil Escola - Guerras. Visitado em 25 de junho de 2012.
  10. Ana Lucia Santana. Guerra da Coreia (em português) InfoEscola. Visitado em 25 de junho de 2012.
  11. Devine, Robert A.; Breen, T.H; Frederickson, George M; Williams, R Hal; Gross, Adriela J; Brands, H.W. America Past and Present. 8a ed. [S.l.]: Pearson Longman, 2007. vol. II: Since 1865. ISBN 0-321-44661-5
  12. Resolution du 7 juillet 1950 (em fr) Organização das NaçõesUnidas (7 de julho 1950). Visitado em 30 de março de 2013.
  13. Stokesbury, James L (1990). A Short History of the Korean War. New York: Harper Perennial. ISBN 0-688-09513-5.
  14. a b "Policy and Direction: The First Year". Schnabel, James F. (1972).
  15. Dear, Ian; Foot, M.R.D. (1995). The Oxford Companion to World War II. Oxford, New York: Oxford University Press. p. 516. ISBN 0-19-866225-4.
  16. Early, Stephen (1943). "Cairo Communiqué". Japan: National Diet Library.
  17. Goulden, Joseph C (1983). Korea: The Untold Story of the War. New York: McGraw-Hill. p. 17. ISBN 0-07-023580-5.
  18. Stokesbury, James L (1990). A Short History of the Korean War. New York: Harper Perennial. ISBN 0-688-09513-5.
  19. Appleman, Roy E (1998) [1961]. to the Naktong, North to the Yalu. United States Army Center of Military History. pp. 3, 15, 381, 545, 771, 719. ISBN 0-16-001918-4.
  20. McCullough, David (1992). Truman. Simon & Schuster Paperbacks. pp. 785, 786. ISBN 0-671-86920-5.
  21. Stokesbury, James L (1990). A Short History of the Korean War. New York: Harper Perennial. ISBN 0-688-09513-5.
  22. Stokesbury, James L (1990). A Short History of the Korean War. New York: Harper Perennial. ISBN 0-688-09513-5.
  23. Becker, Jasper (2005). Rogue Regime: Kim Jong Il and the Looming Threat of North Korea. New York: Oxford University Press. ISBN 0-19-517044-X.
  24. Cumings, Bruce (1981). "3, 4". Origins of the Korean War. Princeton University Press. ISBN 89-7696-612-0
  25. Cumings, Bruce, The Origins of the Korean War: Liberation and the Emergence of Separate Regimes, 1945-1947. Princeton University Press, 1981. Chapter 10, "The Autumn Uprising."
  26. Hart-Landsberg, Martin (1998). Korea: Division, Reunification, & U.S. Foreign Policy. Monthly Review Press. pp. 75–77
  27. [www.thedailybeast.com/newsweek/2000/06/18/ghosts-of-cheju.html "Ghosts Of Cheju"]. Página acessada em 9 de março de 2013.
  28. Johnson, Chalmers. Blowback: The Costs and Consequences of American Empire. 2000, rev. 2004 ed. [S.l.]: Owl Book. 99–101 pp. ISBN 0-8050-6239-4
  29. "Korea: For Freedom". Página acessada em 9 de março de 2013.
  30. Malkasian, Carter (2001). The Korean War, 1950–1953. Essential Histories. London; Chicago: Fitzroy Dearborn. ISBN 1-57958-364-4.
  31. Stueck, William (2004). The Korean War in World History. Lexington: University Press of Kentucky. p. 38. ISBN 0-8131-2306-2.
  32. Stewart, Richard W., ed. (2005). "The Korean War, 1950–1953". American Military History, Volume 2. United States Army Center of Military History. CMH Pub 30-22. Acessado em 20 de agosto de 2007.
  33. a b Stokesbury, James L (1990). A Short History of the Korean War. New York: Harper Perennial. ISBN 0-688-09513-5
  34. Wainstock, Dennis (1999). Truman, MacArthur, and the Korean War. p. 137.
  35. "'문경학살사건' 유족 항소심도 패소" (em coreano). Chosun Ilbo. 6 de agosto de 2009. Acessado em 9 de março de 2013.
  36. David Dallin, Soviet Foreign Policy After Stalin (J. B. Lippincott, 1961), p60.
  37. Douglas J. Macdonald, "Communist Bloc Expansion in the Early Cold War," International Security, Winter 1995-6, p180.
  38. Tom Gjelten. "CIA Files Show U.S. Blindsided By Korean War", 25 de junho de 2010. Página visitada em 16 de fevereiro de 2013.
  39. Sergei N. Goncharov, John W. Lewis and Xue Litai, Uncertain Partners: Stalin, Mao and the Korean War (Stanford University Press, 1993), p213
  40. "South to the Naktong, North to the Yalu.". Página acessada em 11 de março de 2013.
  41. "만물상 6•25 한강다리 폭파의 희생자들" (em coreano). Chosun Ilbo. Acessado em 11 de março de 2013.
