Gyromitra esculenta

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa


Como ler uma caixa taxonómicaGyromitra esculenta
Frühjahrslorchel.JPG

Classificação científica
Reino: Fungi
Filo: Ascomycota
Classe: Pezizomycetes
Ordem: Pezizales
Família: Discinaceae
Género: Gyromitra
Espécie: G. esculenta
Nome binomial
Gyromitra esculenta
(Pers. ex Pers.) Fr.

Gyromitra esculenta é um fungo ascomicete do género Gyromitra, com ampla distribuição na Europa e América do Norte. Ocorre normalmente em solos arenosos sob árvores de coníferas durante a primavera e início do verão. O corpo frutífero, ou cogumelo, é um píleo com forma de cérebro de cor castanha-escura que pode atingir os 15 cm de largura, suportado por um estipe grosso com até 6 cm de altura.

Apesar de potencialmente fatal se ingerido cru, Gyromitra esculenta é um petisco popular na Escandinávia, Europa de Leste, e na região dos Grandes Lagos da América do Norte. Apesar de popular em alguns distritos dos Pirenéus orientais, a sua venda é proibida na Espanha. Pode ser vendido fresco na Finlândia, mas tem de ser acompanhado de avisos e instruções sobre a sua correta preparação. Na culinária da Finlândia é consumido em omeletes, sopas, ou salteado.

Embora seja, em geral, parcialmente cozinhado antes de ser preparado, evidências recentes sugerem que mesmo este procedimento pode não tornar o cogumelo inteiramente seguro,[1] criando assim alguma preocupação sobre os riscos associados ao seu consumo mesmo quando preparado de modo correto. Quando consumido, o agente ativo principal do fungo, a giromitrina, é hidrolisada formando-se um composto tóxico chamado monometilidrazina. Esta toxina afeta o fígado, sistema nervoso central, e por vezes os rins. Os sintomas de envenenamento incluem vómitos e diarreia várias horas após a ingestão, seguidos de tonturas, letargia e cefaleia. Casos graves podem levar ao delírio, coma e até à morte após cerca de 5-7 dias.

Taxonomia e nomenclatura[editar | editar código-fonte]

O fungo foi descrito pela primeira vez pelo micologista Christiaan Hendrik Persoon, como Helvella esculenta,[2] e recebeu o seu nome binomial atual quando o micologista sueco Elias Magnus Fries o colocou no género Gyromitra em 1849.[3] O nome do género é derivado dos termos em grego antigo gyros/γυρος "redondo" e mitra/μιτρα "testeira".[4] O seu epíteto específico é derivado do latim esculentus, "comestível".[5]

Nos países anglófonos é conhecido por uma variedade de nomes descritivos comuns tais como cogumelo cérebro,[6] fungo turbante,[7] orelhas de elefante,[8] ou cogumelo bife, apesar desta última poder referir-se também ao muito menos tóxico Fistulina hepatica.[9] Datando do século XIX, o termo alemão lorchel é um resultado do termo mais antigo lorche, do baixo-alemão do século XVIII Lorken, alinhando com o termo foneticamente (e graficamente) similar morchel (referente a Morchella).[10] [11]

Gyromitra esculenta é membro de um grupo de fungos que se assemelham aos muito apreciados Morchella. Este grupo inclui outras espécies do género Gyromitra, como G. infula, G. caroliniana e G. gigas. Enquanto algumas destas espécies contêm pouca ou nenhuma giromitrina, muitos guias recomendam tratá-los a todos como venenosos, dado que as suas aparências similares e grande variação intraespecífica podem tornar difícil uma identificação confiável.[12]

Os mais distantemente aparentados cogumelos ascomicetes do género Verpa, como V. bohemica e V. conica, tal como os Gyromitra, são consumidos por alguns, e considerados venenosos por outros.[13]

O género Gyromitra foi durante muito tempo considerado parte da família Helvellaceae, juntamente com o género Helvella. As análises do ADN ribossómico de muitos dos membros de Pezizales mostraram que Gyromitra esculenta e outros cogumelos de aspeto similar eram apenas distantemente aparentados com os restantes membros de Helvellaceae e outrossim bastante próximos do género Discina, formando um clado que também inclui Pseudorhizina, Hydnotrya, e Gymnohydnotrya. Assim, os cinco géneros são agora incluídos na família Discinaceae.[14]

Descrição[editar | editar código-fonte]

Um espécime jovem com chapéu menos enrugado.

