HIV/AIDS na África

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Prevalência de HIV/AIDS por país da África (% da população entre 15 e 49 anos), em 2011 (Banco Mundial)
  mais de 15%
  5-15%
  2-5%
  1-2%
  0,5-1%
  0,1-0,5%
  sem dados

HIV/AIDS é um importante problema de saúde pública e causa milhares de mortes em muitas partes da África. Embora o continente seja o lar de cerca de 15,2 por cento da população do mundo,[1] a África subsaariana sozinha respondeu por cerca de 69 por cento de todas as pessoas que viviam com o HIV[2] e 70 por cento de todas as mortes por AIDS em 2011.[3]

Os países do Norte e do Nordeste da África têm taxas de prevalência de infectados significativamente mais baixas, visto que suas populações tipicamente envolvem-se em menos padrões culturais de alto risco que têm sido implicados na propagação do vírus na África subsaariana.[4] [5] A África Austral é a região mais afetada no continente. Em 2011, o HIV havia infectado ao menos 10 por cento da população de África do Sul, Botswana, Lesoto, Malawi, Moçambique, Namíbia, Suazilândia, Zâmbia e Zimbabwe.[6]

Em resposta, uma série de iniciativas foram lançadas em várias partes do continente para educar o público sobre HIV/AIDS. Entre elas estão programas de prevenção combinada, considerada a iniciativa mais eficaz, abstinência sexual, fidelidade, uso de preservativos e programas de apoio a portadores da fundação de Desmond Tutu.[7]

De acordo com um relatório especial de 2013, emitido pelo Programa Conjunto das Nações Unidas sobre HIV/AIDS (UNAIDS), o número de pessoas infectadas com o vírus HIV na África a receber tratamento antirretroviral em 2012 era de mais de sete vezes superior ao número registrado em 2005.[8] [9] Além disso, o número de mortes relacionadas com a AIDS na África subsaariana em 2011 foi de 33 por cento menor do que o número em 2005,[10] enquanto que o número de novos casos de infecções por HIV infecções na região em 2011 foi 25 por cento menor do que o registrado em 2001.[10]

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

  • McGeary, Johanna. "Death Stalks A Continent." Time Magazine. 12 Feb. 2001. Time. 4 Oct. 2008 <http://www.time.com/time/magazine/article/0,9171,999190-12,00.html>.
  • Encyclopedia of AIDS: A Social, Political, Cultural, and Scientific Record of the HIV Epidemic, Raymond A. Smith (ed), Penguin Books. ISBN 0-14-051486-4.
  • Tony Barnett and Alan Whiteside, "AIDS in the 21st Century: Disease and Globalization," Palgrave Macmillan, 2003, ISBN 1-4039-0006-X
  • John Iliffe, "The African AIDS Epidemic: A History," James Currey, 2006, ISBN 0-85255-890-2
  • Nicoli Nattrass, "The Moral Economy of AIDS in South Africa," Cambridge University Press, 2003, ISBN 0-521-54864-0
  • Alex de Waal, "AIDS and Power: Why there is no political crisis--yet," Zed Books, 2006, ISBN 1-84277-707-6
  • Pieter Fourie, "The Political Management of HIV and AIDS in South Africa: One burden too many?" Palgrave Macmillan, 2006, ISBN 0-230-00667-1

Leitura adicional[editar | editar código-fonte]

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Instituições de caridade e organizações não-governamentais[editar | editar código-fonte]