Guilherme VIII de Montpellier

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Selo de 1190, o que representa Guilhem VIII tocar harpa.
Brasão de Armas da casa de Montpellier.

Guilherme VIII de Montpellier (11409 de Novembro de 1202), foi senhor de Montpellier.

O seu casamento com Eudóxia Komnenos, sobrinha do imperador bizantino Manuel I Comneno, teve a condição de que o primogênito deste casamento, menino ou menina, teria acesso ao senhorio de Montpellier após a morte de Guilherme.

Guilherme VIII ficou conhecido por ser um patrono de trovadores, como foi o caso de Arnaut de Mareuil que chegou aos domínios Guilherme depois de fugir da comitiva de Azalais de Toulouse, e pelo menos um dos poemas de Arnaut é dirigida a ele.

Relações familiares[editar | editar código-fonte]

Foi filho de Guilherme VII de Montpellier (? — 1172) 3º senhor de de Montpellier, França e de Matilde de Borgonha (1100 —?), filha de Hugo II, Duque da Borgonha.

Casou por duas vezes, a primeira em 1179 com Eudóxia Komnenos (1162 - 1202), filha de Isaac Comneno e de Eirene Diplesynadene, a segunda em 1187 com Inês. Do primeiro casamento teve:

  1. Maria de Montpellier, Senhora de Montpellier (1180 - Roma, 21 de Abril de 1219) casada com por três vezes, a primeira com Raimundo Godofredo Barral de Marselha, a segunda com Bernardo IV de Comminges e terceira com Pedro II de Aragão, "O católico", rei de Aragão.[1]

do segundo casamento teve:

  1. Tomás de Montpellier, Senhor de Tortosa.
  2. Raimundo Montpellier, Senhor de Tortosa.
  3. Bernardo I Guilherme de Montpellier, conde de Paillares e de Ribagorza casou com Juana, Senhora de Entenza.
  4. Inês de Montpellier casada com Raimundo Roger Trencavel, visconde de Carcassonne

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

  • Actas do 17º Congresso Internacional de Ciências Genealógica e Heráldica, Instituto Português de Heráldica, Lisboa, 1986, pág. 317 Tab. VI.

Referências

  1. Guillaume de Puylaurens, Chronique 1145-1275 ed. and tr. Jean Duvernoy (Paris: CNRS, 1976) pp. 62–3.

Ligações externas[editar | editar código-fonte]