O chapéu de forma irregular, fazendo lembrar um cérebro, pode ter até 10 cm de altura e 15 cm de largura. Inicialmente liso, torna-se progressivamente mais enrugado à medida que cresce e envelhece. A cor do chapéu pode ser de vários tons de castanho (avermelhado, purpurado, escuro, etc.). Os espécimes oriundos da Califórnia podem ter chapéus mais avermelhados.[6] Unido ao chapéu em vários pontos, o estipe tem 3 a 6 cm de altura e 2 a 3 cm de largura. O estipe de Gyromitra esculenta é sólido enquanto que os de Morchella spp. são ocos.[15] O odor pode ser agradável e tem sido descrito como frutado, e o fungo tem sabor suave. A esporada é esbranquiçada, com esporos transparentes que são elípticos e com 17–22 μm de comprimento.[16]

G. esculenta assemelha-se às várias espécies de Morchella, apesar de estas últimas serem mais simétricas e assemelharem-se mais a esponjas de cor cinza, ou castanha. O seu chapéu é geralmente mais escuro e maior.[17]

Distribuição e habitat[editar | editar código-fonte]

Gyromitra esculenta desenvolve-se em solos arenosos de floresta temperada de coníferas [sobretudo debaixo de pinheiros (Pinus spp.)] e ocasionalmente em bosques decíduos [por exemplo sob choupos (Populus spp.)].[18] O período de apanha estende-se de abril a julho, antes daquele de outras espécies, e o fungo pode até surgir com o derretimento da neve.[6] Pode ser abundante em algumas áreas e raro noutras. É mais comumente encontrado em locais onde o solo foi perturbado, como em covas, zonas desmatadas, zonas de escorrência, e bermas de estrada.[15] Há relatos de entusiastas finlandeses enterrarem papel de jornal inoculado com o fungo no outono, regressando na primavera seguinte para colher os cogumelos.[19]

Apesar de ser mais abundante nos bosques coníferos montanos e setentrionais como a Serra Nevada e a Cordilheira das Cascatas no noroeste da América do Norte, Gyromitra esculenta é encontrado um pouco por todo o continente,[6] e para sul até ao México.[20] É também comum na Europa Central, menos abundante a leste, e mais em áreas de montanha que em terras baixas.[7] Está registada a sua ocorrência na Irlanda do Norte,[21] na província de Uşak na Turquia Ocidental,[22] e na vizinhança de Kaş na província de Antalya na costa sul da Turquia.[23]

Toxicidade[editar | editar código-fonte]

À venda com aviso, Praça do Mercado, Helsínquia.

Reações tóxicas são conhecidas há pelo menos cem anos. Devido à grande variedade dos efeitos observados, os peritos especulavam que a reação era sobretudo alérgica e específica do consumidor, ou uma má identificação, e não tanto consequência da toxicidade inata do fungo. Algumas pessoas sofriam gravemente ou pereciam enquanto outras não exibiam quaisquer sintomas após ingerirem quantidades semelhantes de cogumelos do mesmo prato. Outras pessoas eram envenenadas após ingerirem Gyromitra esculenta durante anos sem quaisquer efeitos nefastos.[24] Contudo, o fungo é agora amplamente reconhecido como potencialmente fatal.[25]

Gyromitra esculenta contém quantidades do veneno giromitrina que variam localmente entre as populações; apesar de estes fungos estarem apenas raramente envolvidos em envenenamentos tanto na América do Norte como na Europa Ocidental, as intoxicações são frequentes na Europa de Leste e Escandinávia.[26] Um estudo polaco de 1971 relatava que nessa altura esta espécie era responsável por até 23% das mortes por envenenamento com cogumelos registadas todos os anos.[27] As taxas de mortalidade diminuíram desde meados do século XX; na Suécia o envenenamento é comum, apesar de não terem sido relatados casos de envenenamento grave ou mortes entre 1952 e 2002.[28] O envenenamento por Gyromitra é raro na Espanha, devido à prática bastante disseminada de secar os cogumelos antes da preparação e consumo,[29] mas tem uma taxa de mortalidade próxima de 25%.[30]