  42. "60년 만에 만나는 한국의 신들러들" (em coreano). Hankyoreh. Acessado em 11 de março de 2013.
  43. "보도연맹 학살은 이승만 특명에 의한 것" 민간인 처형 집행했던 헌병대 간부 최초증언 출처 : "보도연맹 학살은 이승만 특명에 의한 것" – 오 마이뉴스" (em coreano). Ohmynews. Acessado em 11 de março de 2013.
  44. 서울대병원, 6.25전쟁 참전 용사들을 위한 추모제 가져 Seul National University Hospital (4 de junho de 2010). Visitado em 19 de julho de 2012.
  45. William Stueck, The Korean War: An International History (Princeton University Press, 1995), pp31,69.
  46. John Lewis Gaddis, We Know Now: Rethinking Cold War History (Oxford University Press, 1997), p71.
  47. Kim, Yǒng-jin (1973). Major Powers and Korea. Silver Spring, MD: Research Institute on Korean Affairs. OCLC. 251811671.
  48. Rees, David (1964). Korea: The Limited War. New York: St Martin's. OCLC 1078693.
  49. Malkasian, Carter (2001). The Korean War, 1950–1953. Essential Histories. London; Chicago: Fitzroy Dearborn. ISBN 1-57958-364-4.
  50. "Andrei A. Gromyko: On American Intervention In Korea, 1950". Página acessada em 11 de março de 2013.
  51. Goulden, Joseph C (1983). Korea: The Untold Story of the War. New York: McGraw-Hill. p. 17. ISBN 0-07-023580-5.
  52. Hess, Gary R. (2001). Presidential Decisions for War : Korea, Vietnam and the Persian Gulf. Baltimore: Johns Hopkins University Press. ISBN 0-8018-6515-8.
  53. Graebner, Norman A.; Trani, Eugene P. (1979). The Age of Global Power: The United States Since 1939. V3641. New York: John Wiley & Sons. OCLC 477631060.
  54. Stokesbury, James L (1990). A Short History of the Korean War. New York: Harper Perennial. p. 48. ISBN 0-688-09513-5.
  55. Stokesbury, James L (1990). A Short History of the Korean War. New York: Harper Perennial. p. 56. ISBN 0-688-09513-5.
  56. a b c Stokesbury, James L (1990). A Short History of the Korean War. New York: Harper Perennial. p. 58. ISBN 0-688-09513-5.
  57. a b c d e f g Barnouin, Barbara; Yu, Changgeng (2006). Zhou Enlai: A Political Life. Hong Kong: Chinese University Press. ISBN 962-996-280-2.
  58. Weintraub, Stanley (2000). MacArthur's War: Korea and the Undoing of an American Hero. New York: Simon & Schuster. pp. 157–58. ISBN 0-684-83419-7.
  59. "Goyang Geumjeong Cave Massacre memorial service". Hankyoreh. 9 de fevereiro de 2010. Acessado em 11 de março de 2013.
  60. Charles J. Hanley and Jae-Soon Chang (6 de dezembro de 2008). "Children 'executed' in 1950 South Korean killings". U-T San Diego. Associated Press. Acessado em 11 de março de 2013.
  61. Stokesbury, James L (1990). A Short History of the Korean War. New York: Harper Perennial. p. 79–94. ISBN 0-688-09513-5.
  62. Stokesbury, James L (1990). A Short History of the Korean War. New York: Harper Perennial. p. 90. ISBN 0-688-09513-5.
  63. Stokesbury, James L (1990). A Short History of the Korean War. New York: Harper Perennial. p. 83. ISBN 0-688-09513-5.
  64. US Department of Defense. (1950). "Classified Teletype Conference, dated 27 June 1950". Truman Presidential Library and Museum.
  65. Chinese Military Science Academy (September 2000). History of War to Resist America and Aid Korea (抗美援朝战争史). I. Beijing: Chinese Military Science Academy Publishing House. pp. 35–36. ISBN 7-80137-390-1.
  66. a b Barnouin, Barbara; Yu, Changgeng (2006). Zhou Enlai: A Political Life. Hong Kong: Chinese University Press. ISBN 962-996-280-2.
  67. Cumings, Bruce (2005). Korea's Place in the Sun : A Modern History. New York: W. W. Norton & Company. ISBN 0-393-32702-7.
  68. Barnouin, Barbara; Yu, Changgeng (2006). Zhou Enlai: A Political Life. Hong Kong: Chinese University Press. ISBN 962-996-280-2.
  69. Shen Zhihua, China and the Dispatch of the Soviet Air Force: The Formation of the Chinese-Soviet-Korean Alliance in the Early Stage of the Korean WarThe Journal of Strategic Studies, vol. 33, no.2, pp. 211-230
  70. Stewart, Richard W, ed. "The Korean War: The Chinese Intervention". history.army.mil. U.S. Army Center of Military History. Acessado em 17 de dezembro de 2011.
