Guerra de Nagorno-Karabakh

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Guerra de Nagorno-Karabakh
Karabakhwar01.jpg
Data 1988–1994
Local Nagorno-Karabakh, Arménia e Azerbaijão
Desfecho Vitória militar das forças arménias.

Tratado de cessar-fogo assinado em 1994 por representantes da Arménia, Azerbaijão e Nagorno-Karabakh (ainda em vigor).

Mudanças
territoriais
Nagorno-Karabakh tornou-se uma república independente de facto, enquanto permanece de jure parte do Azerbaijão. Conversações de paz são mantidas entre as duas nações para decidir o futuro do território em disputa.
Combatentes
Flag of Nagorno-Karabakh.svg República de Nagorno-Karabakh
Flag of Azerbaijan.svg República do Azerbaijão
Principais líderes
Flag of Nagorno-Karabakh.svg Samvel Babayan,
Flag of Nagorno-Karabakh.svg Monte Melkonian,
Flag of Armenia.svg Hemayag Haroyan,
Flag of Armenia.svg Vazgen Sargsyan,
Flag of Armenia.svg Arkady Ter-Tatevosyan,
Flag of Armenia.svg Anatoly Zinevich
Flag of Azerbaijan.svg İsgandar Hamidov,
Flag of Azerbaijan.svg Suret Huseynov,
Flag of Azerbaijan.svg Rahim Gaziev,
Flag of Jihad.svg Shamil Basayev[1]
Forças
20000 72000
Vítimas
5856 mortos,
25000 feridos
11000 mortos,[2]
30.000 feridos

A Guerra de Nagorno-Karabakh designa o conflito armado ocorrido entre Fevereiro de 1988 e Maio de 1994, no pequeno enclave étnico de Nagorno-Karabakh [3] no sudoeste do Azerbaijão, opondo a maioria étnica arménia residente em Nagorno-Karabakh apoiada pela República da Arménia à República do Azerbaijão. Com o decurso da guerra, a Arménia e o Azerbaijão, duas antigas repúblicas soviéticas, envolveram-se numa longa e não declarada guerra nos picos montanhosos de Karabakh, face à tentativa do Azerbaijão de dominar o movimento secessionista em Nagorno-Karabakh. O parlamento do enclave tinha votado favoravelmente à sua integração na Arménia e um referendo levado a cabo resultou numa larga maioria da população de Karabakh a manifestar-se a favor da independência do Azerbaijão. A ideia da unificação com a Arménia, que proliferou no final da década de 1980, começou de uma forma relativamente pacífica, contudo, à medida que a desintegração da União Soviética se aproximava, o conflito tornou-se gradualmente mais violento, resultando em acusações de limpeza étnica de parte a parte.[4] [5]

Os confrontos entre etnias estalaram pouco após o parlamento de Nagorno-Karabakh, na altura um oblast autónomo no Azerbaijão, votou favoravelmente à unificação da região com a Arménia a 20 de Fevereiro de 1988. A declaração de secessão do Azerbaijão foi o resultado final de um "longo ressentimento na comunidade arménia de Nagorno-Karabakh contra as sérias limitações à sua liberdade cultural e religiosa pelas autoridades centrais soviéticas e azeris",[6] mas mais importante, de um conflito pela posse do território.[7]

Juntamente com os movimentos secessionistas nas repúblicas bálticas da Estónia, Letónia e Lituânia, os movimentos secessionistas no Cáucaso caracterizaram e desempenharam um papel importante na dissolução da União Soviética. O Azerbaijão declarou-se independente da União Soviética e removeu os poderes detidos pelo governo do enclave, a maioria arménia votou pela independência face ao Azerbaijão, tendo no processo proclamado o enclave como a República de Nagorno-Karabakh.[8]

O conflito estalou definitivamente no final do Inverno de 1992. A mediação internacional tentada por diversos grupos como a OSCE não conseguiu terminar com o conflito gerando uma solução com que ambos os lados concordassem. Na Primavera de 1993, as forças arménias conquistaram regiões fora do enclave, ameaçando o envolvimento de outros países da região. No final da guerra, em 1994, os arménios controlavam totalmente o enclave, além de uma extensão que ainda controlam de cerca de 9% do território azeri fora do enclave.[9] Cerca de 400.000 arménios do Azerbaijão e 800.000 azeris da Arménia e de Karabakh foram deslocados devido ao conflito.[10] Um tratado de cessar-fogo foi assinado em Maio de 1994 e conversações de paz, mediadas pelo Grupo de Minsk da OSCE, têm sido mantidas desde então entre a Arménia e o Azerbaijão.

Antecedentes[editar | editar código-fonte]

O domínio territorial de Nagorno-Karabakh é ainda hoje disputado entre a Arménia e o Azerbaijão. Chamado Artsach pelos arménios, a sua história cobre vários séculos, durante os quais esteve sob controlo de diversos impérios, contudo, o debate foca-se sobretudo no período posterior ao fim da Primeira Guerra Mundial. Pouco após a capitulação do Império Otomano, o Império Russo colapsou em Novembro de 1917 passando para o controlo dos bolcheviques. As três nações do Cáucaso, Arménia, Azerbaijão e Geórgia, anteriormente sob controlo russo, declararam a sua independência formando a Federação Transcaucasiana que se dissolveu após três curtos meses de existência.[2]

Guerra Armeno-Azeri[editar | editar código-fonte]

Os confrontos entre a República Democrática da Arménia e a República Democrática do Azerbaijão estalaram de imediato, em três regiões específicas: Nakhichevan, Zangezur (hoje a província arménia de Siunique) e Karabakh. A Arménia e o Azerbaijão defendiam diferentes limitações fronteiriças nestas três províncias. Os arménios de Karabakh tentaram declarar a independência mas não conseguiram estabelecer contacto com a República da Arménia.[2] Após a derrota do Império Otomano na Primeira Guerra Mundial, tropas britânicas ocuparam a Transcaucásia em 1919, tendo o comando britânico nomeado provisoriamente Khosrov bey Sultanov (apontado pelo governo azeri) como governador-geral de Karabakh e Zangezur, enquanto se aguardava que a decisão final emanasse da Conferência de Paz de Paris.[11]

Integração na União Soviética[editar | editar código-fonte]

Nagorno Karabakh03.png

Dois meses depois, o 11º Exército da União Soviética invadiu o Cáucaso e três anos depois as repúblicas caucasianas formaram a RSFS Transcaucasiana da União Soviética. Os bolcheviques criaram depois um comité de sete membros, o Gabinete do Cáucaso (muitas vezes abreviado para Kavburo), que sob a supervisão do futuro líder da URSS Josef Stalin, o Commissário do Povo para as Nacionalidades (Narkomnats), teve como função tratar dos assuntos no Cáucaso.[12] Apesar de o comité ter votado favoravelmente 4-3 pela integração de Karabakh na recém-criada RSS da Arménia, os protestos levados a cabo pelos líderes azeris, incluindo o líder do Partido Comunista no Azerbaijão Nariman Narimanov, e uma rebelião anti-soviética ocorrida na capital arménia Erevan em 1921 azedaram as relações entre a Arménia e a Rússia. Estes fatores levaram o comité a rever a sua posição, atribuindo Karabakh ao Azerbaijão em 1921, tendo depois incorporado o Oblast Autónomo de Nagorno-Karabakh (NKAO) na RSS do Azerbaijão em 1923,[2] sendo 94% da população composta por arménios.[13] [14] A capital foi movida de Shusha para Khankendi, que foi depois renomeada para Stepanakert.

Os académicos arménios e azeris especulam que esta decisão resultou de a Rússia aplicar o princípio de "dividir para conquistar".[2] O que se pode observar, por exemplo, se se atender à estranha colocação do exclave de Nakhichevan, que é parte do Azerbaijão embora esteja deste separado pela Arménia. Outros têm argumentado que esta decisão foi um gesto de boa-vontade do governo soviético para manter "boas relações com a Turquia de Atatürk."[15] A Arménia sempre se recusou a reconhecer esta decisão e continuou a protestar a sua legalidade nas décadas seguintes enquanto parte do estado soviético.[7]

O ressurgimento da questão do Nagorno-Karabakh[editar | editar código-fonte]

Com a eleição de Mikhail Gorbachev como Secretário Geral do PCUS em 1985, começaram a ser implementadas reformas na União Soviética, conhecidas como perestroika e glasnost. A perestroika referia-se à reforma da economia da URSS, e a glasnost concedeu aos cidadãos da URSS uma maior liberdade de opinião, especialmente no sentido em que se podia pela primera vez criticar abertamente o sistema soviético e os seus líderes. Aproveitando esta abertura, os líderes do Soviete Regional de Karabakh votaram favoravelmente quanto à união desta região autónoma com a Arménia, a 20 de Fevereiro de 1988.[16] Os dirigentes arménios do óblast queixavam-se de a região não ter manuais escolares nem emissões de televisão em arménio,[17] e que o Secretário Geral do Partido Comunista do Azerbaijão Heidar Aliev tinha tentado realizar uma "azerização" da zona, incrementando o número e influência dos azeris que viviam no Nagorno-Karabakh, enquanto em simultâneo reduzia a o número de arménios (em 1987, Aliev resignaria do cargo).[18] Em 1988 a população arménia da zona estava reduzida e compunha apenas aproximadamente três-quartos da população total do Karabakh.[19]

Mikhail Gorbachev em 1987.

O movimento pela autonomia sempre foi liderado por figuras populares arménias e também por membros da "intelligentsia" soviética, como o conhecido dissidente e prémio Nobel da Paz Andrei Sakharov. Antes da declaração de 20 de Fevereiro, os arménios começaram a protestar organizando também greves de trabalhadores em Erevan exigindo a unificação com o enclave. Estes protestos foram contestados pelos azeris em termos similares em manifestações realizadas em Baku. Como reacção aos protestos, Gorbachev afirmou que as fronteiras entre as repúblicas soviéticas não seriam modificadas, de acordo com o disposto no artigo 78 da Constituição da URSS de 1977.[20] Gorbachev afirmou também que outras nacionalidades e povos do país estavam solicitando alterações territoriais, logo uma nova definição de fronteiras no Nagorno-Karabakh estabeleceria um precedente perigoso. Os arménios contemplaram a decisão 1921 do Kavburo com desdém, considerando por sua vez que os seus esforços pretendiam corrigir un erro histórico baseado no princípio da autodeterminação dos povos, um direito também consagrado na Constituição.[20] Os azeris, por seu lado, consideravam esta pretensão dos arménios como inaceitável, por ser a usurpação de uma parte importante da República e alinharam-se com a posição de Gorbachev.[21]

Sumgait[editar | editar código-fonte]

Conflitos étnicos estalaram prontamente entre arménios e azeris residentes em Karabakh. A 22 de Fevereiro de 1988 nas proximidades da vila de Askeran (em Nagorno-Karabakh, na estrada que liga Agdam a Stepanakert), um confronto entre membros destes grupos terminou em violentos incidentes que deixaram cerca de 50 arménios feridos. Durante os combates, um polícia local, supostamente arménio, alvejou mortalmente dois jovens azeris. Dias depois, a 27 do mesmo mês, enquanto falava na televisão central de Baku, o delegado do ministério público soviético Alexander Katusev mencionou a nacionalidade dos feridos.

