Callicebus coimbrai

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
(Redirecionado de Guigó-de-coimbra-filho)
Ir para: navegação, pesquisa


Como ler uma caixa taxonómicaGuigó-de-coimbra-filho[1]
Taxocaixa sem imagem
Estado de conservação
Status iucn3.1 EN pt.svg
Em perigo (IUCN 3.1) [2]
Classificação científica
Reino: Animalia
Filo: Chordata
Classe: Mammalia
Ordem: Primates
Família: Pitheciidae
Género: Callicebus
Espécie: C. coimbrai
Nome binomial
Callicebus coimbrai
Kobayashi e Langguth, 1999
Distribuição geográfica
Área de distribuição
Área de distribuição

O guigó-de-coimbra-filho (nome científico:Callicebus coimbrai), ou simplesmente guigó, é um primata endêmico da Mata Atlântica da família Pitheciidae e subfamília Callicebinae. Foi descrito em 1999.[3] Vive em pequenos fragmentos florestais em Sergipe e no litoral norte da Bahia. Estima-se que não restem mais do que dois mil indivíduos. O Centro de Proteção de Primatas Brasileiros (CPB/ICMBio), a Universidade Federal de Sergipe, a CODEVASF, o IBAMA/SE, e a SEMARH/Sergipe conduzem o Projeto Guigó para estudo e conservação desta espécie.

Distribuição geográfica e habitat[editar | editar código-fonte]

Ocorre no limite norte das espécies do grupo personatus na Mata Atlântica: habita os estados de Sergipe e na Bahia, com o limite norte sendo o rio São Francisco e o sul, o rio Itapicuru, na Bahia.[4] À oeste, parece ocorrer em alguns trechos de Caatinga, mas sua ocorrência é confirmada apenas nos fragmentos de florestas úmidas em Sergipe.[4] De fato, sua ocorrência foi confirmada em 70 fragmentos de Mata Atlântica, sendo que provavelmente ocorre em duas unidades de conservação apenas: Estação Ecológica do Raso da Catarina na Bahia e Refúgio de Vida Silvestre Mata do Junco em Sergipe.[5] É provável que a ocorrência na Caatinga esteja relacionada à sua ocorrência original, antes que o desmatamento desconectasse as florestas úmidas do litoral com as florestas secas do interior.[5]

Habita preferencialmente áreas densamente arborizadas, preferindo o bosque denso e o dossel inferior.[3] No entanto, ele é capaz de sobreviver em florestas degradadas ou fragmentadas, que atualmente compõem uma grande parte de seu alcance. Isto é devido a uma tolerância para áreas altamente degradadas, bem como a capacidade de sobreviver em áreas compostas principalmente de florestas de crescimento jovem ou secundário.[6]

Descrição[editar | editar código-fonte]

Distingue-se facilmente de outras formas do grupo Personatus que são Callicebus personatus (É. Geoffroy, 1812), Callicebus nigrifrons (Spix, 1823), Callicebus barbarabrownae (Hershkovitz, 1990) e Callicebus melanochir (Wied-Neuwied, 1820). As diferenças mais visíveis estão na coloração da pelagem, a testa, coroa, ouvido pretos, e ter um padrão listrado que lembra a de uma zebra na parte anterior das costas.[3] Características distintas de sua morfologia dentária e craniometria também são descritas.[3] Em comparação com outros membros do seu grupo, o crânio é menor, e em forma ligeiramente diferente. Os dentes são também mais em forma de U, em oposição aos outros em forma de V exibidos por outros membros do grupo Personatus.[3] Também apresenta diferente superfície dentária no seu primeiro e segundo molares superiores, quando comparado com outros membros do grupo.[3]

Comportamento[editar | editar código-fonte]

O guigó-de-coimbra-filho, tem uma dieta que consiste principalmente de folhas, mas também inclui várias frutas.[4] Geralmente vive em pequenos grupos compostos por três a cinco membros. Esse grupo geralmente contém um casal reprodutor e seus descendentes diretos que ainda vão atingir a maturidade sexual.[7] No entanto, ao atingir a maturidade sexual os indivíduos deixam seus grupos natais, e muitas vezes emigram para novas áreas. O tamanho de sua ocorrência varia, com algumas ocorrências registradas de escalas tão pequenas quanto 2 hectares (4,9 acres), e outras maiores que 20 hectares (49 acres). Também apresenta comportamento territorial e defensivo extremo quando ameaçado.[4]

Conservação[editar | editar código-fonte]

O guigó-de-coimbra-filho é atualmente considerado como ameaçadas de extinção na Lista Vermelha da IUCN devido a uma variedade de ameaças, tanto naturais quanto humanas, incluindo a perda de habitat e sua consequente fragmentação, as opções reprodutivas limitadas, e aumento da predação. Outras ameaças incluem potenciais perigos de estradas e linhas de energia e de predação por animais domésticos. A pressão da caça precisa ser determinada, mas provavelmente é moderada devido ao tamanho reduzido do corpo. Durante extensas pesquisas, alguns indivíduos foram encontrados sendo mantidos como animais de estimação[2]

A ameaça biológica primária para ele vem a partir de o seu comportamento de acasalamento. Enquanto os membros juvenis das espécies permanecem em seus grupos natais, na maturidade sexual saem e vivem independentes. Juntamente com a fragmentação do habitat enfrentado pela espécie, este comportamento limita o número de indivíduos sexualmente maduros em cada fragmento da população, limitando as opções reprodutivas.[7]

