Hamas

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Hamas
Flag of Hamas.svg
Bandeira com a Shahada, frequentemente utilizada por apoiadores do Hamas.
Presidente Ismail Haniya (primeiro-ministro)
Fundação 1987 - presente
Sede Palestina
Gaza
Ideologia Fundamentalismo islâmico, nacionalismo e sunismo
Afiliação internacional Irmandade Muçulmana

O Hamas (em árabe: حماس, transl. Ḥamās (lit. 'Zelo' ou 'Entusiasmo', acrónimo de حركة المقاومة الاسلامية, transl. Ḥarakat al-Muqāwamat al-Islāmiyyah, "Movimento de Resistência Islâmica") uma organização palestina, de orientação sunita, que inclui uma entidade filantrópica, um partido político e um braço armado, as Brigadas Izz ad-Din al-Qassam. É o mais importante movimento fundamentalista islâmico da Palestina.[1]

Em janeiro de 2006 o Hamas venceu as eleições parlamentares na Palestina, ganhando 76 dos 132 assentos no Parlamento Palestino, enquanto o Fatah conseguiu 43.[2] Após a vitória eleitoral do Hamas, conflitos violentos e não violentos ocorreram entre o Hamas e o Fatah. 12 palestinos morreram e mais de 100 ficaram feridos[3] [4] Depois da Batalha de Gaza, em junho de 2007, o Hamas perdeu suas posições na Autoridade Palestina na Cisjordânia, sendo substituído por integrantes do Fatah e independentes. O Hamas, por sua vez, expulsou o Fatah e manteve o controle de Gaza.[5]

O Hamas é considerado como organização terrorista pelo Canadá,[6] União Europeia,[7] Israel,[8] Japão[9] e Estados Unidos[10] A Austrália[11] e o Reino Unido[12] consideram como organização terrorista somente o braço militar da organização - as Brigadas Izz ad-Din al-Qassam.[13] [14] Outros países, como a África do Sul,[15] a Rússia,[16] a Noruega[17] e o Brasil não consideram o Hamas como organização terrorista.[18] Na Jordânia, o Hamas tinha uma presença forte até o final da década de 1990, o que causava atritos entre o governo jordaniano e Israel. O rei Abdullah fechou a sede do Hamas na Jordânia e expulsou seus líderes.[19]

Em maio de 2011, o líder do Hamas Ismail Haniya condenou a operação norte-americana que matou Osama bin Laden, responsável pelos Ataques de 11 de setembro de 2001, denominando bin-Laden de "guerreiro sagrado", e a operação como um assassinato.[20]

Etimologia[editar | editar código-fonte]

Hamas é um acrônimo da frase árabe حركة حركة المقاومة الاسلامية (Harakat al-Muqāwama al-Islāmiyya, que significa "Movimento de Resistência Islâmico"). Em árabe a palavra Hamās (حماس) se traduz aproximadamente como "entusiasmo, ardor, calor, cordialidade".[21] A consoante inicial não é o /h/ comum em palavras em inglês (como house), mas um som ligeiramente mais áspero, a fricativa faríngea surda /ħ/.

História[editar | editar código-fonte]

O Hamas foi criado em 1987, no início da Primeira Intifada, pelos xeques Ahmed Yassin, Abdel Aziz al-Rantissi e Mohammad Taha da ala palestina da Irmandade Muçulmana do Egito.[22] O braço político e beneficente da Irmandade Muçulmana é então reconhecido oficialmente por Israel. O grupo se concentrava na ajuda social e em projetos religiosos, com uma intensa ação social e comunitária.

Segundo várias fontes, a Irmandade Muçulmana palestina, durante os anos 1970 e 1980, foi financiada direta ou indiretamente por diferentes Estados, como a Arábia Saudita e a Síria, mas também pelo Mossad, o serviço secreto israelense. [23]

Ação política e social[editar | editar código-fonte]

O Hamas se define como um movimento de resistência palestino, cujos princípios se baseiam no Corão. Seu programa político tem como ponto fundamental a instauração de um Estado palestino abrangendo toda a Palestina histórica. O Hamas não reconhece o Estado de Israel, e a este se refere como "entidade sionista". Nesse aspecto, opõe-se ao Fatah. Em sua carta de princípios, publicada em 1988,[24] o Hamas prega a criação de um Estado palestino islâmico e portanto a extinção do estado de Israel.

