Guiné-Bissau

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
República da Guiné-Bissau
Bandeira da Guiné-Bissau
Brasão de Armas da Guiné-Bissau
Bandeira Brasão de armas
Lema: "Unidade, Luta, Progresso"
Hino nacional: Esta é a Nossa Pátria Bem Amada
Gentílico: guineense

Localização da Guiné-Bissau

Capital Bissau
11°52′N 15°36′W
Língua oficial Português (oficial)
Crioulo da Guiné-Bissau (reconhecido mas não oficial)
Governo República Semipresidencialista
 - Presidente José Mário Vaz
 - Primeiro-ministro Domingos Simões Pereira
Independência de Portugal 
 - Declarada 24 de Setembro de 1973 
 - Reconhecida 10 de Setembro de 1974 
Área  
 - Total 36 544 km² km² (136.º)
 - Água (%) 22,4
 Fronteira Senegal e Guiné-Conacri
População  
 - Estimativa de 2008 1 472 446[1] hab. (146.º)
 - Censo 2009 1 449 230 hab. 
 - Densidade 44 hab./km² (154.º)
PIB (base PPC) Estimativa de 2014
 - Total US$ 2,502 mil milhões*[2]  
 - Per capita US$ 1 439[2]  
PIB (nominal) Estimativa de 2014
 - Total US$ 1,040 mil milhão*[2]  
 - Per capita US$ 598[2]  
IDH (2013) 0,396 (177.º) – baixo[3]
Gini (1993) 47[4]
Moeda Franco CFA da África Ocidental (XOF)
Fuso horário +0 (UTC0)
Org. internacionais ONU, OMC, CPLP, UA, CEDEAO
Cód. ISO GNB
Cód. Internet .gw
Cód. telef. +245
Website governamental http://www.governo.bissau.net

Mapa da Guiné-Bissau

Guiné-Bissau, oficialmente República da Guiné-Bissau, é um país da África Ocidental que faz fronteira com o Senegal ao norte, Guiné ao sul e ao leste e com o Oceano Atlântico a oeste. O território guineense abrange 36.125 quilômetros quadrados de área, com uma população estimada de 1,6 milhão de pessoas.

Guiné-Bissau fazia parte do Reino de Gabu, bem como parte do Império Mali. Partes deste reino persistiram até o século XVIII, enquanto algumas outras estavam sob domínio do Império Português desde o século XVI. No século XIX, a região foi colonizada e passou a ser referida Guiné Portuguesa. Após a independência, declarada em 1973 e reconhecida em 1974, o nome de sua capital, Bissau, foi adicionada ao nome do país para evitar confusão com a Guiné (a antiga Guiné Francesa). Foi a primeira colónia portuguesa no continente africano a ter a independência reconhecida por Portugal.[5]

Guiné-Bissau tem um histórico de instabilidade política desde a sua independência e nenhum presidente eleito conseguiu completar com sucesso um mandato completo de cinco anos. Apenas 14% da população fala português, estabelecido como língua oficial durante o período colonial. Quase metade da população (44%) fala kriol, uma língua crioula baseada no português]], enquanto o restante dos habitantes falam uma variedade de línguas africanas nativas. As principais religiões são as religiões tradicionais africanas e o islamismo; há uma minoria cristã (principalmente católica romana).

O produto interno bruto (PIB) per capita do país é um dos mais baixos do mundo. A Guiné-Bissau é membro da União Africana, Comunidade Económica dos Estados da África Ocidental, Organização para a Cooperação Islâmica, União Latina, Comunidade de Países de Língua Portuguesa, Francofonia e da Zona de Paz e Cooperação do Atlântico Sul.

História[editar | editar código-fonte]

Primeiros povos e colonização portuguesa[editar | editar código-fonte]

Antes da chegada dos Europeus e até o século XVII, a quase totalidade do território da Guiné-Bissau integrava o reino de Gabu, tributário do legendário Império Mali, dos mandingas, que florescera a partir de 1235 e subsistiu até o século XVIII. Os grupos étnicos eram os balantes, os fulanis, os mandayakos e os molinkes.[6]

O primeiro navegador e explorador europeu a chegar à costa da actual Guiné-Bissau foi o português Nuno Tristão, em 1446.[6] A colonização só tem início em 1558, com a fundação da vila de Cacheu. A princípio somente as margens dos rios e o litoral foram exploradas. A colonização do interior só se dá a partir do século XIX. No século XVII, foi instituída a Capitania-Geral da Guiné Portuguesa. Mais tarde, durante o Estado Novo de Salazar, a colonia passaria a ter o estatuto de província ultramarina, com o nome de Guiné Portuguesa.[7]

A vila de Bissau foi fundada em 1697, como fortificação militar e entreposto de tráfico de escravos. Posteriormente elevada a cidade, tornar-se-ia a capital colonial, estatuto que manteve após a independência da Guiné-Bissau.