Sumgait (Sumqayit) localiza-se a cerca de 30 quilómetros a noroeste da capital do Azerbaijão Baku, junto ao Mar Cáspio.

A confrontação de Askeran foi o prelúdio para os pogroms de Sumgait, onde os ânimos, já exaltados pelas notícias acerca da crise em Karabakh, se exaltaram ainda mais numa série de protestos iniciados a 27 de Fevereiro. Falando em comício, refugiados azeris da vila arménia de Ghapan acusaram os arménios de "assassínios e atrocidades incluindo o rapto de mulheres a quem cortaram os seios".[21] Posteriormente provou-se que estas alegações eram falsas e que muitos dos oradores eram afinal agentes provocadores.[22] Poucas horas depois da intervenção, iniciou-se um pogrom dirigido contra os residentes arménios na cidade de Sumgait, situada a 25 quilómetros a norte de Baku, onde residia uma comunidade estimada em 2000 refugiados azeris provenientes da Arménia.[23] O resultado do pogrom foi a morte de 32 pessoas, de acordo com as estatísticas soviéticas oficiais. Os arménios foram espancados, violados e assassinados nas ruas e apartamentos em que viviam durante três dias de violência que só terminaram quando as forças armadas da União Soviética entraram na cidade e sufocaram o pogrom a 1 de Março.[24]

A forma como os arménios foram assassinados provocou grande indignação aos seus compatriotas, que consideraram que o pogrom tinha sido avalizado pelas autoridades soviéticas, tendo em vista a intimidação dos membros do movimento de Nagorno-Karabakh. A violência tornou a aumentar depois dos acontecimentos de Sumgait, até que Gorbachev decidiu finalmente intervir enviando para a Arménia tropas do Ministério do Interior em Setembro de 1988. Em Outubro do ano seguinte, estimavam-se em mais de 100 as pessoas assassinadas desde que a ideia da unificação tinha nascido em Fevereiro de 1988.[25] Todos estes eventos foram esquecidos temporariamente, depois de um grande sismo, conhecido como Terremoto de Spitak, ter assolado as cidades de Leninakan (agora Gyumri) e Spitak a 7 de Dezembro de 1989, provocando a morte a mais de 25.000 pessoas.[26]

As tentativas de Gorbachev para estabilizar a região revelaram-se infrutíferas, já que se depararam com a intransigência de ambos os lados. Os arménios não se conformaram com a promessa do governo central de destinar 400 milhões de rublos para revitalizar a língua arménia, criando livros escolares e um canal de televisão para Karabakh, enquanto os azeris não estavam dispostos a ceder qualquer território à Armenia. Além do mais, os onze membros que compunham o recém-formado Comité de Karabakh (onde se contava o futuro presidente da Arménia Levon Ter-Petrosian) foram detidos por ordem do Kremlin durante o caos que seguiu a terramoto. Estas acções polarizaram as relações entre Moscovo e os arménios, visto estes últimos terem perdido a sua fé em Gorbachev, condenando-o ainda mais pelo seu mau manuseamento da ajuda às vítimas do terramoto e a sua postura de não comprometimento para com o Nagorno-Karabakh.[27]

Janeiro Negro[editar | editar código-fonte]

A crescente violência inter-étnica começou a fazer cada vez mais vítimas, o que obrigou a maioria da população azeri residente na Arménia a refugiar-se no seu país, ao mesmo tempo que os arménios residentes no Azerbeijão procediam ao movimento inverso.[7] A escalada do conflito estava tão fora de controlo que os o governo central de Moscovo tomou controlo directo da região em Janeiro de 1989, uma medida que foi recebida com agrado por muitos arménios.[2] No Verão desse ano, os líderes da Frente Popular do Azerbaijão e os seus apoiantes conseguiram que a RSS do Azerbaijão iniciasse um bloqueio aéreo e ferroviário contra a Arménia, o que estrangulou a economia do país, uma vez que 85% da carga e dos bens que chegavam ao país vinham por via férrea, além de isolar Nakichevan totalmente do resto da União Soviética.[7] A interrupção do serviço ferroviário à Arménia foi motivado em parte pelos ataques de militantes deste país contra trabalhadores azeris que entravam no seu território, tendo estes começado a recusar-se a cumprir estes serviços.[21]

Em Janeiro de 1990 ocorreu outro pogrom contra arménios em Baku, o que forçou o governo de Gorbachev a declarar o estado de emergência e a enviar as tropas do Ministério do Interior (Ministerstvo Vnutrennikh Del conhecido por MVD) para restabelecer a ordem. Foi estabelecido o toque a recolher (coisa nunca vista na URSS desde a Segunda Guerra Mundial) e ocorriam frequentemente combates violentos entre as forças soviéticas e membros da Frente Popular do Azerbaijão, estes incidentes deixaram como saldo mais de 120 azeris e 8 soldados do MVD mortos em Baku.[28] Contudo, durante este período o Partido Comunista do Azerbaijão tinha caído, sendo a ordem de envio das tropas do MVD mais para manter o partido no poder do que para proteger a população arménia do país.[29] Estes eventos, conhecidos como "Janeiro Negro" delinearam a relação futura entre o Azerbaijão e a Rússia.

Operação Anel[editar | editar código-fonte]

Na Primavera de 1991 o governo de Gorbachev levou a cabo um referendo em todo o país chamado Tratado da União, com o propósito de decidir se as repúblicas soviéticas se manteriam unidas. O que ocorreu devido ao facto de líderes não comunistas terem sido eleitos em algumas repúblicas soviéticas, destacando-se Boris Yeltsin na Rússia, Levon Ter-Petrosian na Arménia e Ayaz Mütallibov no Azerbaijão, ainda que Gorbachev se tenha mantido como Presidente da União Soviética. O Azerbaijão votou em cumprimento do tratado, enquanto que a Arménia e cinco outras repúblicas boicotaram o referendo, tendo a Arménia organizado o seu próprio referendo e declarado a sua independência da União Soviética a 21 de Setembro de 1991.[7]

Como os arménios e os azeris de Karabakh começaram uma escalada às armas (adquirindo armas armazenadas em depósitos em Karabakh) para auto-defesa, Mütallibov conseguiu o apoio de Gorbachev para realizar uma operação militar conjunta, contando com o Exército Vermelho e a milícia azeri, tendo como objectivo desarmar a milícia arménia. Esta medida, conhecida como "Operação Anel", deportou à força os arménios que habitavam nas vilas da região de Shahumian. Estes actos foram considerados tanto pelos oficiais soviéticos do Kremlin como pelo governo arménio como uma medida intimidatória contra as pretensões da unificação.[7]

Os resultados da operação foram contraproducentes ante o objectivo definido, já que a resistência inicial oferecida pelos arménios inspirou voluntários a sair da Arménia para o Nagorno-Karabakh e reforçou a querença arménia de que a única solução para o conflito era a utilização de forças armadas.[2] O guerrilheiro arménio-americano Monte Melkonian, que estivera envolvido nos grupos revolucionários da década de 1980 e seria depois considerado um dos mais importantes comandantes da guerra, defendeu que o Karabakh devia ser "libertado" e que, se tal não acontecesse, a zona de Siunique seria anexada pelo Azerbaijão, ao que se seguiria o resto da Arménia, concluindo que "a perda de Artsach poderia ser a perda de toda a Arménia".[30] Velayat Kuliev, um escritor e director-adjunto do Instituto de Literatura do Azerbaijão contradisse estas apreciações, afirmando que "ultimamente os nacionalistas arménios, incluindo algumas personalidades influentes, começaram a falar acerca da Grande Arménia. Não é apenas o Azerbaijão. Eles querem também anexar partes da Geórgia, do Irão e da Turquia".[31]

Compra de armamento[editar | editar código-fonte]

Quando a desintegração da União Soviética se tornou uma realidade para os cidadãos soviéticos no Outono de 1991, ambas as partes procuraram adquirir as armas localizadas em depósitos nas proximidades de Karabakh, tendo o Azerbaijão inicialmente vantagem. Durante a Guerra Fria a doutrina soviética para defender o Cáucaso tinha estabelecido planos em como a Arménia seria uma zona de combate em caso de uma eventual invasão da OTAN por intermédio da Turquia, membro da organização. Assim, na R.S.S. da Arménia estavam estabelecidas três divisões militares do Exército Vermelho e nenhum aeroporto militar, enquanto que na R.S.S. do Azerbaijão se contavam cinco divisões e cinco bases aéreas. Além disso, a Arménia apenas contava com 500 vagões ferroviários de munições, em comparação com os 10.000 existentes na zona azeri.[32]

Com a retirada das forças do MVD, foram deixados a ambos os lados vastos arsenais de munições e uma quantidade de veículos armados. As forças enviadas por Gorbachev três anos antes provinham de diferentes regiões da URSS e não tinham intenção de se manter na região mais tempo. A maioria das unidades era composta por jovens e pobres convocados pelo serviço militar obrigatório, muitos deles simplesmente venderam as suas armas a troco de dinheiro e inclusivamente por vodka a qualquer um dos lados, alguns chegaram a tentar vender tanques e Veículos blindados de transporte de pessoal (APCs). Pela existência de depósitos tão pobremente protegidos, que permitiram um acesso fácil a armas por parte de ambos os lados, foram culpadas e gozadas as políticas de Gorbachev, como as causadoras do conflito.[33] Os azeris adquiriram uma boa quantidade destes veículos, como informou o ministro azeri dos negócios estrangeiros em Novembro de 1993, quando afirmou que se se adquiriram 286 tanques, 842 veículos armados e 386 peças de artilharia aquando do vazio de poder.[34] Diversos mercados negros prosperaram, vendendo-se nestes também armamento proveniente do Ocidente.[34]

Provas posteriores demonstraram que o Azerbaijão contou com apoio militar substancial por parte do Irão, Israel e Turquia, além de numerosos países árabes.[30] A grande maioria do armamento era de fabrico russo ou de países do bloco oriental. Por outro lado, a diáspora arménia conseguiu doar uma quantidade significativa de dinheiro à Arménia, além de conseguir que o Congresso Federal dos Estados Unidos aprovasse em 1992 um projecto de lei intitulado Secção 907 do Freedom Support Act que condenava o bloqueio azeri à Arménia e proibia toda a ajuda militar ao Azerbaijão.[35] O Azerbaijão susteve inicialmente a teoria de que a Rússia apoiava militarmente a Arménia, mas afirmou-se que "os soldados azeris na região estavam muito melhor apetrechados com equipamento soviético que os seus opositores".[33]

