Hans-Ulrich Wehler

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
NoFonti.svg
Este artigo ou se(c)ção cita uma ou mais fontes fiáveis e independentes, mas ela(s) não cobre(m) todo o texto (desde março de 2014).
Por favor, melhore este artigo providenciando mais fontes fiáveis e independentes e inserindo-as em notas de rodapé ou no corpo do texto, conforme o livro de estilo.
Encontre fontes: Googlenotícias, livros, acadêmicoYahoo!Bing. Veja como referenciar e citar as fontes.

Hans-Ulrich Wehler (Freudenberg, 11 de setembro de 1931) é um historiador alemão, conhecido por ser um dos principais representantes da Escola de Bielefeld e por seus estudos sobre sociedade alemã dos séculos XIX e XX.

Wehler estudou história, sociologia e economia nas universidades de Colônia e Bonn. Durante a sua graduação, patrocinado por uma bolsa do Programa Fulbright, estudou também na Universidade do Ohio, em Athens. Doutorou-se em 1960, na Universidade de Colônia, sob a supervisão de Theodor Schieder, com um trabalho intitulado Social-democracia e o estado nacional (1840-1914) (Sozialdemokratie und Nationalstaat, 1840–1914).

Hans-Ulrich Wehler autografa um de seus livros

De 1971 a 1996, foi o titular da cadeira de História geral na Universidade de Bielefeld, a qual havia sido criada pouco tempo antes, em 1969. Ao lado do seu antigo colega Jürgen Kocka, Wehler é um dos principais nomes associados à chamada Escola de Bielefeld, corrente historiográfica na Alemanha contemporânea, que defende o estudo da história que emprega métodos quantitativos e da ciência política, a partir da perspectiva de seu desenvolvimento social, e não por meio da ênfase nos líderes ou personalidades, característica de correntes convencionais, mas diferenciando-se também da abordagem mais antropológica da [[história cultural].

A sua maior obra é a História da sociedade alemã (Deutsche Gesellschaftsgeschichte), composta de cinco volumes, publicados entre 1987 e 2008: o primeiro cobre o período entre 1700 e 1815; o segundo compreende o período de 1815 a 1849; o terceiro aborda a história alemã do ano de 1849 a 1914; o quarto, de 1914 a 1949; o quinto e último vai de 1949 a 1990.

Apesar de ser considerado um especialista nos séculos XIX e XX, Wehler também tornou-se um pensador da história contemporânea, sendo crítico ao fundamentalismo islâmico, considerado por ele um principais males do século XIX[1] .

Referências

  1. Wehler: fundamentalismo islâmico é a peste do século XXI G1 - Globo Online (28/09/2006). Página visitada em 30 de Março de 2014.

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

  • Peter Burke, BURKE, Peter. O que é história cultural? Zahar, RJ. 2008.