Hans-Joachim Koellreutter

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Hans-Joachim Koellreuter
Koellreutter.jpg

Maestro e compositor Hans-Joachim Koellreuter
Informação geral
Também conhecido(a) como Koellreuter
Nascimento 2 de setembro de 1915
Origem Freiburg
País  Alemanha,  Brasil
Data de morte 13 de setembro de 2005 (90 anos)
Gênero(s) Música atonal, dodecafonismo
Instrumento(s) Flauta
Modelos de instrumentos Transversal
Período em atividade 1935 - 2005
Gravadora(s) Funarte, Atração Fonográfica, Instituto Itaú Cultural[1]
Afiliação(ões) Membro honorário da Academia Brasileira de Música[2]

Hans-Joachim Koellreuter (Freiburg, 2 de setembro de 1915São Paulo, 13 de setembro de 2005) foi um compositor, professor e musicólogo brasileiro de origem alemã. Mudou-se para o Brasil em 1937 e tornou-se um dos nomes mais influentes na vida musical no país[2] .

Biografia[editar | editar código-fonte]

Koellreuter fez um curso de extensão com Paul Hindemith e foi fortemente influenciado pelo regente Hermann Scherchen, que o levou à música moderna.[3] Ainda jovem, já era conhecido e respeitado na Alemanha como flautista de concerto. Começava sua carreira de regente quando Adolf Hitler ascendeu ao poder. Ao ficar noivo de uma moça judia, desagradou sua família, que simpatizava com o nazismo e o denunciou à Gestapo. Exilou-se então no Brasil onde foi morar no Rio de Janeiro. Conheceu e ficou amigo de Heitor Villa-Lobos e Mário de Andrade. Em 1938 começou a ensinar música no Conservatório de Música do Rio de Janeiro.

Na década de 1940 ajudou a fundar a Orquestra Sinfônica Brasileira, onde foi primeiro flautista. Naturalizou-se brasileiro em 1948. Participou da fundação da Escola Livre de Música de São Paulo em 1952 e fundou a Escola de Música da Universidade Federal da Bahia, em Salvador (1954) no âmbito do projeto revolucionário de universidade do reitor Edgard Santos. Com o final da Segunda Guerra Mundial, pode voltar à Europa. Ganhou o prêmio Ford em 1962. A convite do Instituto Goethe, trabalhou na Alemanha, Itália e Índia, onde viveu entre 1965 e 1969. Neste país fundou a Escola de Música de Nova Deli. Esteve ainda em Sri Lanka, no Japão, Uruguai e Coreia do Sul.

Retornou ao Brasil em 1975. Fixou-se desta vez em São Paulo. Foi diretor do Conservatório Dramático e Musical de Tatuí, em São Paulo e professor visitante do Instituto de Estudos Avançados da USP. Em 1981 a cidade do Rio de Janeiro lhe oferece o título de cidadão carioca. Nos últimos anos de sua vida morou no centro da cidade de São Paulo, sofrendo do Mal de Alzheimer. Morreu no dia 13 de setembro de 2005 em consequência de uma pneumonia.

Seu acervo está preservado na Fundação Koellreutter, da Universidade Federal de São João del Rei[3] , doado por sua esposa, a meio-soprano alemã Margarita Schack.[4]

Koellreutter e o meio musical brasileiro[editar | editar código-fonte]

Koellreutter fundou em 1939 o grupo Música Viva. Teve entre seus alunos de composição Cláudio Santoro, Guerra Peixe, Eunice Katunda e Edino Krieger. Em 1948 tem inicio o processo de rompimento de Santoro e mais tarde de Guerra Peixe e Eunice Katunda com o antigo mestre, passando a criticá-lo.

O movimento Música Viva, dirigido por Koellreutter, estende-se de 1939 a 1950 e torna-se uma das referências mais dinâmicas e notáveis da música nova brasileira em sua época. Instala uma jovem e original escola de composição brasileira, 3 manifestos (1944, 45 e 46), séries de conferência, de audições públicas, publicação de boletins e uma série de emissão radiofônica, entre outras iniciativas.[5]

Em 1950 ocorreu a maior polêmica em que Koellreutter esteve envolvido, quando Camargo Guarnieri publicou a Carta Aberta aos Músicos e Críticos do Brasil, criticando-o indiretamente, bem como sua pedagogia musical.[6]

Além das técnicas tradicionais europeias, Koellreutter incorporou outras influências dos locais onde esteve. Na Índia, tomou conhecimento da música microtonal, que utilizou em várias de suas composições. Também soube misturar a tecnologia eletrônica, o serialismo e a harmonia acústica aprendida com Paul Hindemith às influencias da música brasileira, criando um estilo de composição próprio.

