Hélio Cunha

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Emblem-scales.svg
A neutralidade desse artigo (ou seção) foi questionada, conforme razões apontadas na página de discussão. (desde junho de 2010)
Justifique o uso dessa marca na página de discussão e tente torná-lo mais imparcial.
Question book.svg
Esta página ou secção não cita nenhuma fonte ou referência, o que compromete sua credibilidade (desde junho de 2010).
Por favor, melhore este artigo providenciando fontes fiáveis e independentes, inserindo-as no corpo do texto por meio de notas de rodapé. Encontre fontes: Googlenotícias, livros, acadêmicoScirusBing. Veja como referenciar e citar as fontes.
Hélio Cunha
Nome completo Hélio Domingues da Cunha
Nascimento 25 de Maio de 1948 (66 anos)
Penha de França, concelho de Lisboa
Nacionalidade portuguesa
Ocupação pintor

Hélio Domingues da Cunha (Penha de França, concelho de Lisboa, 25 de maio de 1948) é um artista plástico português[1] .

Em 1978 viveu em Inglaterra, onde iniciou estudos e experiências no domínio das Artes Plásticas. Na década de oitenta frequentou o atelier de Mestre Soares Branco. Foi sócio da Viragem em Cascais e do Centro de Actividades Artísticas Árvore no Porto. Actualmente é sócio da Sociedade Nacional de Belas-Artes em Lisboa e do Círculo Artístico e Cultural Artur Bual na Amadora.

A partir de 1982 realizou 34 exposições individuais e participou em mais de 100 colectivas. Tomou parte nas exposições de homenagem a Artur Bual, José Garcês, António Inverno, José Ruy, Cruzeiro Seixas e em colectivas no Centro Cultural de Belém e na Walsall Art Gallery em Inglaterra[2] .

Dedicaram textos ao pintor à sua obra: António Valdemar, António Victorino de Almeida, Cruzeiro Seixas, Edgardo Xavier, Eduardo Nascimento, Eurico Gonçalves [3] e Rui Mário Gonçalves.

Possui obras no acervo de várias instituições públicas e privadas, como o Museu do Chiado em Lisboa, a Fundação Oriente, A Fundação Cupertino de Miranda, Walsall Metropolitan Museum na Inglaterra, o Museu de Arte de Macau na China, o Museu Estadual do Recife no Brasil, a Câmara Municipal de Lisboa, a Câmara Municipal da Amadora, a Fundação Portugal Telecom, etc.

Recebeu 4 vezes o Prêmio de Pintura da TLP (empresa de telecomunicações de Portugal, hoje parte da Portugal Telecom), inclusive o prêmio principal da categoria em 1986[4] . Um filme sobre a sua obra, realizado por Álvaro Queirós, figura nos arquivos do ANIM, Cinemateca Portuguesa.

Exposições individuais mais importantes[editar | editar código-fonte]

  • "O Mito e a Máscara" - Sociedade Nacional de Belas-Artes (1986)
  • "Mensagem Imperial" - Galeria Municipal Artur Bual (1987)
  • "O Crepúsculo dos Mitos" - Galeria Municipal de Sintra (1988)
  • "A Mulher na Pintura de Hélio Cunha" - Junta de Turismo da Costa do Estoril (1990)
  • "O Abismo do Paraíso" - Galeria Diário de Notícias (1991)
  • "Voz Placentária" - Galeria Municipal Artur Bual (1992)
  • "O Centro do Labirinto" - Auditório Municipal de Vendas Novas (1996)
  • "A Porta de Tannhäuser" - Galeria LM, Sintra (1997)
  • "O Mito de Sísifo" - Banco de Portugal (1997)
  • "Arcata" - Sede da Alfa Laval, Lund, Suécia (1999)
  • "Dorian Gray e Outras Pinturas" - Centro UNESCO do Porto (2000)
  • "Vestígios de um Mar Inexistente" - Associação 25 de Abril (2003)
  • "Les Amants Tristes" - Galeria de Exposições Temporárias, Convento de S. José, Lagoa (2004)
  • "Paradisaea Raggiana" - Centro de Arte Contemporânea da Amadora (2004)
  • "Flores Astrais" - Espaço de Arte Portugal Telecom, Porto (2005)
  • "A Idade de Ouro" - Galeria de Arte Moderna da Sociedade Nacional de Belas-Artes (2007)
  • "A Sonâmbula e Outras Pinturas" - Câmara Municipal de Lisboa, Edifício Central (2008)
  • "40 Quadros Verdadeiros e 1 Quadro Falso" - Galeria Municipal Espaço Mais, Aljezur (2009)
  • "Movimentos de um Visionário" - Jardim Interior do Hospital da Luz, Lisboa (2010)

Galeria de imagens[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. Adrian, Publishers. (2 junho 1993). "'Artes Plásticas em Portugal'".
  2. Universitária, Editora (2 maio 1999). '50 Anos de Pintura e Escultura em Portugal'. Página visitada em 2010 julho 2.
  3. Oro, Faber (2 dezembro 2008). 'Pintura Contemporânea Portuguesa - 100 pintores'. Página visitada em 2010 julho 2.
  4. Universitária, Editora (2 novembro 1994). 'Criarte'. Página visitada em 2010 julho 2.

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Wikiquote
O Wikiquote possui citações de ou sobre: Hélio Cunha