Estima-se que a dose letal de giromitrina seja entre 10–30 mg/kg para crianças e 20–50 mg/kg em adultos. Tais doses correspondem a cerca de 0.2–0.6 kg e 0.4–1 kg de cogumelos frescos respectivamente.[31] Porém, as respostas individuais podem variar e pessoas que ingerem quantidades semelhantes podem sofrer qualquer grau de intoxicação desde mínimo a grave.[32] As evidências conhecidas sugerem que as crianças são afetadas mais seriamente; não está claro se tal se deve a um quociente maior entre o peso de cogumelos ingerido e o peso corporal ou a diferenças nas atividades enzimática e metabólica.[33] Apesar de a quantidade de giromitrina presente poder ser significativamente reduzida por escaldamento, existem evidências de que o consumo repetido pode aumentar o risco de intoxicação.[32]

Variação geográfica[editar | editar código-fonte]

As populações de Gyromitra esculenta parecem variar geograficamente no que à sua toxicidade diz respeito. Um estudo francês mostrou que cogumelos colhidos em altitudes mais elevadas têm concentrações menores de toxina do que aqueles de elevações menores,[33] e existem algumas evidências de que os fungos a oeste das Montanhas Rochosas na América do Norte contêm menos toxina do que aqueles a leste.[34] Porém, foram relatados envenenamentos a oeste,[35] embora menos frequentemente que na Europa.[36]

Bioquímica[editar | editar código-fonte]

Monometilidrazina (CH3N2H3), um metabolito tóxico.

A identidade dos constituintes tóxicos eludiu os investigadores até 1968, quando a acetaldeído N-metil-N-formilidrazona, mais conhecida como giromitrina, foi isolada.[37] A giromitrina é um composto de hidrazina volátil solúvel em água hidrolisado pelo corpo humano em monometilidrazina. Outros derivados de N-metil-N-formilidrazona foram isolados nas pesquisas subsequentes, embora estejam presentes em quantidades menores. Estes outros compostos poderiam também produzir monometilidrazina quando hidrolisados, embora permaneça por esclarecer quanto cada um deles contribui para a toxicidade de Gyromitra esculenta.[38]

As toxinas reagem com o piridoxal-5-fosfato - a forma ativada da piridoxina - e formam uma hidrazona. Isto reduz a produção do neurotransmissor ácido gama-aminobutírico (AGAB) por via da diminuição da atividade da descarboxilase do ácido glutâmico,[39] produzindo os sintomas neurológicos. A monometilidrazina causa também tensão oxidante conduzindo a metemoglobinemia.[31] Adicionalmente, durante o metabolismo da monometilidrazina, é produzida, N-metil-N-formilidrazina; esta sofre metabolismo oxidante regulado pelo citocromo p450 o qual, por meio de intermediários reativos de nitrosamida, conduz à formação dos radicais de metilo que levam à necrose do fígado.[40] [41] A inibição da diamina oxidase (histaminase) aumenta os níveis de histamina resultando em dores de cabeça, náuseas, vómitos e dor abdominal.[42]

Sintomas[editar | editar código-fonte]

Os sintomas de envenenamento são tipicamente gastrointestinais e neurológicos.[28] Os sintomas ocorrem 6 a 12 horas após a ingestão, embora casos mais graves de envenenamento possam apresentar-se mais cedo, como 2 horas após a ingestão. Os sintomas iniciais são gastrointestinais, com aparecimento súbito de náusea, vómito, e diarreia aquosa que pode ser sanguinolenta. Pode ocorrer desidratação se o vómito e a diarreia forem severos. Tonturas, letargia, vertigens, tremores, ataxia, nistagmo, e dores de cabeça surgem pouco depois;[28] frequentemente ocorre febre, uma caraterística distintiva que não ocorre após envenenamento com outros tipos de cogumelos.[43] Na maioria dos casos de envenenamento, os sintomas não progridem para lá destes sintomas iniciais, e os pacientes recuperam-se após 2 a 6 dias de doença.[27]

Em alguns casos pode existir uma fase assintomática a seguir aos sintomas iniciais e que é seguida de sintomas de toxicidade mais significativa incluindo danos renais,[44] hepáticos, e disfunção neurológica incluindo convulsões e coma.[31] Estes sinais desenvolvem-se geralmente em 1 a 3 dias nos casos sérios.[28] O paciente desenvolve icterícia e o fígado e baço aumentam de tamanho, em alguns casos os níveis de glicemia aumentam (hiperglicemia) e em seguida baixam (hipoglicemia) e é observada toxicidade hepática. Adicionalmente, hemólise intravascular causa a destruição de glóbulos vermelhos resultando num aumento da hemoglobina livre e hemoglobinúria que pode conduzir a toxicidade renal ou falha renal. A metemoglobinemia pode também ocorrer em alguns casos, devido a níveis de metemoglobina no sangue mais altos do que o normal (a metemoglobina é uma forma de hemoglobina que não pode transportar oxigénio). Causa dificuldades respiratórias e cianose no paciente.[45] Casos de envenenamento grave podem progredir para uma fase neurológica terminal, com delírio, fasciculações musculares e convulsões, e midríase progredindo para o coma, colapso circulatório, e paragem respiratória.[46] A morte pode ocorrer cinco a sete dias após a ingestão.[47]