Como partido político, O Hamas liderou dois governos sucessivos da Autoridade Palestiniana. Seus representantes têm afirmado o interesse em resolver as divergências com o Fatah, e têm buscado o reconhecimento internacional da organização, como interlocutor qualificado e legítimo representante dos interesses do povo palestino, embora, até então, o Hamas não reconheça o Estado de Israel.

O movimento criou uma vasta rede de assistência social na Cisjordânia e na Faixa de Gaza[25] para ganhar popularidade na sociedade palestina estabelecendo hospitais, escolas, bibliotecas e outros serviços[26] nos territórios palestinos.[25]

Em dezembro de 2008, o Hamas teve sua rede de assistência social e educacional,usadas como base de lançamento de mísseis na Faixa de Gaza destruída por Israel,[27] durante a Operação Chumbo Fundido.

Luta armada[editar | editar código-fonte]

O resultado de uma explosão causada por um terrorista suicida do Hamas em Jerusalém

Em meados de 1980, a Irmandade Muçulmana palestina evoluiu sob a influência do xeque Ahmed Yassin, que pregava a luta armada contra o "ocupante hebreu". Seu braço armado são as Brigadas Izz al-Din al-Qassam e alguns observadores consideram o Hamas como uma "organização de fins militares que prospera a partir de uma rede filantrópica.[1]

As primeiras ações armadas do Hamas ocorrem com o início da Primeira Intifada. Inicialmente atacam rivais palestinos e depois, os militares israelenses. Posteriormente suas ações passaram a ter como alvo tanto os militares como os civis israelenses. Entre abril de 1993 e 2005, o Hamas promoveu ataques suicidas que visavam essencialmente a população civil, a exemplo dos ataques realizados contra o Dizengoff Center, em 1996, e contra a pizzaria Sbarro, em 2001.[28] [29] [30] [31] [32]

Em 1989, o movimento sofreu um duro golpe quando Ahmed Yassin foi feito prisioneiro pelo governo israelense. Posteriormente solto em uma troca de prisioneiros, Yassin acabaria sendo morto durante um assassinato seletivo (targeted killing), pela Força Aérea Israelense, em 2004.

Em abril de 2006, após ter o poder de atentados quase que eliminado por Israel, e necessitando de reconhecimento internacional, o Hamas renunciou publicamente o reconhecimento aos ataques suicidas [33] O último atentado suicida contra Israel reivindicado pelo Hamas foi em janeiro de 2005.[34] Desde então o Hamas passou a realizar ataques com foguetes Qassam contra as cidades israelenses próximas à fronteira, notadamente Sderot.

Hamas e Fatah[editar | editar código-fonte]

Faixas com fotos de Ahmed Yassin e Abdel Aziz al-Rantissi, em comício eleitoral do Hamas. Ramalá, 2007.

Em 25 de Janeiro de 2006, o partido venceu as eleições para o parlamento Palestino, derrotando o Fatah. Após a contagem final, em 28 de janeiro de 2006, o Hamas conquistou 76 das 132 cadeiras do parlamento, não precisando, portanto, formar coligações. Já o Fatah, partido que liderava anteriormente, obteve apenas 43 cadeiras. Muitos viam o governo anterior do Fatah como corrupto e ineficiente, e enxergavam no Hamas um movimento efetivo de resistência e defesa dos palestinos contra a ocupação israelense[35] [36] O Hamas também ganhou várias eleições democráticas locais, tanto em Gaza quanto na Cisjordânia (Qalqilyah, e Nablus).[2] As eleições foram observadas por entidades internacionais.[37]

Desde a vitória eleitoral do Hamas, acirrou-se o conflito entre o Hamas e o Fatah.[38] Depois da Batalha de Gaza, em 2007, que envolveu militantes do Hamas e do Fatah, os representantes eleitos do Hamas foram expulsos de suas posições no governo da Autoridade Nacional Palestina na Cisjordânia e substituídos por membros do rival Fatah, em uma ação por muitos considerada ilegal.[39] [40]