Independência[editar | editar código-fonte]

Soldados do PAIGC hasteiam a bandeira da Guiné-Bissau em 1974, depois da declaração de independência.

Em 1956, Amílcar Cabral liderou fundação do Partido Africano para a Independência da Guiné e Cabo Verde (PAIGC), que, no início da década de 1960, iniciou a luta armada contra o regime colonial. Cabral foi assassinado em 1973, em Conacri, num atentado que o PAIGC atribuiu aos serviços secretos portugueses mas que, na verdade, fora perpetrado por um grupo de guineenses do próprio partido,[8] que acusavam Cabral de estar dominado pela elite de origem cabo-verdiana.

Apesar da morte do líder, a luta pela independência prosseguiu, e o PAIGC declarou unilateralmente a independência da Guiné-Bissau em 24 de Setembro de 1973. Nos meses que se seguiram, o ato foi reconhecido por vários países, sobretudo comunistas e africanos. Todavia Portugal só reconheceu a independência da Guiné-Bissau em 10 de Setembro de 1974, após a Revolução dos Cravos - ela própria devida, em larga medida, ao impasse em que caíra o esforço bélico português na pequena colónia. Os portugueses começaram então a abandonar a capital, Bissau, ainda em seu poder.

Era Vieira[editar | editar código-fonte]

Segundo o projecto político concebido pelo PAIGC, a Guiné e Cabo Verde, inicialmente constituídos como estados separados, tenderiam a formar uma unidade. Assim, após a independência, os dois países passaram a ser dirigidos por um único partido - o PAIGC - até 1980. Mas, em 14 de Novembro de 1980, um golpe de estado, empreendido pelo chamado Movimento Reajustador, sob a liderança do Primeiro-Ministro João Bernardo Vieira (Nino Vieira), um prestigiado veterano da guerra contra Portugal, derrubou o primeiro Presidente da República da Guiné-Bissau, Luís Cabral, irmão do falecido Amílcar, e suspendeu a Constituição da República, instituindo o Conselho da Revolução, formado por militares e civis. Extinguia-se assim o projecto de unificação dos dois países.

Dentre as razões alegadas para o golpe de Estado, foram apontadas: crise política interna do PAIGC e cerceamento de diálogo no interior do partido, crise económica e social no país, com escassez de alimentos básicos, como arroz, batata, óleo e açúcar; prisões e fuzilamentos de ex-comandos africanos, ex-milicianos e de alguns civis, acusados de terem pertencido ou apoiado o exército colonial português.[9] .

Luís Cabral parte para Cuba e depois para o exílio em Portugal, enquanto que em Guiné eram mostradas valas comuns em Cumeré, Portogole e Mansabá,[10] com os restos mortais de soldados guineenses que lutavam para o exercito portugues, fuzilados em massa por ordem do antigo chef de estado Luis Cabral.

Após a derrubada de Luís Cabral, os dirigentes políticos cabo-verdianos decidiram desvincular-se do PAIGC, formando um novo partido, designado por PAICV (Partido Africano para a Independência de Cabo Verde), numa total ruptura política.

Até 1984, o país foi controlado por um conselho revolucionário sob a chefia de Nino Vieira. Em 1989, o presidente Nino Vieira começa o esboço de um programa de reformas e liberalização política, abrindo caminho para uma democracia multipartidária. Eliminaram-se vários artigos da Constituição que privilegiavam o papel de liderança do PAIGC, e foram ratificadas leis que permitiam a formação de outros partidos políticos, liberdade de imprensa, sindicatos independentes e direito à greve.

Guerra civil e período recente[editar | editar código-fonte]

Um tanque T-54/T-55 abandonado depois do fim da guerra civil de 1998-1999.

Em 1994, tiveram lugar as primeiras eleições multipartidárias para a presidência e o parlamento da Guiné-Bissau. Em 1998, o presidente Nino Vieira foi derrubado por um golpe militar liderado pelo brigadeiro Ansumane Mané. Vieira parte para o exílio em Portugal, e, entre 1998 e 1999, o país mergulha praticamente numa guerra civil.

Logo após a guerra civil, novas eleições foram convocadas, com a vitória do líder oposicionista Kumba Yalá e do seu partido, PRS (Partido para a Renovação Social). Yalá assume o cargo de presidente da República em 2000. Conhecido como «o homem do barrete vermelho», o novo presidente não tardou a revelar-se uma nulidade a todos os títulos e afinal foi deposto por novo golpe militar, em Setembro de 2003, sob a alegação de inépcia para resolver os problemas do país. Henrique Rosa assumiu o posto interinamente.