Tratamento[editar | editar código-fonte]

O tratamento é sobretudo de suporte; a descontaminação gástrica com carvão ativado pode ser benéfica se for procurada assistência médica até algumas horas após a ingestão. Contudo, muitas vezes os sintomas levam mais tempo a desenvolver-se, e os pacientes geralmente não buscam tratamento até muitas horas após a ingestão, limitando a sua eficácia.[48] Pacientes com vómito ou diarreia severos podem ser reidratados com fluidos intravenosos.[27] É feita a monitorização dos parâmetros bioquímicos como nível de metemoglobina, eletrólitos, funções renal e hepática, urinálise e hemograma, e quaisquer anomalias são corrigidas. Pode ser utilizada diálise se a função renal estiver diminuída ou se os rins estiverem a falhar. A ocorrência de hemólise pode requerer uma transfusão de sangue para substituir os eritrócitos perdidos, enquanto que a metemoglobinemia é tratada com azul de metileno intravenoso.[49]

A piridoxina, também conhecida como vitamina B6, pode ser usada para contrariar a inibição da monometilidrazina sobre o passo dependente da piridoxina na síntese do neurotransmissor AGAB. Assim, a síntese de AGAB pode continuar e os sintomas são aliviados.[50] No entanto, a piridoxina é útil apenas para os sintomas neurológicos e não diminui a toxicidade hepática,[41] [51] administrando-se com a dosagem de 25 mg/kg; pode ser repetidamente administrada até ser atingido o máximo total de 15 a 30 g/dia se os sintomas não melhorarem.[52] São administradas benzodiazepinas para controlar as convulsões; como elas modulam também os receptores de AGAB elas podem potencialmente aumentar o efeito da piridoxina. Adicionalmente a monometilidrazina inibe a transformação química do ácido fólico na sua forma ativa, o ácido folínico; esta situação pode ser tratada com a administração de ácido folínico, entre 20 a 200 mg/dia.[31]

Carcinogenicidade[editar | editar código-fonte]

Foi demonstrado que a monometilidrazina,[53] os seus precursores metilformilidrazina[54] [55] e giromitrina[56] bem como Gyromitra esculenta cru,[57] são carcinogénicos em animais. Embora não se tenha observado que Gyromitra esculenta causa cancro em humanos,[58] é possível que haja um risco carcinogénico para as pessoas que ingerem estes cogumelos.[54] As toxinas podem ter efeitos cumulativos[32] e mesmo pequenas quantidades poderão ter um efeito carcinogénico.[59] Foram isoladas a partir de Gyromitra esculenta pelo menos onze hidrazinas, e não se sabe se os potenciais carcinógenos podem ser completamente removidos pela escalda.[1]

Consumo[editar | editar código-fonte]

À venda em Helsínquia.

Apesar da sua reconhecida toxicidade, Gyromitra esculenta é comercializado e consumido em vários países ou estados na Europa e América do Norte. Anteriormente era consumido na Alemanha, sobretudo cogumelos colhidos e exportados pela Polónia; porém, mais recentemente, a Alemanha e a Suíça desencorajaram o consumo ao proibirem a sua venda.[16] [58] Também na Suécia a Autoridade Alimentar Nacional avisa que não é próprio para consumo humano,[60] e restringe a compra de cogumelos apenas aos restaurantes.[61] O cogumelo é ainda bastante apreciado e consumido na Bulgária, onde é vendido em mercados e colhido para exportação.[62] Em alguns países como a Espanha, especialmente na região oriental dos Pirenéus, este cogumelo é considerado uma especialidade, e muitas pessoas afirmam que o consomem há anos sem efeitos nefastos.[63] Ainda assim, é listado como perigoso nas listas oficiais de cogumelos publicadas pelo governo catalão[12] e a venda ao público é proibida em toda Espanha.[64] A compra e venda destes cogumelos frescos é legal na Finlândia, onde são muito apreciados.[65] Contudo, por lei, os cogumelos têm de ser acompanhados de um aviso informando que são venenosos, e de instruções de preparação legalmente prescritas.[66] São também comercializados preparados e enlatados, caso em que estão prontos para serem consumidos. Os números oficiais do Ministério da Agricultura e Florestas finlandês reportam que a quantidade destes cogumelos vendida em 2006 na Finlândia foi 21,9 toneladas e 32,7 toneladas, considerada como acima da média, em 2007.[67] Em 2002, a Autoridade de Segurança Alimentar da Finlândia estimou que o consumo anual seja de várias centenas de toneladas em anos de grande abundância.[68] Fora da Europa, Gyromitra esculenta é consumido na região dos Grandes Lagos e em alguns estados ocidentais dos Estados Unidos.[69]