A distribuição geográfica natural da espécie contribui também uma ameaça para a espécie. O guigó-de-coimbra-filho só ocorre naturalmente nas florestas costeiras no Nordeste do Brasil. Esta é uma área relativamente pequena nos estados de Sergipe e Bahia.[3] [6] Devido a este pequeno intervalo, quaisquer perturbações a essas áreas representam uma ameaça maior do que o normal para a sobrevivência da espécie. [7]

Mais do que qualquer outra coisa no entanto, a interferência humana é a fonte de diversos problemas para ele. As áreas em torno e dentro de seu habitat estão sendo desenvolvidas, incluindo a pavimentação de estradas e na promoção do turismo. Da mesma forma, está enfrentando perda de habitat devido ao aumento da exploração madeireira na área. Áreas florestais habitadas pelo guigó-de-coimbra-filho também estão sendo rapidamente convertida em pastos para pecuária. Até o início de 1900, as florestas costeiras em Sergipe haviam sido reduzidas para menos de 40% do tamanho de sua cobertura original. Essa tendência continuou durante todo o século 20, e estas florestas costeiras agora cobrem menos de 1% de seu tamanho original.[7] Essas atividades estão levando a uma elevada fragmentação do habitat. Esta fragmentação limita o tamanho das populações reprodutivas, o que limita a diversidade genética. Essa fragmentação também aumenta o risco de predação, como os guigós são forçados a se deslocar de um fragmento para outro, expondo-os a um maior risco de predação.[6] [7]

A partir de 2005, não foram feitas tentativas para iniciar um programa de reprodução em cativeiro para a espécie, apesar de uma população selvagem estimada em apenas 500 a 1000 indivíduos restantes.[7]

O guigó-de-coimbra-filho foi colocado na Lista Nacional das Espécies da Fauna Brasileira Ameaçadas de Extinção em 2003, gerido pela projeto Primatas do Norte da Mata Atlântica e Caatinga.[8] Esta organização é responsável por estudar a situação atual e as ameaças à espécie, bem como desenvolver e gerir um plano para a conservação dela.

Estudos recentes têm demonstrado que, devido ao número relativamente elevado de indivíduos, bem como a sua tolerância para perda e a fragmentação do habitat, a espécie tem uma projeção positiva. No entanto, devem ser tomadas medidas para evitar que a perda de habitat e a fragmentação ameaçe a espécie, bem como a implementação de planos para ajudar na sustentabilidade da espécie.[7]

Referências

  1. Groves, C.P.. Order Primates. In: Wilson, D.E.; Reeder, D.M. (eds.). Mammal Species of the World. 3 ed. Baltimore: Johns Hopkins University Press, 2005. 142 pp. ISBN 978-0-8018-8221-0 OCLC 62265494
  2. a b Veiga, L. M., Sousa, M. C., Jerusalinsky, L., Ferrari, S. F., de Oliveira, M. M., Santos, S. S. D, Valente, M. C. M. & Printes, R. C. (2008). Callicebus coimbrai (em Inglês). IUCN 2012. Lista Vermelha de Espécies Ameaçadas da IUCN de 2012 Versão 2. Página visitada em 09 de março de 2013.
  3. a b c d e f g Kobayashi, S.; Langguth, A.. (1999). "A new species of titi monkey, Callicebus Thomas, from north-eastern Brazil (Primates, Cebidae)". Revista Brasileira de Zoologia 16 (2): 531-551. DOI:10.1590/S0101-81751999000200018. ISSN 0101-8175.
  4. a b c d van Roosmalen, M.G.M.; van Roosmalen, T.; Mittermeier, R.. (2002). "A taxonomic review of the titi monkeys, genus Callicebus Thomas, 1903, with the description of two new species, Callicebus bernhardi and Callicebus stephennashi, from Brazilian Amazonia". Neotropical Primates 10 (Suppl.): 1-52.
  5. a b de Sousa, M.C.; dos Santos, S.S.; Valente, M.C.M.. (2008). "Distribuição e Variação na Pelagem de Callicebus Coimbrai (Primates, Pitheciidae) nos estados de Sergipe e Bahia, Brasil". Neotropical Primates 15 (2): 54-55.
  6. a b c de Sousa, M. C.. . "New Localities for Coimbra-Filho's Titi Monkey, Callicebus coimbrai, in north-east Brazil.". Neotropical Primates 8 (4).
  7. a b c d e f g Jerusalinsky, Leandro. (2006). "Preliminary Evaluation of the Conservation Status of Callicebus coimbrai Kobayashi & Langguth, 1999 in the Brazilian State of Sergipe". Primate Conservation 21: 25–32.
  8. Chiarello, A.G.; Aguiar, L.M.S., Cerqueira, R.; de Melo, F.R.; Rodrigues, F.H.G.; da Silva, V.M.. In: Machado, A.B.M.; Drummond, G.M.; Paglia, A.P.. Livro Vermelho da Fauna Brasileira Ameaçada de Extinção - Volume 2. Brasília, DF: Ministério do Meio Ambiente, 2008. Capítulo: Mamíferos. , 680-883 pp. ISBN 978-85-7738-102-9
Ícone de esboço Este artigo sobre Macacos do Novo Mundo, integrado ao WikiProjeto Primatas é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.