Afinal, em Abril de 2004, tiveram lugar as eleições legislativas, adiadas inúmeras vezes. Em Outubro do mesmo ano, Ansumane Mané, comandante-mor das forças armadas, que nunca vira com bons olhos a ascensão de Kumba Yalá à presidência, protagonizou nova sublevação, mas acabou por ser morto por adversários (a pauladas, segundo fontes referidas por Jaime Nogueira Pinto na obra citada), o que causou uma forte comoção em todo o país.

Ainda que envoltas em polémica, as eleições presidenciais de 2005 reconduziram Nino Vieira ao mais alto cargo da nação. A situação geral continuou a degradar-se em todos os domínios: a Guiné-Bissau transformou-se num entreposto do narcotráfico internacional, ponto de distribuição para a América Latina e para a Europa.

A 1 de Março de 2009, Tagme Na Waie, Chefe do Estado-Maior das Forças Armadas e antigo rival político de Nino Vieira, é assassinado num atentado bombista. Alguns militares que lhe eram próximos suspeitaram, embora sem provas, que o presidente estivesse envolvido neste atentado. Na manhã do dia seguinte, 2 de Março de 2009, atacaram o palácio presidencial e mataram Nino Vieira. A verdade é que Tagme Na Waie exigira repetidamente o desarmamento da milícia fiel a Nino Vieira, e que tinha havido uma rápida escalada nas disputas pelo governo da Guiné-Bissau.[11]

A cúpula militar, que muitos analistas consideram o verdadeiro poder neste pequeno e paupérrimo país, afirmou que os direitos democráticos seriam mantidos e que não se tratava de um golpe de Estado. Mas muitos governos de todo o mundo condenaram o assassinato de Nino Vieira (sem prejuízo de críticas e reservas à sua actuação) e exprimiram séria apreensão com referência à estabilidade política da Guiné-Bissau.[12] .

O Presidente da Assembleia Nacional Popular (ANP), Raimundo Pereira, assumiu a presidência interinamente,[13] e os partidos políticos guineenses marcaram eleições presidenciais antecipadas para 28 de Junho de 2009, as quais foram vencidas por Malam Bacai Sanhá[14] que anteriormente foi presidente da Assembleia Nacional Popular da Guiné-Bissau de 1994 a 1999..Morreu na capital francesa, quando ainda era presidente, em 9 de janeiro de 2012, de causas desconhecidas. Interinamente assumia o posto de presidente da República Raimundo Pereira que já era o chefe de Governo em funções durante a enfermidade de Bacai Sanhá.

A transição da Guiné-Bissau para a democracia continua, no entanto, dificultada pela debilidade da sua economia, devastada pela guerra civil e pela instabilidade política. A 1 de Abril de 2010 assistiu-se a uma nova tentativa de golpe de estado, desta vez contra o primeiro-ministro Carlos Gomes Júnior e o chefe das Forças Armadas, tenente-general Zamora Induta.[15] [16]

A partir de 2009, quando do assassinato do presidente da Guiné-Bissau, João Bernardo Vieira, o Brasil tem-se comprometido com a pacificação do país. O Brasil preside a Configuração Específica da Guiné Bissau da Comissão de Consolidação da Paz (CCP)das Nações Unidas, criada por iniciativa brasileira. Há ainda o Centro de formação para as forças de segurança da Guiné-Bissau, patrocinado pelo Brasil, para limitar o papel das forças armadas às questões militares. A cooperação técnica brasileira em ciclos eleitorais, uma das mais avançadas do mundo, tem sido prestada por meio de cooperação triangular, a exemplo do Memorando de Entendimento Brasil-Estados Unidos-Guiné Bissau para apoio a atividades parlamentares.

Golpe de estado[editar | editar código-fonte]

A 12 de Abril de 2012, uma acção militar levada a cabo por militares guineenses atacam a residência do ex-primeiro-ministro e candidato presidencial, Carlos Gomes Júnior presidente do PAIGC, e ocuparam vários pontos estratégicos da capital da Guiné-Bissau, alegando defender as Forças Armadas de uma alegada agressão de militares angolanos, que segundo o autodenominado Comando Militar, teria sido autorizada pelos chefes do Estado interino e do Governo.[17] [18] No entanto, no imediato o panorama é dos mais confusos quanto a actores e motivações.[19] Enquanto a ONU, a União Africana e a União Europeia exigiram a restauração imediata da ordem constitucional, a CEDEAO.impôs em 11 de Maio Manuel Serifo Nhamadjo, presidente da Assembleia Nacional, como Presidente Interino do país, com mandato para um ano.[20]

Geografia[editar | editar código-fonte]

Imagem de satélite da Guiné-Bissau, com base nos dados fornecidos pelo The Map Library.

Com uma área de 36 126 km², o país é maior que a Bélgica, Taiwan, Haiti ou mesmo os estados brasileiros de Alagoas e Sergipe.