Na culinária da Finlândia podem ser cozinhados em omeletes, ou ligeiramente salteados com manteiga, com adição de farinha e leite para fazer um molho béchamel ou enchimento de tartes. Em alternativa, pode ser adicionado mais líquido para obter uma sopa. Os condimentos tipicamente adicionados são a salsa, o cebolinho, o aneto e a pimenta-preta.[70] [71]

Preparação[editar | editar código-fonte]

Cozinhados num molho de natas.

A maior parte da giromitrina tem que ser removida para tornar os cogumelos comestíveis. O procedimento recomendado requer que os cogumelos sejam primeiro secos e depois fervidos, ou que sejam fervidos os cogumelos frescos.[72] Para preparar os cogumelos frescos é recomendado cortá-los em pequenos pedaços e escaldá-los duas vezes em quantidades copiosas de água, pelo menos três partes de água para uma parte de cogumelos cortados, durante pelo menos cinco minutos, e enxaguá-los cuidadosamente com água limpa após cada escalda.[72] Cada vez que o cogumelo é escaldado o teor de giromitrina é reduzido em 90%.[73] A giromitrina é lixiviada para a água, na qual permanecerá, portanto a água usada na escalda tem de ser descartada e e substituída com água limpa após cada ronda de escalda. Secar os cogumelos pode também reduzir a concentração de giromitrina; dez dias de dessecação ao ar livre reduz a quantidade de giromitrina em 90%.[32] Contudo, continua a ser recomendado que os cogumelos sejam fervidos depois de secos.[72]

A monometilidrazina entra em ebulição aos 87,5 °C e portanto vaporiza-se prontamente para o ar quando a água que contém os cogumelos é fervida.[35] Espaços fracamente ventilados permitem a acumulação de vapor que pode resultar em envenenamento por giromitrina. Caso os cogumelos sejam escaldados dentro de portas, deve-se ter o cuidado de assegurar uma ventilação adequada, e, se surgirem sintomas de envenenamento por giromitrina, procurar de imediato ar fresco.[74] Mesmo após a fervura, pequenas quantidades de giromitrina permanecem nos cogumelos. Dada a possibilidade de acumulação de toxinas, não é recomendado o seu consumo repetido.[75]

Perspetivas de cultivo[editar | editar código-fonte]

Apesar da sua toxicidade, Gyromitra esculenta é bastante apreciado em várias regiões. Foram descobertas estirpes com concentrações muito menores de giromitrina, e o fungo foi já cultivado até à frutificação com sucesso.[76] Existe portanto objeto para pesquisas futuras sobre o cultivo de estirpes mais seguras.[77]

