Gulag

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Prisioneiros de um campo do gulag no trabalho, 1936-1937

Gulag ( ouvir ajuda · ficheiro · ouvir) (em russo: ГУЛаг de Главное управление исправительно-трудовых лагерей и колоний; translit.: Glavnoye upravleniye ispravitelno-trudovykh lagerey i kolonij; em português: Administração Geral dos Campos de Trabalho Correcional e Colônias)[1] [2] era um sistema de campos de trabalhos forçados para criminosos, presos políticos e qualquer cidadão em geral que se opusesse ao regime da União Soviética: todavia, a grande maioria era de presos políticos,[3] no campo Gulag de Kengir, em junho de 1954, existiam 650 presos comuns e 5200 presos politicos.[4] [5] Antes da Revolução, o Gulag chamava-se Katorga, e aplicava exatamente a mesma coisa: pena privativa de liberdade, pena de trabalhos forçados e pena de morte. Os bolcheviques continuaram a tradição autocrática-imperial russa em uma escala dezenas de vezes maior[6] e em condições muito piores,[7] [8] [9] onde até o canibalismo existiu.[10] [11] A criminalização da dissidência política era regra tanto na ex-URSS quanto no ex-Império Russo Czarista (que também criminalizava heresias religiosas). Além de presos políticos, havia presos condenados por vadiagem, furto, roubo, agressão, homicídio e estupro. Finalmente, a ex-URSS passou por guerras internas e externas, assim como o Império Russo, então uma parte desses presidiários eram prisioneiros de guerra.[6]

História[editar | editar código-fonte]

Emblem-scales.svg
A neutralidade desse artigo (ou seção) foi questionada, conforme razões apontadas na página de discussão. (desde janeiro de 2013)
Justifique o uso dessa marca na página de discussão e tente torná-lo mais imparcial.
Presos na construção do Canal Mar Branco–Báltico, 1931–33

Este sistema funcionou de 25 de Abril de 1930 até 1960[12] . Foram aprisionadas milhões de pessoas, muitas delas vítimas das perseguições de Stalin, as consideradas "pessoas infames", para a chamada "Pátria Mãe" (a União das Repúblicas Socialistas Soviéticas), e que deveriam passar por "trabalhos forçados educacionais" e merecerem viver na chamada "Pátria Mãe".[13]

O Gulag tornou-se um símbolo da repressão da ditadura de Stalin. Na verdade, as condições de trabalho nos campos eram bastante penosas e incluíam fome, frio, trabalho intensivo de características próprias da escravatura (por exemplo, horário de trabalho excessivo) e guardiões desumanos.[13] Floresceram durante o regime chamados pelos historiadores de stalinista da URSS, estendendo-se a regiões como a Sibéria e a Ucrânia, por exemplo, e destinavam-se, na verdade, a silenciar e torturar opositores ao regime, incluindo entre eles anarquistas,[14] [15] trotskistas e outros marxistas.[16] [17] [13] [18]

Embora algumas vezes comparado aos campos de concentração nazistas, (ver: lista dos campos de concentração nazistas) os motivos que presidiram à construção de ambos são bastante diferentes: para os gulags, as motivações eram tanto a punição por crimes comuns e não de guerra, como ideologias contrárias ao comunismo, delitos de opinião, roubo, estupro, imoralidade, vadiagem, etc., como também aos adversários políticos do comunismo, enquanto para os campos de concentração a motivação era predominantemente racial[carece de fontes?] (bastante controvertido entre os historiadores, pois o "racial" tinha conotação de ideologia).

A Coreia do Norte, considerada um dos os últimos Estados comunistas, ainda mantém disfarçados "campos de trabalhos forçados" muito semelhantes no sentido de tratamento "educacional" e "adoecimento" (pela loucura)[19] [20] [21] [22] [23] .[24] [25] [26] [27] [28] , muitas vezes chamados também de gulags.[29]

Número de prisioneiros[editar | editar código-fonte]

A evolução do número de presos no Gulag (1930-1953)

O número de presos cresceu gradualmente a partir de 1930 (176.000) para 1934 (510.307), quando cresceu mais rapidamente subir para cima de 1938 relacionado com a expurgos (1.881.570), e, em seguida, diminuiu durante a Segunda Guerra Mundial por causa de recrutamento para o Exército Vermelho (1.179.819 em 1944). Em 1945 voltou a crescer até 1950, atingindo um valor máximo (cerca de 2.500.000), que se manteve praticamente constante até 1953.