O país estende-se por uma área de baixa altitude. O seu ponto mais elevado está 300 metros acima do nível do mar. O interior é formado por savanas e o litoral por uma planície pantanosa. O período chuvoso alterna com um período de seca, com ventos quentes vindos do deserto do Sahara. O arquipélago dos Bijagós situa-se a pouca distância da costa.

Clima[editar | editar código-fonte]

Situada aproximadamente a meia distância entre o Equador e o Trópico de Câncer, a Guiné-Bissau tem clima tropical, caracteristicamente quente e húmido. Há duas estações distintas: a estação das chuvas e a estação seca. O território insular, composto por mais de 80 ilhas, exibe algumas das melhores praias da África Ocidental.

A estação das chuvas estende-se de meados de Maio até meados de Novembro, com maior pluviosidade em Julho e Agosto. A estação seca corresponde aos restantes meses do ano. Os meses de Dezembro e Janeiro são os mais frescos. No entanto, as temperaturas são muito elevadas durante todo o ano.

Demografia[editar | editar código-fonte]

Composição étnica[editar | editar código-fonte]

Mulher do povo fulas.

A população da Guiné-Bissau é etnicamente diversa e tem muitas línguas distintas, costumes e estruturas sociais.

Guiné-Bissauans podem ser divididos nos seguintes grupos étnicos: fulas e os povos de língua mandinga, que compõem a maior parte da população e estão concentrados no norte e nordeste do território; os balantas, que vivem nas regiões costeiras do sul e os manjacos, que ocupam as áreas costeiras do centro e norte. A maioria do restante são mestiços, com ascendência mista de portugueses e africanos, além de uma minoria de Cabo Verde.[21]

Os nativos de Portugal compreendem atualmente a uma porcentagem muito pequena da população do país. Depois que Guiné-Bissau conquistou a independência, a maioria dos cidadãos portugueses deixou o país. O país tem uma pequena população de chineses. Estes incluem comerciantes e mercadores de ascendência portuguesa e chinesa de Macau, uma antiga colónia portuguesa na Ásia.[22]

Idiomas[editar | editar código-fonte]

Apenas 14% da população do país fala a língua oficial, o português, que é o idioma usado pelo governo desde os anos coloniais. Cerca de 44% da população fala kriol, uma língua crioula baseada no português e que é efetivamente a língua nacional de comunicação. O restante falam uma variedade de línguas africanas nativas de suas etnias.[23] A maioria dos portugueses e mestiços falam uma das línguas africanas e o kriol como segunda língua. O francês é ensinado nas escolas, porque o país é cercado por nações de língua francesa, além de ser membro da Francofonia.[24]

Religião[editar | editar código-fonte]

Religião na Guiné-Bissau[25]
Religião % aprox.
Religiões étnicas
  
44,9%
Muçulmanos
  
41,9%
Cristãos
  
11,9%
Outras (inclui ateus)
  
1,3%

Ao longo do século XX, a maioria dos guineenses praticavam alguma forma de animismo. No início do século XXI, muitos se converteram ao islamismo, que hoje é praticado por 50% da população do país. A maioria dos muçulmanos da Guiné-Bissau são da denominação sunita, sendo que cerca de 2% que pertencem à seita Ahmadi.[26]

O cristianismo é seguido por cerca de 10% da população do país e 40% continuam a manter as crenças nativas. Estas estatísticas podem ser enganadoras, no entanto, como muitos moradores praticam formas sincréticas das religiões islâmica e cristã, combinando suas práticas com as crenças tradicionais africanas.[27] [28] [29]

Cidades mais populosas[editar | editar código-fonte]

Governo e política[editar | editar código-fonte]

Sede do PAIGC.

A Guiné-Bissau é uma república. No passado, o governo havia sido altamente centralizado. A governação a vários festa não foi estabelecida até meados de 1991. O presidente é o chefe de Estado e o primeiro-ministro é o chefe de governo.[30]

O poder legislativo, a unicameral Assembleia Nacional Popular da Guiné-Bissau é a instituição máxima e é composta por 100 membros. Eles são eleitos pelo voto popular a partir de círculos plurinominais para um mandato de quatro anos. O sistema judicial é dirigido por um Supremo Tribunal da Justiç, composto por nove juízes nomeados pelo presidente.[30]

João Bernardo "Nino" Vieira foi eleito em 2005 como presidente da Guiné-Bissau como um Estado independente, sendo vencedor declarado do segundo turno das eleições pelo Comité Nacional de Eleições. Vieira voltou ao poder em 2005, seis anos depois de ter sido afastado do cargo durante uma guerra civil. Anteriormente, ele ocupou o poder por 19 anos após a tomada do poder em 1980 em um golpe de Estado. Nessa ação, ele derrubou o governo de Luís Cabral.[31]