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. a b Dart, Richard C.. Medical toxicology. Philadelphia: Williams & Wilkins, 2004. 1719–35 p. ISBN 0-7817-2845-2
  2. Persoon CH (1800) Comm. Schaeff. Icon. Pict.: 64
  3. Fries EM (1849) Summa veg. Scand., Section Post. (Stockholm):p. 346
  4. Liddell, Henry George e Robert Scott. A Greek-English Lexicon. Abridged ed. Oxford: Oxford University Press, 1980. ISBN 0-19-910207-4
  5. Simpson, D.P.. Cassell's Latin Dictionary. 5th ed. London: Cassell, 1979. 883 p. ISBN 0-304-52257-0
  6. a b c d Arora, David. Mushrooms Demystified: a comprehensive guide to the fleshy fungi. 2nd ed. Berkeley: Ten Speed Press, 1986. 801–02 p. ISBN 0-89815-169-4
  7. a b Lamaison, Jean-Louis; Polese, Jean-Marie. The Great Encyclopedia of Mushrooms. [S.l.]: Könemann, 2005. 230 p. ISBN 3-8331-1239-5
  8. Dearness, J. (1924). "Gyromitra poisoning". Mycologia 16 (4): 199. Mycological Society of America. DOI:10.2307/3753381.
  9. Ammirati, Joseph F.; James A Traquair and Paul A Horgen. Poisonous mushrooms of the northern United States and Canada. Minneapolis: University of Minnesota Press, 1985. 122 p. ISBN 0-8166-1407-5
  10. Dudenredaktion, Bibliographisches Institut, Mannheim. Duden 07 – Das Herkunftswörterbuch – Etymologie der deutschen Sprache. [S.l.]: Dudenverlag, 2001. ISBN 3411040742
  11. North, Pamela. Poisonous Plants and Fungi in colour. [S.l.]: Blandford Press & Pharmacological Society of Great Britain, 1967. p. 109. OCLC 955264
  12. a b (em catalão) Departament de Salut, Generalitat de Catalunya. Bolets. Página visitada em 20 de março de 2009.
  13. Benjamin, p. 267
  14. Kirk PM, Cannon PF, Minter DW, Stalpers JA.. Dictionary of the Fungi. 10th ed. Wallingford: CABI, 2008. p. 214–15. ISBN 0-85199-826-7
  15. a b Nilsson S, Persson O.(1977) Fungi of Northern Europe 1: Larger Fungi (Excluding Gill Fungi). pp. 34–35. Penguin Books. isbn 0-14-063-005-8
  16. a b Zeitlmayr, Linus. Wild Mushrooms:An Illustrated Handbook. Hertfordshire: Garden City Press, 1976. 112 p. ISBN 0-584-10324-7
  17. Ammirati, Joseph F. p. 121
  18. Smith HV, Smith AH. How to Know the Non-Gilled Fleshy Fungi. Dubuque, Il: Wm. C. Brown Co., 1973. ISBN 0697048667
  19. (em inglês) Kuo M (Janeiro de 2005). Gyromitra esculenta. MushroomExpert.Com Web site. self. Página visitada em 11-05-2008.
  20. Medel, Rosario. (2005). "A review of the genus Gyromitra (Ascomycota, Pezizales, Discinaceae) in Mexico". Mycotaxon 94: 103–10.
  21. (em inglês) Northern Ireland's Herbarium Specimens. Northern Ireland Fungus Group (2007). Página visitada em 06-03-2008.
  22. Türkoglu A, Alli H, Iṣiloğlu M, , Yağiz D, Gezer K. (fevereiro 2008). "Macrofungal diversity of Uşak province in Turkey" (PDF). Mycotaxon 103: 1–11.
  23. Gezer K. (2000). "Contributions to the Macrofungi Flora of Antalya Province". Turkish Journal of Botany 24 (5): 293–98.
  24. Benjamin, p. 264
  25. Benjamin, p. 265
  26. Diaz JH. (2005). "Syndromic diagnosis and management of confirmed mushroom poisonings". Critical Care Medicine 33 (2): 427–36. DOI:10.1097/01.CCM.0000153531.69448.49. PMID 15699849.
  27. a b c Lampe KF. (1979). "Toxic fungi". Annual Review of Pharmacology and Toxicology 19: 85–104. DOI:10.1146/annurev.pa.19.040179.000505. PMID 378111.
  28. a b c d Karlson-Stiber C, Persson H. (2003). "Cytotoxic fungi—an overview". Toxicon 42 (4): 339–49. DOI:10.1016/S0041-0101(03)00238-1. PMID 14505933.
  29. (em espanhol) Palomar Martínez, M.; Piqueras Carrasco, J. (1999). Intoxicaciones por setas (micetismos). Página visitada em 20 de março de 2009.
  30. Lloret i Carbó, Josep. Protocolos terapéuticos de urgencias. 4ª ed. [S.l.]: Elsevier, 2004. p. 649. ISBN 8445814184
  31. a b c d Michelot D, Toth B. (1991). "Poisoning by Gyromitra esculenta—a review". Journal of applied toxicology 11 (4): 235–43. DOI:10.1002/jat.2550110403. PMID 1939997.
