Guerra das Rosas

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Guerra das Rosas
Data 14551485
Local  Inglaterra
Desfecho Vitória da Casa de Lencastre, ascensão da Casa de Tudor, união da Casa de Lencastre e Casa de York
Combatentes
Yorkshire rose.svg Casa de York Lancashire rose.svg Casa de Lencastre
Principais líderes
Ricardo, Duque de Iorque
Eduardo IV
Ricardo III
Ricardo Neville, Conde de Warwick
Henrique VI
Eduardo de Westminster
Henrique VII
Margarida de Anjou
Ricardo Neville, Conde de Warwick (mudou de lado)
Henrique Beaufort

A Guerra das Rosas ou Guerra das Duas Rosas foi uma série de lutas dinásticas pelo trono da Inglaterra, ocorridas ao longo de trinta anos (entre 1455 e 1485) de forma intermitente, durante os reinados de Henrique VI, Eduardo IV e Ricardo III. Em campos opostos encontravam-se as casas de York e de Lencastre, ambas originárias da dinastia Plantageneta e descendentes de Eduardo III, rei da Inglaterra entre 1327 e 1377.[1]

A Guerra das Rosas foi resultado dos problemas sociais e financeiros decorrentes da Guerra dos Cem Anos, combinados com o reinado considerado fraco de Henrique VI, que perdeu muitas das terras francesas conquistadas por seu pai e foi severamente questionado pela nobreza. Seu final ocorreu quando um candidato Lencastre relativamente remoto, Henrique Tudor, derrotou o último rei de York, Ricardo III, e assumiu o trono, casando-se com Isabel de Iorque, filha de Eduardo IV, para unir as duas casas. O nome do conflito deve-se aos símbolos das duas facções - a rosa branca da casa de York e a vermelha da de Lencastre, embora a última tenha sido adotada apenas mais tarde.[1] Essa denominação passou a ser usada anos depois da guerra, por historiadores.[2]

Origem[editar | editar código-fonte]

Henrique VI.
Margarida de Anjou.

Esta série de guerras civis iniciou-se com a disputa da aristocracia pelo controle do Conselho Real, por causa da menoridade de Henrique VI. Havia uma rivalidade entre dois aspirantes ao trono: Edmundo Beaufort (1406-1455), duque de Somerset, da casa de Lencastre, e Ricardo Plantageneta, terceiro duque de York. O primeiro apoiava Henrique VI e a rainha Margarida de Anjou. O segundo pôs em causa o direito ao trono de Henrique VI de Lencastre, um homem frio mas fraco, sujeito a fases de insanidade. Henrique VI, ao assumir o poder em 1442, teve o apoio dos Beaufort e do duque de Suffolk, aliados da casa de York.

Os tempos eram de dificuldade para a Casa de Lencastre, no poder, fortemente abalada pela demência do rei e pelas derrotas militares do exército inglês na França durante a última fase da Guerra dos Cem Anos.

Início da guerra e vitória York[editar | editar código-fonte]

Eduardo IV.

O duque Ricardo de York, pretendente ao trono, esperou muitos anos que Henrique VI, vítima de problemas mentais, morresse. Ao nascer um príncipe herdeiro, porém, York resolveu agir e, na década de 1450, chefiou uma liga de barões, na qual Richard Neville, barão de Warwick, era o mais influente. Os senhores de York exigiram a demissão de um membro do Conselho Real da casa dos Lencastre. O rei negou-se a atendê-los; assumiu o comando de dois mil representantes dos Lencastre e marchou para o vilarejo de Saint Albans. Ricardo de York liderou 3 mil homens na direção de Londres. Suas tropas foram interceptadas em Saint Albans pelos soldados do rei. Na batalha de Saint Albans (1455) Ricardo derrotou os soldados do rei, o qual foi capturado. O confronto, que deixou um rastro de 300 mortos pelo caminho, foi o início da Guerra das Duas Rosas. Quatro anos depois, York foi derrotado em Ludford Bridge e fugiu para a Irlanda.