Vieira foi morto em 2 de março de 2009, possivelmente por soldados em retaliação pelo assassinato do General Batista Tagme Na Waie. A morte de Vieira não provocou violência generalizada, mas houve sinais de turbulência no país, de acordo com o grupo de defesa Swisspeace.[32]

Malam Bacai Sanhá foi eleito após uma transição. Na eleição de 2009 para substituir Vieira, Sanhá foi o candidato presidencial do Partido Africano para a Independência da Guiné e Cabo Verde (PAIGC), enquanto Kumba Ialá foi o candidato presidencial do PRS.[33]

Em 2012, o presidente Rachide Sambu-balde Malam Bacai Sanhá morreu. Ele pertencia ao PAIGC, um dos dois principais partidos políticos da Guiné-Bissau, juntamente com o PRS Partido de Renovação Social (PRS). Há outros 20 partidos menores.[34]

Subdivisões[editar | editar código-fonte]

Mapa das regiões da Guiné-Bissau.

A Guiné-Bissau é dividida em oito regiões e um sector autónomo:

Economia[editar | editar código-fonte]

Sede do Banco Central da Guiné-Bissau.
Gráfico dos principais produtos exportados pela Guiné-Bissau (em inglês).

O produto interno bruto (PIB) per capita da Guiné-Bissau é um dos mais baixos do mundo, enquanto que o Índice de Desenvolvimento Humano (IDH) também é um dos piores do planeta.[3] Mais de dois terços da população vive abaixo da linha da pobreza. A economia depende principalmente da agricultura; peixes, castanha de caju e nozes moídas são os seus principais produtos de exportação.[35]

Um longo período de instabilidade política resultou em uma atividade econômica deprimida, na deterioração das condições sociais e no aumento dos desequilíbrios macroeconómicos. Leva mais tempo, em média, para registrar um novo negócio na Guiné-Bissau (233 dias ou cerca de 33 semanas) do que em qualquer outro país do mundo, exceto o Suriname.[36]

A Guiné-Bissau começou a mostrar alguns avanços econômicos depois que um pacto de estabilidade foi assinado pelos principais partidos políticos do país, levando a um programa de reforma estrutural que foi auxiliado pela Fundo Monetário Internacional (FMI).[37] Os principais desafios para o país no período que se avizinha são atingir a disciplina fiscal, reconstruir a administração pública, melhorar o clima económico para o investimento privado e promover a diversificação económica. Depois que o país tornou-se independente de Portugal em 1974, devido ao Guerra Colonial Portuguesa e a Revolução dos Cravos, o rápido êxodo de civis, militares e autoridades políticas portuguesas resultou em danos consideráveis ​​à infraestrutura econômica, ordem social e qualidade de vida do país.

Após vários anos de recessão econômica e instabilidade política, em 1997, Guiné-Bissau entrou no sistema monetário Franco CFA, o que trouxe alguma estabilidade monetária interna.[38] A guerra civil, que ocorreu em 1998 e 1999, e um golpe militar em setembro 2003 novamente interrompeu a atividade econômica, deixando uma parte substancial da infraestrutura econômica e social em ruínas e intensificando a pobreza já generalizada a população. Após as eleições parlamentares de março de 2004 e as eleições presidenciais em julho de 2005, o país está tentando se recuperar do longo período de instabilidade, apesar de uma situação política ainda frágil. O país também é membro da Organização para a Harmonização em África do Direito dos Negócios (OHADA).[39]

Por volta de 2005, os narcotraficantes com base na América Latina começaram a usar Guiné-Bissau, juntamente com várias nações da África Ocidental, como um ponto de transbordo de cocaína para a Europa.[40] A nação foi mencionada por um funcionário das Nações Unidas por estar em risco para se tornar um "narco-Estado".[41] O governo e os militares têm feito pouco para impedir o tráfico de drogas, que aumentou após o golpe de Estado de 2012.[42]

Infraestrutura[editar | editar código-fonte]

Saúde[editar | editar código-fonte]

A Organização Mundial de Saúde (OMS) estima que há menos de cinco médicos para cada grupo de 100 000 habitantes no país.[43] A prevalência de infecção pelo HIV entre a população adulta é de 1,8%, com apenas 20% das mulheres grávidas infectadas recebendo cobertura antirretroviral.[43] Os casos de malária são ainda maiores, com 9% da população relatando infecção, sendo uma causa de mortalidade específica quase três vezes mais do que a AIDS.[43] Em 2008, menos da metade das crianças com menos de cinco anos de idade dormia sob mosquiteiros ou tiveram acesso a antimaláricos.[43]

A esperança de vida ao nascer vem crescendo desde 1990, mas continua a ser baixa. De acordo com a OMS, a esperança de vida para uma criança nascida em 2008 era de 49 anos.[43] Apesar da redução de casos em países vizinhos, taxas de cólera foram notificadas em novembro de 2012, com 1.500 casos apresentados e 9 mortes. Uma epidemia de cólera em 2008 na Guiné-Bissau afetou 14.222 pessoas e matou outras 225.[44]

Em junho de 2011, o Fundo de População das Nações Unidas divulgou um relatório sobre o estado da obstetrícia do mundo, contendo dados sobre a força de trabalho e as políticas relacionadas com a mortalidade neonatal e materna em 58 países. Neste relatório foi apresentado que, em 2010, a taxa de mortalidade materna a cada 100.000 nascidos é de 1.000, na Guiné-Bissau.[45]

Educação[editar | editar código-fonte]

Escola no país.

