Guillaume de Machaut

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Guillaume de Machaut em uma miniatura francesa do Século XIV, "Uma cena alegórica na qual a natureza oferece a Machaut três de seus filhos: A razão (senso), a retórica e a música."

Guillaume de Machaut (também Machau ou Machault; Machault, c.1300Reims, abril de 1377), também chamado Guilherme de Machado, foi um compositor e poeta francês do século XIV, principal expoente da chamada ars nova na música.

Machaut nasceu provavelmente em Machault, a cerca de 39 quilômetros de Reims, na Champagne, e estudou em Paris por alguns anos, aprendendo o que havia de mais novo em termos de composição à época. Uma bula do papa Bento XII, datada de 1335, refere-se ao tempo em que Machaut passou a serviço do rei João, da Boêmia, como secretário, clericus elimosinarius e amigo. Machaut serviria ao rei por vinte anos, de 1323 a 1346, tempo em que teve a oportunidade de viajar pelo mundo europeu durante as campanhas militares que acompanhava. Em 1330 foi nomeado cônego de Verdun e, em 1332, cônego de Arras. Em 1333 foi nomeado cônego de Reims. Com a morte do rei, em 1346, na batalha de Crécy, passou a servir então a sua filha, Bona de Luxemburgo, assim como a Carlos, o Mau, rei de Navarra, e ao duque de Berry. Sua reputação era a de ser um dos maiores compositores e poetas do seu tempo. Em 1359 defendeu Reims do ataque de Eduardo III.

Já idoso, por volta de 1362, Guillaume de Machaut apaixonou-se pela jovem Péronelle d'Armentières (Péronne de Jouveignes)[1] [2] , de 19 anos, com quem manteve correspondência poética e amorosa e para quem escreveu Dit du Vergier. Machaut morreu em Reims, em 1377.

Obra[editar | editar código-fonte]

Machaut começa compondo no estilo do século anterior (ars antiqua), mas logo adapta as inovações propostas por Adam de la Halle em sua obra. Foi com a teorização da ars nova por Philippe de Vitry que seu estilo foi formado em definitivo. Machaut aplica o isorritmo, seguindo piamente as regras propostas por Vitry, como a utilização do compasso binário. Seu estilo é marcado por uma grande riqueza rítmica. Machaut é o impulsionador da música dos séculos vindouros, com uma crescente conscientização do papel das cadências na finalização frasal. Ele compôs músicas seculares para seus poemas, normalmente, em estilo monofônico. Ma fin est mon commencement (Meu fim é meu começo) é uma das composições mais representativas de seu gênio, onde o título esclarece sua construção: a peça é de fato um rondeau, com estrutura ABaAabAB; de modo que a peça acaba com o motivo inicial.

Produção conhecida: 24 motetos, Hoquetus David (hoqueto duplo), cerca de 42 ballades, cerca de 22 rondeaux, cerca de 33 virelais, 19 lais, 1 complainte, 1 chanson royal. Obras importantes de Machaut incluem: De Toutes Flours, Le Lay de Bonne Esperance, Douce Dame Jolie e a Messe de Nostre Dame.

Poemas, crônicas e compilações: La Prise d'Alexandrie, Dit du Vergier, Confort d'Ami, Fontaine Amoureuse, Remède de Fortune.

Virelai Douce Dame Jolie
Versão midi de Timothy Roden, Craig Wright, Bryan Simms
Rondeau Doulz Viaire
Versão midi de Hans Heinrich Eggebrecht
Riches d'amour et mandians d'amie
Versão midi de Ricardo Frantz

Missa de Notre Dame[editar | editar código-fonte]

A Messe de Nostre Dame (Missa de Notre Dame) merece especial destaque dentre todas as que Machaut compôs, pois é inaugurante de uma nova era. Foi a primeira missa composta para quatro vozes (tenor, contra-tenor, motetus e triplum) em estilo polifônico. Na missa, Machaut utiliza a polifonia para o ordinário, enquanto o próprio era cantado em unísso e em estilo gregoriano. Na parte polifônica, ele dispõe de duas técnicas. A primeira é a técnica do cantus firmus, onde o tenor canta longas notas enquanto as outras vozes trabalham os melismas nos novos ritmos desenvolvidos na Ars nova, acima e abaixo da tessitura do tenor. A segunda, em estilo silábico, isto é, uma nota para cada sílaba, todas as vozes cantam juntas o texto. A missa foi composta para um dia de festa mariano, seja ele a Natividade da Virgem, a Purificação, a Anunciação ou a Assunção, onde bastava conservar o ordinário e adaptar o próprio para cada ocasião. Machaut utiliza em toda a peça os chamados ritmos modais. É considerada a primeira grande missa cíclica composta contrapontisticamente, isto é, foi a primeira missa completa composta com a reexposição temática a unificar todas as seções.

Discografia[editar | editar código-fonte]

  • 2002 - "Intégrale des motets", Ensemble Musica Nova, dir. Lucien Kandel, Zig-Zag Territoires 021002.2 (2 CDs).
  • 2009 - "Ballades", n°. 23, 37, 13, 28, 21, 29, 22, 17, 19, 34, 14, Ensemble Musica Nova, dir. Lucien Kandel, Aeon AECD 0982.
  • 2010 - "Messe de Notre-Dame", (Philippe de Vitry, Pierre de Bruges, Gilles d'Orléans, Bernard de Cluny, Codex Robertsbridge), Ensemble Musica Nova, Joseph Rassam, organo, dir. Lucien Kandel, Aeon, AECD 1093.


Partes da missa[editar | editar código-fonte]

  1. Intróito: parte do próprio, cantochão em uníssono.
  2. Kyrie: parte do ordinário, polifonia cantus firmus.
  3. Gloria: parte do ordinário, polifonia silábica.
  4. Gradual: parte do próprio, cantochão em uníssono.
  5. Aleluia: parte do próprio, cantochão em uníssono.
  6. Credo: parte do ordinário, polifonia silábica.
  7. Ofertório: parte do próprio, cantochão em uníssono.
  8. Prefácio: parte do próprio, cantochão em uníssono.
  9. Sanctus: parte do ordinário, polifonia cantus firmus.
  10. Agnus Dei: parte do ordinário, polifonia cantus firmus.
  11. Comunhão: parte do próprio, cantochão em uníssono.
  12. Ite, missa est: parte do ordinário, cantochão em uníssono.
Kyrie da Messe de Nostre Dame
Versão midi de Ricardo Frantz

Cronologia[editar | editar código-fonte]

Portal A Wikipédia possui o
Portal da Música Erudita
  • c.1300 - nascimento de Guillaume de Machaut.
  • 1323 - entra a serviço de João de Luxemburgo, rei da Boêmia.
  • 1330 - nomeado cônego de Verdun.
  • 1332 - nomeado cônego de Arras.
  • 1333 - nomeado cônego de Reims.
  • 1337 - nomeado cônego de Reims (segunda vez).
  • 1346 - morte do rei João de Luxemburgo na batalha de Crécy.
  • 1357 - escreve Confort d'Ami, poema dedicado a Carlo de Navarra.
  • 1359 - defende Reims do ataque de Eduardo III.
  • 1362 - apaixona-se por Pérrone d'Armentiers.
  • 1363 - compõe a Missa de Notre Dame.
  • 1370 - compõe La prise d'Alexandrie, crônica inspirada numa cruzada de Pierre de Lusignan.
  • 1377 - morte de Machaut.

Referências