Com a renúncia de Gorbachev à presidência da URSS em 26 de dezembro de 1991, as restantes repúblicas da União, incluindo a Bielorrússia, a Ucrânia e a Rússia declararam-se independentes, o que implicou a dissolução definitiva da União Soviética como estado a 31 de Dezembro de 1991. Com isto desapareceram as barreiras que evitavam que a Arménia e o Azerbaijão entrassem num conflito armado total. Um mês antes, a 21 de Novembro, o parlamento do Azerbaijão revogou o estatuto de oblast autónomo de Nagorno-Karabakh, rebaptizando a sua capital como "Xankandi". Em resposta, a 10 de Dezembro foi levado a cabo um referendo em Karabakh (com o boicote da comunidade azeri da zona), que teve como resultado uma esmagadora vitória do "sim" à independência. A 6 de Janeiro de 1992 a região declara-se independente do Azerbaijão.[7]

A retirada das forças do MVD de Nagorno-Karabakh da região do Cáucaso foi momentânea, já que em Fevereiro de 1992, os antigos estados soviéticos formaram a Comunidade de Estados Independentes (CEI). O Azerbaijão absteve-se de participar, mas a Arménia, temendo uma invasão turca com a escalada do conflito, ingressou na CEI que teria de a proteger devido ao acordo de segurança colectivo. As forças da CEI instalaram-se na zona e estabeleceram um quartel general em Stepanakert, adquirindo um papel mais activo na manutenção da paz, incorporando antigas unidades como o 366º Regimento de Espingardas Motorizado e o 4º Exército Soviético.[12]

A criação dos exércitos[editar | editar código-fonte]

O tanque T-72 restaurado de Gagik Avsharyan permanece como um memorial que comemora a captura de Shusha.

Os combates esporádicos entre arménios e azeris intensificaram-se depois da Operação Anel, conduzindo ao recrutamento de milhares de voluntários para formar exércitos improvisados do lado arménio e do lado azeri. Entre os arménios uma canção popular da época comparava e adorava os separatistas a guerrilheiros históricas da causa nacionalista como Andranik Ozanian e Garegin Njdeh, que combateram o Império Otomano no final do século XIX e no início do XX.[2] Além das conscrições governamentais para a população masculina entre os 18 e os 45 anos de idade, muitos arménios ofereceram-se como voluntários em unidades conhecidas como tchokats, destacamentos de cerca de 40 homens, os quais eram agrupados para ficar às ordens de um tenente coronel. Inicialmente, muitas desses homens escolhiam quando e onde servir e agiam de mote próprio, raramente sem cometer erros, quando atacavam ou defendiam terrenos.[30] A insubordinação directa era comum e muitos soldados simplesmente não apareciam, havendo saques dos pertenences dos soldados mortos e roubo de diversos bens, como o diesel dos veículos, para serem vendidos no mercado negro.[30] Muitas mulheres também se alistaram nas forças armadas arménias, mas a sua participação cingiu-se especialmente a papéis auxiliares como a prestação de primeiros socorros e a evacuação de feridos do campo de batalha.

As forças azeris tinham um funcionamento similar, contudo, a sua organização era melhor nos primeiros anos do conflito. O governo do Azerbaijão também realizou recrutamentos maciços e muitos azeris alistaram-se entusiasticamente nos primeros meses após o colapso soviético. O Exército Nacional do Azerbaijão era composto por cerca de 30.000 indivíduos, a que se juntavam 10.000 pertenecientes às forças paramilitares OMON e vários milhares de integrantes da Frente Popular do Azerbaijão. Suret Huseynov um azeri abastado, organizou pessonalmente uma brigada do exército do Azerbaijão (a 709ª), comprando muitas armas e veículos do arsenal da 23ª Divisião Motorizada soviética.[2] A brigada nacionalista turca bozkurt ou Lobos Cinzentos de İsgandar Hamidov também se mobilizou para a contenda. O governo do Azerbaijão também gastou muito dinheiro contratando os serviços de mercenários da zona, utilizando os recursos provenientes da exploração de petróleo dos campos do Mar Cáspio.[36]

Antigas tropas da União Soviética ofereceram-se os seus serviços a ambos os lados, por exemplo, um dos mais destacados oficiais a servir do lado arménio foi o antigo general soviético Anatoly Zinevich, que esteve em Nagorno-Karabakh entre 1992 e 1997, em tarefas de planeamento e implementação de operações de muitas operações das forças arménias. No final do conflito Zinevich detinha o cargo de Chefe do Estado Maior das Forças Armadas de Nagorno-Karabakh.[37]

Estima-se que o pessoal militar e os veículos militares que cada lado envolveu no conflito entre 1993 e 1994 foi:[38]

País Soldados Artilharia Tanques APCs AFVs Aviões de combate
República da Arménia 20.000 170 160 240 200 -
República de Nagorno-Karabakh 20.000 16 13 120 - -
República do Azerbaijão 42.000 330 280 360 480 170

Comparando globalmente, o número de homens eligíveis para o serviço militar na Arménia, na faixa etária dos 17–32, totalizava 550.000, enquanto que no Azerbaijão era de 1,3 milhões. A maioria dos homens de ambos os países tinha serivod no Exército Soviético e tinha alguma experiência militar antes do conflito. Entre os arménios de Karabakh, cerca de 60% tinha servido no Exército Vermelho.[38] A maioria dos azeris, contudo, era muitas vezes sujeita a discriminação durante o serviço militar sendo relegada para os batalhões de construção em vez de prestar serviço como tropas de combate.[39] Apesar de estarem estabelecidas duas academias de oficiais, incluindo uma escola naval no Azerbaijão, a falta de experiência militar foi um dos factores que marcou o Azerbaijão como não estando preparado para a guerra.[39]

Primavera de 1992[editar | editar código-fonte]

Khojaly[editar | editar código-fonte]

Oficialmente a recém-criada República da Arménia negou qualquer envolvimento com o movimento pela secessão do Nagorno-Karabakh, sob a forma de apoio logístico, comida, combustível ou outro. Contudo, Ter-Petrossian admitiu posteriormente o apoio logístico e o pagamento dos salários dos separatistas, mas negou o envio de tropas próprias para o combate. A Arménia enfrentava um bloqueio debilitante por parte da agora República do Azerbaijão além de pressões da vizinha Turquia, que decidiu alinhar do lado do Azerbaijão e estabelecer laços estreitos com este.[40] A única ligação terrestre da Arménia com o Karabakh era através do estreito e montanhoso corredor de Lachin que apenas podia ser alcançado de helicóptero. O único aeroporto da região situava-se na pequena vila de Khojaly, sete quilómetros a norte de Stepanakert e com uma população estimada de 6 a 10 mil pessoas. Acrescente-se ainda que, Khojaly servia como base de artilharia desde 23 de Fevereiro[21] e no final de Fevereiro, Khojaly estava bastante isolada, tendo as forças arménias desencadeado uma ofensiva a 26 de Fevereiro apoiada por carros de combate da 366ª unidade para capturar a localidade. De acordo com o lado azeri e outras fontes como a Human Rights Watch, a organização de direitos humanos sedeada em Moscovo Memorial e a biografia do líder arménio Monte Melkonian, documentada e publicada pelo seu irmão,[41] depois da captura de Khojaly procederam ao assassinato de várias centenas de civis que fugiam da cidade. As forças arménias tinham previamente afirmado que atacariam a cidade mas deixariam um corredor terrestre para permitir a fuga da população civil da cidade, todavia, quando o ataque começou, as tropas arménias, em maior número que as azeris, facilmente dominaram os defensores, que tentaram retirar juntamente com os civis para norte, para a cidade de Agdam, controlada pelo Azerbaijão. A pista do aeroporto fora intencionalmente destruída, tornando-a temporariamente inútil, após verem isto, as forças atacantes perseguiram os escapados e abriram fogo sobre eles, matando bastantes civis.[41] Enfrentando acusações de grupos internacionais de ter massacrado intencionalmente civis, os oficiais arménios negaram a ocorrência de tal massacre e declararam que o objectivo era apenas silenciar o fogo de artilharia vindo de Khojaly.[42] Uma contagem exacta do número de mortos nunca foi alcançada, mas as estimativas mais conservadoras apontam para 485[2] enquanto que a contagem oficial das autoridades azeris para o número de mortos durante os acontecimentos de 25 e 26 de Fevereiro aponta para 613 civis, dos quais 106 seriam mulheres e 83 crianças.[43] A 3 de Março de 1992, o Boston Globe reportou que mais de 1000 pessoas foram assassinadas nos mais de quatro anos de conflito, citando o autarca de Khojaly, Elmar Mamedov, em como existiram ainda 200 desaparecidos, 300 reféns e 200 feridos nos combates.[44] Um relatório publicado 1992 pela organização humanitária Helsinki Watch declarou que o seu inquérito apourou que os OMON azeris e membros "das milícias, ainda em uniforme e alguns ainda com as armas, estavam também junto dos civis massacrados" o que pode ter sido a razão para os disparos arménios sobre eles.[45]

A captura de Shusha[editar | editar código-fonte]

Na sequência do Massacre de Khojaly, o presidente azeri Ayaz Mutalibov foi forçado a resignar a 6 e Março de 1992, devido à pressão da opinião pública após o seu falhanço na protecção e evacuação da população de Khojaly. Nos meses seguintes à captura de Khojaly, os comandantes azeris que aguentavam o último bastião da região, a cidade de Shusha, começaram um bombardeamento de artilharia em grande escala com lança-rockets GRAD contra Stepanakert. Em Abril, estes ataques já tinham feito 50.000 refugiados em bunkers subterrâneos e caves.[33] Enfrentando incursões terrestres nas áreas limítrofes da cidade, os líderes militares de Nagorno-Karabakh organizaram uma ofensiva para tomar a cidade. A 8 de Maio uma força arménia composta por várias centenas de tropas acompanhadas por tanques e helicópteros atacou a cidadela de Shusha. Combates aguerridos ocorreram nas ruas da vila e algumas centenas de homens morreram de ambos os lados. Esmagado pela força de combate mais numerosa dos arménios, o comandante azeri em Shusha ordenou a retirada, tendo os combates terminado no dia seguinte ao início da ofensiva.[30]