Número de prisioneiros pelos documentos do NKVD e MGB[30]
1930 179.000 1936 1.296.494 1942 1.777.043 1948 2.199.535
1931 212.000 1937 1.196.369 1943 1.484.182 1949 2.356.685
1932 268.700 1938 1.881.570 1944 1.179.819 1950 2.561.351
1933 334.300 1939 1.672.438 1945 1.460.677 1951 2.525.146
1934 510.307 1940 1.659.992 1946 1.703.095 1952 2.504.514
1935 965.742 1941 1.929.729 1947 1.721.543 1953 2.468.524

Os fluxos de entrada e saída dos campos era muito substancial, o número total de detentos entre 1929 e 1953 é de cerca de 18 milhões. Como parte do mais amplo "trabalho duro", se deve adicionar cerca de 4 milhões de prisioneiros de guerra, e pelo menos 6 milhões de "especiais", ou seja, de camponeses que foram deportados durante a coletivização , para um total de 28.000.000[6]

O número de mortes ainda está sob investigação, um valor provisório é de 2.749.163.[6] Este número não leva em conta as execuções relacionadas com o sistema judicial (as execuções apenas por razões políticas são de 786.098).[6]

Segundo dados soviéticos morreram no gulag 1 053 829 pessoas entre 1934 e 1953, excluindo mortos em colónias de trabalho.[31]

Os campos recebiam também prisioneiros de outras nacionalidades, incluindo cidadãos americanos.[32] Em 1931, a Amtorg Trading Corporation (primeira representação comercial soviética nos Estados Unidos) recrutou milhares de trabalhadores americanos, que sofriam as consequências da Grande Depressão, atraindo-os com promessas de boas condições de trabalho.[32] Estes trabalhadores, que contribuíram para o desenvolvimento indústria da URSS, eram dispensados quando não mais necessários e poucos conseguiram retornar aos EUA.[32] Muitos, foram enviados aos Gulags, permanecendo detidos ali por anos.[32] O telefilme de 1982 Coming Out of the Ice [33] (pt. Atrás da Cortina de Gelo), baseado no livro homônimo,[34] dramatiza a vida de Victor Herman, paraquedista estadunidense que passou 18 anos detido na Sibéria por recusar-se a adotar a nacionalidade soviética após bater o recorde de salto em queda livre.[35]

Segundo Werh Nicolas, um historiador francês do Centre National de la Recherche Scientifique, em Paris, no livro "História da Rússia no século XX" nas páginas 318-9 se lê textualmente: "As estimativas do número de presos no Gulag no final dos anos trinta variam entre 3.000.000 (Timasheff, Bergson, Wheatcroft) e de 9 a 10.000.000 (Dallin, Conquest, Avtorkhanov, Rosefielde, Solzhenitsyn). Os arquivos do Gulag, confirmados pelos dados dos censos de 1937 e 1939, em documentos dos Ministérios da Justiça, do Interior e da Procuradoria Geral, dão um valor de cerca de 2.000.000 prisioneiros em 1940 (cerca de 300.000 em 1932, e de 1.200.000, no início de 1937).

O número acumulado de entradas no Gulag durante os anos 30 tendo em conta a alta rotatividade dos detentos é cerca de 6.000.000 pessoas. "No mesmo livro na página 416, lemos: "Como evidenciado pelos arquivos do Gulag, recentemente exumados, nos anos 1945-53 houve um forte aumento no número de prisioneiros nos campos de trabalho Gulag (passando de 1.200. 000 para 2.500.000 entre 1944 e 1953 ) e o número de deportados "especiais" de 1.700.000 em 1943, para 2.700.000 em 1953.

Localização dos campos do gulag na União Soviética

Imagens[editar | editar código-fonte]

Prisioneiros trabalhando na construção do Canal do Mar Branco.
Ruínas de um gulag na Sibéria.