  71. "The Battle of the Ch'ongch'on". Página acessada em 12 de março de 2013.
  72. Mossman, Billy C. (1990). Ebb and Flow, November 1950 – July 1951. United States Army in the Korean War. 5. Washington, DC: Center of Military History, United States Army. OCLC 16764325.
  73. Espinoza-Castro v. I.N.S., 242 F.3d 1181, 30 (2001).
  74. a b Stokesbury, James L (1990). A Short History of the Korean War. New York: Harper Perennial. Página 117. ISBN 0-688-09513-5.
  75. Reminiscences- MacArthur, Douglas
  76. Stokesbury, James L (1990). A Short History of the Korean War. New York: Harper Perennial. Página 113. ISBN 0-688-09513-5.
  77. Stokesbury, James L (1990). A Short History of the Korean War. New York: Harper Perennial. Página 121. ISBN 0-688-09513-5.
  78. a b c Stokesbury, James L (1990). A Short History of the Korean War. New York: Harper Perennial. Página 122. ISBN 0-688-09513-5.
  79. Stokesbury, James L (1990). A Short History of the Korean War. New York: Harper Perennial. Páginas 123–127. ISBN 0-688-09513-5.
  80. Stein, R. Conrad (1994). The Korean War: "The Forgotten War". Hillside, NJ: Enslow Publishers. ISBN 0-89490-526-0.
  81. Halberstam, David (2007). The Coldest Winter: America and the Korean War. New York: Hyperion. Página 498. ISBN 978-1-4013-0052-4.
  82. Stokesbury, James L (1990). A Short History of the Korean War. New York: Harper Perennial. Página 127. ISBN 0-688-09513-5.
  83. Stokesbury, James L (1990). A Short History of the Korean War. New York: Harper Perennial. Página 131. ISBN 0-688-09513-5.
  84. Stokesbury, James L (1990). A Short History of the Korean War. New York: Harper Perennial. Páginas 136–137. ISBN 0-688-09513-5.
  85. Stokesbury, James L (1990). A Short History of the Korean War. New York: Harper Perennial. Páginas 137–138. ISBN 0-688-09513-5.
  86. Stokesbury, James L (1990). A Short History of the Korean War. New York: Harper Perennial. Página 145, 175–177. ISBN 0-688-09513-5.
  87. a b "The Korean War: Years of Stalemate". Página acessada em 13 de março de 2013.
  88. McWilliams, Bill, On Hallowed Ground: The Last Battle For Pork Chop Hill (2004), ISBN 1-59114-480-9
  89. Boose, Donald W., Jr. (Spring 2000). "Fighting While Talking: The Korean War Truce Talks". OAH Magazine of History. 12 de junho de 2007.
  90. "Korea: Neutral Nations Supervisory Commission." State Department statement regarding the status of the mechanism designed to transform the armistice between the two Koreas into a stable peace accord". Página acessada em 13 de março de 2013.
  91. Ho, Jong Ho (1993). The US Imperialists started the Korean War. Pyongyang: Foreign Languages Publishing House. p. 230. ASIN B0000CP2AZ.
  92. "War Victory Day of DPRK Marked in Different Countries". KCNA. Página acessada em 13 de março de 2013.
  93. "Operation Glory". Fort Lee, Virginia: Army Quartermaster Museum, US Army. Página acessada em 13 de março de 2013.
  94. "Baixas da guerra na Coreia". Página acessada em 14 de março de 2013.
  95. Bethany Lacina and Nils Petter Gleditsch, Monitoring Trends in Global Combat: A New Dataset of Battle Deaths, European Journal of Population (2005) 21: 145–166.
  96. "NNSC in Korea" (PDF). Swiss Armed Forces, International Command. Acessado em 22 de dezembro de 2011.
  97. "Korea – NSCC". Forsvarsmakten.se. Swedish Armed Forces. 1 November 2007. Acessado em 22 de dezembro de 2011.
  98. Ria Chae. NKIDP e-Dossier No. 7: East German Documents on Kim Il Sung’s April 1975 Trip to Beijing Woodrow Wilson International Center for Scholars. Visitado em 30 de maio de 2012.
  99. "'North Korean torpedo' sank South's navy ship – report". BBC News. 20 de maio de 2010. Página acessada em 14 de março de 2013.
  100. Kim, Jack; Lee, Jae-won (23 de novembro de 2010). "North Korea shells South in fiercest attack in decades". Reuters. Página acessada em 14 de março de 2013.
  101. Park, Madison. "North Korea declares 1953 armistice invalid", 11 de março de 2013. Página visitada em 13 de março de 2013.
  102. "Coreia do Norte declara 'completamente nulo' cessar-fogo com Seul". Portal Terra. Página acessada em 15 de abril de 2013.

Ver também[editar | editar código-fonte]

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Commons
O Commons possui imagens e outras mídias sobre Guerra da Coreia
Portal A Wikipédia possui o portal: