Guilhermina Carolina da Dinamarca

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Guilhermina Carolina
Eleitora de Hesse
Princesa da Dinamarca
Wilhelmine Carolina of Denmark, electress of Hesse-Kassel.jpg
Guilhermina
Governo
Consorte Guilherme I de Hesse-Cassel
Vida
Nascimento 10 de Julho de 1747
Palácio de Christiansborg, Copenhaga, Dinamarca
Morte 14 de Janeiro de 1820 (72 anos)
Kassel, Alemanha
Filhos Maria Frederica de Hesse-Cassel
Carolina Amália de Hesse-Cassel
Frederico de Hesse-Cassel
Guilherme II de Hesse-Cassel
Pai Frederico V da Dinamarca
Mãe Luísa da Grã-Bretanha

Guilhermina Carlota da Dinamarca (10 de julho de 1747 - 14 de janeiro de 1820) foi uma nobre de Hesse, esposa do príncipe-eleitor Guilherme I.

Família[editar | editar código-fonte]

Guilhermina era a terceira filha do rei Frederico V da Dinamarca e da princesa Luísa da Grã-Bretanha. Entre os seus irmãos estava a princesa Sofia Madalena da Dinamarca, esposa do rei Gustavo III da Suécia e o rei Cristiano VII da Dinamarca. Os seus avós paternos eram o rei Cristiano VI da Dinamarca e a marquesa Sofia Madalena de Brandemburgo-Kulmbach. Os seus avós maternos eram o rei Jorge II da Grã-Bretanha e a marquesa Carolina de Ansbach.[1]

Casamento[editar | editar código-fonte]

Guilhermina casou-se a 1 de setembro de 1764, no Palácio de Christiansborg com o príncipe Guilherme I de Hesse-Cassel, conde de Hanau, um dos governantes mais ricos da época. Guilhermina e Guilherme tinham crescido juntos e brincavam quando eram crianças, visto que Guilherme tinha ido viver para a Dinamarca durante a Guerra dos Sete Anos e decidiu-se desde logo que os dois se casariam quando fossem adultos. O casal viveu alguns anos na Dinamarca antes de Guilherme herdar o principado de Hanau e viver lá permanentemente.

Guilherme herdou o estado de Hesse-Cassel, tornando-se conde Guilherme IX, em 1785 e foi elevado à posição de príncipe-eleitor de Hesse como Guilherme I. O casamento foi infeliz: o seu marido era infiel e tinha muitas amantes, nomeadamente a condessa Schlotheim que ele tinha tornado condessa de Hessenstien. Dizia-se que Carolina era bonita, distante, gentil e complacente. Em 1804, ainda falava dinamarquês sem sotaque e tinha uma forte ligação ao seu país natal.

Em 1806, Hesse foi ocupado pelos franceses. O seu marido e o filho mais velho refugiaram-se junto do seu cunhado Carlos de Hesse-Cassel em Schleswig, mas Guilhermina permaneceu em Kassel até a França nomear um governador para a cidade, mudando-se depois para a casa da filha Amália em Gota. Passou todo o período napoleónico (1806-1813) no exílio entre vários lugares, principalmente em Schleswig e Praga. Em 1813 regressou a Kassel.

Descendência[editar | editar código-fonte]

Referências