A captura de Shusha teve grande impacto na vizinha Turquia, cujas relações com a Arménia tinham melhorado depois de estar ter declarado a independência da União Soviética, mas viram um novo retrocesso à medida que a Arménia foi conquistando território na região de Nagorno-Karabakh. O grande ressentimento para com a Turquia datava ainda de antes da era Soviética, e esta inimizade provinha em parte do genocídio Arménio.[27] Muitos arménios referiam-se aos azeris como "turcos" por considerarem-nos de etnias próximas. O primeiro-ministro turco, Suleyman Demirel, afirmou ter sido intensamente pressionado pelo seu povo para fazer a Turquia intervir e ajudar o Azerbaijão, contudo, Demirel opôs-se a tal intervenção, referindo que a entrada da Turquia na guerra iria espoletar um conflito ainda maior entre muçulmanos e cristãos, visto a Turquia ter uma larga maioria muçulmana.[46] A Turquia nunca enviou tropas para o Azerbijão, mas enviou conselheiros e uma quantidade importante de ajuda militar. Em Maio de 1992 o comandante militar das forças da CEI, Marechal Yevgeny Shaposhnikov, emitiu um aviso aos países ocidentais, especialmente aos Estados Unidos, para não interferirem no conflito do Cáucaso; afirmando que isso iria "colocar-nos [a Comunidade] à beira de uma Terceira Guerra Mundial e isso não pode ser permitido."[7]

Um contigente checheno, liderado por Shamil Basayev, foi uma das unidades a participar no conflito. De acordo com o Coronel Azer Rustamov do Azerbaijão, em 1992, "centenas de voluntários chechenos deram-nos uma ajuda difícil de avaliar nestas batalhas lideradas por Shamil Basayev e Salman Raduev". Disse-se que Basayev foi um dos últimos guerreiros a abandonar Shusha. Basayev confirmou posteriormente que, durante a sua carreira, ele e o seu batalhão só tinham sido derrotados uma vez e que a derrota ocorreu em Karabakh em confrontos com o "batalhão Dashnak", afirmando também que tirou os seus mujahidin do conflito quando a guerra parecia ser mais por nacionalismo que por religião.

Selando Lachin[editar | editar código-fonte]

A captura de Lachin permitiu à Arménia o envio de comboios de abastecimento para ajudar os separatistas de Karabakh, ao mesmo tempo que abriu um caminho de fuga para os refugiados arménios evacuarem. O parlamento azeri culpou Mamedov pela perda de Shusha, removendo-o do poder e ilibando Mutalibov de qualquer responsibilidade após a perda de Khojaly; restituindo-lhe os poderes de Presidente a 15 de Maio de 1992. Muitos azeris encararam esta acção como um golpe, a que se juntou o cancelamento das eleições para o parlamento marcadas para Junho desse ano. O parlamento do Azerbaijão na altura era composto por antigos líderes do país durante o regime comunista e as perdas de Khojaly e Shusha only aumentaram a sua vontade de proceder ao escrutínio.[7]

Contribuindo para este tumulto, as forças arménias olançaram uma ofensiva a 18 de Maio para capturarem a cidade de Lachin, situada no estreito corredor que separa a Arménia de Nagorno-Karabakh. A cidade estava mal protegida e no dia seguinte os arménios tomaram controlo da localidade eliminando os azeris restantes, para abrir a estrada que ligava a região à Arménia.[47]

A perda de Lachin foi o golpe final no regime de Mutalibov. Apesar de estarem proibidas, ocorreram manifestações e um golpe armado foi tentado pelos activistas da Frente Popular. Os confrontos entre as forças governamentais e os apoiantes escalaram com a ocupação do parlamento, o aeroporto de Baku e o gabinete presidencial pela oposição. A 16 de Junho de 1992, Abülfaz Elçibay foi eleito líder do Azerbaijão, ao mesmo tempo, vários líderes políticos da Frente Popular do Azerbaijão conquistaram lugares no parlamento. Os instigadores caracterizaram Mutalibov como um líder fraco e pouco dedicado à guerra em Karabakh. Elchibey era completamente contra a aceitação de ajuda dos russos, favorecendo um estreitar de laços com a Turquia.[48]

Escalada do conflito[editar | editar código-fonte]

Operação Goranboy[editar | editar código-fonte]

A 12 de Junho de 1992, os militares azeris, juntamente com a brigada de Huseynove, juntaram uma grande quantidade de tanques, APCs e helicópteros lançando a Operação Goranboy, uma grande ofensiva de três dias sobre a região, relativamente desprotegida, de Shahumyan, no norte de Nagorno-Karabakh, tendo conseguido recuperar algumas dúzias de localidades anteriormente sob controlo das forças arménias. Uma outra razão para as rápidas conquistas foi o facto de serem muitos os voluntários arménios entre os elementos que compunham os batalhões, tendo entretanto aproveitado a captura de Lachin para abandonar as linhas e tornar ao seu país.[2] A ofensiva instigou o governo da Arménia a ameaçar abertamente o Azerbaijão em como iria intervir e ajudar os separatistas que lutavam em Karabakh.[49]

A ofensiva fez as tropas arménias retirarem para sul em direcção a Stepanakert onde os comandantes de Karabakh planeavam destruir uma barragem hidroeléctrica na região de Martakert caso a ofensiva não fosse parada. Estimam-se em 30.000 os refugiados arménios que foram forçados a fugir para a capital enquanto os atacantes recuperavam aproximadamente metade de Nagorno-Karabakh. Contudo, o avanço dos azeris estacou quando foram rechaçados por helicópteros de combate.[2] Foi afiançado que muitos dos membros do exército azeri que tinham lançado a ofensiva eram russos do 104ª Divisão das forças Aerotransportadas (VDV, Vozdushno-Desantnye Vojska) sediadas fora de Ganja e que, ironicamente, as forças que os pararam também eram unidades da mesma divisão. De acordo com uma fonte oficial do governo arménio, conseguiram persuadir unidades militares russas a efectuar bombardeamentos, acabando por parar o avanço em poucos dias. Com isto, os arménios restabeleceram-se das baixas e organizaram uma contra-ofensiva para repor as fronteiras anteriores.[2]

Tentativas de mediação de paz[editar | editar código-fonte]

No Verão de 1992, a CSCE (posteriormente denominada Organização para a Segurança e Cooperação na Europa, OSCE), criou o Grupo de Minsk em Helsínquia que incorporava elementos de onze nações, sendo co-presidido pela França, a Rússia e os Estados Unidos e tendo como propósito mediar o estabelecimento de um acordo de paz entre as partes em conflito. Contudo, no seu encontro anual de 1992, a organização não conseguiu abordar e resolver os muitos novos problemas aparecidos desde o colapso da União Soviética, menos ainda o conflito de Karabakh. A guerra na Jugoslávia, a guerra da Moldávia com a república de Transnístria, a crescente ambição da independência da Rússia pelos separatistas chechenos, as novas disputas da Geórgia com a Rússia pela Abecásia e a Ossétia constituíam prioridades na agenda por envolverem disputas étnicas.[50]

A CSCE propôs o recurso a tropas de manutenção da paz da OTAN e da CEI para monitorizar a aplicação dos acordos de cessar-fogo e proteger os carregamentos de ajuda humanitária enviados aos refugiados. Diversos acordos de paz foram postos em prática após a ofensiva de Junho, mas a colocação de uma força de paz europeia, apoiada pela Arménia, nunca chegou a acontecer. A ideia de enviar cem observadores internacionais a Karabakh chegou a ser levantada, mas as conversações entre os líderes arménios e azeris romperam-se completamente em Julho. A Rússia estava especialmente contra a presença de uma força multinacional da OTAN no Cáucaso, vendo-a como uma penetração no seu "quintal das traseiras".[7]

Regresso aos combates[editar | editar código-fonte]

No final de Junho uma nova, e menor, ofensiva azeri foi planeada, desta vez tendo como alvo a cidade de Martuni na metade sudeste de Karabakh. A força de ataque era composta por várias dúzias de tanques e veículos de combate complementadas por diversas companhias de infantaria integradas nas frentes de Majgalashen e Jardar, próximas de Martuni e Krasnyi Bazar. O comandante do regimento de Martuni, Monte Melkonian, tratado por "Avo" pelos seus homens, embora desprovido de equipamento pesado, conseguiu afastar as repetidas investidas das forças azeris.[30] No final de Agosto de 1992, o governo de Nagorno-Karabakh encontrava-se desorganizado tendo os seus membros resignado a 17 de Agosto. O poder foi subsequentemente assumido por um concelho denominado Comité de Defesa do Estado, presidido por Robert Kocharyan, que iria governar temporariamente o enclave até que o conflito terminasse.[2] Ao mesmo tempo, o Azerbaijão também lançou ataques aéreos, bombardeando alvos civis com frequência. Kocharyan condenou aquilo que acreditava serem tentativas intencionais dos azeris para matar civis, e também a alegada passividade da Rússia e a sua atitude despreocupada quanto à venda e transferência do seu material de guerra para o Azerbaijão [51]

Abrandamento de Inverno[editar | editar código-fonte]

Ao aproximar-se o Inverno de 1992, ambos os lados se abstiveram de lançar ofensivas em larga escala, para pouparem recursos, como gás e electricidade, para uso doméstico. Apesar da abertura de uma passagem para os residentes em Karabakh, quer a Arménia quer os residentes no enclave sofreram com os bloqueios económicos impostos pelo Azerbaijão, que, apesar de não ter fechado completamente a passagem, acabou por fazer com que a ajuda enviada através da Turquia chegasse esporadicamente.[7]

Vivenciando escassez de energia e alimentos, após o fecho da central nuclear de Metsamor, as perspectivas económicas da Arménia eram sombrias: na Geórgia, novas confrontações com os separatistas da Abecásia e da Ossétia começaram, tendo estes passado a atacar os comboios de mercadorias e destruído repetidas vezes o único oleoduto que ligava a Rússia à Arménia. À semelhança do Inverno de 1991-1992, também o de 1992-1993 foi especialmente frio, havendo bastantes famílias na Arménia e Karabakh sem aquecimento e água quente.[52]

Outros bens, como cereais eram mais difíceis de encontrar. A diáspora arménia angariou dinheiro e doou mantimentos para a Arménia. Em Dezembro, dois carregamentos de 33000 toneladas de cereais e 150 toneladas de leite para bebés chegaram dos Estados Unidos através do Mar Negro, ao porto de Batumi, na Geórgia.[52] Em Fevereiro de 1993, a Comunidade Europeia enviou 4,5 milhões de ECUs para a Arménia,[52] enquanto que o vizinho Irão também auxiliou a Arménia economicamente fornecendo energia e electricidade. A postura de Elchibey contra o Irão e as suas declarações quanto à unificação com a minoria azeri no Irão romperam as relações entre os países.