A educação é obrigatória a partir dos 7 anos de idade. A matrícula dos meninos é mais alta do que a de meninas. O trabalho infantil é muito comum no país.[46] Em 2011, a taxa de alfabetização foi estimada em 55,3% (68,9% do sexo masculino, e 42,1% do sexo feminino).[47]

Por outro lado, Guiné-Bissau tem várias escolas secundárias (em geral, assim como técnica) e um surpreendente número de universidades, sendo que as institucionalmente autônomas, como a Faculdade de Direito e a Faculdade de Medicina, têm de ser mencionadas.

Em 1998, a taxa de escolarização primária bruta era de 53,5%, com uma taxa maior para o sexo masculino (67,7%) em relação ao sexo feminino (40%). [64] Desde 2001, a Guiné-Bissau tem se recuperado do conflito civil de 1999, mas a guerra civil e conflitos posteriores deslocaram um terço da população, destruíram muitas escolas e impediram que a maioria das crianças e jovens frequentassem a escola por, pelo menos, metade de um ano.[48]

Comunicações[editar | editar código-fonte]

O número de telemóveis [nota 1] registados cresceu de 20 000 para 40 000 entre janeiro de 2007 e janeiro de 2008, representando uma taxa de penetração de cerca de 3 por cento da população. Actualmente, operam no país 3 grandes empresas de telemóveis: a MTN (que substituiu a Areeba), a Orange e a Guine Tel. Na cidade de Bissau, são vendidos cartões pré-pagos e pacotes iniciais de todas as redes. As chamadas nacionais funcionam facilmente e com qualidade aceitável. Já as mensagens internacionais funcionam menos regularmente.[carece de fontes?]

Cultura[editar | editar código-fonte]

A Guiné-Bissau possui um património cultural bastante rico e diversificado. As diferenças étnicas e linguísticas produziram grande variedade a nível da dança, da expressão artística, das profissões, da tradição musical, das manifestações culturais. A dança é, contudo, uma verdadeira expressão artística dos diversos grupos étnicos. Os povos animistas caracterizam-se pelas belas e coloridas coreografias, fantásticas manifestações culturais que podem ser observadas correntemente por ocasião das colheitas, dos casamentos, dos funerais, das cerimónias de iniciação.

O estilo musical mais importante é o gumbé. O Carnaval guineense, completamente original, com características próprias, tem evoluído bastante, constituindo uma das maiores manifestações culturais do País. Na literatura, ainda considerada incipiente, destacam-se os nomes de de Abdulai Silla, autor do primeiro romance de Guiné-Bissau, e Marinho de Pina.

Música[editar | editar código-fonte]

O músico guineense Manecas Costa.

A música da Guiné-Bissau é geralmente associada com o gumbé, um gênero polirrítmico, a principal exportação musical do país. No entanto, a agitação civil e outros fatores se combinaram ao longo dos anos para manter p gumbé e outros gêneros longe do público, mesmo nos países africanos em geral sincretistas.[49]

O afoxé é o principal instrumento musical do país[50] e é usado em extremamente rápida e ritmicamente complexa música de dança. As composições são quase sempre em kriol, uma língua crioula baseada no português, e são muitas vezes bem-humoradas, além de geralmente girar em torno de eventos e controvérsias atuais do país, especialmente a AIDS.[51]

A palavra gumbé às vezes é usado genericamente, para se referir a qualquer música do país, embora se refira mais especificamente a um estilo musical único que combina cerca de dez tradições da música popular do país.[52] Tina e tinga são outros gêneros populares, enquanto tradições populares incluem músicas cerimoniais usada em funerais, iniciações e outros rituais, além da brosca e kussundé dos balantas, o djambadon dos mandingas e o kundere do Arquipélago dos Bijagós.[53]

Cinema[editar | editar código-fonte]

Flora Gomes é um director de cinema guineense de renome internacional; seu filme mais famoso é Nha Fala (2002).[54] O filme Mortu Nega (1988), de Gomes,[55] foi o primeiro filme de ficção e o segundo filme já feito na Guiné-Bissau. O primeiro longa-metragem foi N'tturudu, do diretor Umban u'Kest em 1987. No FESPACO de 1989, Mortu Nega ganhou o prestigioso Prêmio Ganda Oumarou. Mortu Nega foi feito em crioulo com legendas em inglês. Em 1992, Gomes dirigiu Udju Azul di Yonta,[56] que foi exibido na mostra Un certain regard, no Festival de Cannes de 1992.[57] Gomes também atuou nos conselhos de muitos festivais de cinema da África Ocidental.[58]

