Hanna-Barbera

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Hanna-Barbera
Hanna-Barbera Productions, Inc.

O antigo estúdio da Hanna-Barbera, onde atualmente é o Cartoon Network Studios.
Tipo Privada (até 1967)
Subsidiária (1967-2001)
nome de uma unidade da Warner Bros. Animation (2001-presente)
Indústria Animação
Fundação 1944
Fundador(es) William Hanna
Joseph Barbera
George Sidney
Encerramento 22 de março de 2001 (absorvida pela Warner Bros e transformada no Cartoon Network Studios)
Sede Los Angeles, Califórnia,
 Estados Unidos
Proprietário(s) Independente (1957-1967)
Taft Broadcasting (1967-1987)
Great American Broadcasting (1987-1991)
Turner Broadcasting System(1991-1996)
Time Warner(1996-2001)
AOL Time Warner (2001-2003)
Time Warner (2003-atualmente)
Produtos Programas de televisão

Hanna-Barbera foi uma empresa de desenho animado criada pela dupla de cartunistas norte-americana William Hanna e Joseph Barbera , cuja propriedade agora é da Time Warner.[1] É uma das maiores produtoras de desenhos animados do mundo, estando situada em Los Angeles, no estado da Califórnia.

História[editar | editar código-fonte]

Eles se conheceram em 1937 e começaram a trabalhar juntos no estúdio de animação da Metro-Goldwyn-Mayer em 1939. Na década de 1940, enviaram seus desenhos para Walt Disney, que prometeu viajar até Nova Iorque na semana seguinte para contratá-los. Nunca apareceu.

O primeiro projeto de animação criado e desenvolvido pelos dois foi o desenho Puss Gets the Boot (1940), que iniciou a premiada e popularíssima série Tom e Jerry. Em 1944 foi fundado o estúdio Hanna-Barbera[2] .

Com a popularização da televisão, Hanna e Barbera passaram a desenvolver novos trabalhos e personagens para a essa mídia a partir de 1957. Seu primeiro sucesso foi a série Jambo & Ruivão, seguido dos famosos Dom Pixote, Plic, Ploc & Chuvisco, Zé Colméia, Pepe Legal, Bibo Pai e Bob Filho, Olho Vivo e Faro Fino e Loopy De Loop (Loopy Le Beau), este último feito para exibição no cinema. Depois viriam as séries de horário nobre: Os Flintstones, Manda Chuva, Os Jetsons, Jonny Quest, dentre outros. No final da década de 1960 surgiria outro mega-sucesso: Scooby-Doo.

Em comparação com o trabalho cinematográfico anterior, a animação televisiva era bem precária, repetindo-se cenários de fundo e reaproveitando-se gestos e expressões dos personagens a exaustão. Mas o sucesso era garantido com as divertidíssimas gags que recheavam os episódios e alegravam tanto adultos como crianças.

Os desenhos Hanna-Barbera dominavam a programação infantil da televisão, até que em 1993 o monopólio Hanna-Barbera acabou.

Os estúdios da Hanna-Barbera foram, na década de 1990 comprados pela Turner Enterprises, conglomerado de comunicação do empresário Ted Turner — que inclui os canais de tevê por assinatura CNN, TNT e Cartoon Network — e o nome "HB" hoje é usado apenas nas produções anteriores à compra. As produções posteriores passaram a receber o rótulo "Cartoon Network Studios". As únicas exceções foram O Laboratório de Dexter, Johnny Bravo, A Vaca e o Frango, Eu Sou o Máximo e As Meninas Superpoderosas, que utilizaram a logomarca "HB" até 1998, antes de adotar o seu rótulo definitivo.

Anos mais tarde, as empresas Turner foram adquiridas por outro conglomerado de comunicação, o "Time-Warner", e a ex-Hanna-Barbera foi junto na transação. Muitos criticam tal aquisição como danosa à concorrência nos meios de entretenimento e jornalismo, já que ambas as empresas possuíam seus próprios departamentos de reportagens, filmes, séries de televisão e desenhos animados. Nesse último ponto, ainda não está claro o impacto que isto terá na qualidade das produções, já que a Hanna-Barbera e a Warner Bros. eram rivais ferrenhas na disputa pelos espectadores de desenhos.

Quando William Hanna morreu, em 22 de março de 2001, com 90 anos, o estúdio Hanna-Barbera foi adquirido pela Warner Bros. Animation, e transformado no Cartoon Network Studios.

Em 18 de dezembro de 2006 faleceu, com 95 anos, Joseph Barbera, por causas naturais.

Desenhos clássicos[editar | editar código-fonte]

Os maiores sucessos infantis das décadas de 1950, 1960, 1970, 1980 e 1990 estão desde o fim da década de 1990 até o meio da década de 2000 perdendo espaço. Em 1993 os desenhos apareceram no canal Cartoon Network, mas tiveram baixa audiência. A partir daí os clássicos foram perdendo espaço até sumirem em 2008.

Em 1999 a Turner deu para HB sua segunda chance com o canal só dela, o Boomerang. No caso da América Latina, em menos de 10 anos o canal retirou de uma só vez todos os desenhos clássicos e agora exibe uma nova programação.

Recentemente, os desenhos de Hanna-Barbera voltaram à programação televisiva através de outro canal recém-criado pela Turner, denominado Tooncast. Os clássicos Tom e Jerry e Scooby-Doo estão atualmente na programação do canal Cartoon Network.

Curiosidades[editar | editar código-fonte]

Há uma canção da Legião Urbana do disco As Quatro Estações de 1989 chamada de 1965 (Duas Tribos) que faz menção ao nome Hanna-Barbera.

Guinness Book[editar | editar código-fonte]

O desenho Scooby-Doo entrou no livro do Guinness Book como o desenho com mais episódios no ano de 2004, com 360 episódios.

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. A arte de Hanna-Barbera
  2. William Hanna — Awards allmovie. Página visitada em 22 de maio de 2012.

Ligações externas[editar | editar código-fonte]