Húmus de minhocas

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Merge-arrow 2.svg
Este artigo ou secção deverá ser fundido com Húmus.
Editor, considere adicionar mês e ano na marcação. Isso pode ser feito automaticamente, com {{Fusão com|....|{{subst:DATA}}}}.

(por favor crie o espaço de discussão sobre essa fusão e justifique o motivo aqui; não é necessário criar o espaço em ambas as páginas, crie-o somente uma vez. Perceba que para casos antigos é provável que já haja uma discussão acontecendo na página de discussão de um dos artigos. Verifique ambas (1, 2) e não esqueça de levar toda a discussão quando levar o caso para a central.).
Question book.svg
Esta página ou se(c)ção não cita fontes fiáveis e independentes (desde agosto de 2009). Por favor, adicione referências e insira-as no texto ou no rodapé, conforme o livro de estilo. Conteúdo sem fontes poderá ser removido.

Húmus de minhocas é o produto obtido da ação de minhocas detritívora sobre um substrato a base de matéria orgânica, bioestabilizada.

Esse processo é denominado também de vermicompostagem, uma das formas de compostagem, uma vez que em muitas línguas as minhocas não tem uma terminologia própria, como na língua portuguesa, sendo chamados de "vermes" ou sinônimos como "lombrigas", ou até como "vermes da terra". O húmus de minhocas é um excelente fertilizante orgânico, geralmente produzido, com substrato a base de esterco bovino bioestabilizado ou compostado, utilizando-se minhocas detritívoras, como as minhocas vermelhas da califórnia ou Eisenia foetida e a Gigante africa ou Eudrilus euginiae. Na verdade as minhocas detritívoras alimentam-se do substrato e eliminam seu esterco sobre a massa desse substrato, substituindo, de cima para baixo, o esterco bioestabilizado por seus excrementos, que são denominados de húmus de minhocas. Então o húmus de minhocas nada mais é que o esterco da própria minhoca. Ao ingerir o substrato, a minhoca o digere, promovendo a degradação de uma série de substâncias como a celulose e outras biomoléculas existentes na matéria orgânica ingerida, dessa forma o esterco das minhocas detritívoras é uma forma mais decomposta de matéria orgânica, o que facilita a sua degradação por micro-organismos do solo e facilita a liberação de nutrientes para a solução do solo, por esse motivo o húmus de minhocas tem uma melhor ação como fertilizante orgânico que os estercos de outros animais, como os bovinos. Além disso durante seu processo digestivo as minhocas promovem um aumento da população de micro-organismos, principalmente bactérias benéficas aos processos agrícolas, fazendo com que o húmus de minhocas seja também uma excelente fonte de inoculo de micro-organismos para solos degradados e sem vida. Pode-se usar, praticamente, quaisquer fontes de matéria orgânica para a produção de húmus de minhocas ou vermicomposto, tais como restos vegetais, matéria organica do lixo domiciliar, lodo de esgotos urbanos. Porém comercialmente a fonte de matéria orgânica mais acessível e aceita pelos minhocultores é o esterco bovino, geralmente obtido de grandes criações em confinamento, onde é mais fácil recolher o esterco em grandes quantidades.