Guerra Pírrica

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
(Redirecionado de Guerras pírricas)
Ir para: navegação, pesquisa
NoFonti.svg
Este artigo ou se(c)ção cita uma ou mais fontes fiáveis e independentes, mas ela(s) não cobre(m) todo o texto (desde Maio de 2014).
Por favor, melhore este artigo providenciando mais fontes fiáveis e independentes e inserindo-as em notas de rodapé ou no corpo do texto, conforme o livro de estilo.
Encontre fontes: Googlenotícias, livros, acadêmicoScirusBing. Veja como referenciar e citar as fontes.
Guerra Pírrica
Pyrrhic War Italy PioM pt.svg
Data 280 a.C. - 275 a.C.
Local Sul de Itália e Sicília
Resultado Vitória da República Romana
Combatentes
Cartago,
República Romana
Épiro,
Magna Grécia,
Samnitas

Guerra Pírrica, também referida como Guerras Pírricas ou Guerra de Piro[1] (280 a.C.-275 a.C.) foi uma série de batalhas e alianças políticas muito fluidas que enfrentaram os gregos (especificamente Épiro, Macedónia, e as cidades-estado da Magna Grécia), os romanos, os povos itálicos (sobretudo os samnitas e os etruscos), e os cartagineses.

A Guerra Pírrica começaram como um conflito de pouca importância entre Roma e a cidade de Tarento pela violação de um tratado marítimo cometida pelos romanos. Tarento, contudo, tinha prestado ajuda ao governante grego Pirro, rei de Épiro, no seu conflito com a ilha de Corfu, e tinha solicitado ajuda militar de Épiro. Pirro honrou a sua obrigação com Tarento, pelo que se uniu à série de conflitos que envolviam esta cidade, Túrio (assim como outras cidades da Magna Grécia), os romanos, os samnitas e os etruscos. Para complicar a análise histórica do conflito, Pirro também se envolveu nos conflitos políticos internos da Sicília, assim como na luta que mantinha esta ilha contra o domínio cartaginense.

A participação de Pirro nos problemas regionais da Sicília reduziu a influência cartaginesa drasticamente. Na Itália, as suas intervenções parecem ter sido ineficientes, embora tenha havido implicações a longo prazo. A Guerra Pírrica demonstraram que os estados da Grécia continental se viam incapazes de defender as colónias da Magna Grécia e que as legiões romanas eram capazes de competir com os exércitos dos reinos helenísticos - os poderes mediterrâneos dominantes da época. Isto abriu caminho para o domínio romano sobre as cidades-estado da Magna Grécia e adiantou a consolidação do poder de Roma em toda a Itália. A boa trajectória romana em conflitos militares internacionais ajudaria também na sua decisão de rivalidade com Cartago, o que terminou nas Guerras Púnicas.

Linguisticamente, as Guerra Pírrica são a origem da expressão "vitória de Pirro", um termo para uma vitória conseguida com muito esforço e sacrifício.

Referências

  1. Martins 1965, p. 235

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

  • Martins, Joaquim Pedro de Oliveira. Obras completas de Oliveira Martins: História da República Romana, Volume 1. [S.l.]: Guimarães, 1965.

Ver também[editar | editar código-fonte]

Ícone de esboço Este artigo sobre História ou um historiador é um esboço relacionado ao Projeto História. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.