  32. a b c d Coulet M, Guillot J. (1982). "Poisoning by Gyromitra : a possible mechanism". Medical Hypotheses 8 (4): 325–34. DOI:10.1016/0306-9877(82)90024-X. PMID 7099057.
  33. a b Benjamin, p. 272
  34. Benjamin, p. 140
  35. a b Leathem AM, Dorran TJ. (2007). "Poisoning due to raw Gyromitra esculenta (false morels) west of the Rockies". Canadian Journal of Emergency Medical Care 9 (2): 127–30. PMID 17391587.
  36. Balterowich L, Blaney B, White S. (1996). "Acute hepatotoxicity following ingestion of Gyromitra esculenta(false morel) mushrooms". Journal of toxicology. Clinical toxicology 34 (5): 602.
  37. List PH, Luft P. (1968). "[Gyromitrin, the poison of Gyromitra esculenta. 16. On the fungi contents]" (em alemão). Archiv der Pharmazie und Berichte der Deutschen Pharmazeutischen Gesellschaft 301 (4): 294–305. PMID 5244383.
  38. Pyysalo H. (1975). "Some new toxic compounds in false morels, Gyromitra esculenta". Naturwissenschaften 62 (8): 395. DOI:10.1007/BF00625355. PMID 1238907.
  39. Cornish HH. (1969). "The role of vitamin B6 in the toxicity of hydrazines". Annals of the New York Academy of Sciences 166 (1): 136–45. DOI:10.1111/j.1749-6632.1969.tb54264.x. PMID 5262010.
  40. Braun R, Greeff U, Netter KJ. (1980). "Indications for nitrosamide formation from the mushroom poison gyromitrin by rat liver microsomes". Xenobiotica 10 (7-8): 557–64. DOI:10.3109/00498258009033790. PMID 7445522.
  41. a b Braun R, Greeff U, Netter KJ. (1979). "Liver injury by the false morel poison gyromitrin". Toxicology 12 (2): 155–63. DOI:10.1016/0300-483X(79)90042-8. PMID 473232.
  42. Biegański T, Braun R, Kusche J. (1984). "N-methyl-N-formylhydrazine: a toxic and mutagenic inhibitor of the intestinal diamine oxidase". Agents and Actions 14 (3-4): 351–5. DOI:10.1007/BF01973825. PMID 6428190.
  43. Benjamin, p. 273
  44. Braun R, Kremer J, Rau H. (1979). "Renal functional response to the mushroom poison gyromitrin". Toxicology 13 (2): 187–96. PMID 42171.
  45. Benjamin, p. 274
  46. Giusti GV, Carnevale A. (1974). "A case of fatal poisoning by Gyromitra esculenta". Archives of toxicology 33 (1): 49–54. PMID 4480349.
  47. Hanrahan JP, Gordon MA. (1984). "Mushroom poisoning. Case reports and a review of therapy". JAMA 251 (8): 1057–61. DOI:10.1001/jama.251.8.1057. PMID 6420582.
  48. Köppel C. (1993). "Clinical symptomatology and management of mushroom poisoning". Toxicon 31 (12): 1513–40. DOI:10.1016/0041-0101(93)90337-I. PMID 8146866.
  49. Benjamin, p. 276
  50. Wright AV, Niskanen A, Pyysalo H, Korpela H. (1981). "Amelioration of toxic effects of ethylidene gyromitrin (false morel poison) with pyridoxine chloride". Journal of Food Safety 3: 199–203. DOI:10.1111/j.1745-4565.1981.tb00422.x.
  51. Toth B, Erickson J. (1977). "Reversal of the toxicity of hydrazine an analogues by pyridoxine hydrochloride". Toxicology 7 (1): 31–36. DOI:10.1016/0300-483X(77)90035-X. PMID 841582.
  52. Kirklin JK, Watson M, Bondoc CC, Burke JF. (1976). "Treatment of hydrazine-induced coma with pyridoxine". New England Journal of Medicine 294 (17): 938–9. DOI:10.1056/NEJM197604222941708. PMID 815813.
  53. Toth B, Shimizu H. (1973). "Methylhydrazine tumorigenesis in Syrian golden hamsters and the morphology of malignant histiocytomas". Cancer Research 33 (11): 2744–53. PMID 4355982.
  54. a b Toth B, Nagel D. (1978). "Tumors induced in mice by N-methyl-N-formylhydrazine of the false morel Gyromitra esculenta". Journal of the National Cancer Institute 60 (1): 201–04. PMID 628017.
  55. Toth B, Patil K, Erickson J, Kupper R. (1979). "False morel mushroom Gyromitra esculenta toxin: N-methyl-N-formylhdrazine carcinogenesis in mice". Mycopathologia 68 (2): 121–28. DOI:10.1007/BF00441091. PMID 573857.