Os azeris deslocados internamente e os refugiados internacionais foram forçados a viver em campos provisórios criados pelos governos do Azerbaijão e do Irão. A Cruz Vermelha também distribuiu mantas aos azeris e notou que em Dezembro, os refugiados já tinham disponível comida suficiente para a sua alimentação.[53] O Azerbaijão também lurou para reabilitar a sua indústria petroquímica, a principal exportação do país. As suas refinarias não estavam a funcionar à capacidade máxima e as quotas de produção ficaram aquém das estimativas. Em 1965, os campos de petróleo de Baku produziam 21,5 milhões de toneladas de petróleo anualmente, enquanto que 1988 o número estava reduzido a quase 3,3 milhões. O equipamento desactualizado das refinarias soviéticas e a relutância das companhias petrolíferas em investir numa zona de guerra em que os oleodutos eram destruídos rotineiramente impediram o Azerbiajão de explorar ao máximo esta sua riqueza.[7]

Verão de 1993[editar | editar código-fonte]

Conflitos internos[editar | editar código-fonte]

Apesar do Inverno duro que ambos os países viveram, o ano novo foi acolhido com entusiasmo por ambos os lados. O presidente Elchibey expressou optimismo tendo em vista uma solução por mútuo acordo com o seu homólogo Ter-Petrossian, mas ainda em Janeiro de 1993 os vislumbres desta esperança esfumaram-se por completo, apesar dos apelos a um novo cessar-fogo feitos Boris Yeltsin e George H. W. Bush, assim que as hostilidades na região se reacenderam.[54] As forças arménias começaram um novo conjunto de ofensivas que conseguiram recuperar povoações no norte de Karabakh detidas pelos azeris desde o Outono anterior.

A frustração por estas derrotas militares saiu cara à frente doméstica no Azerbaijão, com os militares a ficarem mais desesperados e o ministro da defesa Gaziev e a brigada de Huseynov a pedirem ajuda russa, uma medida que ia contra as políticas de Elchibey classificável como insubordinação. Os confrontos e discussões políticas entre o ministro do interior, İsgandar Hamidov, e Gaziev sobre qual a zona para onde deviam ser enviadas as forças militares levaram à resignação deste último a 20 de Fevereiro. Também na Arménia aconteceu uma reorganização política, quando Ter-Petrossian demitiu o primeiro-ministro, Khosrov Arutyunyan e o seu governo por terem falhado na implementação de um plano económico viável para o país, o que gerou protestos entre os arménios contra a liderança de Ter-Petrossian que foram suprimidos e silenciados.[55]

Kelbajar[editar | editar código-fonte]

Na zona oeste do norte do Karabakh, mas fora das fronteiras da região, estava o rayon de Kelbajar que era adjacente à Arménia. Com uma população de aproximadamente 45 mil pessoas, compostas por azeris e curdos vivendo em algumas dezenas de aldeias. Em Março de 1993, houve notícias de que as áreas sob domínio arménio junto do reservatório de Sarsang em Mardakert estavam a ser atacadas por azeris. Depois de terem defendido com sucesso a região de Martuni, as tropas de Melkonian foram incubidas de dominar a região de Kelbajar, de onde as incursões e a artilharia tinham sido enviadas segundo as informações disponíveis.[30]

A ofensiva provocou um rancor internacional contra o governo arménio, o que marcou esta primeira movimentação das tropas arménias fora das fronteiras do enclave para o interior do território do Azerbaijão. A 30 de Abril, o Conselho de Segurança das Nações Unidas (CSNU) aprovou a Resolução 822, proposta pela Turquia e pelo Paquistão, afirmando que o Nargorno-Karabakh era parte integrante do território azeri, devendo as forças arménias retirarem-se de Kelbajar.[56]

As repercussões políticas também foram sentidas no Azerbaijão quando Huseynov embarcou na sua "marcha a Baku" de Ganje. Frustrado com Elchibey, que considerava incompetente na forma como estava a lidar com o conflito, e despromovido da patente de coronel, a sua brigada avançou até Baku para destituir o presidente no início de Junho. Elchibey demitiu-se do cargo a 18 de Junho e o poder foi assumido pelo então membro do parlamento Heydar Aliyev. A 1 de Julho, Huseynov foi nomeado primeiro-ministro do Azerbaijão.[57]

Agdam, Fizuli, Jebrail e Zangelan caem[editar | editar código-fonte]

Com o povo azeri ainda a costumar-se à sua nova liderança política, muitos arménios tentavam lidar com a morte de Melkonian, que fora morto a 12 de Junho numa escaramuça perto de Merzuli, com o acontecimento a ser lamentado publicamente a nível nacional em Erevan. As forças arménias exploraram a crise política em Baku, que deixara a frente de Karabakh quase desprotegida,[2] nos quatro meses seguintes, período de instabilidade política no Azerbaijão, foram perdidos cinco distritos, bem como o controlo do norte do Nagorno-Karabakh.[2] As forças armadas arménias foram incapazes de estabelecer uma resistência forte contra o avanço arménio e deixaram a maioria das áreas sem confrontos sérios.[2] No final de Junho, os azeris foram expulsos de Martakert, perdendo o último território dentro do enclave, enquanto que em Julho, as forças arménias se preparavam para atacar e capturar a região de Agdam, um rayon fronteiro, afirmando que pretendiam reforçar uma zona de segurança que mantivesse a artelharia azeri fora de alcance.[58]

A 4 de Julho, os arménios começarm um bombardeamento de artilharia contra Agdam, destruindo várias partes da capital da região, pelo que soldados e civis começaram a evacuar a localidade. Enfrentando o colapso militar, Aliev tentou alcançar um acordo com o governo de facto do Karabakh e com o grupo de Minsk. A meio de Agosto, os arménios Armenians juntaram uma força que conquistou as regiões azeris de Fizuli e Jabrayil, a sul do enclave.

Devido ao avanço dos arménios no Azerbaijão, o primeiro-ministro turco, Tansu Çiller, avisou o governo arménio de que não devia atacar Nakhichevan e exigiu a retirada destes do território azeri. No início de Setembro milhares de tropas turcas foram enviadas para a fronteira com a Arménia, com as forças da Federação Russa na Arménia a contrariarem os seus movimentos, e assim afastando a possibilidade de a Turquia poder vir a tomar um papel militar no conflito.[59]

No início de Setembro, as forças azeris estavam em completo desalinho, com muitas as armas pesadas que tinham recebido e comprado aos russos inoperacionais ou abandonadas durante as batalhas, e com a captura pelos arménios de dezenas de tanques e armamento ligeiro, desde a ofensiva de Junho de 1992.[60] Outros sinais do desespero do Azerbaijão incluem o recrutamento de 1000 a 1500 afegãos e mujahidin árabes do Afeganistão, por Aliev. O governo do Azerbaijão negou esta afirmação, mas correspondência e fotografias das tropes arménias indicam o contrário.[7] As tentativas dos azeris para recrutar tropas entre as suas minorias lezgin e talysh encontraram forte resistência. Outras fontes externas de ajuda chegaram do Paquistão e da Chechénia, incluindo o guerrilheiro Shamil Basayev.[61] A MEGA OIL, uma companhia petrolífera sedeada nos EUA contratou vários formadores militares estado-unidenses como pré-requisito para adquirir os direitos de exploração dos campos de petróleo do Azerbaijão.[36]

Confrontos de 1993–1994[editar | editar código-fonte]

Fronteiras finais do conflito após a assinatura do cessar-fogo de 1994. As forças arménias do Nagorno-Karabakh controlam presentemente quase 9% do território azeri fora do previamente designado Oblast Autónomo do Nagorno-Karabakh.[2] [10] Por outro lado, as forças azeris, controlam Shahumian e a parte leste de Martakert e Martuni.

Em Outubro de 1993, Aliev foi formalmente eleito presidente e prometeu trazer ordem social ao país além da reconquista das regiões perdidas, ainda no mesmo mês o Azerbaijão aderiu à CEI. O Inverno deste ano foi semelhante ao ano anterior, com ambos os lados a procurarem mantimentos e lenha com meses de antecedência. As resoluções 874 e 884 do CSNU foram aprovadas em Outubro e Novembro voltando a incidir nos mesmos pontos das duas anteriores, e reconhecendo o Nagorno-Karabakh como uma parte no conflito.[56]

No início de Janeiro, as forças azeris e as guerrilhas afegãs recapturaram parte do distrito de Fizuli, incluindo a junção ferroviária de Horadiz na fronteira com o Irão, mas não conseguiram reconquistar a localidade de Fizuli.[62] A 10 de Janeiro de 1994, os azeris atacaram a região de Mardakert numa tentativa de reconquistar a zona norte do enclave. Esta ofensiva conseguiu avançar e recuperar diversas partes do Karabakh a norte e a sul mas foi travada rapidamente. A República da Arménia começou a enviar tropas de conscrições, do exército regular e do Ministério do Interior para parar a progressão azeri no Karabakh.[63] Para reforçar as fileiras do seu exército, o governo arménio emitiu um decreto convocando homens até aos 45 anos de idade por três meses, e recorreu a acções de busca para alistar recrutas. Vários soldados do exército arménio no activo foram capturados pelas forças do Azerbaijão.[63]

As ofensivas azeris tornaram-se cada vez mais desesperadas, com jovens de 16 anos e praticamente sem treino foram recrutados e tomaram parte em ineficazes ondas humanas, uma táctica aplicada pelo Irão durante a Guerra Irão-Iraque. Duas ofensivas deste tipo ocorreram no Inverno causando a morte a 5000 azeris, além de algumas centenas de arménios.[7] A principal ofensiva azeri procurava recapturar o distrito de Khelbajar, para ameaçar o corredor de Lachin, tendo conseguido vencer a pouca resistência inicial e capturar o passo de Omar, mas quando as forças arménias reagiram os azeris foram copiosamente derrotados, naqueles que foram os combates mais sangrentos de toda a guerra. Várias brigadas azeris ficaram isoladas quando os arménios reconquistaram o passo de Omar, tendo sido depois cercadas e abatidas.

A base política no Azerbaijão alterou-se diversas vezes, com vários soldados arménios no Karabakh a relatarem que os azeris estavam desmoralizados, não tendo claras as razões da guerra e não estando empenhados em travá-la.[64] O professor russo Georgiy I. Mirsky também apoia este ponto de vista, afirmando que "o Karabakh não interessa tanto aos azeris quanto aos arménios. Provavelmente, é por isso que os jovens voluntários da Arménia têm muito mais vontade de lutar e morrer pelo Karabakh do que os do Azerbaijão."[65] Esta realidade foi descrita por um jornalista que notou que "Em Stepanakert, é impossível encontrar um homem capaz – seja voluntário da Arménia ou residente local - sem uniforme. [Enquanto que] no Azerbaijão, homens com idade para serem recrutados frequentam cafés."[66] Andrei Sakharov também concordava com esta visão, proferindo a famosa declaração "Para o Azerbaijão o assunto do Karabakh é uma questão de ambição, para os arménios do Karabakh, é uma questão de vida ou morte."[67]

Cessar-fogo de 1994[editar | editar código-fonte]

Seis anos passados desde o início dos combates, ambos os lados estavam preparados para um cessar-fogo, e as vias diplomáticas intensificaram a sua acção no mês de Maio..[7] O Azerbaijão, tinha esgotado praticamente todo o seu poderio e confiava que um cessar-fogo fosse posto em discussão, fosse pela CSCE ou pela Rússia, uma vez que os comandantes arménios asseveravam ter o caminho desimpedido até Baku. As batalhas finais do conflito ocorreram próximo de Shahumyan, e consistiram numa série de breves lutas em Gulistan.

