Habiru

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
ˁApiru (ʕprw)[1] em hieroglifos é
a
p
r
G43 A1 Z3
Esta imagem das inscrições que registam a Batalha de Kadesh mostram um ibrw ou arqueiro ao serviço dos egipcios como escudo ou mensageiro. ibr é a palavra egípcia para cavalo w para plurali.

Habiru, ou Apiru, foi o nome dado por várias fontes Sumérias, Egípcias, Acádias, Hititas e Ugaríticas (datadas aproximadamente de antes de 2000 A.C. a cerca de 1200 A.C.) a grupos de pessoas que viveram como invasores nômades em áreas da região nordeste do Crescente Fértil da Mesopotâmia e do Irã até á fronteira do Egito em Canaã. Dependendo da fonte e época, estes Habirus são descritos como nômades ou semi-nômades, rebeldes, bandidos, salteadores, mercenários e arqueiros, servos, escravos, trabalhadores migrantes..

Os nomes Habiru e Apiru são usados em textos cuneiformes acádios. O nome correspondente na escritura consoante egípcia parece ser pr.u, convencionalmente pronunciado apiru (sendo u o sufixo plural egípcio). Em registros mesopotâmicos, eles também são identificados pelo logograma sumério SA.GAZ, de pronúncia desconhecida. O nome Habiru também foi encontrado nas cartas de Amarna, que também incluem muitos nomes de povos cananeus escritos em acadiano. As Cartas de Amarna escritas para os faraós egípcios no século 14 A.C., documentam o tempo de agitação em Canaã que se remonta antes da batalha de Kadesh no tempo de Tutmés I.

As fontes[editar | editar código-fonte]

Estudiosos apontam semelhanças a relatos bíblicos de “Hebreus” colocando as pessoas no âmbito da proibição, tal qual eles se mudaram ao longo da rota dos reis através de Edom e Moabe para o território dos Amonitas, Aram e Amurru, e percebeu-se que os registros pareciam fornecer uma confirmação independente da invasão de Canaã pelos Habirus, lutando sobre Josué, Saul e Davi. Apesar de que os textos foram descobertos em todo o Oriente Médio, no entanto, ficou claro que o Habiru foi encontrado mencionado em contextos que vão desde trabalhadores desempregados agrícolas a arqueiros mercenários. O contexto difere dependendo de onde as referências foram encontradas.

Embora encontrados em quase todo o Crescente Fértil, o arco de civilização "que se estende das bacias do rio Tigre-Eufrates até ao litoral do Mediterrâneo e ao longo do vale do Nilo, durante o segundo milênio, a principal área de interesse histórico é o seu envolvimento com o Egito ".1

Carol Redmount que escreveu Bitter Lives: Israel in and out of Egypt, em The Oxford History of the Biblical World concluiu que o termo "Habiru" não teria nenhuma afiliação étnica comum, que não falam uma língua comum, e que geralmente tinham uma existência marginal e às vezes ilegal nas margens da sociedade. Ela define os vários Apiru/Habiru como uma "classe social mais baixa, mal definida, composta por elementos de mudança e a pessoas sem vínculos seguros para as comunidades assentadas" em que se refere como "foras da lei, mercenários e escravos" nos textos antigos. Nesse sentido, alguns cientistas modernos consideram que os Habirus são mais uma designação social que étnica ou tribal.

Referências

  1. An Egyptian Hieroglyphic Dictionary, in Two Volumes, Budge, Sir E.A.Wallis.; p.119, Vol. 1; Dover Publications, Inc. New York; © 1920
  • Forrest Reinhold, Hurrian Hebrews; Ea as Yahweh; The Origins Of The Hebrews & "The Lord Iowa, 2000.
  • Israel Finkelstein and Neil Asher Silberman, The Bible Unearthed: Archaeology's New Vision of Ancient Israel and the Origin of its Sacred Texts. 2003
  • Moshe Greenberg, The Hab/piru, American Oriental Society, New Haven, 1955.
  • Oxford History of the Biblical World, page 72. ISBN 0-19-513937-2
  • Mirjo Salvini, The Habiru prism of King Tunip-Te??up of Tikunani. Istituti Editoriali e Poligrafici Internazionali, Rome (1996). ISBN 88-8147-093-4
  • Robert D. Biggs, (Review of the above). Journal of Near Eastern Studies 58 (4), October 1999, p294.
  • Mendenhall, George E. The Tenth Generation: The Origins of the Biblical Tradition, The Johns Hopkins University Press, 1973.
  • Mendenhall, George E. Ancient Israel's Faith and History: An Introduction to the Bible in Context, Westminster John Knox Press, 2001.