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. The labor camps were managed by another special department of the NKVD, the Главное Управление Исправительно-Трудовых Лагерей и колоний or Main Directorat for Corrective Labour Camps and Colonies, which was created in 1929 and also well known in the west under its Russian abbreviation ГУЛАГ or Gulag.
  2. Definição no Babylon
  3. Nanci D, Adler; "The Gulag Survivor: Beyond the Soviet System"; Transaction Pub.; New York; (2001); ISBN 0-7658-0071-3
  4. Título não preenchido, favor adicionar.
  5. Formozov, Nikolai; ((2004)). Título não preenchido, favor adicionar. "Kengir: 40 days and 50 years";.
  6. a b c d e Anne Applebaum. "Gulag – A History" (em inglês). Londres: Penguin Books Ltd, 2003. p. 16-17, 396-8. ISBN 13:978-0-14-028310-5
  7. Eva-Maria Stolberg. Katorga: Penal Labor and Tsarist Siberia In The Siberian Saga: A History of Russia’s Wild East. Frankfurt: Peter Lang. ISBN 0820473944
  8. Alexander Soljenítsin. 'Arquipélago Gulag'. [S.l.]: The Harvill Press. ISBN 13-978-1843430858
  9. Donald G. Boundreau. 'Resistance in the Gulag Archipelago'. [S.l.]: Amazon Digital Services Inc..
  10. Barysheva, A.I (18 de novembro de 1988). Memorial: The Island of Death. Página visitada em 29 de setembro de 2009.
  11. Nicolas Werth. Cannibal Island: Death in a Siberian Gulag. [S.l.]: Princeton University Press. ISBN 9780691130835
  12. [1]
  13. a b c Solzhenitsyn, Aleksandr; "The Gulag Archipelago"; Harper & Row; (1976); ISBN 0-06-080396-7
  14. My Disillusionment in Russia. Mariya Spiridónova de Emma Goldman - Visitado em 26/10/2009.
  15. "There Is No Communism in Russia" by Emma Goldman
  16. Peter Kenez. "A History of the Soviet Union from the Beginning to the End ". Cambridge: Cambridge University Press, 1999. Capítulo: 5. , p. 103-108. ISBN 0-521-31198-5
  17. Martin McCauley. "Stalin and Stalinism". England: Longman Group Limited, 1993. Capítulo: 2. , p. 34-35. ISBN 0-582-27658-6
  18. O livro negro do comunismo
  19. "On the Map: Five Major North Korean Prison Camps" interactive map in The Washington Post - 20 de julho de 2009
  20. "Report on political prisoners in North soon" artigo escrito por Han Yeong-ik no Korea Joongang Daily - 30 de abril de 2012
  21. (em espanhol)Amnistía Internacional. Corea del Norte: Motivos de preocupación sobre derechos humanos. Página visitada em 31 de maio de 2009.
  22. Hawk, David (2003). The Hidden Gulag: Exposing North Korea’s Prison Camps - Prisoners' Testimonies and Satellite Photographs. U.S. Committee for Human Rights in North Korea. Página visitada em 01 de agosto de 2007.
  23. (em francês) Journal international de victimologie IDV 13 (Tome 5, numéro 1). Réfugiés Nord Coréens : des traumatismes oubliés.
  24. (em francês)La violation des Droits de l'Homme en Corée du Nord. Página visitada em 26 marco 2013.
  25. (em francês)Corée du Nord: des images satellite révèlent l'étendue de camps pour prisonniers politiques (3 maio 2012). Página visitada em 13 novembro 2012.}}
  26. (em inglês) The Hidden Gulag – Exposing Crimes against Humanity in North Korea’s Vast Prison System. Página visitada em 13 de novembro de 2012.}}
  27. (em inglês) The Far Eastern Economic Review: Exposed - Kim's Slave Camps (5 dezembro 2002). Página visitada em 5 dezembro 2002.
  28. (em francês) Portesouvertes: Portes ouvertes: WWL: Indice de persécutions.
  29. Os gulags escondidos na Coreia do Norte
  30. A tabela, copiada de documentos da NKVD, e publicada em Gulag de Anne Applebaum, pag. 602, reportando semelhantes dados publicados em V.N. Zemskov, 1991, "Zaklyuchennyje, spetsposelentsy, ssyl'noposelentsy, ssyl'nyje i vyslannyje (statistiko-geograficheskij aspekt)", Istorija SSSR, no. 5, pp. 151-165.
  31. Getty, Rittersporn, Zemskov. Victims of the Soviet Penal System in the Pre-War Years: A First Approach on the Basis of Archival Evidence. The American Historical Review, Vol. 98, No. 4 (Oct., 1993), pp. 1017-1049.
  32. a b c d (em inglês) The Forsaken: An American Tragedy in Stalin's Russia. Tim Tzouliadis, Penguin Books, 2009. ISBN 9780143115427
  33. (em inglês) IMDB - Coming Out of the Ice. Página visitada em 16 de Setembro de 2013.
  34. (em inglês) Coming Out of the Ice: An Unexpected Life de Victor Herman, Freedom Press, 1983. ISBN 9780915031023
  35. (em inglês) Los Angeles Times - Author Who Was Russian Prisoner Dies : American Victor Herman Held 18 Years; Ordeal Became TV Film. Artigo de 29 de Março de 1985. Página visitada em 16 de Setembro de 2013.

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Commons
O Commons possui imagens e outros ficheiros sobre Gulag