Guilherme Filipe

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa

José Guilherme Mora Filipe mais conhecido por Guilherme Filipe[1] (Lisboa, 15 de Novembro de 1952) é um actor e encenador português.

Com formação em Filologia Germânica, pela Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa, trabalhou como professor de inglês e alemão no ensino secundário (1974-1985). Em 1976, equiparado a bolseiro, juntamente com Isabel Medina e outros colegas, fundou o English Teaching Group (1976-1979), um projecto piloto do Ministério da Educação para o ensino do inglês através do jogo dramático. Na continuação do seu trabalho em investigação pedagógica, criou com Isabel Medina, Rogério de Carvalho, entre outros professores, o Grupo de Comunicação e Teatro (1980-1985), no âmbito da formação de professores em ensino multidisciplinar, em cujo projecto interpretou uma adaptação do romance João Sem Medo, de José Gomes Ferreira, com encenação de Rogério de Carvalho (1980).

Em Outubro de 1980, ingressou no Conservatório Nacional, actualmente Escola Superior de Teatro e Cinema, onde se licenciou como actor e encenador, em 1984. Desde 2000, vem desenvolvendo actividade docente na área do ensino artístico (Escola Superior de Teatro e Cinema, Curso Livre de formação de Actores da Universidade Moderna de Lisboa, Curso Livre de formação de Actores da Universidade Lusíada de Lisboa), assim como em investigação na área de documentação teatral. Em 2008, obteve o grau de Mestre em Estudos de Teatro, pela Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa, com a tese Percursos itinerantes: a companhia de Rafael de Oliveira[2] . Actualmente, pertence ao núcleo de investigadores do Centro de Estudos de Teatro da mesma faculdade, e prepara o seu doutoramento em Estudos Teatrais. Como professor convidado, leccionou na Faculdade de Letras de Lisboa, os seminários de História de Teatro em Portugal (Mestrado em Estudos de Teatro, 2010-11; 2012-13) e de Análise do texto dramático (Licenciatura em Estudos Artísticos, 2012-13. De 2010 a 2013, integrou a equipa de investigadores do projeto Vida Cultural Urbana em Cidades de Província, do Centro de Estudo Geográficos, da FLUL, na área do Teatro.

Em 2001, traduziu e adaptou As Alegres Comadres, a partir da comédia de W. Shakespeare, The Merry Wives of Windsor, que encenou para a Cassefaz, no Teatro Maria Matos. Escreveu em parceria com Jorge Ribeiro a peça musical infantil Rosmaninho e Alecrim, estreada no Teatro de São Francisco (Centro Cultural Franciscano) em Lisboa, em 2004, pela Companhia da Esquina. Publicou ainda ensaios sobre teatro: "Actores errantes de Oitocentos", Sinais de Cena 12 (Lisboa: APCT, Dezembro 2009); "Entre Wesker e Valentina, uma ideia de cozinha: Ensaio sobre uma versão portuguesa de The Kitchen, em Depois do labirinto. Teatro e tradução (org. de Manuela Carvalho e Daniella di Pasquale)(Lisboa: Nova Vega, 2012); "Sentinelas perdidas da arte dramática", em Rotas de Teatro entre Portugal e Brasil (org. de Maria Helena Werneck e Ângela de Castro Reis) (Rio de Janeiro: 7Letras, 2012); "Considerações sobre uma ideia de Teatro Popular", em David Casimiro, Auto da Criação do Mundo ou Princípio do Mundo (Mogadouro: Município de Mogadouro, 2012); "Quando as evistas eram do ano", em Sinais de Cena 18 (Lisboa: APCT, Dezembro 2012).

Como actor profissional, estreou-se no Teatro Aberto (1981), no espectáculo Orpheu, com direcção de Águeda de Sena. Em 1984, ingressou no Teatro Nacional D. Maria II, onde fez o seu estágio profissional, em O Corvo de Fiama Hasse Pais Brandão, com encenação de Jorge Listopad. Seguiu-se A Birra do Morto de Vicente Sanches, com encenação de Orlando Neves. Na temporada de 1984-85, no Teatro Nacional D. Maria II, integrou os elencos das peças Fígados de Tigre de Gomes de Amorim, com encenação de Carlos Avilez, e Morgado de Fafe em Lisboa de Camilo Castelo Branco, encenado por Ruy de Matos. Em 1985, integrou o elenco da estréia portuguesa peça Pílades do dramaturgo e cineasta italiano Pier Paolo Pasolini, com encenação de Mário Feliciano no ACARTE - Fundação Calouste Gulbenkian. Em 1986, igualmente no ACARTE, integrou o projecto À Procura da Tragédia, como actor e assitente de dramaturgia de Orlando Neves, participando na estréia absoluta da tragédia O Indesejado, original de Jorge de Sena.

Em 1986, fundou a companhia Persona - Teatro de Comédia, C. A.R.L, de que foi director até 1991. Encenou, interpretou, e concebeu cenários e figurinos para espectáculos como O Barbeiro de Sevilha, de Beaumarchais, Auto da Índia e d'Outras Andanças, de Gil Vicente, Anfitriões, de Augusto Abelaira, Circo dos Desenganos, de Miguel Rovisco, Trocam-se Mulheres, Máximo Sigilo!, de Camilo Castelo Branco, e Desimaginação, de António Pedro.