Feriados[editar | editar código-fonte]

Feriados e/ou festas
Data Nome em português Notas
1 de Janeiro Ano Novo
20 de Janeiro Dia dos heróis
8 de Março Dia Internacional da Mulher
1 de Maio Dia do Trabalho
3 de Agosto Dia dos mártires da colonização
24 de Setembro Dia da independência (1973) Festa nacional
13 de Outubro Final do Ramadão Muçulmana
20 de Dezembro Festa do Cordeiro Muçulmana
25 de Dezembro Natal Cristã

Notas

  1. Telefones celulares em português do Brasil

Ver também[editar | editar código-fonte]

Portal A Wikipédia possui o
Portal da Guiné-Bissau

Referências

  1. O censo populacional de 2009 indica como população total 1,449,230
  2. a b c d Fundo Monetário Internacional (FMI): World Economic Outlook Database (Outubro de 2014). Visitado em 29 de outubro de 2014.
  3. a b Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD): Human Development Report 2014 (em inglês) (24 de julho de 2014). Visitado em 3 de agosto de 2014.
  4. Society at a Glance : Social Indicators OECD OCDE (Outubro de 2012). Visitado em 28 de outubro de 2013.
  5. Guiledje: na Rota da Independência da Guiné-Bissau
  6. a b Série de autores e consultores, Dorling Kindersley, History (título original), 2007, ISBN 978-989-550-607-1
  7. Viagem Virtual à Guiné-Bissau, por Normand Raymond e Vitália Rodriques.
  8. Amílcar Cabral. Libertador, 1924-1973
  9. Segundo Jaime Nogueira Pinto, até Outubro de 1974, ainda sob a o domínio português, personificado por Carlos Fabião, Luís Cabral teria mandado executar africanos que haviam integrado as Forças Armadas Portuguesas. V. PINTO, Jaime Nogueira, Jogos Africanos. Lisboa: A Esfera dos Livros, 2008.
  10. Guiné-Bissau: uma independência sui generis, por Antonieta Rosa Gomes. Africanidade, 25 de setembro de 2009.
  11. Guiné-Bissau: Chefe de Estado maior morreu em atentado Bissau Digital. Visitado em 2010-07-10.
  12. Luís Amado apela à recuperação da estabilidade na Guiné-Bissau
  13. Presidente da ANP assume interinamente a chefia de Estado
  14. Foi escolhida a data para a realização das eleições presidenciais entecipadas
  15. Responsáveis da intervenção militar repetentes em episódios de tensão - Globo - DN dn.sapo.pt. Visitado em 01-Abril-2010.
  16. Mundo - Tentativa de golpe de Estado na Guiné-Bissau - RTP Noticias, Vídeo tv1.rtp.pt. Visitado em 01-Abril-2010.
  17. Forças Armadas portuguesas prontas para irem para Guiné-Bissau jn.pt. Visitado em 12 de Abril de 2012.
  18. Lusa (12 de Abril de 2012). Forças Armadas portuguesas elevam estado de prontidão devido à situação na Guiné-Bissau RTP. Visitado em 12 de Abril de 2012.
  19. Público (Lisboa, 14-4-2012 e Expresso (Lisboa) 14-4-2012
  20. Publico (Lisboa), 12-05-2012
  21. Guinea-Bissau ethnic classifications, Joshuaproject.net, Acessado em 2 de junho de 2013.
  22. China-Guinea-Bissau. China.org.cn. Acessado em 22 de junho de 2013.
  23. Crioulo, Upper Guinea. Ethnologue.org. Acessado em 22 de junho de 2013.
  24. WELCOME TO THE INTERNATIONAL ORGANISATION OF LA FRANCOPHONIE'S OFFICIAL WEBSITE. Francophonie.org. Acessado em 22 de junho de 2013.
  25. The Association of Religion Data Archives. Largest Religious Groups (Guinea-Bissau) (em inglês). Visitado em 25 de julho de 2011.
  26. The World's Muslims: Unity and Diversity Pew Forum on Religious & Public life (9 de agosto de 2012). Visitado em 2 de junho de 2014.
  27. "Guinea-Bissau", Encyclopædia Britannica
  28. Guine-Bissau: People and Society (em inglês) CIA - The World Factbook. Visitado em 1 de maio de 2014.
  29. Guinea-Bissau (em inglês) Encyclopedia Britannica. Visitado em 1 de maio de 2014.
  30. a b Guinea-Bissau Supreme Court. Stj.pt. Acessado em 22 de junho de 2013.
  31. Luís Cabral - Biografia/Perfil - RTP Notícias tv1.rtp.pt. Visitado em 31 de maio de 2009.
  32. Arquivado em março 8, 2009 no Wayback Machine. news.com.au (2 de março de 2009).
  33. Elections, Guinea-Bissau (27 de maio de 2009). On the Radio Waves in Guinea-Bissau swisspeace. Visitado em 7 de fevereiro de 2010.
  34. Guinea-Bissau Political Parties. Nationsencyclopedia.com. Acessado em 22 de junho de 2013.
  35. World Bank profile. Banco Mundial (31 de maio de 2013). Acessado em 22 de junho de 2013.
  36. The Economist, Pocket World in Figures, Edição de 2008, em Londres: Profile Books
  37. Guinea-Bissau and the IMF. Fundo Monetário Internacional (13 de maio de 2013). Acessado em 22 de junho de 2013.
  38. CFA Franc and Guinea-Bissau. Uemoa.int. Acessado em 22 de junho de 2013.
  39. OHADA.com: The business law portal in Africa. Visitado em 22 de março de 2009.
  40. Guinea-Bissau:A narco-state?. Time.com (29 de outubro de 2009). Acessado em 22 de junho de 2013.
  41. Sullivan, Kevin. "Route of Evil: How a tiny West African nation became a key smuggling hub for Colombian cocaine, and the price it is paying", 25 de maio de 2008.
  42. "Guinea-Bissau drug trade 'rises since coup'", BBC News, 31 de julho de 2012. Página visitada em 5 de outubro de 2012.
  43. a b c d e Global Health Indicators (em inglês) Organização Mundial de Saúde (OMS) (2010). Visitado em 1 de maio de 2014.
  44. Guinea Bissau: Cholera On the Rise (em inglês) All Africa (14 de novembro de 2012). Visitado em 1 de maio de 2014.
  45. State of world's midwifery (em inglês) UNFPA (2011). Visitado em 1 de maio de 2014.
  46. Bureau of International Labor Affairs (ILAB) – U.S. Department of Labor Dol.gov. Visitado em 26 de junho de 2010.
  47. The World Factbook. Visitado em 15 de outubro de 2014.
  48. "Guinea-Bissau". 2001 Findings on the Worst Forms of Child Labor. Bureau of International Labor Affairs, U.S. Department of Labor (2002).
  49. Lobeck, Katharina (21 May 2003) Manecas Costa Paraiso di Gumbe Review. BBC.com. Acessado em 22 de junho de 2013.
  50. The Kora . Freewebs.com. Acessado em 22 de junho de 2013.
  51. Radio Africa: Guinea Bissau vinyl discography. Radioafrica.com.au. Acessado em 22 de junho de 2013.
  52. Gumbe - Acessado em 22 de junho de 2013.
  53. Music of Guinea-Bissau. Ccas11bijagos.pbworks.com. Acessado em 22 de junho de 2013.
  54. Nha Fala/My Voice. spot.pcc.edu
  55. Mortu Nega. California Newsreel. Newsreel.org. Acessado em 22 de junho de 2013.
  56. Udju Azul di Yonta. California Newsreel. Newsreel.org. Acessado em 22 de junho de 2013.
  57. Festival de Cannes: Udju Azul di Yonta festival-cannes.com. Visitado em 16 de agosto de 2009.
  58. Flora Gomes The Two Faces of War: National Liberation in Guinea-Bissau. Watsoninstitute.org (25 de outubro de 2007). Acessado em 22 de junho de 2013.