  56. Toth B, Smith JW, Patil KD. (1981). "Cancer induction in mice with acetaldehyde methylformylhydrazone of the false morel mushroom". Journal of the National Cancer Institute 67 (4): 881–87. PMID 6944556.
  57. Toth B, Patil K, Pyysalo H, Stessman C, Gannett P. (1992). "Cancer induction in mice by feeding the raw false morel mushroom Gyromitra esculenta". Cancer Research 52 (8): 2279–84. PMID 1559231.
  58. a b Bresinsky A, Besl H.. A Colour Atlas of Poisonous Fungi. [S.l.]: Wolfe Publishing, 1990. 62–68 p. ISBN 0-7234-1576-5
  59. Benjamin, p. 128–29
  60. (em sueco) Andersson, Christer (2007). Stenmurklan - olämplig att äta. Livsmedelsverket (National Food Administration). Swedish National Food Administration. Página visitada em 07-03-2008.
  61. (em sueco) Andersson, Christer (2007). Frågor och svar om stenmurkla. Livsmedelsverket (National Food Administration). Autoridade Nacional Alimentar da Suécia. Página visitada em 07-03-2008.
  62. (em inglês) Drumeva-Dimcheva M, Gyosheva-Bogoeva M (1998). Section One: Bulgaria's Biological Diversity - The Macromycetes Fungi of Bulgaria. Bulgaria's Biological Diversity: Conservation Status and Needs Assessment. Biodiversity Support Program (WWF, The Nature Conservancy, and World Resources Institute Consortium). Página visitada em 06-03-2008.
  63. (em catalão) Bolets. Revista el cargol (2008). Página visitada em 08-06-2008.
  64. (em espanhol) Ministerio de Sanidad y Consumo. (2004-02-06). "ORDEN SCO/190/2004, de 28 de enero, por la que se establece la lista de plantas cuya venta al público queda prohibida o restringida por razón de su toxicidad" (PDF). BOE (32): 5061–65.
  65. Härkonën, M. (1998). "Uses of mushrooms by Finns and Karelians". International Journal of circumpolar Health 57 (1): 40–55. PMID 9567575.
  66. (em inglês) False morels must be accompanied by warning and handling instructions. The Finnish Food Safety Authority Evira (24 de Abril de 2007). Página visitada em 06-01-2010.
  67. (em finlandês) Suomen Gallup Elintarviketieto Oy. MARSI 2007 — Luonnonmarjojen ja -sienien kauppaantulomäärät vuonna 2007 [Amounts of wild berries and mushrooms offered for sale in 2007]. Helsinki: Ministério da Agricultura e Florestas da Finlândia, Março-2007. 10 p.
  68. (em finlandês) Finnish Food Safety Authority. Riskiraportti – elintarvikkeiden ja Talousveden kemialliset vaarat [Risk report on toxins in food and tapwater]. [S.l.: s.n.], 2002. 38 p.
  69. Simons, DM. (1971). "The Mushroom Toxins". Delaware Medical Journal 43: 177–87.
  70. (em finlandês) Kevät on aikaa korvasienen ja väinönputken. Lapin Keittiömestarit. Página visitada em 22 de junho de 2008.
  71. Davidson A. North Atlantic Seafood: A Comprehensive Guide with Recipes. [S.l.]: Ten Speed Press, 2003. 361 p. ISBN 1-58008-450-8
  72. a b c (em inglês) False Morel Fungi - poisonous when raw. EVIRA - Autoridade de Segurança Alimentar da Finlândia (2008). Página visitada em 04-03-2008.
  73. Pyysalo H, Niskanen A. (1977). "On the occurrence of N-methyl-N-formylhydrazones in fresh and processed false morel, Gyromitra esculenta". Journal of Agricultural and Food Chemistry 25 (3): 644–47. DOI:10.1021/jf60211a006. PMID 558239.
  74. Benjamin, p. 269
  75. Benjamin, p. 278
  76. List PH, Sundermann G. (1974). "Achtung! Frühjahrslorcheln". Deutsche Apotheker Zeitung 114: 331–32.
  77. Benjamin, p. 279

Bibliografia adicional[editar | editar código-fonte]

  • Benjamin, Denis R.. Mushrooms: poisons and panaceas—a handbook for naturalists, mycologists and physicians. New York: WH Freeman and Company, 1995. ISBN 0-7167-2600-9

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Outros projetos Wikimedia também contêm material sobre este tema:
Commons Imagens e media no Commons
Wikispecies Diretório no Wikispecies