No Japão conheceu o zen-budismo e na Índia o hinduísmo, que o influenciaram na criação daquilo que dizia ser uma "estética do impreciso e do paradoxal"[nota 1].

Diagrama K (Wu-li) de Koellreutter (1990). Os algarismos ao lado das linhas de trajeto referem-se à duração das trajetórias de silêncio, pausa ou som em unidades de tempo. As entradas dos instrumentos ou vozes ocorrem a critério dos intérpretes; da mesma forma densidade ou rarefação da polifonia. Os sons de altura definida ou indefinida obedecem à tessitura dos instrumentos ou vozes respectivos, subdividida em sons graves, médios ou agudos.[7]

Diagrama K (Wu-li)[editar | editar código-fonte]

Wu-li é uma música experimental centrada na atuação do artista. É um ensaio, não uma obra musical.[8] O Wu-li é uma composição planimétrica, ou seja, uma maneira específica de ordenar música estruturalista, em que unidades estruturais ou gestaltes substituem melodia, harmonia, tempos fortes e fracos, temas e desenvolvimento. É a realização de um plano temporal (fundo), tomado isoladamente ou em relação a outros, pelo levantamento de ocorrências sonoras e musicais. A ideia se relaciona com a estética relativista do impreciso e paradoxal proposta por Koellreuter.[8]

Como professor[editar | editar código-fonte]

Além de compositor, regente e flautista, Hans-Joachim Koellreutter foi antes de tudo um professor. Em 1941, contratado pelos pais de Tom Jobim, começou a lecionar piano e harmonia para o futuro criador da Bossa Nova que só tinha 13 anos. Foi seu primeiro professor de música. Além de Jobim, Koellreutter ensinou e influenciou, durante toda sua vida, uma legião de músicos populares e eruditos. Entre eles: Djalma Corrêa, Caetano Veloso, Tom Zé, Moacir Santos[9] , Gilberto Mendes, Marlos Nobre, Tim Rescala[10] , Clara Sverner, Denis Mandarino[11] , Gilberto Tinetti, Marcelo Bratke, Nelson Ayres, Paulo Moura, Jayme Amatnecks, José Miguel Wisnik, Diogo Pacheco, Júlio Medaglia, Isaac Karabtchevsky, David Machado, Carlos Eduardo Prates, Nico Nicolaiewsky, Haroldo Mauro Jr.[12] , Roberto Sion, Carlos Alberto Pinto Fonseca, Afrânio Lacerda, Janete El Haouli, Teca Alencar de Brito[13] , José Roberto Branco - Maestro Branco e Severino Filho (Os Cariocas).

Koellreuter sendo homenageado no Instituto de Estudos Avançados da Universidade de São Paulo em 1997.

Koellreutter começou sua ligação com o meio musical mineiro participando das primeiras edições do Festival de Inverno de Ouro Preto, promovidos inicialmente pela Fundação de Educação Artística de Belo Horizonte e depois em conjunto com a Universidade Federal de Minas Gerais. Durante as décadas seguintes, eram frequentes seus cursos na capital mineira, abarcando a composição, a regência, a harmonia funcional, o contraponto palestriniano, a filosofia e música indiana e japonesa, entre outros temas. Inicialmente na Fundação de Educação Artística, tais relações acabaram por tornar Koellreutter professor convidado da Escola de Música da Universidade Federal de Minas Gerais, quando, além de ministrar aulas de composição, harmonia e contraponto, coordenou também o Centro de Música Contemporânea. Nesse longo tempo foi professor de inúmeros músicos, educadores e compositores, nomes como os de Nélson Salomé, Lukas d' Oro, João Francisco de Paula Gelape, Sérgio Canedo, Marden Maluf, Dino Nugent Cole, Rogério Vasconcellos Barbosa, Eduardo Ribeiro, Guilherme Paoliello, Rubner de Abreu, Lina Márcia, Betânia Parizzi, Joâo Gabriel Fonseca, Virginia Bernardes, entre tantos outros. Importantes contatos didáticos, educacionais e musicais são consequência desse envolvimento e ligam Koellreutter também a Rufo Herrera, Berenice Menegale, Eládio Perez Gonzalez.

