Guerra de fronteira sul-africana

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Guerra de fronteira sul-africana
Parte da(o) Guerra Fria, Guerra Civil Angolana, Guerra de Independência da Namíbia.
South Africa Border War Map.png
Um mapa dos territórios durante o conflito.
Data 1966–1989
Local África do Sul, - Namibia e Angola
Desfecho Retirada das forças estrangeiras (cubanas, sul-africanas) de Angola, Independência de Namíbia do domínio sul-africano e a agravação da Guerra Civil Angolana
Combatentes
Flag of Angola Angola


Flag of Cuba Cuba
Flag of South-West Africa People's Organisation.svg SWAPO
ANC UmkhontoweSizwe.gif Umkhonto we Sizwe
Apoiado por:
 Soviet Union

Flag of África do Sul África do Sul


Flag of UNITA.svg UNITA
Apoiado por::
Flag of Estados Unidos EUA
Flag of República Popular da China China

A Guerra de fronteira sul-africana, comumente referida como a Guerra de fronteira angolana na África do Sul, foi um conflito que ocorreu entre 1966 a 1989 no Sudoeste Africano (atual Namíbia) e Angola entre África do Sul e suas forças aliadas (principalmente a UNITA) de um lado e o governo angolano, a Organização do Povo da África do Sudoeste (SWAPO), e seus aliados - principalmente Cuba - de outro. Estava intimamente ligada com a Guerra Civil Angolana e a Guerra de Independência da Namíbia.

A guerra de fronteira na África do Sul é a maneira que se traduz a expressão inglesa South African Border War e que em fontes oficiais sul-africanas pós-apartheid corresponde à chamada Guerra da fronteira com a Angola. .1 Mas talvez a denominação mais apropriada seja a recolhida por James Cimet em sua enciclopédia do conflito, onde chama de guerra pela libertação nacional da Namíbia.2

Foi um dos mais longos conflitos na África e um dos maiores, tanto em número de tropas como carro de combates, artilharia auto-propulsada, veículos blindados e aeronaves utilizadas por ambos os lados.

Os acontecimentos desta guerra ocorreram durante 1965 e 1988 entre, por um lado, as tropas sul africanas, o grupo angolano UNITA contra os membros da SWAPO na Namíbia, os soldados de Angola e conselheiros enviados por Cuba. Nela participaram indiretamente os Estados Unidos, Israel, Grã-Bretanha, França, Alemanha e Irã (antes da Revolução Islâmica) tomando parte da África do Sul e a URSS ao lado dos cubanos, angolanos e etíopes que combateram junto com a SWAPO. Além disso, a guerra levantou um número indeterminado de mercenários ocidentais, também do lado sul-africano e da UNITA.

As tropas sul-africanas não combateram explicitamente ao lado da UNITA, mas deram apoio militar do Exército sul-africano para os insurgentes em Angola. A UNITA não combatia diretamente a SWAPO.

A guerra terminou com a independência da Namíbia e um período de paz entre as nações do sul da África, que foram assinando a paz com os distintos grupos guerrilheiros financiados pelo regime racista sul-africano. A longo prazo, contribuiu para a reforma legal na África do Sul e o fim do Apartheid, com a saída do isolamento internacional que este país estava submetido.

Referências

  1. Embajada de Sudáfrica en Cuba: Historia de Suráfrica, última visita: 8 de febrero de 2007
  2. James Ciment: Encyclopedia of conflicts since World War II, última visita 3 de mayo de 2007.