Guerra do Rife

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Question book.svg
Esta página ou secção não cita nenhuma fonte ou referência, o que compromete sua credibilidade (desde dezembro de 2013).
Por favor, melhore este artigo providenciando fontes fiáveis e independentes, inserindo-as no corpo do texto por meio de notas de rodapé. Encontre fontes: Googlenotícias, livros, acadêmicoScirusBing. Veja como referenciar e citar as fontes.
Guerra do Rife
Parte da(o) Período entre-guerras
Landing of Alhucemas.jpg
Desembarque de tropas espanholas na baía de Al Hoceima em 8 de Setembro de 1925
Data 1920 a 1926
Local Marrocos Espanhol
Desfecho Vitória franco-espanhola, dissolução da República do Rife.
Combatentes
Espanha Espanha
França França
Flag of the Republic of the Rif.svg República do Rife
Principais líderes
Espanha Manuel Fernández Silvestre
Espanha Dámaso Berenguer
Espanha José Millán-Astray
Espanha Primo de Rivera
França Philippe Pétain
França Hubert Lyautey
Flag of the Republic of the Rif.svg Abdelkrim El Khattabi
Forças
Espanha: 140 000 soldados
França: 325 000 soldados
Total: 465 000 soldados
Mais de 165 aviões
15 000 irregulares
Vítimas
Espanha: 60 000 baixa (50 000 mortos e 10 000 feridos)
França: 18 500 baixa (10 000 mortos e 8 500 feridos)
15 400 mortos ou feridos

A Guerra do Rife, também chamada de Segunda Guerra Marroquina, foi um conflito ocorrido entre 1920 e 1926 entre a Espanha (mais tarde também com a França) e forças marroquinas dos tribos rifenhas e Djebali.

Antecedentes[editar | editar código-fonte]

Com o Tratado de Fez, a Espanha havia ganhado a posse das terras ao redor Melilla e Ceuta. Em 1920, o comissário espanhol Dámaso Berenguer, decidiu conquistar o território oriental das tribos Djebali. Isso, porém, não teve êxito, e em 1921 as tropas espanholas sofreram uma derrota memorável na Batalha de Annual, conhecida na Espanha como o "Desastre de Annual", frente às forças de Abd el-Krim, o líder das tribos rifenhas. Os espanhóis foram empurrados para trás e, durante os cinco anos seguintes, sofreram batalhas ocasionais foram entre os exércitos. Numa tentativa de quebrar o impasse, os militares espanhóis voltaram para o uso de armas químicas contra os rifenhos.

Forças rifenhas[editar | editar código-fonte]

Os homens das tribos berberes tinham uma longa tradição de habilidades em lutas ferozes, combinadas com os elevados padrões de campo de batalha e boa pontaria. Eles foram habilmente liderado por Abd el-Krim que mostrou ser tanto militar quanto político. A elite das forças rifenhas era composta por unidades regulares, que de acordo com Abd el-Krim, e citadas pelo general espanhol Manual Goded, tinham seis a sete mil homens. O restante dos rifenhos estavam em milícias tribais, selecionados pelos seus caïds (alcaides) e não susceptível de servir a distância de suas casas e fazendas para mais de quinze dias consecutivos. Estima-se que no auge as forças rifenhas eram numeradas em cerca de 80 000 homens.

Forças espanholas[editar | editar código-fonte]

As tropas espanholas no Marrocos foram inicialmente compostas principalmente de metropolitanos. Embora fossem capaz de suportar as dificuldades, eram muito mal treinados e havia muita corrupção. Assim a dependência foi muito colocada sobre o número limitado de profissionais que formavam o "Exército da África". Desde 1911 os espanhóis incluíam regimentos de Mouros Regulares.

O exército espanhol tinha adotado muito da Legião Estrangeira Francesa e, como consequência, formaram o Tercio de Extranjeros (Regimento de Estrangeiros, que depois se passou a chamar Legião Espanhola), em 1920. O segundo comandante do regimento era o general Francisco Franco. Menos de 25% desta "Legião Estrangeira" era, na verdade composta por estrangeiros. Foi duramente disciplinada e adquiriu uma reputação de comportamento cruel.

Intervenção francesa[editar | editar código-fonte]

Em Maio de 1924, o exército francês tinha estabelecido uma linha de postos de trabalho ao norte do Rio Oureghla em território tribal disputado. Em 13 de Abril de 1925, um número estimado em 8 000 rifenhos atacaram esta linha e em duas semanas 39 de 66 lugares franceses tinha sido invadido ou abandonado. Os franceses intervieram em conformidade ao lado da Espanha, empregando mais de 300 000 soldados bem treinados e equipados da Metrópole, Norte da África, Senegal e unidades da Legião Estrangeira. As mortes francesas na guerra são estimadas em cerca de 10 000.

Resultado[editar | editar código-fonte]

A superioridade em recursos humanos e tecnologia logo resolveu o curso da guerra a favor da França e Espanha. As tropas francesas empurraram através do sul, enquanto a frota espanhola guardava a baía de Alhucemas por um desembarque anfíbio, e começaram a atacar a partir do norte. Após um ano de dura resistência, Abd el-Krim, líder de ambas as tribos, se rendeu às autoridades francesas, e em 1926 o Marrocos Espanhol havia sido finalmente recuperado.

Referências

  • Este artigo foi inicialmente traduzido do artigo da Wikipédia em inglês, cujo título é «Rif War», especificamente desta versão.

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

O Commons possui uma categoria contendo imagens e outros ficheiros sobre Guerra do Rife