O segredo de tamanha variedade foi seu método, que se baseava na liberdade de expressão e na busca da identidade de cada aluno. Incentivava a liberdade de pensamento e a necessidade de cada aluno buscar seu próprio caminho. Em uma entrevista concedida ao jornal Folha de São Paulo, explicou seu método da seguinte maneira:

"Aprendo com o aluno o que ensinar. São três preceitos:
  • 1) não há valores absolutos, só relativos;
  • 2) não há coisa errada em arte; o importante é inventar o novo;
  • 3) não acredite em nada que o professor disser, em nada que você ler e em nada que você pensar; pergunte sempre o por quê."[2]

Notas[editar | editar código-fonte]

[nota 1] ^ Koellreutter ministrou em 1987 o curso Estética Relativista do Impreciso e do Paradoxal, na Escola de Comunicação e Artes da Universidade de São Paulo, na condição de professor visitante do Instituto de Estudos Avançados (IEA). [2]

Livros publicados[editar | editar código-fonte]

  • Harmonia Funcional (Jazz Harmonia)[2] [14]
  • Terminologia de uma Nova Estética da Música[14]
  • À Procura de um Mundo sem Visávis [14]
  • Nocturnos[14]
  • Estética[14]

Homenagens[editar | editar código-fonte]

Em vida, Keollreutter teve seu trabalho reconhecido e recebeu inúmeras homenagens:[2]

Referências

  1. Disco comemorativo dos 70º aniversário de Koellreutter, Discos do Brasil, página visitada em 5 de junho de 2012.
  2. a b c d e f Folha Online (14 de setembro de 2005). Professor de Tom Jobim, maestro Koellreutter morre aos 90. Página visitada em 5 de junho de 2012.
  3. a b Fernando Ximenes. Enciclopédia Músicos do Brasil. Página visitada em 6 de junho de 2012.
  4. Lucas Tavares (2 de janeiro de 2008). Ópera Café resgata o drama dos estivadores. Página visitada em 6 de junho de 2012.
  5. Para maiores detalhes ver: Kater, C. Musica Viva e Koellreutter, movimentos em direção à modernidade. SP: Atravez/Ed.Musa, 2001.
  6. André Egg, A Carta Aberta de Carmargo Guarnieri, Revista científica, FAP, Curitiba, v.1 (2006), página visitada em 12 de outubro de 2013.
  7. Irene Toourinho (1999). Encontros com Koellreutter: sobre suas histórias e seus mundos. Página visitada em 6 de junho de 2012.
  8. a b Advanced Studies (Scielo) (em português). Página visitada em 27 de março de 2012.
  9. Moacir Santos, Dicionário Cravo Albin, visitado em 3 de janeiro de 2012.
  10. Tim Rescala, Dicionário Cravo Albin, visitado em 3 de janeiro de 2012.
  11. Denis Mandarino, Dicionário Cravo Albin, visitado em 3 de janeiro de 2012.
  12. Haroldo Mauro Jr., visitado em 27 de janeiro de 2013.
  13. Brito, Teca Alencar de. Koellreutter educador Google Books. Página visitada em 18 de Julho de 2012.
  14. a b c d e Livros seminovos e usados. Página visitada em 5 de junho de 2012.

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

  • Egg, André. O debate no campo do nacionalismo musical no Brasil dos anos 1940 e 1950: o compositor Guerra Peixe. Dissertação de Mestrado em História, UFPR, 2004.[1]
  • Kater, Carlos. Música Viva e H. J. Koellreutter. Movimentos em direção à modernidade. São Paulo: Musa/Atravez, 2001.
  • Kater, Carlos. Catálogo de obras de H.J.Koellreutter. BH: FEA/FAPEMIG, 1997.

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Wikiquote
O Wikiquote possui citações de ou sobre: Hans-Joachim Koellreutter
Commons
O Commons possui imagens e outras mídias sobre Hans-Joachim Koellreutter