A 16 de Maio, os líderes da Arménia, Azerbaijão, Nagorno-Karabakh e Rússia encontraram-se em Moscovo para assinarem uma trégua, que iria efectivamente resultar numa interrupção das hostilidades. No Azerbaijão, muitos saudaram o fim dos combates, enquanto outros sentiam que o contingente de tropas de manutenção da paz a permanecer temporariamente na área não devia ser de origem russa. Confrontos esporádicos continuaram em algumas partes da região, mas ambos os lados se afirmaram comprometidos em honrar o cessar-fogo.[68]

Violência e mediação pós-cessar-fogo[editar | editar código-fonte]

Soldados do 8º regimento do Nagorno-Karabakh içam-se para for a de uma trincheira durante exercícios na frente de Agdam, localizada no leste de Agdam.
Memorial de um tanque T-72 situado próximo de Askeran.

Actualmente, o conflito de Nagorno-Karabakh é um dos vários conflitos originados após o colapso da União Soviética e actualmente interrompidos, juntamente com as regiões separatistas da Geórgia, a Abecásia e a Ossétia do Sul, e dos problemas entre a Moldávia e a Transnístria. O Karabakh permanece sob jurisdição do governo da não reconhecida, mas independente de facto, República do Nagorno-Karabakh, e mantém o seu próprio exército, o Exército de Defesa do Nagorno-Karabakh.[69]

Contrariamente aos relatos da comunicação social, que permanentemente mencionava as religiões de ambos os povos, os aspectos religiosos nunca tiveram significado, nem como casus belli adicional, e permaneceu primariamente uma disputa de território e direitos humanos dos arménios no Karabakh.[70] Desde 1995 que os elementos do Grupo de Minsk têm vindo a mediar as discussões entre os governos da Arménia e do Azerbaijão para se chegar a numa nova solução. Numerosas propostas têm sido feitas, tendo como base a existência de cedências de ambos os lados. Uma das propostas estipulava que as forças arménias retirassem das sete regiões que rodeiam o Karabakh, com o Azerbaijão a partilhar alguns das suas mais-valias económicas, incluindo os lucros de um oleoduto a ligar Baku à Turquia através da Arménia.[71] Outras propostas também referem a concessão de maior autonomia pelo Azerbaijão ao enclave, já muito próxima da independência. A Arménia tem sido alvo de pressão, ao ser excluída dos grandes projectos económicos em curso na região, incluindo o Oleoduto Baku-Tbilisi-Ceyhan[71] e a ferrovia Kars-Tbilisi-Baku.

A maioria das propostas de autonomia tem sido rejeitada pelos próprios arménios, que consideram que este elemento não é negociável. Da mesma forma, os azeris têm-se recusado a deixar o assunto passar e regularmente ameaçam com o retomar das hostilidades.[72] A 30 de Março de 1998, Robert Kocharyan foi eleito presidente e continuou a rejeitar os pedidos para se acordar um fim para o conflito. Em 2001, Kocharyan e Aliev encontraram-se em Key West, na Flórida, para discutir os problemas em questão e, apesar de vários diplomatas ocidentais exprimirem optimismo, a oposição crescente em ambos os países contra a cedência de concessões ao oponente diluiu as esperanças de uma resolução pacífica.[73]

No total o conflito gerou quase um milhão de refugiados, com 400.000 arménios habitantes do Azerbaijão a deslocarem-se para a Arménia ou Rússia, e outros 30.000 a chegarem do Karabakh.[74] Muitos dos que deixaram o Karabakh regressaram após o fim da guerra.[75] Estimam-se em 800.000 os azeris deslocados devido aos combates, incluindo os oriundos da Arménia e do enclave.[10] Vários outros grupos étnicos vivendo no Karabakh foram também forçados a habitar em campos de refugiados construídos pelos governos azeri e iraniano.[76] Apesar de se afirmar frequentemente que os arménios controlam 20% ou até 40% do território azeri, os números estimados, contabilizando o exclave de Nakhichevan, variam entre 13.62% e 14% (reduzindo-se a 9% se o Nagorno-Karabakh for excluído).[2] [47]

É ainda atribuído ao rancor da guerra o assassínio a golpes de machado do militar arménio Gurgen Markaryan, em Fevereiro de 2004, pelo azeri Ramil Safarov, num seminário de treino da NATO em Budapeste, capital da Hungria.[77] A inimizade azeri contra tudo o que seja conotado com a Arménia levou à destruição de milhares de pedras funerárias medievais, conhecidas como khatchkars, em cemitérios de Julfa, Nakhichevan. Esta destruição foi temporariamente travada quando descoberta, em 1998, mas prosseguiu até à destruição total em 2005.[78] O Azerbaijão tem comparado o controlo arménio da região à ocupação nazi da União Soviética durante a Segunda Guerra Mundial.[2]

Actualidade[editar | editar código-fonte]

Refugiados azeris de Nagorno-Karabakh.

No início de 2008, as tensões entre a Arménia, a República do Nagorno-Karabakh e o Azerbaijão deterioraram-se ainda mais. Na frente diplomática, o presidente Ilham Aliyev voltou a repetir declarações belicosas, em como o Azerbaijão iria recorrer à força, se necessário, para voltar a controlar o território;[79] coincidentemente, os tiroteios ao longo da linha de fronteira aumentaram. A violação mais flagrante do cessar-fogo ocorreu no dia seguinte às declarações de Aliyev, com dezasseis soldados a serem mortos e ambos os lados a acusarem-se mutuamente de terem iniciado os combates.[80] Adicionalmente, o uso de artilharia nos confrontos mais recentes marca um aumentar da violência, que até então envolvia apenas tiros de snipers ou rajadas de metralhadora.[81]

Em 2008, o Moscow Defense Brief opinou que devido ao aumentar das despesas militares do Azerbaijão,  – que se tem reflectido num forte rearmamento das forças armadas azeris  – o balanço militar aparenta estar a mudar em favor do Azerbaijão. "… A tendência global está claramente a favor do Azerbaijão, e parece que a Arménia não sera capaz de sustentar uma corrida ao armamento com a economia alimentada a petróleo do Azerbaijão. Isto pode levar à desestabilização do conflito latente entre estes dois estados," escreveu-se no jornal.[82]

Guerra aérea[editar | editar código-fonte]

A guerra aérea no Karabakh envolveu sobretudo caças e helicópteros de ataque. Durante a guerra ambos os lados usaram os helicópteros de transporte Mi-8 e o seu semelhante Mi-17. A força aérea activa da Arménia era composta por apenas dois Su-25 bombardeiros de apoio terrestre, um dos quais foi abatido por fogo amigo, estavam ainda na posse de alguns Su-22 e Su-17s, contudo, estes aviões envelhecidos tiveram um papel secundário durante o decorrer da guerra.[83]

A força aérea do Azerbaijão era composta por 45 aviões de combate, que eram frequentemente pilotados por mercenários experientes vindos da Rússia e da Ucrânia, formados no exército da União Soviética. Estes voavam sobre o Karabakh com jactos sofisticados como o Mig-25 e o Sukhoi Su-24, além de caças-bombardeiros mais antigos como o Mig-21, bombardeando Stepanakert deslocando do Azerbaijão, tendo sido pagos salários mensais de 5.000 rublo soviético.[83]

Estes pilotos, à semelhança do que acontecera com os homens do ministério do interior soviético no início do conflito, também eram pobres que aceitaram o trabalho para sustentar as suas famílias, mas estavam sujeitos a ser executados pelos arménios se abatidos. Vários foram alvejados pelas forces arménias ao sobrevoarem a cidade e, de acordo com um dos comandantes dos pilotos, com ajuda dos russos. A construção do sistema de defesa diminuiu a capacidade dos azeris de levarem a cabo mais ataques aéreos.[83] O helicóptero de ataque mais usado por ambos os lados foi o Mil Mi-24 Krokodil de fabrico soviético.[84]

Má conduta[editar | editar código-fonte]

Por terem emergido do colapso da URSS e cedo terem iniciado os combates, apenas a meio de 1993 a Arménia e o Azerbaijão se tornaram signatários de acordos importantes do direito internacional, como a Convenção de Genebra. Os três governos envolvidos, incluindo o de Nagorno-Karabakh, acusavam-se regularmente de cometerem atrocidades, o que por vezes se conseguiu confirmar por meio de outras fontes, como organizações de direitos humanos ou meios de comunicação social independentes. O massacre de Khojaly, por exemplo, foi confirmado pela Human Rights Watch e pela Memorial, enquanto que o que ficou conhecido como massacre de Maraghar foi inicialmente denunciado pela organização de direitos humanos sedeada no Reino Unido Christian Solidarity Worldwide em 1992.[85] O Azerbaijão foi também criticado pelos bombardeamentos aéreos em zonas civis densamente povoadas.[86]

A falta de regulamentação internacional a que ambos os lados obedecessem impediu que muitos dos comportamentos verificados pudessem ser classificados como crimes de guerra. Pilhagens e mutilações de soldados mortos (partes do corpo como orelhas eram trazidas da frente e guardadas como recordações da guerra) eram comummente reportadas e motivo de regozijo durante as fileiras.[2] Outra prática habitual não entre os militares mas entre os civis, era a troca de prisioneiros entre arménios e azeris. Quando o contacto entre o soldado ou o membro da mílicia e a sua família era perdido, a própria família tomava a cargo a tarefa de organizar a troca, capturando um soldado da linha de batalha e mantendo-o em local recôndito da sua casa. Yo'av Karny jornalista do New York Times observou que esta prática era tão antiga "quando a ocupação da terra pelas pessoas."[87]

Após o termo da guerra os contendores acusaram-se mutuamente de manterem cativos. O Azerbaijão assegurou que a Arménia retinha 5.000 prisoneiros azeris, enquanto os arménios asseveraram que os azeris detinham ainda 600 prisioneiros. O grupo Helsinki Initiative 92, investigou duas prisões em Shusha e Stepanakert após o fim da guerra, mas concluiu que já lá não existiam prisioneiros-de-guerra, uma investigação similar obteve o mesmo resultado quando procurou arménios trabalhando em pedreiras no Azerbaijão.[88]