O presidente da Autoridade Palestina, Mahmoud Abbas, do Fatah, deu posse aos membros do seu gabinete de emergência no seu escritório central, em Ramalá. O gabinete de emergência substituiu a coalizão Hamas-Fatah que ele extinguiu depois que o Hamas tomou o controle de Gaza à força. Assim, na prática, os palestinos têm dois governos - a liderança do Hamas na Faixa de Gaza e o gabinete montado por Abbas na Cisjordânia, liderado pelo economista Salam Fayyad.

Em 18 de junho de 2007, Abbas decretou a ilegalidade da milícia do Hamas e embora um assessor de Abbas tenha dito que o decreto não se referia ao Hamas como um todo. Representantes do Hamas declararam que o governo de emergência não era amparado pela lei palestina e que o Hamas continuaria funcionando como líder do governo.[41]

Em novembro de 2009, o Hamas comprometeu-se a assinar o acordo de reconciliação interpalestino promovido pelo Egito e que já havia sido firmado pelo Fatah.[42]

Em maio de 2011, o Hamas e Fatah firmaram acordo de reconciliação depois de quatro anos de cisão. O acordo foi criticado pelo primeiro-ministro israelense, Benjamin Netanyahu.[43] [44]

Hamas e Israel[editar | editar código-fonte]

Damasco - Menino com uma submetralhadora MP5SD3 em manifestação pró-Hamas à época dos ataques à Faixa de Gaza (dezembro de 2008).

O Hamas preconiza a luta armada contra Israel e seus civis, por todos os meios, visando à formação de um estado independente palestiniano "... desde o Rio Jordão até o mar". Sua carta de princípios, redigida em 1988, preconiza o estabelecimento de um estado muçulmano na Palestina histórica - incluindo portanto Israel, a Cisjordânia e a Faixa de Gaza.

Em sua carta fundamental, em seus escritos e muitas de suas declarações públicas, o Hamas usa um discurso de ódio contra Israel.[45] Internamente, o grupo mantém uma agenda propagandística que inclui, por exemplo, a transmissão em seu canal de TV, Al-Aksa TV, de programas como o seriado infantil Pioneiros do Amanhã, de conteúdo antiamericano e antissemitismo.

Apesar disso, os dirigentes do Hamas constantemente descrevem o com Israel como político e não religioso[46] ou antissemita. Segundo seu dirigente, Khalid Meshal, a Carta de Princípios da organização "não prega de modo algum a destruição de Israel".

Uma proposta de cessar-fogo duradouro[editar | editar código-fonte]

Em fevereiro de 2006, o Hamas, através de Khalid Meshal, propôs um cessar-fogo duradouro - tendo sido sugerida uma trégua de 10 a 15 anos - desde que Israel devolvesse os territórios ocupados na Guerra dos Seis Dias, em 1967.[47]

A Crise financeira nos Territórios Palestinos[editar | editar código-fonte]

Desde que o Hamas assumiu o governo, a Autoridade Palestina foi isolada economicamente e houve uma grande redução da ajuda financeira internacional, inclusive israelense, aos Territórios Palestinos. Em 2006, a Autoridade teve, inclusive, de devolver aos Estados Unidos o valor de USD 50 milhões, que havia sido enviado, a título de auxílio, pelo governo americano. O governo israelense, por sua vez, congelou a transferência de tributos transferidos à Autoridade Palestina, no valor de 50 milhões de dólares mensais. Esse dinheiro não constituía auxílio, mas o resultado de impostos e taxas arrecadados por Israel de palestinos que trabalham dentro de Israel. O valor é normalmente transferido no primeiro dia de cada mês e ajuda a pagar os salários de 140.000 funcionários dos serviços de segurança pública, educação e saúde que servem 20% da população dos Territórios Palestinos (que totaliza 3,8 milhões de pessoas).[48] Durante o governo Bush, os Estados Unidos acusaram a Arábia Saudita de financiar o Hamas. O governo saudita, por sua vez, não considera que o Hamas seja uma organização terrorista. Portanto a solicitação do governo americano para interromper o envio de auxílio à liderança da Autoridade Palestina foi negada pelos sauditas.[49]