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

  • Abdel Malek, Karine, "Le processus d'accès à l'indépendance de la Guinée-Bissau.", In : Bulletin de l'Association des Anciens Elèves de l'Institut National de Langues et de Cultures Orientales, N°1, Avril 1998. - pp. 53-60
  • Carlos Lopes, Ethnie et rapports de pouvoir en Guinée-Bissau, Genebra: Institut Universitaire d'Études du Développement, 1983
  • René Pélisier, História da Guiné: Portugueses e africanos na Senegâmbia (1841-1936), 2 volumes, Lisboa: Estampa, 1988
  • Lars Rudebeck, Problèmes du pouvoir populaire et du développement: Transition difficile en Guinée-Bissau, Uppsala: Nordiska Afrikainstitutet, 1982
  • Paul Southern, Portugal: The Scramble for Africa, Bromley, Galago Books, 2010
  • João Adalberto Campato Jr. A Poesia da Guiné-Bissau: História e Crítica. São Paulo: Editora Arte & Ciência, 2012.

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Commons
O Commons possui imagens e outras mídias sobre Guiné-Bissau
Bandeira da Guiné-Bissau Guiné-Bissau
Bandeira • Brasão • Hino • Cultura • Demografia • Economia • Geografia • História • Portal • Política • Subdivisões • Imagens