References[editar | editar código-fonte]

  1. Griffin, Nicholas. Caucasus: A Journey to the Land Between Christianity and Islam. Chicago: University of Chicago Press, 2004. 185–186 p. ISBN 0-2263-0859-6
  2. a b c d e f g h i j k l m n o p q r s t u de Waal, Thomas. Black Garden: Armenia and Azerbaijan Through Peace and War. Nova Iorque: New York University Press, 2003. ISBN 0-8147-1945-7
  3. Os nomes da região em várias línguas têm aproximadamente o mesmo significado. O nome teve origem em fontes Geórgias e Persas nos séculos XIII e XIV. Quer em língua arménia quer em língua azeri o nome da região significa "Karabakh montanhoso [jardim negro]", mas os arménios também usam a expressão Artsach para fazer referência à região, aludindo à décima província do antigo Reino da Arménia. O nome é frequentemente encurtado para apenas Karabakh em fontes noticiosas e livros. Outros idiomas como o russo e o francês referem-se à região, respetivamente, como Nagorny Karabakh e Haut-Karabakh (Alto Karabakh).
  4. Rieff, David (Junho de 1997). Without Rules or Pity. Foreign Affairs v76, n2 1997. Council on Foreign Relations. Página visitada em 2007-02-13.
  5. Lieberman, Benjamin. Terrible Fate: Ethnic Cleansing in the Making of Modern Europe. Chicago: Ivan R. Dee, 2006. 284–292 p. ISBN 1-5666-3646-9
  6. Duursma, Jorri C.. Fragmentation and the International Relations of Micro-states: Self-determination and Statehood. Cambridge: Cambridge University Press, 1996. 93 p. ISBN 0-5215-6360-7
  7. a b c d e f g h i j k l m n o Croissant, Michael P.. The Armenia-Azerbaijan Conflict: Causes and Implications. London: Praeger, 1998. ISBN 0-275-96241-5
  8. Deve notar-se que na altura da dissolução da União Soviética, o governo dos EUA reconheceu por meio da doutrina Stimson a legitimidade das fronteiras de 1933, prévias ao Pacto Molotov-Ribbentrop (o governo de Franklin D. Roosevelt estabeleceu relações diplomáticas com o Kremlin no final desse ano. Por causa disto a administração de George H. Bush apoiou abertamente a secessão das repúblicas soviéticas do Báltico, mas encarou as questões relacionadas com a independência e conflitos territoriais da Geórgia, Arménia, Azerbaijão e o resto do Transcaucásia como assuntos internos dos soviéticos.
  9. Usando dados providenciados pelo jornalista Thomas de Waal para as áreas de cada rayon bem como do oblast de Nagorno-Karabakh e a área total do Azerbaijão são (em quilómetros quadrados): 1936, Kelbajar; 1835, Lachin; 802, Kubatly; 1050, Jebrail; 707, Zangelan; 842, Aghdam; 462, Fizuli; 75, exclaves; totalizando 7709km² ou 8,9%: de Waal. Black Garden, p. 286.
  10. a b c The Central Intelligence Agency. The CIA World Factbook: Transnational Issues no Country Profile do Azerbaijão. Página visitada em 2007-02-14. Envolvimento militar negado pelo governo da Arménia.
  11. Ministério dos Negócios Estrangeiros da República da Arménia. Circular pelo coronel D. I. Shuttleworth do Comando Britânico. Arquivos da República da Arménia, File No. 9. Acedido a 2 de Março de 2007.
  12. a b Karagiannis, Emmanuel.. Energy and Security in the Caucasus. Londres: RoutledgeCurzon, 2002. 36, 40 p. ISBN 0-7007-1481-2
  13. Bradshaw, Michael J; George W. White. Contemporary World Regional Geography: Global Connections, Local Voices. Nova Iorque: Mcgraw-Hill, 2004. 164 p. ISBN 0-0725-4975-0
  14. Yamskov, A. N. "Ethnic Conflict in the Transcausasus: The Case of Nagorno-Karabakh". Theory and Society, Vol. 20, No. 5, Special Issue on Ethnic Conflict in the Soviet Union October 1991, 659. Acedido a 13 de Fevereiro de 2007.
  15. Weisbrode, Kenneth. Central Eurasia - Prize or Quicksand?: Contending Views of Instability in Karabakh, Ferghana, and Afghanistan. Oxford: Oxford University Press, 2001. 27 p. ISBN 0-1985-1070-5
  16. Gilbert, Martin. A History of the Twentieth Century: The Concise Edition of the Acclaimed World History. New York: Harper Collins, 2001. 594 p. ISBN 0-0605-0594-X
  17. Brown, Archie. The Gorbachev Factor. Oxford: Oxford University Press, 1996. 262 p. ISBN 0-1928-8052-7
  18. (em russo) Regnum News Agency. "Кто на стыке интересов? США, Россия и новая реальность на границе с Ираном" (Who is at the turn of interests? US, Russia and new reality on the border with Iran (em russo)) 4 de Abril 4 de 2006.
  19. Lobell, Steven E.; Philip Mauceri. Ethnic Conflict and International Politics: Explaining Diffusion and Escalation. New York: Palgrave MacMillan, 2004. 58 p. ISBN 1-4039-6356-8
  20. a b Rost, Yuri. The Armenian Tragedy: An Eye-Witness Account of Human Conflict and Natural Disaster in Armenia and Azerbaijan. New York: St. Martin's Press, 1990. 17 p. ISBN 0-312-04611-1
  21. a b c d Kaufman, Stuart. Modern Hatreds: The Symbolic Politics of Ethnic War. New York: Cornell Studies in Security Affairs, 2001. 49–66 p. ISBN 0-8014-8736-6
  22. (em russo) Kulish, O. e Melikov, D. Социалистическая индустрия (Indústria Socialista). 27 de Março de 1988. Acedido a 30 de Março de 2008
  23. Rabo, Annika; Utas, Bo. The Role of the State in West Asia. [S.l.]: Swedish Research Institute in Istanbul, 2005. 169 p. ISBN 9186884131
  24. Shahmuratian, Samvel. The Sumgait Tragedy: Pogroms Against Armenians in Soviet Azerbaijan. New York: Zoryan Institute, 1990. ISBN 0892414901
  25. Hofheinz, Paul. "On the Edge of Civil War", TIME, October 23, 1989. Página visitada em 2006-03-13.
  26. Em 1988 o estado das relações entre os arménios e os azeris era tão preocupante que quando o sismo ocorreu muitos dos residentes de Leninakan pensavam que tinha ocorrido uma explosão espoletada pelos azeris. Existem também diversos relados de celebrações do acontecimento no Azerbaijão, comemorando a ocorrência do sismo devido aos danos trazidos à Arménia: op. cit. em Melkonian. My Brother's Road, p. 163.
  27. a b Chorbajian, Levon. The Making of Nagorno-Karabagh: From Secession to Republic. New York: Palgrave MacMillan, 2001. 161, 213 p. ISBN 0333773403
  28. Smolowe, Jill. "The Killing Zone", TIME, 29 de Janeiro de 1990. Página visitada em 2006-02-25.
  29. (em inglês) Abu-Hamad, Aziz, et al. Playing the "Communal Card": Communal Violence and Human Rights Human Rights Watch.
  30. a b c d e f g Melkonian, Markar. My Brother's Road, An American's Fateful Journey to Armenia. New York: I. B. Tauris, 2005. ISBN 1-85043-635-5
  31. Malkasian, Mark. Gha-Ra-Bagh!: The Emergence of the National Democratic Movement in Armenia. Detroit: Wayne State University Press, 1996. 157 p. ISBN 0-8143-2605-6
  32. Petrosian, David. "What Are the Reasons for Armenians' Success in the Military Phase of the Karabakh Conflict?" Noyan Tapan Highlights. 1 de Junho de 2000
  33. a b c Carney, James. "Former Soviet Union Carnage in Karabakh", TIME, 13 de Abril de 1992. Página visitada em 2006-04-13.
  34. a b Smith, Hedrick. The New Russians. New York: Harper Perennial, 1991. 344–345 p. ISBN 0-380-71651-8
  35. Secção 907 do Freedom Support Act. Ajuda humanitária foi não explicitamente banida mas tais bens tiveram de ser enviados indirectamente através de agências humanitárias. A 25 de Janeiro de 2002, o presidente George W. Bush assinou rescindiu esta secção, pleo que foram removidas quaisquer restrições que impedissem os EUA de enviar ajuda militar para o Azerbaijão, contudo, a paridade militar é mantida para ambos os lados. Mais informações aqui (em inglês). O Azerbaijão ainda mantém o seu bloqueio aéreo e rodoviário contra a Arménia.
  36. a b Gurdelik, Rasit. "Azerbaijanis Rebuild Army with Foreign Help", The Seattle Times, 30 de Janeiro de 1994, pp. A3. Página visitada em 2006-08-12.
  37. (em russo) Barkoudzaryan, Alvard. "К войне невозможно привыкнуть" (É impossível habituar-se à guerra). in Газета «Новое время» (New Time) n. 797, 21 de Novembro de 2006. Ministério dos Negócios Estrangeiros de Nagorno-Karabakh. Acedido a 20 de Fevereiro de 2007
  38. a b Chorbajian, Levon; Patrick Donabedian, Claude Mutafian. The Caucasian Knot: The History and Geopolitics of Nagorno-Karabagh. London: Zed Books, 1994. 13–18 p. ISBN 1-85649-288-5 As estatísticas citadas pelos autores provêm dos dados compilados pelo International Institute for Strategic Studies sedeado em Londres,num relatório intitulado The Military Balance, 1993–1994 publicado em 1993. O número 20.000 para a República de Nagorno-Karabakh inclui 8.000 voluntários da Arménia; a força Arménia no relatório conta exclusivamente com os membros do exército; os números do Azerbaijão referem-se a 38.000 membros do seu exército e a 1.600 da sua força aérea. Referências destas estatísticas podem ser encontradas nas páginas 68–69 e 71–73 do relatório.
  39. a b Curtis, Glenn E.. Armenia, Azerbaijan and Georgia Country Studies. Washington D.C.: Federal Research Division Library of Congress, 1995. ISBN 0-8444-0848-4
  40. Gokay, Bulent. The Politics of Caspian Oil. Nova Iorque: Palgrave MacMillan, 2003. 189–190 p. ISBN 0-3337-3973-6
  41. a b Melkonian, Markar. My Brother's Road: An American's Fateful Journey to Armenia. [S.l.]: I.B. Tauris, 2005. 213 p. ISBN 1-85043-635-5
  42. O governo arménio insiste em negar a ocorrência de tal massacre deliberado em Khojaly e mantém que a maioria das baixas civis ocorreram no fogo cruzado entre as tropas.