Foi breve, porém, a vantagem da casa de Lencastre pois, em 1460, após ter derrotado os exércitos dos Lencastre em Northampton, Ricardo de York reclamou para si o trono. Nesse mesmo ano, Warwick veio da França, onde se refugiara, venceu as forças do rei e o aprisionou. Designado pelo Parlamento sucessor de Henrique VI, York foi, porém, assassinado na batalha de Wakefield, quando perseguia os últimos contingentes das forças reais. Seu filho e herdeiro, Eduardo de York, com o auxílio de Warwick, vingou a morte paterna. Entrou em Londres e em 1461 foi aclamado rei com o nome de Eduardo IV. Iorquistas e Lencastrianos voltaram a se enfrentar em meio a uma nevasca numa colina chamada Towton. Os arqueiros de Eduardo se posicionaram melhor e lançaram flechas a uma distancia maior que a do inimigo. O exército de Lencastre foi destruído pelo duque de York na batalha de Towton. Henrique VI refugiou-se na Escócia.

Os partidários de Henrique VI venceram a segunda batalha de Saint Albans (fevereiro de 1461), porém o filho de Ricardo, Eduardo, foi coroado mês depois na Abadia de Westminister, como Eduardo IV, o primeiro rei da Inglaterra originário de York. Pouco depois, Eduardo infligiu uma derrota decisiva a Henrique e Margarida, que abandonaram a ilha.

Divisão entre os York e resposta Lencastre[editar | editar código-fonte]

A guerra estava longe de terminar. Lordes partidários dos Lencastre e o próprio rei deposto, Henrique, no exílio, mantinha viva a resistência contra os York. Eduardo IV apagou os focos de revolta e reinou com mão pesada. O poderoso Warwick influenciou os primeiros anos do reinado de Eduardo IV, mas os dois nobres divergiram após o casamento do rei, e a ruptura ocorreu em 1467. Eduardo também deu as costas para outros aliados, como seu irmão mais novo, George Plantageneta, duque de Clarence. Os dois nobres descontentes foram decisivos em 1469, quando mudaram de lado. Nesse ano Warwick, à frente de força militar, derrotou o exército do rei em Edgecote e o aprisionou. A manobra, no entanto, falhou e Warwick refugiou-se na França, onde se reconciliou com Margarida de Anjou, esposa de Henrique VI. Warwick voltou à Inglaterra em setembro de 1470, depôs Eduardo IV, que fugiu para os Países Baixos, e Henrique VI reassumiu o trono (o poder era efetivamente exercido, no entanto, por Ricardo Neville, agora conde de Warwick).

A volta de Eduardo IV ao trono e as consequências de sua morte[editar | editar código-fonte]

Eduardo V e o duque de York na Torre de Londres.
Ricardo III.

Pouco depois, Eduardo IV, agora apoiado pelo irmão, o já referido duque de Clarence, retornou à Inglaterra e venceu a batalha de Barnet (abril de 1471), na qual Warwick morreu. Eduardo recuperou o trono. Grande parte dos líderes lancastrianos remanescentes foi morta em Tewkesbury, em maio de 1471. Henrique foi novamente capturado e encerrado na Torre. Para evitar futuros aborrecimentos, Eduardo mandou matar o rei e seu filho.

Com isso, a Guerra sofreu uma parada brusca, até a morte de Eduardo IV, em 1483. Ele deixou dois filhos - o mais velho, de 12 anos. Eduardo V, o filho mais velho de Eduardo, e os seus apoiantes foram afastados pelo jovem tio do rei, Ricardo, Duque de Gloucester. Poucos meses depois o rei e o irmão foram levados para a Torre de Londres e desapareceram; os rumores diziam que haviam sido assassinados pelo tio, que herdou o trono com o título de Ricardo III.

A chegada dos Tudor[editar | editar código-fonte]

Henrique VII.
A Rosa de Tudor, criada após o término da guerra civil, unindo emblemas das duas casas.

Nesta altura a Casa de Lencastre apoiou as pretensões ao trono de Henrique Tudor, senhor de Richmond, mais tarde Henrique VII, que fugira ainda adolescente para a Bretanha. As disputas terminaram em 1485, quando Henrique desembarcou na Inglaterra com 5 mil homens e marchou para depor o rei. Os dois se encontraram em Bosworth. O exército dos York tinha 10 mil soldados, o dobro da armada adversária. Ricardo III foi morto no campo de batalha. Apesar da disparidade, Henrique Tudor venceu a celebre batalha de Bosworth Field e foi coroado como Henrique VII. Nos primeiros anos de seu reinado, Henrique VII eliminou todos os seus rivais. Com a intenção de unir as duas facções rivais e fortalecer sua posição, Henrique VII casou-se com a filha mais velha de Eduardo IV, Elizabeth de York (ou Isabel de York).