Em 1988, a sua encenação de Anfitriões foi nomeada para o prémio Garrett, da Secretaria de Estado da Cultura, como Melhor Espectáculo de Autor Português.

Em 2006, começou a sua colaboração com o encenador Celso Cleto, director da DRamax, integrando o elenco do espectáculo Miss Daisy de Alfred Uhry, interpretando o papel de Booly Werthan, ao lado de Eunice Muñoz (Miss Daisy) e Thiago Justino (Hoke Coleburn), estreado no Auditório Eunice Muñoz, em Oeiras, em Julho, a que se seguiu uma digressão pelo país, durante esse ano e seguinte, tendo terminado a carreira do espectáculo no Teatro da Trindade, em Lisboa (Julho de 2007). Em 2009, integra o elenco do espectáculo Hedda Gabler, de Henrik Ibsen, com encenação de Celso Cleto, interpretando o papel de Jorge Tesman, ao lado de SofiaAlves (Hedda Gabler), Elisa Lisboa (Tia Julianne), Maria Dulce (Berta), Ana Rocha (Thea Elvsted),´Vítor de Sousa (Brack) e Paulo Rocha (Lovborg). Estreado em Junho, no Centro Cultural de Ílhavo, o espectáculo fez digressão pelo país até Janeiro de 2010, tendo culminado com a sua apresentação, durante 4 dias, no Teatro Bellas Artes, em Madrid. Em 2010, integra o elenco do espectáculo Uma História de Dois, original do dramaturgo espanhol Eduardo Galán, com encenação de Celso Cleto, interpretando o papel do professor Carlos Duarte, ao lado de Teresa Guilherme, no papel de Luisa Santos. Estreado em Julho, no Centro Cultural de Ílhavo, o espectáculo fez carreira no Auditório Municipal Eunice Muñoz, em Oeiras, e digressão pelo país até Novembro desse ano. Em 2011, integra o elenco de Cândida, uma História Portugues, peça original de André Murraças, com encenação conjunta com Paulo Ferreira, em Produção Cassefaz, no Teatro Aberto, em Lisboa. Em 2013, integra o elenco de Hotel Bilderberg. Um desconcerto em dó maior, original em 1 ato, de Jorge Castro Guedes, que assina a encenação, em produção Dogma12, no Teatro da Trindade, em Lisboa (31.10.2013).

Actor regular na televisão salienta como o seu primeiro trabalho a série televisiva Mátria (1984), da autoria de Natália Correia com realização de Dórdio de Guimarães (RTP1), a que se seguiu Duarte & Companhia (1985/87) (RTP1) onde interpretou a personagem Lúcifer. Tem integrado os elencos de novelas (2012-13 - Dancing Days, 2011 - Anjo Meu, 2008 - Flor do Mar, 2007 - Fascíneos, 2005 - Mundo Meu, 2003 - Morangos com Açúcar, 2002 - Tudo por Amor, 2001 - Olhos de Água, 1999 - A Lenda da Garça, 1998 - Os Lobos, 1997 - A Grande Aposta, 1996 - Vidas de Sal e Filhos do Vento, 1995 - Desencontros, 1989 - Ricardina e Marta); Séries (2011 - O Dom, 2007 - Inspector Maravilhas, 2004 - A Ferreirinha, 2001 - Um Estranho em Casa, 2000 - Conde de Abranhos, 1999 - Hora da Liberdade, 1996 - Polícias, 1995 - Cluedo, 1994 - Desculpem qualquer Coisinha, 1991 - Napoléon et l'Europe, 1988 - A Mala de Cartão de Michael Win contracenando com Irene Papas, 1987 - Cobardias) e Telefilmes (2008 - Vida Dupla, Refém do Passado, Todos os homens nascem iguais). Atualmente, grava na segunda série de Benvindo a Beirais (2013-14). Para a televisão alemã, gravou episódio Bella Block LIssabon (2014).

No cinema, tem participado em algumas co-produções internacionais (1987 - La Brute de Claude Guillemot; 1989 - Street Of No Return de Samuel Fuller; La Fille de D'Artagnan de Bertrand Tavernier; 2006 Fin de Curso de Miguel Martí; 2011 Je m'appelle Bernardette de Jean Sagols), e, em Portugal, foi dirigido por realizadores como Ana Luísa Guimarães (1992, A Nuvem), Jorge Silva Melo (1993, Coitado do Jorge), Fernando Lopes (1993, O Fio do Horizonte), Eduardo Geada (1994, Passagem Por Lisboa), Teresa Villaverde (1998, Os Mutantes), João Mário Grilo (2000, A Falha), Maria de Medeiros (2000, Capitães de Abril) ou Luís Filipe Rocha (2001, Camarate).

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. Certidão de lista de associadas da Audiogest (pdf). IGAC/Ministério da Cultura (2007-07-25). Arquivado do original em 24 de Dezembro de 2013. Página visitada em 11 de Janeiro de 2014.
  2. Percursos itinerantes [ Texto policopiado : a companhia de Rafael de Oliveira, Artistas Associados / José Guilherme Mora Filipe ; orient. Maria Helena Serôdio] (em português). Biblioteca Nacional de Portugal. Arquivado do original em 4 de Novembro de 2013. Página visitada em 11 de Janeiro de 2013.
Ícone de esboço Este artigo sobre uma pessoa é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.