  43. Carta do ‘‘Charge d'affaires a.i.’’ da Missão Permanente no Azerbaijão ao Gabinete das Nações Unidas
  44. Quinn-Judge, Paul. "Armenians killed 1000, Azeris charge.", Boston Globe, 1992-03-03. Página visitada em 2007-03-02.
  45. Denber R. Bloodshed in the Caucasus: Escalation of the Armed Conflict in Nagorno-Karabakh (Nova Iorque: Helsinki Watch), Setembro de 1992, 19–21 ISBN 1-56432-081-2
  46. Rubin, Barry, Kemal Kirisci (2001), Lynne Rienner, Turkey in World Politics: An Emerging Multiregional Power, 175. ISBN ISBN 1-55587-954-3
  47. a b Bertsch, Gary (1999), Routledge, Crossroads and Conflict: Security and Foreign Policy in the Caucasus and Central Asia, 167–171, 172–173, 297. ISBN ISBN 0-415-92273-9
  48. Brown, Michael E. (1996), MIT Press, The International Dimensions of Internal Conflict, 125. ISBN ISBN 0-262-52209-8
  49. Goldberg, Carey. "Azerbaijan Troops Launch Karabakh Offensive Conflict", The Los Angeles Times, June 14, 1992. Página visitada em 17 de Fevereiro de 2007.
  50. Freire, Maria Raquel. Conflict and Security in the Former Soviet Union: The Role of the OSCE. Burlington, VT: Ashgate, 2003. ISBN 0-7546-3526-0
  51. Dahlburg, John-Thor. "Azerbaijan Accused of Bombing Civilians", Chicago Sun-Times, 24 de Agosto de 1992. Página visitada em 2006-09-04.[ligação inativa]. A asserção de Kocharyan quanto a esta última alegação foi confirmada por testemunhos de pilotos ucranianos e russos, contratados para voar pela força aérea do Azerbaijão, após terem sido abatidos pelas forças arménias nas imediações de Stepanakert. Os pilotos afirmaram que os comandantes azeris preparavam os ataques aéreos para alvejar explicitamente alvos civis e não militares, para que se instalasse o pânico na população da cidade. (em russo) Русские наемники воевавшие в Карабахе. Documentário produzido e emitido pela REN TV.
  52. a b c Leonidas T. Chrysanthopolous. Caucasus Chronicles: Nation-building and Diplomacy in Armenia, 1993–1994 (em inglês). Princeton: Gomidas Institute Books, 2002. ISBN 1-884630-05-7
  53. Nejla Sammakia (23 de Dezembro de 1992). Winter Brings Misery to Azerbaijani Refugees. The San Francisco Chronicle.
  54. Richard Bourdreaux (5 de Janeiro de 1993). Despite Appeals, Karabakh Battles Rage. The Los Angeles Times.
  55. Los Angeles Times Foreign Desk (6 de Fevereiro de 1993). Armenians Rally to Protest Leader.
  56. a b Resolução 822 do Conselho de Segurança das Nações Unidas de 30 de Abril de 1993 texto do departamento de estado dos EUA. No total de quarto resoluções aprovadas referindo o conflito
  57. The Associated Press. "Rebel troops push toward Azeri capital", Toronto Star de 21 de Junho, 1993, p. A12
  58. A veracidade das afirmações do NKR durante as ofensivas do Verão de 1993 foram largamente questionadas num fórum internacional, se as forças do Karabakh queriam ou não capturar os territórios que rodeavam o enclave. Apesar de muitos duvidares da veracidade dos relatos, combates periódicos na região foram verificados meses antes das ofensivas serem iniciadas.
  59. Durante a Crise constitucional russa de 1993, as agências de espionagem dos EUA e da França reportaram que um dos líderes do golpe contra o presidente Yeltsin, o checheno Ruslan Khasbulatov, preparava a retirada das tropas russas da Arménia se o golpe fosse bem sucedido. As estimativas apontavam para um número de cerca de 23000 soldados russos acantonados na fronteira com a Turquia. Çiller foi referenciado pelas agências como estando em colaboração com Khasbulatov para receber o seu apoio tácito, permitindo incursões militares turcas na Arménia, sob o pretexto de perseguirem guerrilheiros do PKK, o que já tinha ocorrido anteriormente nesse ano, no norte do Iraque. Contudo, as forças armadas esmagaram o golpe na Rússia.
  60. Por exemplo, de acordo com uma entrevista televisiva de Melkonian em Março de 1993, as suas forças em Martuni tinham capturado ou destruído um total de 55 T-72, 24 BMP-2, 15 APC e 25 peças de artelharia pesada, desde a ofensiva de azeri de Junho de 1992, afirmando que "a maioria das nossas armas…[foram] capturadas ao Azerbaijão." Serzh Sargsyan, o então líder military das forças armadas do Karabakh declarou terem sido capturados 156 tanques ao longo da guerra: op. cit. em Black Garden, p. 316. No Verão de 1993, os arménios tinham capturado tanto equipamento que muitos elogiavam a política de Guerra de Elchibey uma vez que estava, a armar ambos os lados: Melkonian. My Brother's Road, p. 237.
  61. Vartanyan, Arkady. Azerbaijan, USA seen pursuing anti-Russian goals in Karabakh. BBC Monitoring Former Soviet Union. 11 de Junho de 2000
  62. Cooley, John K.. Unholy Wars: Afghanistan, America and International Terrorism. Londres: Pluto Press, 2002. 150–151 p. ISBN 0-7453-1917-3
  63. a b Human Rights Watch World Report 1995
  64. Como um combatente arménio comentou: "A diferença reside no que fazes e por que o fazes. Sabes que alguns quilómetros atrás tens a tua família, crianças, mulheres e idosos, pelo que o dever te obriga a lutar até à morte para que os que estão atrás de ti vivam."
  65. Mirsky, Georgiy I.. On Ruins of Empire: Ethnicity and Nationalism in the Former Soviet Union. Westport, CT: Greenwood Press, 1997. p. 63. ISBN 0-3133-0044-5
  66. Specter, Michael. "Armenians Suffer Painfully in War, But With Pride and Determination", New York Times, 1994-07-15. Página visitada em 2007-01-07.
  67. Humanitarian Aid Relief Trust. Country Profile: Armenia[ligação inativa]. Acedido a 12 de Fevereiro de 2007.
  68. Bell, Christine. Peace Agreements and Human Rights. Oxford: Oxford University Press, 2005. p. 326. ISBN 0-1992-7096-1
  69. Durch, William J ed.. UN Peacekeeping, American Politics and the Uncivil Wars of the 1990s. Nova Iorque: Palgrave Macmillan, 1996. p. 444. ISBN 0-3121-2930-0
  70. Tishkov, Valery. Ethnicity, Nationalism and Conflict in and after the Soviet Union: The Mind Aflame. Londres: Sage, 1997. p. 107. ISBN 0-7619-5185-7
  71. a b Cohen, Ariel (ed.). Eurasia in Balance: US and the Regional Power Shift. Aldershot, Inglaterra: Ashgate, 2005. p. 60. ISBN 0-7546-4449-9
  72. BBC News. "Azerbaijan threatens renewed war", BBC News Europe, May 12, 2004. Página visitada em 2007-02-10.
  73. Peuch, Jean-Christophe. "Armenia/Azerbaijan: International Mediators Report Progress On Karabakh Dispute", Radio Free Europe/Radio Liberty, 10 de Abril, 2001.[ligação inativa]
  74. Collin, Matthew. Azeris criticised on human rights. BBC News, 28 de Junho de 2007.
  75. The U.S. Committee for Refugees and Immigrants. 2001 Country Report of Armenia. USCRI, 2001
  76. Estatísticas mais detalhadas acerca do estado dos refugiados e o número de deslocados internos estão disponíveis em Direitos humanos no Nagorno-Karabakh.
  77. Grigorian, Mariana, Rauf Orujev. "Murder Case Judgement Reverberates Around Caucasus", Institute for War and Peace Reporting, 20 de Abril de 2006.
  78. Sarah Pickman, Tragedy on the Araxes Archaeological Institute of America, 30 de Junho de 2006.
  79. Lada Yevgrashina, "Azerbaijan may use force in Karabakh after Kosovo", Reuters, 4 de Março de 2008, acedido a 10 de Março de 2008.
  80. Lada Yevgrashina e Mkrtchyan Hasmik, "Azeris, Armenians spar after major Karabakh clash", Reuters, 5 de Março de 2008, acedido a 10 de Março de 2008.
  81. The Associated Press. "4 killed in Nagorno-Karabakh region in skirmishes between Azerbaijanis, ethnic Armenians", International Herald Tribune, 10 de Março de 2008, acedido a 10 de Março de 2008.
  82. Barabanov, Mikhail. . "Nagorno-Karabakh: Shift in the Military Balance". Moscow Defense Brief (2/2008). Centre for Analysis of Strategies and Technologies.
  83. a b c Loiko, Sergei L. "Ex-Soviet `Top Guns' Shot Down, Face Possible Death as Mercenaries", Los Angeles Times, 19 de Julho de 1993.
  84. De acordo com o Acordo de Tashkent assinado no Uzbequistão em Maio de 1992, as antigas repúblicas soviéticas tinham direito a um certo número de tanques, veículos blindados e aviões de combate. O acordo permitiu à Arménia e ao Azerbaijão a atribuição de um total de 100 aviões. A Força Aérea Arménia possui presentemente uma frota de doze Mil Mi-24, 9 Mil Mi-2 e 13 helicópteros de transporte Mil Mi-8. A Força Aérea do Azerbaijão tem uma composição muito semelhante com 15 Mil Mi-24, 7 Mil Mi-2, 15 Mil Mi-6 e 13 Mil Mi-8.
  85. Discurso proferido pela Baronesa Caroline Cox em Abril de 1998. Survivors of Maraghar massacre: It was truly like a contemporary Golgotha many times over. Acedido a 10 de Fevereiro de 2007.
  86. Human Rights Watch/Helsinki. Azerbaijan: Seven Years of Conflict in Nagorno-Karabakh. Nova Iorque, 1994.
  87. Karny, Yo'av. Highlanders: A Journey to the Caucasus in Quest of Memory. Nova York: Douglas & McIntyre, 2000. 405–406 p. ISBN 0-374-52812-8
  88. Ohanyan, Karine, Zarema Velikhanova. "Investigation: Karabakh: Missing in Action - Alive or Dead?", Institute for War and Peace Reporting, 12 de Maio de 2004.

Bibliografia adicional[editar | editar código-fonte]

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

O Commons possui uma categoria contendo imagens e outros ficheiros sobre Guerra de Nagorno-Karabakh