O Primeiro-Ministro palestino Ismail Haniyeh afirmou acreditar que os estados árabes e islâmicos ajudariam a compensar a redução da ajuda ocidental. O envio de ajuda foi confirmado pelo líder da Liga Árabe, Amr Moussa. Da mesma forma, o governo iraniano concordou em apoiar financeiramente o governo palestino, a pedido de Khaled Meshal, que visitou o Irã em 2007.[50] [51]

Ver também[editar | editar código-fonte]

Commons
O Commons possui imagens e outros ficheiros sobre Hamas

Referências

  1. a b Le Hamas: mouvement islamiste radical. Dossiers Monde, France 3.fr
  2. a b "Who are Hamas?", BBC News, January 26, 2006.
  3. "The Gangs of Gaza", Newsweek, 26 de junho de 2006.
  4. Palestinian in-fighting provokes despair, frustration, Reuters, 3 de outubro de 2006.
  5. Carter: Stop favoring Fatah over Hamas. The Jerusalem Post, 19 de junho de 2007.
    Exposing the bitter truth of Gaza carnage. The Age, 23 de junho de 2007
    "Hamas sweeps to election victory". BBC News
    A história do conflito entre Hamas e Fatah. Último segundo 17 de maio de 2007.
  6. Keeping Canadians Safe, Public Security and Emergency Preparedness Canada, National Security, Listed entities
  7. "Council Decision". Conselho da União Europeia, 21 de dezembro de 2005.
    EU declares Hamas terrorist organization Deseret News (Salt Lake City), por Frank Bruni. New York Times News Service, 7 de setembro de 2003.
    Hamas: Government or Terrorist Organization?, por Adam Davidson
    EU blacklists Hamas political wing
  8. The Financial Sources of the Hamas Terror Organization (Israel MFA)
  9. Japan's Diplomatic Bluebook 2005 declara que congelou os ativos das "organizações terroristas, incluindo... Hamas."
  10. Country reports on terrorism 2005, United States Department of State. Gabinete do Coordenador para o Contra-terrorismo. Departamento de Estado dos EUA, Publication 11324. Abril de 2006, p. 196
    Woodward, Paul. "Document Details 'U.S.' Plan to Sink Hamas", 16 de maio de 2007. Página visitada em 22-11-2009.
  11. Listing of Terrorist Organisations, Departamento do Promotor Público Geral do Governo Australiano, 27 de janeiro de 2006. acesso em 31 de julho de 2006.
  12. " United Kingdom Home Security Office. Terrorism Act 2000. Grupos terroristas proscritos
  13. "Council Decision" Council of the European Union, 21 de dezembro de 2005
  14. DON VAN NATTA JR.. "THE MIDEAST TURMOIL: WASHINGTON'S VIEW; Rice Urges European Union to Classify Hamas as Terrorist", 'New York Times', 27 de julho de 2003.
  15. (em inglês)A África do Sul e o Hamas
  16. Hamas tenta romper seu isolamento com visita a Moscou. UOL, 02/03/2006.
  17. Convite norueguês ao Hamas provoca reação de embaixada israelense.Estadão, 18 de abril de 2006.
  18. EUA criticam combate ao terror no Brasil, O Tempo, 29-4-2006.
    Brasil: Hamas não é uma organização terrorista . CBINP, agosto de 2008
  19. BBC. [http://www.bbc.co.uk/portuguese/especial/1658_islam_world_me/page6.shtml O Islamismo no mundo. Jordânia.
  20. Haaretz. [http://www.haaretz.com/news/diplomacy-defense/u-s-slams-outrageous-hamas-condemnation-of-bin-laden-killing-1.359698 EUA critica severamente ultrajante condenação pelo Hamas de operação contra bin-Laden
  21. Dicionário de Árabe-Português online
    Dicionário Árabe-Francês Babylon