As guerras enfraqueceram o poder da nobreza e, após o convite ao trono de Lambert Simnel, em 1487, não houve sérias contestações à dinastia Tudor, criada por Henrique VII.

Figuras-chave[editar | editar código-fonte]

WarRosesFamilyTree.png

Cronologia[editar | editar código-fonte]

Antecedentes[editar | editar código-fonte]

Primeira fase[editar | editar código-fonte]

Batalha de Tewkesbury.
Batalha de Barnet.
  • 1455 -
    • Henrique VI recupera o controle do governo e expulsa Ricardo de York.
    • 22 de Maio - Primeira Batalha de St. Albans: Vitória do partido de York; Ricardo regressa à corte e é nomeado sucessor de Henrique VI, em prejuízo do Príncipe de Gales
    • Margarida recusa aceitar esta decisão e começa a recrutar exércitos
  • 1459 -
  • 1460 -
  • 1461 -
  • 1464 - Eduardo IV toma os últimos castelos fiéis a Henrique VI no Norte de Inglaterra, na sequência de duas rebeliões de lancastristas
  • 1468 - Eduardo IV toma a fortaleza de Harlech no País de Gales, depois de um cerco de sete anos; Warwick revolta-se contra Eduardo IV pela influência crescente dos Woodville
  • 146926 de Julho – Batalha de Edgecote Moor: Warwick derrota o exército de Eduardo IV
  • 1470
    • Eduardo de Westminster casa com Anne Neville, filha de Warwick, consolidando a aliança
    • Warwick invade Inglaterra e derrota Eduardo IV, que foge para a Borgonha
    • 30 de Outubro – Henrique VI é reposto no trono
    • 4 de Novembro – Nasce o futuro Eduardo V de Inglaterra, na Abadia de Westminster, onde a mãe se encontrava refugiada
  • 1471
    • Eduardo IV regressa a Inglaterra à frente de um exército borgonhês
    • 14 de AbrilBatalha de Barnet: Eduardo IV derrota o exército de Lencastre comandado por Warwick, que morre no confronto.
    • 4 de Maio – Batalha de Tewksbury: Eduardo IV derrota Margarida de Alfornelos e Eduardo de Westminster, que morre no confronto.
    • Maio – Margarida de Anjou é encarcerada na Torre de Londres, Henrique VI é assassinado, Eduardo IV regressa ao trono de Inglaterra
O Commons possui uma categoria contendo imagens e outros ficheiros sobre Guerra das Rosas

Segunda fase[editar | editar código-fonte]

  • 1483
    • 9 de Abril – Eduardo IV morre de repente e é sucedido por Eduardo V, de doze anos; a regência é atribuída a Ricardo, Duque de Gloucester, seu tio
    • 22 de Junho – Gloucester declara a sua intenção de ocupar o trono
    • 25 de Junho – O Parlamento reúne e declara Eduardo V e o seu irmão Ricardo de Shrewsbury, duque de Iorque ilegítimos; os meninos são levados para a Torre de Londres, desaparecendo da história
    • 6 de Julho – Gloucester é coroado Ricardo III de Inglaterra na Abadia de Westminster
    • A facção de Lencastre não o aceita e centra as esperanças em Henrique Stafford, Duque de Buckingham, que se revolta e é executado
  • 1484 - Henrique Tudor, Conde de Richmond torna-se no líder da oposição a Ricardo III e começa a recrutar um exército em Gales
  • 1485
    • 22 de Agosto – Batalha de Bosworth Field: Tudor vence o exército de Ricardo III, ajudado pela deserção de alguns nobres do lado de York
    • Tudor é coroado Henrique VII de Inglaterra. fim da Guerra das Rosas, início da dinastia de Tudor

Referências

  1. a b The War of the Roses (em inglês). History.com. Página visitada em 22 de dezembro de 2013.
  2. Michael D. Miller. Chapter 71: Yorkist Rule: 1471 - 1483 (em inglês). Warsoftheroses.co.uk. Página visitada em 21-12-2013.