Gutas

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
A Suécia no séc XII, com demarcação das áreas ocupadas pelos Götas, Sveas e Gutas
  Götas
  Sveas
  Gutas
Mapa da Cultura de Černjachov (laranja) e da Cultura de Wielbark (vermelho), assim como dos territórios da Götaland (verde) e da ilha da Gotlândia (rosa)

Gutas (em sueco: Gutar) é a antiga designação dada por si próprios pelos habitantes da ilha sueca da Gotlândia.[1] Os suecos costumam chamá-los todavia de Gotlänningar.[2]

Segundo a tradição, o nome Gutar derivaria da personagem mitológica Gute, neto de Tjelvar, descobridor da Gotlândia.[3]

Vínculo entre gutas e godos[editar | editar código-fonte]

Diferentes opiniões imperam entre historiadores, arqueólogos e linguistas sobre se há ou não um vínculo entre os gutas, os götas e os godos.[4] [5]

O historiador bizantino Jordanes afirma, em sua obra Gética, datada do séc. VI, que os godos eram originários de Scandza, uma ilha do Mar Báltico ao norte do rio Vístula na Polónia.[6]

O documento medieval Gutasagan (a Saga dos Gutas), redigido no séc. XIII, conta que um terço da população da Gotlândia migrou para o sul numa época distante e remota.[7]

Num documento medieval islandês (Sögubrot af Nokkrum Fornkonungum í Dana ok Svíaveldi) os habitanntes da Gotlândia são designados de Gotar, do mesmo modo que o são os godos da Europa continental.[8]

O historiador sueco contemporâneo Dick Harrison afirma em sua obra Sveriges Historia Medeltiden, publicada em 2009, que não há nenhuma conexão historicamente comprovada entre os godos e os suecos antigos, sendo este "mito impossível de verificar".[9] [10]

Relações entre os gutas e os suíones[editar | editar código-fonte]

Segundo a Gutasagan, os suíones atacaram a Gotlândia sem conseguir conquistá-la.

Na sequência desses acontecimentos, os gutas fizeram um acordo de paz com o rei dos suíones por volta do séc. VIII.[11] [12]

Os gutas pagariam um imposto aos suíones, e os suíones protegeriam militarmente os gutas.[13] [14]

A Gotlândia manteve, contudo, uma grande autonomia em relação aos suíones. O fim dessa autonomia aconteceu em 1361, quando a Gotlândia foi anexada pelo rei dinamarquês Valdemar IV Atterdag.

Pela Paz de Brömsebro em 1645, a Gotlândia voltou a ser sueca.[15]

Referências

  1. Bernt Enderborg. Varför gute i stället för gotlänning (em sueco) Guteinfo.com. Visitado em 3 de março de 2014.
  2. Bernt Enderborg. Varför gute i stället för gotlänning (em sueco) Guteinfo.com. Visitado em 3 de março de 2014.
  3. Tjelvar (em sueco) Enciclopédia Nacional Sueca. Visitado em 3 de março de 2014.
  4. Lars Hermodsson. Goterna: Ett krigarfolk och dess Bibel (em sueco). Estocolmo: Atlantis, 1993. Capítulo Om goternas urhem. 23-26 pp. ISBN 91-7486-060-7.
  5. Dick Harrison. Sveriges historia Medeltiden (em sueco). Estocolmo: Liber AB, 2002. 25 pp. ISBN 91-47-05115-9.
  6. IORDANIS DE ORIGINE ACTIBUSQUE GETARUM (em latim) The Latin Library. Visitado em 3 de março de 2014.
  7. Tore Gannholm. Guta lagh med gutasagan (em sueco). Stånga: Ganne Burs, 1994. 98-99 pp. ISBN 91-972306-1-8.
  8. SÖGUBROT AF NOKKRUM FORNKONUNGUM Í DANA OK SVÍAVELDI (em islandês). Visitado em 3 de março de 2014.
  9. Sveriges historia: 600-1350 (em sueco) Libris. Visitado em 3 de março de 2014.
  10. Dick Harrison. Sveriges historia Medeltiden (em sueco). Estocolmo: Liber AB, 2002. 25 pp. ISBN 91-47-05115-9.
  11. Tore Gannholm. Guta lagh med gutasagan (em sueco). Stånga: Ganne Burs, 1994. 98-99 pp. ISBN 91-972306-1-8.
  12. Tore Gannholm. Reasons and prelude to the Viking age (em inglês) Academia.edu. Visitado em 3 de março de 2014.
  13. Lars Gahrn. Sveariket i källor och historieskrivning (em sueco). Göteborg: Historiska Institutionen vid Göteborgs Universitet, 1988. Capítulo Orsaker till riksbildningen. 32 pp. ISBN 91-7900-550-0.
  14. Gotland (em sueco) Tacitus.nu. Visitado em 3 de março de 2014.
  15. Gotland (em sueco) Tacitus.nu. Visitado em 3 de março de 2014.