  22. Why Rising Popularity Poses a Dilemma for Hamas. TIME
  23. « Hamas, le produit du Mossad », por Hassane Zerrouky. L'Humanité 14 dez. 2001;
    « Hamas history tied to Israel ». UPI, 18 jun. 2002;
    “Les très secrètes 'relations' Israël-Hamas”. Le Canard enchaîné, 1°. fev. 2006 (n°4449)
    Quand Israël soutenait les islamistes..., por Jean Lacouture. Le Nouvel Observateur.
    Israël, Hamas : les relations secrètes. Entrevista com Charles Enderlin. Le Nouvel Observateur, 3 de novembro de 2009.
  24. Carta de princípios do Hamas - tradução francesa de Jean-François Legrain, pesquisador do CNRS
  25. a b Hamas - Council on Foreign Relations
  26. "Palestinian election raises varying opinions within U". The Minnesota Daily. January 31, 2006
  27. Símbolo Cultural Destruído, dezembro de 2008
  28. http://media.www.dailypennsylvanian.com/media/storage/paper882/news/1996/03/05/Resources/Purim.Fest.Continues.Despite.Israeli.Bombing-2174353.shtml
  29. http://www.washingtonpost.com/wp-dyn/articles/A1908-2005Mar25.html
  30. http://www.guardian.co.uk/world/2001/aug/10/israel1
  31. http://www.mfa.gov.il/MFA/MFAArchive/2000_2009/2000/10/Suicide%20bombing%20at%20the%20Sbarro%20pizzeria%20in%20Jerusale
  32. "Kill A Hundred Turks and Rest...", Gush Shalom, 8 de março de 2008. Página visitada em 22.11.2009.
  33. Le Hamas appelle à la cessation des attentats-suicides, The Observer
  34. http://www.cyberpresse.ca/international/moyen-orient/200812/22/01-812478-gaza-le-hamas-accepte-une-treve-mais-menace-dattentats.php
  35. "Who are Hamas?", BBC News, January 26, 2006.
  36. Kristen Ess. "Why Hamas Won" ZNet. Palestine, January 31, 2006.
  37. The Hamas electoral victory: Democracy's bitter fruit.
  38. Facções palestinas se confrontam na faixa de Gaza. Folha Online, 06/04/2007
    "The Gangs of Gaza", Newsweek, June 26, 2006.
    Palestinian in-fighting provokes despair, frustration, Reuters, October 3, 2006.
    "Palestinian Rivals: Fatah & Hamas", BBC News, May 25, 2006.
  39. Carter: Stop favoring Fatah over Hamas The Jerusalem Post June 19, 2007
  40. Exposing the bitter truth of Gaza carnage The Age June 23, 2007
  41. Abbas outlaws Hamas militia forces.
  42. Hamas assinará acordo de reconciliação no fim do mês. O DIA ONLINE, 11.11.2009.
  43. "Facções palestinas Fatah e Hamas assinam acordo de reconciliação", 04 de maio de 2011. Página visitada em 10-06-2011.
  44. "Fatah e Hamas chegam a acordo de reconciliação palestina", 27 de abril de 2011. Página visitada em 10-06-2011.
  45. "Anti-semitic Hate Speech in the Name of Islam", Spiegel Online International, May 16, 2008.
  46. "'We shall never recognize... a Zionist state on our soil'", Guardian, January 31, 2006.
  47. Hamas offers deal if Israel pulls out, por Tim Butcher. The Daily Telegraph, 09 Feb. 2006.
  48. BBC, 21 de fevereiro de 2006. Palestinians 'face financial crisis'
  49. Paz agora, 2 de março de 2006. Uma Perspectiva Saudita. O Que Constitui o Terrorismo? Entrevista com Nawaf Obaid.
  50. Iran urges visiting Hamas leader Meshal to keep 'resisting' Israel Haaretz, 7 de março de 2007.
  51. BBC, 21 fev. 2006 Palestinians 'face financial crisis'

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

  • YOUSEF, Mosab Hassan, "Filho do Hamas", Rio de Janeiro, Editora Sextante, 2010, ISBN 9788575425619